quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Top 5 - Simpsons Dia das Bruxas

Hoje, dia 31 de outubro, é o Halloween, popularmente conhecido como o Dia das Bruxas. Embora seja muito mais difundido nos EUA, com crianças se fantasiando de fantasmas, monstros e ouras criaturas para bater nas portas dos vizinhos pedindo doces, em certo ponto aqui no Brasil ainda existe uma pequena influência disso, principalmente nos cursos de inglês e em boates que fazem festas com esse tema, apenas para atrair a clientela.

E também nessa época aparecem aqueles animais do MV-Brasil, espalhando pela cidade aqueles cartazes já manjados... Mais uma desses pseudo-patriotas que odeiam os EUA e tudo que vem de lá, pregando que o Halloween é uma tentativa dos americanos de dominar os países do mundo. Como já disse, o mais fantástico disso tudo é que esses cretinos fascistas que ficam aí com esse patriotismo exacerbado devem calçar tênis da Nike, usar um iPhone e lanchar no McDonald's...

Deixando de lado esses vagabundos, nessa época do ano podemos esperar também algo que já é quase uma tradição: o episódio especial de Dia das Bruxas dos Simpsons. Todo ano os produtores da série animada mais famosa de todos os tempos deixam a criatividade rolar solta para bolar esses episódios doidos. São sempre três historinhas curtas, muitas vezes baseadas em livros e filmes, o que dá uma certa liberdade para os roteiristas "chutarem o balde" e colocar a família amarela nas situações mais absurdas possíveis! E o melhor: funciona que é uma beleza!

Foram tantas histórias boas, engraçadas a ponto de molharmos as nossas calças de tanto rir, que seria injusto dizer que esse ou aquele episódio foi melhor. Mas vou tentar, colocando aqui a lista das minhas cinco histórias do Dia das Bruxas dos Simpsons preferidas. Dessa vez, preferi não colocar uma ordem de preferência, pois todas as cinco são hilárias, então vamos seguindo a ordem cronológica das histórias.

Clown Without Pity - Treehouse of Horror III

Essa era uma história genial, onde Homer esquece de comprar um presente de aniversário para Bart, e acaba arrumando um boneco do Krusty em uma loja de artigos ocultos. E acaba que o brinquedo tem vida própria, tentando matar Homer. Tudo isso por que alguém havia colocado uma chavinha na posição "Evil". Sátira clara dos filmes da série do Chucky.


É de morrer de rir, em especial a cena da loja, onde tem um velhinho que parece fugido do filme Gremilins, e que além de vender artigos ocultos também vendia iogurte congelado, também chamado de gelogurte! Sensacional o diálogo entre eles, que faço questão de reproduzir.


Velhinho: "Pegue este objeto. Mas cuidado, ele leva uma terrível maldição."
Homer: "Ah, isso é mal."
Velhinho: "Mas vem com gelogurte grátis!"
Homer: "Ah, isso é bom!"
Velhinho: "O gelogurte também é maldito."
Homer: "Ah, isso é mal."
Velhinho: "Mas pode escolher a tampa."
Homer: "Ah, isso é bom!"
Velhinho: "As tampas contém benzonato de potássio, e isso é mal."
Homer: "..."
Velhinho: "Muito mal."


Time and Punishment - Treehouse of Horror V

Viagens do tempo são sempre hilárias, e quando se trata do Homer voltando na época dos dinossauros, depois de um bizarro reparo em uma torradeira, é sensacional. Apesar dele se lembrar do conselho que se pai lhe deu no dia do seu casamento (de se um dia ele voltasse no tempo, deveria evitar fazer qualquer coisa que pudesse afetar o presente), Homer acaba sempre fazendo alguma lambança, como matar um mosquito, sentar em cima de um bicho ou espirrar na cara de um tiranossauro a ponto de provocar a extinção deles.


Logicamente, ele acaba voltando ao presente, encontrando uma realidade alterada, cada uma mais bizarra do que a outra, como uma onde Flanders se tornava o líder do mundo. Mas a melhor é uma realidade que parece ser a mais maravilhosa de todas. E que vale reproduzir o diálogo:

Homer (ao ver a família diferente, toda rica): "Não... quer dizer, oi..."
Bart: "Bom dia, papai querido! Espero que esteja bem."
Lisa: "Vamos levar o novo ritual (?) para o enterro da tia Patty e a tia Selma?"
Homer: "Hmm... Casa fantástica, filhos comportados, cunhadas falecidas, um carro de luxo. Woohoo! Tirei a sorte grande! Marge, querida... Quer me passar uma rosquinha?"
Marge: "Rosquinha? O que é isso?"
Homer: "NÃÃÃÃ... NÃÃÃÃÃOOOOO!!!" e ele sai correndo para voltar no tempo de novo
Marge "Ah, está chovendo de novo..."



Homer³ - Treehouse of Horror VI

Esse é outro hilário... Na tentativa de se esconder da visita de Patty e Selma, Homer acaba atravessando um portal que o leva para um mundo estranho, segundo ele parecido com o filme Tron. E o mais bizarro, é que ele aparece em 3D!


Sem dúvida é muito legal ver o Homer como uma animação tridimensional, e todas as piadinhas relacionando esse universo paralelo com a realidade bidimensional deles. No final, Homer acaba como sempre fazendo alguma lambança e destrói esse universo psicodélico, indo parar em nossa realidade, para visitar uma loja de bolos eróticos.

E vale transcrever mais um diálogo sensacional desse episódio:

Lisa: "Bem, onde está papai?"
Prof. Frink: "Bom, deve ser óbvio ao mais comum dos mortais que eu possuo alto grau de topologia hiperbólica que Homer Simpson deu de cara... com a terceira dimensão!"
(as luzes se apagam, porque Lisa esbarra num interruptor)
Lisa: "Desculpe!"
Prof. Frink: "Isto aqui é um quadrado normal..."
Chefe Wiggum: "Calma, calma! Devagar, cientista!"
Prof. Frink: "Mas suponham que a gente estenda o quadrado além das duas dimensões de nosso universo, ao longo deste hipotético eixo Z..."
Todos: "Ah!"
Prof. Frink: "Isto forma um objeto tridimensional conhecido como cubo, ou frinkaedro, em homenagem à minha descoberta."



The Homega Man - Treehouse of Horror VIII

Percebe que praticamente todos os episódios são centrados no Homer, certo? E não é à toa, pois ele certamente rende as histórias mais engraçadas. Nessa daqui, claramente baseada no filme A Última Esperança da Terra. Aqui, depois de uma rixa com os franceses, Springfield é destruída por uma bomba atômica, e somente Homer escapa, por estar em um abrigo anti-bombas comendo a comida enlatada.

Apesar de em um primeiro momento ele ficar desesperado por ter perdido Marge, Bart, Lisa e tantas outras coisas (aqui se incluindo a Maggie e a TV), ele decide então aproveitar. Com direito a ir em um cinema, repleto de cadáveres.


Mas a melhor é a hora que ele dança pelado na igreja.



Acaba que então ele descobre que algumas pessoas sobreviveram, mas se tornaram zumbis que tentam comer seu cérebro. E ele acaba descobrindo que sua família está viva, devido às extremas quantidades de chumbo presentes na tinta da parede. Episódio simples, engraçado. E com um detalhe hilário do hipopótamo promovido à detetive.



Send in The Clones - Treehouse of Horror XIII

Esse é um dos mais engraçado, e começa com Homer comprando uma rede, que segundo o vendedor, é mágica. E logo ele descobre o poder dela: após dar algumas voltas, ela gera um clone dele mesmo. Um clone perfeito, só que sem o umbigo... Bem, não tão perfeito, pois os clones conseguem ser mais burros que o Homer. E ele não é bobo nem nada, e começa a usar os clones ao seu próprio benefício, mandando-os fazer as tarefas de casa.


Tem umas cenas muito hilárias... Como quando o primeiro clone morre eletrocutado, e Homer cria mais um clone para jogar o corpo no quintal do Flanders. Ou então a única cena onde Homer consegue ser mais inteligente do que alguém:

Homer: "Hehehe... Seriam necessários três clones para derrotar o Homer original."
3 clones: "Humm... É mesmo?"
Homer: "Ah, eu quis dizer quatro."
3 clones: "Oh..."


Também tem a hora que Homer tenta se livrar dos clones, e eles acabam se reproduzindo. Só que clones de clones acabam sendo mal-feitos, aí temos Homers de diversos tipos, incluindo um Homer gordão, outro igualzinho à primeira versão e até mesmo um Peter Griffin!


Muito engraçado mesmo. Esses episódios do Dia das Bruxas são uns dos melhores, engraçados pacas!

domingo, 28 de outubro de 2012

Polícia, sempre errada

Vejam essa matéria bem recente, que pode ser vista aqui no site do UOL. Faço questão de reproduzir a matéria inteira e a foto que acompanha a matéria, para explicar melhor meu ponto de vista.



Na última quarta-feira (24) um policial militar entrou sem autorização em uma sala de aula do ensino fundamental do CEU Parque Bristol, na zona sul de São Paulo, para repreender alunos que estariam chamando os policiais de “coxinha” pela janela.

Uma foto do momento da ação foi divulgada no Facebook e compartilhada por mais de 1.600 pessoas, até a publicação da matéria, seguida por comentários que afirmam que o policial teria ameaçado e coagido os alunos.

O perfil das Mães de Maio publicou o seguinte relato no Facebook sobre a foto: "... as crianças mexeram com eles pela janela chamando-os de ‘coxinha’. Isso foi o suficiente para eles invadirem a escola, entrarem nessa sala de oitava série e cometer atrocidades como ameaças de morte, coação, engatilhar armas, humilhá-los, chamá-los de marginais, enfim...atitudes dignas de homens ‘corajosos’. Esse é nosso pais. Essa escola é municipal. CEU EMEF Parque Bristol".

A Secretaria Municipal de Educação confirma que o policial entrou na escola para repreender os estudantes sem pedir autorização e diz que comunicou o fato à SSP (Secretaria de Segurança Pública do Estado) e também afirma que a gestora da unidade entrou em contato com o 46º Batalhão da Polícia Militar logo após o ocorrido.

Segundo o centro de comunicação social da PM, “o secretário Antonio Ferreira Pinto determinou que a ocorrência seja rigorosamente investigada pela Corregedoria da Polícia Militar”. A nota também afirma que “a SSP não tolera abusos de policiais e, se confirmadas as denúncias, eles serão afastados e punidos”.

Vamos começar pelo começo. Afinal de contas, o que diabos é "coxinha"? 

Não, não deve ser aquele famoso salgado de padaria, mas pelo que parece é um xingamento típico dos paulistas, comprovando mais uma vez que a turma de SP tem umas idéias toscas. Coxinha é o termo usado para sacanear aquele sujeito que se arruma todo, quase como um mauricinho todo engomado.

Então, vamos repassar os fatos: alguns alunos estava chamando da janela da sala de aula, os policiais de "coxinha". Aí os policiais vão lá para dar uma bronca nos alunos.

Alguém aqui acha que os policiais estavam errados? Tem mais é que dar esporro sim!

Começa com o seguinte, os alunos estavam na janela? Não duvido nada que eles deviam estar ali bundeando, sem prestar atenção na aula, e mexendo com as pessoas nas ruas. Sério, sei que vai soar preconceituoso, mas cansei de ver alunos de escola pública, vindos de famílias mais pobres e cujos pais não ligam muito para disciplina, que fazem baderna nas escolas e nas ruas. Muitas vezes no ônibus, voltando do trabalho, via alunos, moleques de menos de 15 anos, fazendo algazarra, mexendo com as mulheres nas ruas e etc, logo não duvido que tenha ocorrido algo parecido.

Mas vou dar aos alunos o benefício da dúvida... Talvez eles estivessem no intervalo, e não estivessem na janela durante a aula.

Só que eles estavam redondamente errados de ficar xingando o policial. Isso não é coisa que se faça, isso tem um nome, que é desacato à autoridade. Experimenta chegar na rua e chamar um guarda de viado pra ver o que acontece. Então, não me restam dúvidas de quem causou o problema todo foram esses alunos, esses "di menor" que acham que podem fazer qualquer coisa.

Aí então é que vem toda aquela ação midiática para construir a notícia de acordo com os interesses. O policial estava na sala repreendendo os alunos, chamando a atenção dos mesmos. Na minha opinião, dando um pouco de educação, que essas crianças deveriam receber em casa. Mas aí aumentam a dimensão de tudo, como se o policial tivesse agredido os alunos. É só ver nesse site aqui, que fala da mesma notícia, mas que muda completamente os fatos, dizendo até que o policial apontou a arma para os alunos.

E o mais hilário de tudo é aparecer esse movimento Mães de Maio, movimento que luta contra a violência policial (mas que certamente se cala diante da violência dos bandidos), dizer que o policial apontou arma, ameaçou os alunos de morte e por aí vai. Na cabeça delas, quem causou o problema foram os policiais, ela parece desprezar o fato de que os alunos os xingaram.

Sabe, essa é uma das coisas que mais me emputece com a sociedade, o que me dá vontade de fazer as minhas malas e me mudar pro mato, me isolar do mundo. Cada vez mais existe essa visão bitolada de que a polícia é inimiga do povo, os policiais são sempre hostilizados e vistos como a corja da sociedade, enquanto que os verdadeiros marginais estão por aí, matando as pessoas, executando policiais. Esses bandidos, ninguém fala nada.

É por isso que gosto muito dos filmes do Tropa de Elite. No primeiro, tem aquela cena na faculdade, onde os alunos moradores do Leblon e Ipanema ficam falando que a polícia é corrupta, que na favela só tem gente de bem. Lembra da patricinha que reclamava da blitz, alegando que os policiais eram violentos? Lembra daquela frase daquele babaquinha da ONG, namorado da garota, dizendo que o pessoal do morro tem consciência social? Você se lembra do fim dos dois, não lembra?

 
Não duvido que existem policiais corruptos na polícia, sabemos bem da realidade da corporação. Mas a instituição da polícia está aí para servir ao povo. Diferente dos traficantes, bandidos e outros marginais, que são os inimigos da sociedade, que promovem crimes que destroem famílias. Esses sim é que tem que ser detidos, tem que ser presos. Muitos deles, na minha opinião, executados mesmo, pena de morte.

Mas a sociedade, em especial os favelados, esquerdistas e simpatizantes de movimentos sociais como Viva Rio, tem uma visual distorcida de colocar a força policial como inimiga. É tão fácil criticar a polícia, dizer que houve excessos  por parte dos guardas, pedir a prisão daqueles que "abusaram do poder". Sempre culpam a polícia, mesmo que se tenha passado poucas horas depois do crime. Agora, quero ver é ter culhão pra mandar prender o chefão do morro.

Por exemplo, tem uma troca de tiros entre policiais e bandidos, e morre um inocente, vítima de bala perdida. Pra que chamar o CSI? Os favelados já sabem com toda a certeza de que sempre que morrer uma pessoa inocente em um conflito armado na comunidade, sempre a bala vem da arma de um policial. Já alegam isso antes mesmo do cadáver ficar frio. Na cabeça deles, nunca vai ocorrer de um safado dum bandido matar uma pessoa inocente. Só quem mata inocente é policial, na cabeça bitolada desses cretinos.

Sério, se eu sou da polícia, largaria a merda rolar solta. Apareceu alguma "cumunidade" onde o crime está alto? Deixa correr solto, que os favelados vão lá falar com os traficantes. Afinal de contas, eles não são sempre os bonzinhos? 

Esse episódio mostra mesmo os rumos que o Brasil está tomando, como que os vagabundos são mesmo protegidos. Se aqui fosse um país sério, esses alunos teriam no mínimo sido suspensos, seus pais seriam chamados na direção e na delegacia para dar satisfações. E se eles tivessem um mínimo de bom senso, iriam dar uma chamada de atenção nos seus filhos, seja botando de castigo no fim de semana inteiro, seja educando na base do chinelo ou do cinto. E ainda obrigaria aos moleques chegarem, diante de todos os demais alunos, professores e funcionários, e pedirem desculpas para o policial. Só assim mesmo, sofrendo as consequências de seus atos, passando essa vergonha, é que esses pivetes iriam aprender a nunca mais fazer uma dessas. Não quer aprender por bem, aprende por mal.

Mas, como que aqui é o Brasil-il-il... Vai ficar por isso mesmo. O policial será julgado, podendo ser expulso da polícia, enquanto que os moleques vão continuar aí numa boa, achando que podem mexer com os outros e nada vai acontecer. Vão crescer e, na melhor das hipóteses, vão se tornar cidadãos incapazes de respeitar as leis e o próximo, exemplos de compreensão e respeito pelos semelhantes.

É... estamos f...

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Programinha sem noção

Hoje em dia é a febre dos smartphones, sabemos bem disso. É iPhone pra cá, Samsung pra lá, iPad, tablet, Blackberry e por aí vai. Aparelhos que estão deixando cada vez mais oitavo plano a função de ligar e receber ligações, já que mesmo os celulares mais bundas possuem câmera, internet e a possibilidade de se instalar uma diversidade de aplicativos, que vão desde a programas realmente úteis para o dia-a-dia pessoal e profissional até joguinhos para passar o tempo.

E muitos aplicativos que sem sombra de dúvida são só pra zoação. Como aqueles que fazem pensar que seu aparelho está quebrado, ou aqueles que simulam um copo de cerveja. Nessas de usar os smartphones para piadas e brincadeiras, desenterraram até o Sérgio Mallandro.


É, sabia que lá no final dos anos 80 tinha uma revista em quadrinhos do Sérgio Mallandro? Yeah Yeah!

Mas para cada aplicativo engraçado e divertido, você consegue encontrar uns oitenta que são uma boa duma bosta. E um dos tipos de programas que acho mais estúpido, sem-graça e idiotas são os malditos programas de edição de imagem.

Não estou me referindo àqueles que se propõem a fazer fotos estilosas, como Instagram, embora acho que esses também não estão dentre os meus favoritos. Estou falando daqueles que as pessoas usam para pegar as fotos de seus amigos e fazer brincadeiras. Tem uma empresa que se especializou nisso, e lançou uma série de programas desse tipo e nada mais. Me pergunto como esses putos não morreram de fome, pois essas merdas não valem um centavo.


Eles tem todos os tipos... O primeiro é usado para tornar as pessoas gordas, depois tem um que deixa a foto com uma aparência de velho, o seguinte parece trocar a cor da pele (e que deve render boas desculpas para processos por discriminação racial), depois vem um que deixa a pessoa careca, e por fim um que se propõe a torná-la feia.

Sério... Qual é a pôrra da graça de ficar pegando fotos de pessoas e tornado-as gordas, velhas, negras, carecas ou feias? Coisa escrota! 


Tinham que banir esse tipo de programa, que não agrega em nada para a sociedade. Pombas, um jogo pode ser apenas um passatempo, mas pelo menos é divertido. Sem falar que os produtores deixam bem claro que ser gordo, velho, negro, careca e/ou feio é motivo de ser zoado. Puta duma discriminação, essa é a verdade.

Engraçado como me emputeci com isso. Deve ser por que eu me enquadro em algumas dessas categorias zoadas pelo programa, a começar por ser mais feio que se lá o que.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Mapa peitoral

Que tal uma aula de geografia? Sim, já imagino que você está pensando "aí tem alguma pegadinha...", pois certamente uma das coisas que menos temos aqui são posts educativos. E você acertou, tem uma piadinha estúpida (e já adianto, um pouco chauvinista) oculta nessa brincadeira.

É só dar uma olhada no mapa abaixo. Sugiro clicar na imagem para ampliar, ou acessar diretamente nesse link.


Com direito a um zoom na região da Europa, que está cheia de países pequenininhos.


Sim, é isso mesmo que você viu... É um mapa mostrando a distribuição do tamanho médio de seios das mulheres do mundo todo! Ou seja, mostrando em que países do globo que as mulheres possuem os maiores peitos.

Confesso que já fico meio confuso quanto a essa definição de A, B, C e assim por diante. Na verdade, sei que é uma ordem crescente, logo a mulher cujos peitos se enquadram na categoria C são mais bem dotadas, por assim dizer, do que suas colegas que ficam na categoria A. E assim vai indo, quando mais avançada no alfabeto a letra, podemos dizer que maiores são os seios da mulher. Pelo que parece, o limite "normal" vai até a letra D mesmo, acima disso só mesmo aquelas que exageram na dose do silicone ou que possuem uma genética extremamente favorável. Como a garota abaixo, a modelo Wendy Fiore, cujos magumbos (naturais) ficam na impressionante categoria K.


Puta merda! Pausa para recuperar o fôlego...

...

...

Mais um pouco...

...

OK, continuemos...

Mas, o que define essa divisão? É alguma medida de circunferência, de até onde eles chegam, ou mesmo por peso? Sei lá como é isso... Por exemplo, se formos pegar a Jennifer Love Hewitt, uma das atrizes que acho mais lindas na face da Terra, e que está prestes a estrear uma série onde ela faz uma mulher que trabalha em uma casa de massagens e que em certas ocasiões oferece um algo mais (parte de mim está se matando de vontade de ver essa série). 


Qual a classe que ela se encontra? Não faço idéia... E, confesso... pouco me importa! Se ela quiser, eu posso fazer uma medição na prática...

Cara, tem horas que me surpreendo mesmo... Deixo me levar pelos meus instintos mais primitivos e falo como um viking no cio...

Não sei baseado em quê esse mapa foi feito, não sei se existe algum tipo de estatística formal que os governos fazem para dizer qual o tamanho médio dos peitos de suas mulheres. Acho que vou até perguntar depois para algumas das minhas amigas se durante o Censo o entrevistador perguntava das medidas delas. E confesso que isso me faz pensar que outros tipos de estatísticas sacanas esse pessoal deve fazer.

Mas realmente o mapa parece ter a sua validade... Por exemplo, as áreas em verde são das mulheres com os menores peitos. Faz sentido... Na África, tudo bem, acredito que seja mais por uma questão mesmo de pobreza e falta de comida, mas por outro lado sabemos bem que as mulheres asiáticas normalmente são bem humildes nesse aspecto, sem muitas curvas...


Eu disse normalmente... Japonês, coreano, toda essa turma gosta de se "ocidentalizar", e o que tem hoje de garotas que botam silicone, colocam lentes azuis e pintam o cabelo de loiro é demais! Se bem que dizem que a garota acima, chamada Hitomi Tanaka, tem seios naturais (classificados como H).

Na categoria B, vão vários países do Oriente Médio, embora não faço idéia de como medem com todas aquelas túnicas e burkhas. A Península Ibérica também está nessa faixa, assim como as mexicanas e paraguaias. Claro, com exceção da Larissa Riquelme...

Uma curiosidade: outro país que se enquadra nessa classe é a Groelândia. Mas, puta merda... O que tem de bom lá na Groelândia? Sempre achei que aquilo fosse apenas uma mega duma ilha cheia de gelo, pinguim e urso polar.  

O Brasil se enquadra na categoria C, que podemos dizer que são as mulheres que têm os seios do tamanho ideal. Ou seja, nem muito pequenos a ponto de parecerem imperceptíveis, nem muito grandes a ponto de provocarem problemas de desequilíbrio. Ficam nessa categoria também as nossas hermanas argentinas e chilenas, canadenses, australianas, inglesas, francesas, italianas e algumas representantes do sempre fantástico Leste europeu, como romenas, polonesas e ucranianas...


Ah... As mulheres do Leste europeu... Em especial as ucranianas, como a belíssima atriz Olga Kurylenko, ... Sei lá, algo me diz que vou acabar casando com uma ucraniana...

Chegamos então na categoria D, que são as mulheres que possuem realmente duas armas de destruição em massa debaixo de seus pescoços, aquelas que possuem seios grandes e de dar inveja. Me surpreendeu saber que aqui perto, na Colômbia e Venezuela, a maioria das garotas se enquadra nessa classe. Acompanhadas, como já esperado, por países europeus como Alemanha, Holanda e República Tcheca. Esse último país altamente conhecido por ter como principal produto de exportação atrizes pornô.

Outro pais que fica nessa faixa são os EUA. Tá certo, lá é o paraíso das mulheres peitudas à la Baywatch... Mas não duvido que muito dessa estatística se deve ao fato da população americana ser muito fã da dieta do Big Mac.



E por fim chegamos aos países onde a maioria das mulheres possuem seios gigantescos, maiores que a tal categoria D. Países que para muitos podem ser chamados de paraíso, como toda a península escandinava, com Noruega, Finlândia e Suécia, além da Rússia, famosa por ter talvez a maior taxa de beldades por metro quadrado, como a ex-dançarina de patins no gelo Anna Semenovitch.


Bom, a verdade é que se eu estiver sem idéias sobre para onde viajar nas próximas férias, acho que pegar um avião para o norte da Europa e ver algumas loiras geladas...

sábado, 20 de outubro de 2012

Queda de popularidade

Algumas vezes eu tenho vontade de dar uma olhada nas estatísticas aqui do blog, para ver como está indo, como que vai a popularidade desse meu projeto sem fins lucrativos. Afinal de contas, ao contrário de muitos outros sites, eu não ganho um centavo por fazer isso daqui, só faço mesmo como distração e passa-tempo. Muitos diriam que é perda de tempo, que eu poderia estar usando as horas que dedico ao blog para coisas mais construtivas, como ler um livro, sair com os amigos ou mesmo ver um site de sacanagem, mas é difícil largar isso daqui.

Mas é curioso como parece que no último mês o público literalmente cagou pra isso aqui. Puxei as estatísticas desde os primórdios e fui agraciado com esse gráfico.


O que me surpreendeu foi a queda abissal que ocorreu no mês de setembro. Tudo bem que aqui não é lá essas coisas, mas desde de abril desse ano o site vinha mantendo uma média de 17 mil visitas mensais. Algo surpreendente que jamais imaginaria conquistar, que só ocorreu uma vez isolada, em outubro de 2010 (aquele pico de acessos sozinho no meio). Até isso me fez rever o que diabos eu tinha postado de tão espetacular nesse mês em particular, e achei ainda mais absurdo foi que naquele mês foram só 3 posts, não muito expressivos.

Ou será que a estatística estava se referindo a outubro de 2011? Sabe, esse controle de estatísticas do Blogger é uma bosta, para você ver que ele registra acessos no ano de 2008, antes mesmo de eu ter pensado em abrir esse blog. O curioso é que depois da estatística desse outubro de 2010 atípico, o gráfico já pula para novembro de 2011. Bom, mesmo sendo outubro de 2011, também não foi mais especial assim...

Mas, enfim... Esquecendo esse mês atípico, me surpreendi que depois de manter meses com uma boa taxa de visitação, no mês passado caiu para pouco mais de 8 mil visitas, praticamente metade. O que será que houve?

Foram oito posts nesse mês, tudo bem que eu não estava muito inspirado, mas houveram algumas postagens que eu esperava maior audiência. Fiz um puta esforço para escrever a respeito do Adventure, para os nostálgicos fãs do Atari, que só foi visto por 8 pessoas. Somente aquela postagem a respeito da briga entre Apple e Samsung passou dos 3 dígitos, chegando a quase 400 visualizações. E mesmo os posts apelativos, onde apelo para a beleza feminina, parecem não ter agradado aos constantes meladores de cueca de plantão: a lista das mais belas das Olimpíadas só teve 14 visitas, e aquela onde comentei da cena de topless da atriz Vanessa Giácomo na novela só teve 33 visitas...

Será que o pessoal já está ficando de saco cheio disso aqui? Será que eu fiz alguma postagem que foi interpretada como mais ofensiva? Será que o público caiu por causa da competição com a novela das 8? Será que não tem razão nenhuma?

Vamos ver... Se eu começar a perceber uma descendente aqui nas visitas, acho que deve ser um sinal para acabar com isso de vez...

domingo, 14 de outubro de 2012

Só as gordinhas podem?

Estava aqui vendo algumas postagens recentes, vendo inclusive os comentários que o pessoal vai deixando, em especial aqueles nas postagens polêmicas. Sei lá, às vezes fico pensando se não tenho uma ponta de masoquista, de gostar de falar sobre esses temas só para ver as pessoas mal-humoradas e agressivas virem aqui e criticarem a minha pobre pessoa.

A mais recente foi aquela em que eu tentei me explicar sobre aquilo que considerei uma grande putaria do site do Yahoo, que me coloca uma criatura que mais parece a bunda enrrugada de um elefante, uma pseudo-cantora inglesa que defende a beleza das mulheres acima do peso, embora ela na minha opinião já passou faz tempo desse nível de estar apenas acima do peso. Falei muito sobre essa onda de "politicamente correto", no qual se valorizam os corpos mais cheinhos das mulheres, só com intuito revanchista. Curiosamente, nessa postagem em particular não recebi nenhum comentário ofensivo; apenas no post original, é que veio uma desocupada que pediu a minha cabeça servida em um prato.

Enfim, não vim aqui para ficar falando de novo da questão de que tenho o direito de pensar o que quiser. Afinal de contas, ainda acredito que vivemos em uma sociedade livre, e acho absurdo essa idéia de que não podemos falar mal de certas coisas ou pessoas, para bancar o politicamente correto. Hoje em dia, não se pode falar nada contra homossexuais, contra negros ou idosos, dependendo você pode acabar indo em cana por isso.

Entenda o seguinte: não estou dizendo que sou a favor de opressão ou preconceito contra estes e outros tipos de pessoas. Sou totalmente contra o racismo, em todas as suas formas, como já falei aqui inúmeras vezes. Agora, acho que não é errado que a gente tenha uma opinião sobre um determinado assunto, como por exemplo o fato de que os gays e lésbicas exageram na falta de pudor nas ruas das cidades, o fato de que o governo e a sociedade promovem uma postura exageradamente assistencialista para ajudar os negros que acaba sendo ainda mais preconceituosa (como as políticas de cotas nas universidades) e o fato de que muitos idosos se protegem com o Estatuto do Idoso para assim poderem ser mal-educados e levar vantagem sem que ninguém possa fazer nada.

Depois dessa explicação, venho então finalmente falar do motivo da postagem, que é agora sobre o assunto mesmo dessa valorização da beleza das gordinhas, que era a verdadeira intenção daquela notícia famigerada do Yahoo, usando como exemplo, além da Moby Dick horrorosa, a cantora Adele, que está fazendo um grande sucesso ultimamente, embora na minha opinião esteja ficando mesmo para cantora de uma música só. Quando o site mencionava sobre ela estar indo contra os estereótipos, não estavam se referindo ao estilo musical, mas sim ao fato dela ser uma cantora que foge dos padrões Shakira, Jennifer Lopez e Pussycat Dolls, visivelmente mais cheinha que suas colegas de microfone...


Caraca, colegas de microfone... Soou tão pseudo-erótica essa frase, parece nome de filme pornô! Continuemos...

É interessante ver como é a sociedade... A mulher é uma boa cantora, não sou muito chegado no estilo da música dela, mas reconheço que a Adele tem uma bela voz e canta muito bem, sem dúvida trocentas vezes melhor do que certas cantoras como Maria Gadú e Zélia Duncan. Mas as pessoas parecem mais preocupadas em falar dos quilos extras que ela possui do que de sua música. É foda, cada vez mais o ramo musical vem se tornando mais e mais superficial, saber cantar bem e ter boas músicas vem lá quase no último lugar, depois do visual, estilo de roupa e escândalos fora dos palcos. Mas isso é assunto para outro post...

Para a grande sorte de Adele, o que vem acontecendo é que a sociedade em geral tem se tornado mais solidária às gordinhas. É o que se chama as mulheres "plus size", com seus corpos com mais carne e curvas mais acentuadas, e que recentemente vem recebendo a aprovação de todos, em detrimento não só da silhueta raquítica de certas modelos (que pessoalmente acho mesmo algo feio, que mais parece que estão doentes) mas também da beleza mais convencional das mulheres curvilíneas e em plena forma, admirada pela maioria dos homens.

E realmente, temos que dar o braço a torcer, pois muitas mulheres que se enquadram nessa categoria de plus-size são realmente bonitas, de fazer o queixo cair. Por exemplo, tem a tal da Christina Hendricks, que trabalha na série Mad Men, que nunca vi... Só mesmo sendo assim bem bonita para eu saber quem é sem nunca ter visto um episódio do seriado.


Cacetada! Continuemos...

Em todo caso, acho até válido que haja uma maior valorização desse tipo de beleza feminina. Na opinião deste solitário texugo, as mulheres de corpos esculturais que vemos em jornais e revistas são, embora agradáveis de se ver, muitas vezes somente isso, algo para ser visto e admirado apenas, com personalidades mais superficiais que uma folha de papel. Sem falar que na imensa maioria das vezes essas mulheres acabam priorizando ter esse tipo de corpo desejável e se esquecem de cuidar da mente e da personalidade: quando abrem a boca, sai tanta porcaria quanto de um cano de esgoto, e que agem de maneira convencida e metida. Sou muito mais uma mulher com alguns quilinhos a mais mas que seja uma boa pessoa e tenha personalidade.

Digo isso, mesmo sabendo que certamente vão aparecer pessoas aqui me chamando de hipócrita, devido às fotos de mulheres que de vez em quando aparecem aqui. Pombas, foto é uma coisa para ser vista mesmo, é para agradar aos olhos. Mas eu sei a diferença entre uma foto e uma pessoa de verdade, até porque nos dias de hoje as fotos sempre contam com algum Photoshop ou Instagram para melhorar a qualidade.

Mas o real motivo que me traz aqui é mais para levantar uma questão interessante. É evidente que existe hoje essa maior valorização pela mulher "plus-size"... Mas e quanto aos homens?

Sério, em nenhum momento vemos a sociedade dando espaço aos gordinhos, aos sujeitos com uma discreta pancinha de chopp, com pneus saltando fora da calça e que suam em excesso após o mínimo exercício físico. Todos são hostilizados, vistos como criaturas preguiçosas, fora de forma, desprezados e ignorados pelas mulheres... Apenas os sujeitos saradões, de braços musculosos e físico que os permite andar sem camisa sem se sentirem envergonhados é que são valorizados.

Falo isso por experiência própria. Sou um texugo que está brigando com a balança, que apesar de buscar uma alimentação saudável e fazer o maior esforço para fazer exercícios físicos preciso presenciar uma barriga um pouco avantajada toda hora que me olho no espelho. Sempre fui um pouco acima do peso, o que sempre me rendeu ao longo de minha vida situações desagradáveis e incômodas, como ter que encolher a barriga para passar por caminhos estreitos, sentar cuidadosamente na cadeira para que ela não fizesse nenhum barulho que pudesse evidenciar para as pessoas o meu peso acima da média e fazer de tudo para no futebol ficar no time "com camisa". E sei que por ter esse corpo menos atraente eu não sou objeto de desejo nem das mulheres com padrões mais baixos.

Agora é que pergunto por que é que não existe uma maior compreensão conosco, homens um pouco mais cheinhos, como há com as mulheres "plus-size"? Por que uma mulher um pouco acima do peso é algo a ser valorizado, é tido como algo belo e saudável, mas um homem um pouco acima do peso é visto com maus olhos, desprezado e ridicularizado pela sociedade, tido como um exemplo de preguiça, desleixo com a saúde e feiúra?


Pessoalmente, acho que trata-se de mais um exemplo da grande hipocrisia por parte das mulheres, cuja maioria tem esse péssimo costume de mesmo peso e duas medidas, de julgar que certas coisas devem valer apenas para elas e não para os homens. Sei que se até agora ninguém veio aqui me xingar, com esse comentário já posso garantir que chegam mais comentários me xingando...

Mas estou falando sério, permita-me explicar meu ponto de vista. Não resta dúvidas de que a sociedade é de uma forma geral extremamente superficial, a ponto de colocar a aparência física em primeiro lugar, à frente de outras coisas mais importantes do que ser uma boa pessoa, por exemplo. É só ver na mídia, sempre é a mulher de corpo escultural, seios grandes e cinturinha fina, sempre é o cara com expressão de galã, corpo sarado e músculos à mostra...

Acontece que nos últimos anos as mulheres vêm ganhando cada vez mais força para combater aquilo que elas consideram como atitudes que as oprimem. Já se foi o tempo em que se dizia que a mulher só serve pra ser dona-de-casa, por exemplo, hoje elas tem uma participação cada vez maior no mundo profissional (talvez não de forma 100% igualitária com os homens, mas certamente muito mais que anos atrás). Acho legal, acho justo que isso ocorra. As mulheres merecem sim o seu espaço na sociedade, sendo capazes de serem tão boas quanto os homens em diversas coisas. E até acho legal que elas busquem cada vez mais vencer essa idéia de que a mulher precisa ser uma Vênus do Milo para ser considerada bonita, de que a aparência não deva ser a única coisa a ser valorizada, e que mesmo uma gordinha pode se sentir bem consigo mesma e ser achada bonita.

Só que hoje em dia parece ser apenas válido quando as mulheres lutam por essas coisas. O mesmo não ocorre com os homens. Talvez por falta de motivação dos homens mesmo, mas também há uma parcela grande da sociedade que dita isso, que o cara gordinho no máximo pode ser um sujeito engraçado e cômico. Vide Jô Soares, George Costanza, Hurley do Lost, tantos outros.


Tanto que muitos fazem todo o possível para emagrecer. Vide o Faustão, por exemplo... A sociedade em geral aprovou, dizem que ele fez certo em perder peso, que está melhor assim, mesmo que agora pareça ridículo continuar chamando o sujeito de Faustão. Mas se é a Preta Gil que diz querer perder peso, aí vão dizer "ah, não precisa... Você é bonita assim, não se renda aos padrões superficiais impostos pela sociedade."

E isso se reflete até mesmo nos relacionamentos, na forma como as pessoas enxergam um casal que não compartilha do mesmo físico. Se um cara bonitão anda com uma gordinha, que lindo! Se uma garota sensual namora um gordinho, o que ela está pesando, ela pode arrumar coisa melhor. Se o cara termina com uma gordinha, ele é um filho da puta superficial. Se a garota termina com o gordinho, ela está tomando o rumo certo...


Não tem jeito... Ser gordinha pode... Ser gordinho não pode. Essa é a realidade que vivemos hoje. Acho que é melhor eu parar de ficar choramingando aqui e ir fazer um exercício.

sábado, 13 de outubro de 2012

Ícone bizarro

Estava vendo outro dia alguns aplicativos, quando me deparei com este daqui...


Sei lá, pode ser que eu esteja com a cuca suja... Mas será que fui só eu que achou que o logotipo mais parece uma bunda com duas nádegas sorridentes usando um fone de ouvido?

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Dança bizarra

Você certamente já ouviu falar do Gangnam Style... Sim, aquela música doida daquele coreano fumado, que se tornou um dos maiores sucessos da Internet nos últimos tempos. O seu vídeo no YouTube conseguiu a singular proeza de ter ser visto quase 360 milhões de acessos! Isso mesmo, quase 360 milhões.

O funkeiro asiático sem dúvida conseguiu chamar a atenção de todos, ainda mais com seu vídeo onde ele protagoniza uma dancinha pra lá de hilária em diferentes cantos da cidade, com direito a cenas de se molhar as calças como o molequinho dançando com ele...


... ou aquela hora onde ele faz aquela pose de safado ao olhar para as bundas retas das coreanas...


... ou a cena mais traumática já imaginada em um videoclipe. Sim, aquela hora bizarronha do elevador.


Cacete, essa deu calafrios! Pra limpar um pouco minha mente, vamos recorrer a japinha ruiva bonitinha que aparece também no vídeo.

 

Enfim, se você quiser saber mais detalhes sobre o vídeo, vale a pena dar uma olhada nesse link. Achei por acaso, a garota faz uma boa descrição de tudo.

Mas tem coisas piores do que o Gangnam Style, a verdade é essa. Se você quer ver uma verdadeira dança bizarra, dê só uma olhada nessa atrocidade, vinda diretamente das terras hindus.



Só digo uma coisa: puta que pariu, que bosta!

Cara, não sei o que é pior nesse vídeo: o George Michael indiano, a voz horrorosa da mulher ou as coreografias estúpidas.

domingo, 7 de outubro de 2012

Como conquistar o público

Eu não manjo de marketing e propaganda, mas eu sei que na hora de anunciar um produto ou serviço, o mais importante é conquistar e cativar o público. E vale tudo, até apelar para a sensibilidade que 9 entre 10 pessoas têm, mesmo que destas muitas se recusem a admitir.

E fui vítima de uma dessas, ao acessar a página do Photobucket, onde eu costumo arquivas algumas imagens do blog, em especial os gifs animados.

O site vem agora e disponibiliza um novo layout e interface. Algo que muitos usuários se recusam a aceitar, muitas pessoas são resistentes às mudanças, em especial quando estamos falando da cara de um site. É só ver a quantidade de pessoas que se emputeceram com o Facebook ter inventado o Timeline, não dando sequer a escolha para as pessoas que queriam manter o layout original.

Aí o Photobucket faz uma dessas...


Perceberam? Colocaram a foto de um cachorrinho com aquela carinha de pidão, com aqueles olhinhos lacrimejantes e aquela expressão de literalmente "cão sem dono". Vai ele aí de novo, mais de perto, e me diga se você resiste.


Confesse... Esse cachorrinho derrete até os mais machões... Difícil que uma pessoa não fique nem um pouco emocionada ao ver esse cãozinho. Tão simpático, que até tentei, em vão, encontrar uma foto melhor dele na Internet.


Realmente... disse isso antes e digo novamente... Estou ficando de coração mole

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Amor à distância


Realmente, acho que eu estou ficando de coração mole... A notícia de hoje veio do BOL. É uma história tão interessante que decidi colocar na íntegra.


Um dentista canadense viajou milhares de quilômetros na tentativa de achar uma irlandesa por quem se apaixonou após dois minutos de conversa, em uma iniciativa que chamou a atenção da imprensa de vários países e até de casas de aposta.

Sandy Crocker, que mora na cidade de Kelowna, no extremo oeste do Canadá, conta que se apaixonou por uma menina ruiva que conheceu no Condado de Clare, uma região no litoral da Irlanda.

"Eu estava viajando de férias no ano passado e foi no meu penúltimo dia antes de ir embora [que eu a conheci]", lembra Crocker.

"Eu tive um breve encontro com a irlandesa mais bonita que se pode imaginar." Mas, por temer demonstrar que estava muito interessado nela, ele acabou tendo uma conversa apenas breve com a menina em uma cafeteria.

"Eu fiquei a observando. Ela é aquele tipo de pessoa que parece ser muito atenciosa. Eu me levantei e pedi algumas orientações [sobre a cidade] e perguntei que horas eram. Talvez se eu tivesse a elogiado, dito que ela era incrível, eu teria resolvido tudo ali mesmo."

Ao voltar para o Canadá, mesmo tendo conhecido várias outras mulheres, ele não conseguia esquecer a irlandesa.

"Isso virou até piada. Toda vez que eu conhecia uma garota, meus amigos brincavam: 'ela não é a Ennistymon'", disse Cocker, que apelidou a ruiva com o nome da cidade irlandesa onde eles se conheceram, já que ele sequer sabe o seu nome.

Sandy Cocker contou a história a um casal irlandês que conheceu no Canadá. Eles o incentivaram a voltar a Irlanda, dizendo que todos no país entenderiam o seu motivo e o ajudariam na busca pela jovem. Agora, um ano depois daquele breve encontro, ele viajou quase 7.000 km e está de volta à Irlanda, percorrendo as cidades da região na esperança de topar com a ruiva novamente.

Ele voltou ao café onde eles se encontraram e colocou um anúncio na página de classificados do jornal local, Clare People.

Mas até agora, a busca foi em vão.

Em vez de achar a garota, ele acabou atraindo um turbilhão de repórteres, que começaram a noticiar a história do dentista apaixonado.

"Se eu a encontrasse agora, acho que eu começaria a rir sobre a maluquice que tudo isso se tornou", diz.

"A história saiu em tudo que é lugar na Irlanda e agora está aparecendo nos Estados Unidos e no Canadá. Está chamando a atenção mundial. Já tem casas de apostas calculando as probabilidades de eu a encontrar, ou especulando se ela já é casada ou não. E eu sequer sei o nome dela. Essa é o aspecto mais divertido e engraçado de tudo isso."

Ele já foi entrevistado por diversos meios de comunicação em todo o mundo, desde a televisão australiana ABC News ao site americano Huffington Post.

Mesmo que não encontre a irlandesa de seus sonhos, Cocker diz que já está feliz de ter tentado.

"Eu dei uma chance para a sorte", diz. "A maioria das pessoas ia apenas rir e esquecer. Mas eu voltarei para casa e, daqui a 50 anos, não vou ter me arrependido das poucas semanas que passei percorrendo a Irlanda, sendo um pouco tolo, tentando achar uma garota que achei que era linda.

Parece mesmo enredo de filme de Hollywood, não é mesmo?

Como disse, eu estou ficando mesmo um texugo meio mole ultimamente. Em outros tempos eu provavelmente iria fazer uma postagem dizendo que o cara é louco, que isso é um absurdo, me perguntando pra quê diabos o cara vai atravessar o Atlântico para tentar encontrar uma mulher que viu só por dois minutos. E aposto que a grande maioria dos leitores assíduos (se é que existem) devem pensar da mesma forma.

Mas eu sou agora um texugo mudado... Como já devo ter comentado em alguma postagem recente, ultimamente têm acontecido coisas que estão me dando uma outra visão da vida, que estão me dando uma esperança cada vez maior de que, finalmente, as coisas vão mudar na minha vida para melhor. Sim, tem uma mulher no meio dessa história... Sempre tem, não é mesmo? Não vou entrar em detalhes aqui, lógico. Pelo menos nesse momento. É algo que diria ser até meio louco, mas que tenho uma certeza grande de que vai dar certo.

Enfim, deixando de lado a minha vida pessoal, essa história do canadense é sem dúvida bem tocante. Muitos podem dizer que é loucura, como que o sujeito primeiro se apaixona por uma garota após conversar com ela dois minutos somente? Depois, de volta à sua terra natal, acaba não querendo sair com nenhuma outra garota, pensando sempre na irlandesa. E aí para coroar tudo, o sujeito viaja para lá só com a intenção de encontrá-la. Sem dúvida, não parece ser algo muito racional de se fazer.

Ainda mais considerando que é tudo meio vago... Afinal de contas, menina de vinte e poucos anos ruiva na Irlanda deve ser tão raro quanto ver um sujeito com a camisa do Flamengo em jornal policial. Como daquela vez que o Homer teve que encontrar o primo do Apu na Índia.


"O primo do Apu tem estatura média, pele escura, olhos castanhos e cabelo preto..."

Mas uma coisa a vida me ensinou: quando se trata de relacionamentos, de assuntos do coração, a razão vem em segundo plano. Quem já gostou pra valer de uma pessoa de verdade já fez algumas loucuras de amor. Nessas horas, não pensamos mesmo, e muitas vezes fazemos coisas absurdas, que em nossa sã consciência jamais faríamos. Claro que na maior parte das vezes, dá merda total... Mas tem aquelas vezes que dá certo...

Vou contar um exemplo de algo tolo que já fiz. Tem tempo, época de colégio, para você ver que esse texugo tem o seu lado romântico sim, e desde muito tempo. Tinha uma garota de quem eu gostava muito, não sei bem porque, já que ela não me dava muita bola, e tinha horas que até me sacaneava. Mas, como eu era um babaca, continuava caidinho por ela. E aí então decidi comprar um anel pra ela, para dar de presente de aniversário.

Sim, estupidez total. Mas algo natural para um moleque sonhador de menos de 18 anos...

Só que nessa época eu não tinha grana. Ao contrário de meus amigos, que ganhavam gordas mesadas para gastar com fliperama, CDs e revista de mulher pelada, minha verba era mais limitada. Aí então comecei a economizar: ia e voltava pra casa a pé em vez de pegar ônibus, comia o mínimo possível no lanche e cortei total minhas idas ao cinema. Não apenas consegui economizar uma grana para comprar o tal anel, como também fiquei magrinho naquela época. Aí no dia do aniversário dela, consegui me organizar para sair do colégio junto com ela. Dei o anel, ela fez aquela cara de "Heh...", e ficou por isso mesmo... Nem um beijinho no rosto de agradecimento.

Estupidez total da minha parte, ela deve ter jogado o anel no lixo, ou deu pra irmã, sei lá. Não adiantou de nada. Hoje fico pensando quantas Playboys eu podia ter comprado com o que eu gastei com aquele dinheiro.

Mas na hora não pensamos mesmo. Queremos fazer algo legal, algo grandioso e especial por aquela pessoa de quem gostamos tanto, mesmo quando aquela voz da nossa consciência nos diz que não vai dar certo, de que é uma loucura. E isso é o que vejo na situação desse cara. Loucura, talvez... Mas se o cara está apaixonado pela irlandesa ruivinha que ele diz, então não há limites.

E como ele mesmo diz, melhor dar uma chance para a sorte do que desistir logo de cara. Esse é meu lema nesse momento. Tantas pessoas se vêem diante de uma situação parecida, e acabam dando ouvidos à razão, desistindo mesmo antes de começar por julgar que é muita loucura fazer isso, que será difícil, que será impossível. E essas pessoas são aquelas que, daqui a alguns anos, vão olhar para o presente, e depois para o passado, e vão se arrepender de não terem arriscado mais.

Eu mesmo olho para meu passado e vejo as coisas que eu fiz e deixei de fazer por amor. Coisas que eu fiz e acabei quebrando a cara, me magoando profundamente, e coisas que eu preferi não arriscar em fazer, digamos que situações onde optei por "navegar em mares seguros". E sabe de uma coisa? Olho para trás hoje, e sinceramente não me arrependo das loucuras que fiz, e acabo lamentando por aquelas situações onde me acovardei e não segui as minhas emoções.

Minha teoria é que, mesmo naquelas situações onde você possa ter se machucado absurdamente, é possível ganhar um aprendizado. O que somos hoje depende de quem fomos ontem, e muitas vezes passar por essas situações complicadas, como ter o coração partido, ser sacaneado ou sair da história magoado, é algo necessário para nos tornarmos pessoas melhores.

Cara, estou mesmo filosófico hoje!

E mesmo a distância não deve ser tida como um obstáculo... E daí que o cara é do Canadá e ela da Irlanda? Muitas pessoas certamente devem estar torcendo o nariz para essa idéia, mas não tem nada demais. Será que as pessoas só podem se relacionar com alguém que vive na mesma cidade, ou no mesmo país? Quem garante que aquela pessoa que vai mexer com você como nenhuma outra, aquela pessoa de quem você sempre vai se lembrar com um sorriso no rosto, aquela pessoa que faz o seu coração bater mais forte, mora assim tão perto? Por que essa pessoa especial, aquela que podemos chamar de alma-gêmea, não pode estar vivendo em outra cidade, ou até mesmo em um outro país distante?


Tenho um conhecido que passou por isso. Como eu, ele sempre quebrou muito a cara, e nunca teve muita sorte com as mulheres. Hoje ele está casado, e está muito feliz. A esposa dele, para você ver, é de outro país. Para não entrar em muitos detalhes, de um certo país europeu. Eles se conheceram pela internet, ele decidiu arriscar e viajar para encontrá-la, e acabaram se casando. Tá vendo só?

Às vezes, nós temos que dar uma chance para as coisas acontecerem. Eu sempre acreditei que o destino não determina o que vai acontecer conosco, não sou muito fã de que toda a minha vida já está escrita e determinada por uma entidade ou força superior, isso é coisa de pessoas que se deixam levar pela religião e acabam se tornando acomodadas. Sei que posso acabar sendo hostilizado (falar de religião pode ser tão polêmico quanto falar de política e futebol), mas acho extremamente absurda a postura de certas pessoas que ficam aí dizendo "ah, Deus vai fazer acontecer...", e ficam sentadas esperando as coisas caírem do céu.

Eu pessoalmente vejo o destino como uma força superior que coloca uma série de oportunidades em nossas vidas, cabendo a nós mesmos decidir o que fazer com essas oportunidades. Como se fosse o carteador de um jogo de pôquer, que lhe dá as cartas. Cabe somente a você ver essas cartas, pensar, refletir muito, e então decidir se você vai pular fora da jogada ou se vai apostar. Podemos ganhar ou perder, pode dar certo ou não. É uma decisão nossa...

E depois de toda uma série de decisões e escolhas, esse dentista canadense acabou estando em um certo momento de sua vida naquela cidadezinha irlandesa, em um café, e o destino colocou a tal menina ruiva diante de seus olhos, fez ela surgir na vida dele. E ele percebeu a oportunidade, de que ela poderia ser aquela pessoa, de que ela era a mais linda, e decidiu arriscar. Arriscar em encontrar aquela garota por quem ele se apaixonou, mesmo sem saber o nome dela.

Vamos ver o que acontece, eu estou particularmente interessado em saber como que termina essa história. Seria muito legal daqui a alguns dias eu colocar uma postagem aqui dizendo que o cara conseguiu. Fica a minha torcida pelo sujeito canadense, pois se ele conseguir encontrar a cara-metade dele dessa forma, significa que qualquer um pode. E, honestamente? Acho que vamos acabar vendo um final feliz.

Afinal de contas, até o Charlie Brown, azarado que só ele, conseguiu roubar um beijo da garotinha ruiva.


É... estou ficando mole mesmo...