segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Outro time pra odiar

Como você já sabe, sou um texugo alvi-negro, e está sendo bem frustrante assistir o Botafogo chegar em partidas contra times fortes, jogar bem e perder ou por pequenos detalhes ou pela roubalheira da arbitragem. E no jogo ontem contra o Corínthians, não foi diferente, e confesso que dava a impressão, pela quantidade de roubo contra o Botafogo e pela atitude do adversário, que estavam jogando contra os cretinos do Flamengo, time que mais odeio.

A partida de ontem foi marcada por uma série de erros de arbitragem, de um baiano que é aspirante à FIFA. Talvez seja um pouco de precipitação dizer que ele roubou contra o Botafogo, mas já fica claro que os juízes na dúvida vão apitar a favor do adversário. E nesse jogo foram muitos erros, para ambos os lados, três deles capitais que resultaram em gols: o primeiro foi em uma falta a favor do time paulista, onde o corintiano escorregou no gramado molhado e o juiz marcou falta. Na cobrança, bola na rede... Logo depois, foi em um lance do Botafogo, no qual André Lima fez um gol de mão. Por fim, em uma jogada na área botafoguense o zagueiro só encostou a mão no atacante corintiano, e este se jogou e conseguiu o pênalti... Com todos os erros, a partida terminou empatada em três a três.

O que me deixa extremamente puto é como a mídia coloca tudo como se o Botafogo tivesse se beneficiado da arbitragem, como se o único erro tivesse sido o gol de mão. Puta merda, quando acontece alguma irregularidade que favorece o alvinegro carioca, todo mundo aparece reclamando. Dizer que o Botafogo foi favorecido pela arbitragem do jogo de ontem, fala sério! Ainda cheguei a ver um comentarista dizendo que "falta é interpretação, nos lances a favor do Corínthians não houve nada demais... Mas o gol do Botafogo foi inaceitável, isso não se pode permitir!" Escreve o que estou te dizendo, ainda vão querer arrumar uma punição ao atacante pelo gol de mão.

Em defesa desse lance, ele foi muito rápido, apenas com recursos de câmera é que seria possível perceber o gol ilícito. Porém, os lances do Corínthians foram muito claros de que não houve irregularidade. Na falta o carinha tropeçou na própria perna, nenhum botafoguense encostou nele! E o pênalti foi ridículo, cavado na maior cara-de-pau. O mais irônico é que o atacante corintiano que cavou o pênalti foi o Jorge Henrique, aquele baixinho que jogava no Botafogo: curioso como no tempo em que ele jogava aqui no Rio faziam faltas ainda mais violentas nele e os juízes não apitavam, marcavam ele como um jogador que se joga. Engraçado como foi só mudar para o Corínthians e mudam completamente a arbitragem com ele.

Agora, o que me deixa mais puto dentro das calças foi o ocorrido depois do terceiro gol do time paulista, o que contribuiu para inflamar ainda mais meu ódio por esse time escroto. O tal do Dentinho converteu o pênalti, e depois saiu para comemorar junto com Souza, aquele marginal filho de uma puta que jogava no Flamengo e criou a zoação do chororô. Incentivado pelo ex-mulambo, o pivete repetiu o gesto, em uma clara demonstração de que queria sacanear o time botafoguense. Cara, dava vontade de tacar o controle na tela! Merecia era tomar uma voadora no meio da cara pra arrancar fora os dentinhos dele, filho da puta! Esse escrotinho que mal largou as fraldas tem que aprender a respeitar o adversário. Não venha querer me dizer que o objetivo não foi sacanear o Botafogo, ainda mais estando ao lado daquele babuíno que começou com essa palhaçada. Pelo menos depois o Glorioso enrrabou esse time de bandidos e empatou em uma bela cobrança de falta.

Sinceramente, é o que devemos esperar de jogadores de times como Flamengo e Corínthians, adorados pelos favelados, bandidos e traficantes. São times de gente baixa, estúpida e ignorante, e só tem uma grande quantidade de torcedores pois a maioria do povo brasileiro também é baixa, estúpida e ignorante. E por terem a maioria dos torcedores, a mídia e a CBF os protege, é só ver como um time de segunda divisão como o Corínthians e um timeco de pernas-de-pau como o Flamengo consegue ganhar título estadual com ajuda do apito e da rede do plim-plim. Está tão na cara, só não ver quem não quer...

Agora só resta torcer contra esse time de bandidos do Corínthians, sei que é difícil pois a mídia está fazendo todo um auê por causa da presença do Ronaldo Fofômeno, o pegador de travecos, não duvido "darem um empurrãozinho" para eles serem campeões... E, claro, torcer muito contra o Flamerda, que tem mais é que ser rebaixado para aprenderem que são um dos piores times do Brasil.

sábado, 22 de agosto de 2009

Imã de mulheres... não disponíveis

Eu estou passando por uma daquelas fases de auto-reflexão de minha vida, pensando a respeito das minhas conquistas, e principalmente nas minhas decepções amorosas. É comum de acontecer isso comigo quando começo a observar pessoas próximas como amigos e colegas de trabalho falando bastante a respeito de seus namoros e casamentos. Como se batesse uma pontinha de tristeza (e por que não inveja?) de ver que todo mundo está bem, menos eu. E nessas horas de desânimo muitas vezes acabo desabafando um pouco, falando de como sou sem-graça ou lamentando por não ser bonito. E curiosamente, as primeiras que surgem para tentar me animar e afastar tais pensamentos são sempre mulheres próximas, como algumas de minhas poucas amigas ou de garotas que trabalham comigo. O mais engraçado é como esses gestos, em vez de elevarem meu espírito e minha auto-estima, me fazem me sentir ainda mais miserável e rejeitado... Mas, por quê?

Eu comecei a observar que não apenas nessas situações de desânimo mas durante toda a minha vida eu não estava assim tão distante das garotas. Muito pelo contrário, algum tempo atrás comecei a perceber como existem meninas simplesmente perfeitas ao meu redor. Na minha faculdade, haviam algumas garotas de grande personalidade, bonitas e simpáticas, que sempre falavam comigo com todo o carinho e atenção, hoje no meu ambiente de trabalho também estou próximo de várias mulheres interessantes e atenciosas comigo, inclusive uma menina super simpática, meiga e doce, hoje uma grande amiga. Apesar da minha indiscutível aparência sofrível e meu jeito calado, desastrado e tímido, todas elas sempre foram totalmente receptivas comigo. Aí eu começava a me perguntar, como que rodeado de tantas mulheres maravilhosas, eu continuava solteiro?

Comparando um pouco mais, não demorou para eu perceber a triste coincidência entre essas moças: todas elas estavam compromissadas. As colegas de faculdade, todas elas tinham seus namorados, a amiga do trabalho está casada, e por aí vai. E isso me fez perceber como realmente as garotas mais próximas não estavam disponíveis, enquanto que aquelas que estavam solteiras me evitavam ao máximo: essas só vêm até mim quando precisam de alguma coisa, se limitam a falar o mínimo necessário, sem nunca dizer palavras mais carinhosas, sequer permitindo um mísero beijinho no rosto ou qualquer tipo de contato físico com minha pessoa.

Mas por quê isso acontece comigo? O que afinal significa isso? A resposta é bem simples, é porque eu sou um grande babaca que tem respeito pelo relacionamento alheio. Não é de minha índole assumir o papel do "outro", não acho certo me intrometer no relacionamento de duas pessoas. Por mais que a garota seja maravilhosamente legal, simpática e meiga, eu não consigo imaginar ter com ela alguma coisa além de uma amizade, embora tenha vezes que eu acabe "sonhando acordado" em ter algo mais com ela. Acontece que quando isso acontece, fica só nesse mundo de fantasias, a fria razão sempre acaba me impedindo de expor meus sentimentos...

E é por isso que apenas as garotas compromissadas acabam se aproximando mais, pela certeza de que não vai acontecer nada. Quando se trata de um sujeito feio, as mulheres só se sentem confortáveis quando sabem que esse cara não está interessado nela, quando estão certas de que o feioso não vai fazer nada para tentar ficar com ela. Se elas percebem que o cara está interessado e que está tentando se aproximar, elas logo partem para a defensiva e se afastam, pois afinal de contas se o cara é feio, não presta pra namorar.

Tanto que certa vez aconteceu comigo uma situação extremamente curiosa, que comprova essa minha teoria. Certa vez na faculdade havia uma menina encantadora, além de simpática e inteligente, tinha uma personalidade forte e era bem bonita. No fundo eu gostava dela, via nela uma garota com quem certamente teria um namoro saudável e legal, mas tinha o fato de que ela já tinha um namorado, que inclusive era um conhecido meu. Por essa razão, eu sufocava meus sentimentos, permitindo apenas um certo nível de amizade com a menina. Ela, por sua vez, era super amável comigo, sempre carinhosa e sorridente quando me via... Dizia que eu era um cara nota 10, super legal, me fazendo muitas vezes repensar se valeria a pena continuar escondendo os meus sentimentos por respeito ao relacionamento que ela já tinha com o namorado dela.

Acontece que o relacionamento dela com o namorado estava aos trancos e barrancos, o cara muitas vezes a magoava e a sacaneava. Um belo dia, eles terminaram, o que fez ela sofrer bastante. E era a minha oportunidade, tentei então me aproximar um pouco mais dela, mas de forma inesperada ela começou a fugir de mim: não falava mais comigo, cruzava comigo no corredor e nem dizia oi, sempre estava com pressa, evitando assim qualquer tipo de diálogo comigo... Até o dia que arrumou um novo namorado, um sujeito boa pinta que morava perto da casa dela. E com isso ela voltou ao estado inicial, voltou a ser simpática e carinhosa comigo, a me abraçar, a conversar comigo. Até hoje não consegui entender, ou ela fez isso porque não queria dar chance ao azar de ficar comigo, ou então era pra me sacanear mesmo, mostrando seu lado mais meigo e doce para mim apenas sabendo que eu nunca a teria...

É bastante chato isso, como caras que não atendem aos padrões de beleza impostos pela sociedade como eu só são valorizados por mulheres não disponíveis. Parece que eu não podia ter escolhido título melhor para essa postagem, pois acho que é isso que eu sou: enquanto os bonitões atraem todas as mulheres solteiras, eu sou um imã que traz pra perto mulheres que não estão disponíveis, com quem nunca vou poder ter alguma coisa mais séria. Só pra me lembrar todo dia do que eu não tenho...

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Homem Beta?

Deu no site do Terra:


Curiosa obervação, resumindo a matéria diz-se que hoje os homens que se encaixam no perfil beta são os que as mulheres mais gostam, por eles dividirem as tarefas de casa, serem mais emotivos e cooperativos. E isso seria em substituição ao macho alfa, o cara conquistador, machista e boa pinta.

Com todo o respeito, mas digo apenas uma coisa: QUE BABAQUICE DE MERDA!!! Uma vez mais, vou descer ao nível de uma gilette deitada ao expressar um sonoro "vá pra puta que o pariu" para esse artigo! Fala sério, quem escreveu isso deve ter merda na cabeça. Em que planeta isso ocorre de verdade? Por favor me digam, pois eu vou ser o primeiro a pegar um foguete pra lá!

Como bem sabemos, todo esse conceito de macho alfa vem do mundo animal. Não é preciso revirar os livros, é só assistir um pouco ao Discovery Channel pra ver como são as coisas no mundo dos bichos: em uma série de espécies, existe toda aquela coisa de machos que disputam para serem os líderes do bando. E como ocorre com nós humanos, a razão dessas disputas são as fêmeas, os machos caem na porrada (ou chifrada, pescoçada ou mordida) e aquele que ganha é quem fica com as fêmeas, enquanto que o perdedor fica largado, caso tenha sobrevivido. E muitas vezes nem precisa de tanta violência: é só o macho mostrar que é mais saudável e bonito, como o pavão quando exibe suas penas coloridas ou o galo que canta mais alto e forte, para que ele se sobressaia em relação aos outros machos e conquiste as fêmeas. E assim é o simples conceito do macho alfa, aquele que de uma forma ou de outra se destaca e consegue acasalar. Na natureza não tem espaço para macho beta.

Calem a boca aqueles que estão agora dizendo "ah, mas com o ser humano é diferente, ele tem sentimentos". Isso é balela! Por mais que sejamos criaturas racionais, existem aqueles traços mais primitivos que têm ainda grande influência sobre nosso comportamento, principalmente na hora de decidir o que é interessante em um parceiro. O fato de sermos mais desenvolvidos que os animais apenas muda quais são os quesitos que chamam mais a atenção, ainda que sejam eles extremamente superficiais. Principalmente no caso das mulheres, eternamente exigentes e na busca pelo príncipe encantado perfeito em todos os aspectos.

Lendo tal texto, observa-se como o ponto principal não é abordado, propositalmente na minha opinião: a aparência. Levanto a seguinte questão: será que as mulheres curtem um homem beta que seja feio? Que caia uma jamanta na minha cabeça se aparecer alguma mulher dizendo que sim. Duvido! Hoje em dia a aparência é a principal característica que define quanto sucesso se tem com as mulheres. Disso eu entendo, pois sei como é ser uma pessoa considerada feia pelos padrões da sociedade e o impacto que isso provoca em meu difícil e quase inexistente relacionamento com o sexo oposto. Nada adianta ter emoções, colaborar com a casa e discutir a relação se você provoca rachaduras no espelho...

E isso leva à real distinção do homem alfa: não é necessariamente o cara metido a machão, conquistador e agressivo. Usando o linguajar das garotas de hoje, o importante é que seja "gatinho". Como falei, exatamente como na natureza: enquanto as pavoas (sei lá se o nome é esse mesmo) se interessam pelo pavão de penas mais bonitas, as garotas se derretem pelo cara de barriga tanquinho e bíceps definidos; as leoas rodeiam o leão mais forte enquanto as mulheres se aglomeram em volta do galã loiro de olhos azuis. Não discuto que as mulheres não sejam superficiais a ponto de só quererem a aparência, mas é evidente que elas são superficiais o suficiente para só dar valor a demais qualidades como companheirismo, respeito, dedicação, romantismo e carinho se elas vêm acompanhadas de um físico bonito...

Essa é a realidade, infelizmente triste para sujeitos como eu... Estou tão pra baixo e sendo tão desprezado pela minha aparência (ou melhor, falta de) que acho que vou ter que recorrer ao final do alfabeto grego e me enquadrar no conceito de Homem Zeta: aquele que é feio, tímido, sem-graça e sem carro que está destinado a ficar sozinho para todo o sempre...

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Criticando os críticos

Estive vendo outro dia num site uma crítica ao filme do G.I.Joe, apenas por curiosidade... Eu estava a fim de ver e digo que após ler o que o cidadão do link falou do filme, falando mal de tudo e só faltando cuspir sobre o cartaz de divulgação, estou com mais vontade ainda! Vale a pena ler essa crítica para rir um pouco, e ver como o carinha arrumou todos os argumentos possíveis e imagináveis para pisar em cima do filme, falando mal dos atores, dos personagens, dos efeitos especiais e por aí vai. Pérolas incríveis, como dizer que G.I.Joe é "levemente melhor que Transformers por ser mais curto", dessa forma submetendo o espectador a uma tortura menor, esse é mais um exemplo da conduta pseudo-intelectual e da postura egocêntrica dos críticos de cinema, só contribuindo ainda mais para que pessoas como eu os odeie.

Uma coisa precisa ser entendida, algo que já falei aqui em outra oportunidade: gosto não se discute, e opinião é que nem o esfíncter (para não dizer outra coisa), cada um tem o seu. E esse é um argumento que sob meu ponto de vista é totalmente aplicável não só para a preferência cinéfila, mas também ao teatro, música e literatura. Eu por exemplo não suporto Caetano Veloso, mas sei que tem gente que é fã, ao passo que curto Bryan Adams mas tem gente que o acha sem graça. Quem é o dono da razão? Ninguém, cada um está certo sob seu ponto de vista, de acordo com as suas preferências. Mesma coisa com o cinema: o conceito de filme bom e ruim é extremamente subjetivo, cada pessoa é um indivíduo e tem o direito a gostar do que quiser. Mas não é assim que pensa o crítico. Fico me perguntando quem inventou essa profissão, embora relatos dizem que surgiu na Idade da Pedra (a cena começa aos 45 segundos)...



Para mim, o crítico nada mais é que uma pessoa que tem a sua opinião a respeito de algo (como de um filme ou de um livro), mas tem a possibilidade de torná-la pública em um jornal, revista ou site. O problema é que os críticos se julgam os "entendidos" do assunto, e usam esse espaço para deixar clara as suas opiniões e para tentar convencer as pessoas delas. Eles acham que apenas eles sabem o que é um filme bom, e se acham no direito de esculachar e destruir uma produção que não atenda aos seus quesitos rigorosos. Imagino que o sonho de todo o crítico é ter o controle sobre que filmes vão ser divulgados nos cinemas: não teríamos mais filmes bons como Exterminador do Futuro ou divertidos como Corra que a Polícia Vem Aí, e viveríamos em um pesadelo regado de filmes alternativos do leste europeu, tramas insuportáveis do Woody Allen ou filmecos toscos do Michael Moore.

Focando no cinema, o mais curioso como todos os críticos acabam sendo praticamente unânimes em suas preferências. Por exemplo, se o filme é um blockbuster de verão, é uma merda. Tratando-se de uma produção sueca cujo diretor tem mais consoantes no nome que o Schwarzenegger, é uma obra-prima. Outra coisa bastante comum, sempre que o filme enaltecer um pouco os EUA, é um lixo, porém se é um filme sobre a vida do Che Guevara é uma perfeição, só mostrando como a maioria dos críticos além de convencida é anti-americana e esquedista. Ah, e nem precisa dizer que produções nacionais são sempre colocadas em destaque: mas desde que sejam recheadas de pornografia e apologia aos bandidos, Tropa de Elite por exemplo (na minha opinião um dos pouquíssimos filmes brasileiros de tirar o chapéu) é um mau exemplo e exagerado. Típicos comentários encontrados na coluna do famoso Bonequinho do jornal O Globo, aplaudindo de pé os filmes considerados pela crítica e saindo do cinema nos filmes que ela não suporta. Sério, nas poucas vezes que consultei o jornal, ver o maldito bonequinho dormindo ou indo embora era um sinal de que valia a pena assistir o filme.

Cansei de ver comentários tão estúpidos e sem-sentido em críticas sobre filmes de respeito e muito bons, e o pior é que tem muita gente que para parecer culta acompanha a crítica, um sério sinal de falta de personalidade e consideração pelas suas próprias preferências. Por exemplo, um super filme como A Múmia é visto como algo falso e irreal. Puta merda, é um filme de aventura com uma pitada de fantasia, não é pra ser realista! O Schwarzenegger está no elenco? Só isso já é suficiente para os críticos dizerem que o filme é tosco e sem profundidade. Como podem? Logo o Arnold com suas frases poéticas como "I'll be back" e "Hasta la vista, baby!", com toda a sua sutileza ao jogar um bandido de um penhasco ou ao disparar um terrorista preso a um míssil. E no o clássico Duro de Matar, tem gente que diz que não passa de tiroteio sem sentido com banalização da violência! Fala sério, é um filmaço com John McClane se arrebentando todo para vencer os terroristas, tem cena mais hilária que o bandido amarrado na cadeira com chapeuzinho de Papai Noel?

Now I have a machine gun! Ho ho ho!

O pior é que eu acabarei sendo julgado como um texugo aculturado por pensar dessa forma, por gostar desse tipo de filme. Digo e repito, tudo não passa de uma questão de gosto pessoal, cada um assiste o filme que deseje. A última coisa que vou fazer é ver alguma coisa só porque a crítica acha que devo. Pra começar, o cinema está bem caro, e acho uma idiotice assistir algo que não goste. Além disso, não há nada de errado em ver uma comédia escrachada do Jim Carrey ou um bom filme de ação e porrada com o Chuck Norris para me descontrair e rir um pouco, o filme para ser bom não precisa necessariamente me fazer pensar ou ter uma trama complexa (já basta isso no meu trabalho). Por fim, eu não preciso assistir um filme todo culto aclamado pela crítica para parecer inteligente: te garanto que além de mais inteligente, tenho mais personalidade e senso crítico que toda essa cambada de críticos que se acham os donos da verdade. Na minha opinião, essa história de assistir filme "cabeça" só para ficar posando de sofisticado não passa de uma grande babaquice.

Para fechar a discussão, torno a repetir que ao ver críticas tão ruins de sujeitos que se acham os verdadeiros conhecedores da sétima arte a respeito do filme G.I.Joe, tenho ainda mais vontade de assistí-lo. Sei que não posso esperar um filme de ponta, mas certamente será uma boa distração depois de uma semana de trabalho, sem falar de reviver a nostalgia de quando brincava de Comandos em Ação. E para os críticos, sigo a recomendação do ilustre Comandante Cobra...

sábado, 15 de agosto de 2009

Acabem com o indulto!

Mais uma notícia de violência em nosso país, tirado do G1:


"A polícia prendeu, nesta terça-feira (11), um suspeito de sequestrar e matar uma médica de 39 anos em Salvador. O corpo dela foi encontrado na quinta-feira (6) em uma estrada de terra próximo a BR-324, na Bahia. (...) Segundo a polícia, o suspeito tem 35 anos e já responde a quatro processos por crimes contra o patrimônio e de natureza sexual. Ele estava preso na Colônia Penal Lafayete Coutinho, em Salvador, e havia saído na quarta-feira (6) beneficiado pelo indulto do Dia dos Pais."

Sério, tem coisas que só existem aqui no Brasil. Que maldição é essa de indulto? Pelo que entendi, aqui o bandido que está preso tem o "direito" de sair da cadeia nessas datas especiais, como dia dos pais e das mães, e a justiça fica na esperança de que eles voltem para a cela depois desse período. Só pode ser sacanagem!

Quando será que vão aprender? Para começar acho uma idiotice essa consideração toda por criminosos, ao oferecer mais essa regalia só deixamos evidente como é que é a justiça por aqui. O puto estava preso por causa de quatro crimes, ou seja, não se trata de um réu primário, o cara já repetiu a dose. Na minha opinião, isso já é uma prova de que ele não é uma boa pessoa, já mostra que ele não tem boa índole. Resumindo, é um vagabundo que não presta. Pergunto agora para o juiz que concedeu esse indulto se ele tinha a certeza de que esse vagabundo não iria cometer outro crime enquanto livre. É muita inocência...

Basta observar os noticiários logo depois de datas como dia dos pais, das mães e Natal. Não duvido que vai ter uma notícia do tipo "tantos presos foram liberados nesse dia, mas apenas alguns voltaram para as suas celas". Todo ano se repete. E por que continuam dando o indulto nessas datas? Não consigo entender isso, puta merda! É o princípio básico do aprendizado, se uma coisa não funciona, não devemos repetir.

Há quem possa dizer que estou exagerando, pois apenas presos em regimes mais brandos têm direito a esse indulto, e a taxa de fuga nessas situações não é relativamente expressiva, algo em torno de 5%. Para esses defensores dos criminosos, peço para falarem dessas estatísticas não para mim, mas para a família da médica, morta por esse bandido que foi colocado nas ruas. É impressionante como a justiça brasileira tem toda essa preocupação em garantir o "direito" de um criminoso mas não dá a mínima para os direitos mais básicos do contribuinte honesto...

Porém, convenhamos que era de se esperar de um país onde temos lá em Brasília uma quadrilha de bandidos assumindos, que enchem o rabo com o dinheiro público e ficam impunes... Como dizem, cada povo tem o país que merece...

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Derrubando o preconceito aéreo

Eu sou um texugo trabalhador, e muitas vezes preciso fazer viagens pela minha empresa. Até o momento, sempre foram viagens dentro do território nacional, e a maioria delas ou é para destinos dentro do estado do Rio de Janeiro ou para a cidade de São Paulo, centro comercial do Brasil. Embora a métropole tenha uma série de desvantagens, como a poluição e o trânsito infernal, não desgosto de ir a São Paulo, há coias boas por lá também, por exemplo o povo lá é mais educado que aqui no Rio, gastronomicamente não faltam opções (lá ainda existe o Pizza Hut), os shopping centers são muito bons... E, claro, não posso deixar de observar o fato de que as paulistanas são muito mais atraentes que a grande maioria das cariocas: enquanto aqui no Rio de Janeiro a maioria das mulheres é vulgar, no estilo popozuda, lá em São Paulo as mulheres são mais elegantes e sensuais, algo que este texugo platônico admira muito.

Enfim, para chegar em São Paulo são várias opções, e eu sempre preferi o meio aéreo, não só por ser mais rápido (seis horas com a bunda na poltrona de um ônibus ninguém merece) e por eu gostar muito de andar de avião, é simplesmente fantástico toda a tecnologia e potência envolvida nas aeronaves. Infelizmente eu ainda era moleque na época clássica da ponte-aérea, com os saudosos Electra da Varig fazendo o trajeto. Hoje os Electras estão aposentados e a Varig praticamente não existe mais, e várias companhias fazem o percurso. E este texugo sempre teve preferência por pegar vôos das duas principais companhias, ou da Gol ou da Tam. Mas, devido a sérias restrições orçamentárias, minha empresa havia comprado passagens pela pequena OceanAir, provocando minha prematura revolta.

Não estava muito animado com essa viagem, não estava aceitando voar por uma empresa pequena, ficava o sentimento de que as coisas seriam complicadas e sem-graça. Talvez pelo fato da OceanAir ser uma empresa simples, sem o nome das demais companhias mais conhecidas, ou por não voar com os majestosos Boeings ou Airbus, mas em um singelo Fokker 100... Eu fiquei muito chateado, e até tentei convencer a empresa a me colocar em outro vôo, mesmo que eu pagasse a diferença, mas em vão. Com isso, fiz minhas malas, fui pro aeroporto e me preparei para o que eu esperava ser um dos piores vôos de minha vida... Mas acabei sendo surpreendido.


O check-in foi bem tranquilo e muito ágil, sequer foi necessário dizer o meu código de reserva, a atendente simplesmente entrou com o número de minha identidade e tudo resolvido. Me dirigi até o portão, e logo embarquei na aeronave. Logo percebi algo interessante, as poltronas eram diferentes, um modelo mais simples do que aquele que vemos em um Boeing. Mas não necessariamente era uma poltrona desconfortável (pelo menos para uma rápida ponte-aérea), e por ser mais fina permitia um maior espaço para as pernas, não teria que deixá-las quase no meio do corredor para evitar cãimbras e não teria tanto risco do passageiro da frente quase pousar a cabeça no meu colo ao recostar sua poltrona.

Rapidamente todos os passageiros embarcaram, e logo uma das comissárias anunciava que a OceanAir havia finalizado o embarque antes do previsto. De fato, o avião começou a taxiar antes do horário marcado, e logo estava no ar. Tudo bem que pelo fato do avião ser menor, sente-se mais as trepidações e as pancadas do trem de pouso na pista, sem falar que o fato das turbinas do Fokker serem traseiras, o barulho é bem alto dentro da cabine, especialmente para quem senta atrás. Mas mesmo assim, o aviãozinho é valente, e tomou rumo até São Paulo.

Sobre o atendimento em vôo, uma vez mais fui surpreso. Eu imaginava que seria atendido por "aerovelhas", mas as comissárias eram bem bonitas e solícitas. Podiam não estar vestindo aquela blusinha branca justa como as aeromoças da Gol, e em termos de beleza estavam longe de uma japonesa que vi em um avião da Tam, mas as comissárias da OceanAir não deixavam a desejar. E sobre a comida, aí é que finalmente joguei a toalha: como lanche, um pedaço de pizza com dois brigadeiros! Cara, falando em ponte áerea, a melhor refeição que já comi, nada de amendoim ou barrinha de cereal. Sensacional!

Confesso que me arrependo do preconceito que tive com a OceanAir antes de voar. Como dizem, não podemos dizer que não gostamos de alguma coisa se não a experimentamos, e aprendi a lição depois de ter sido surpreendido tão positivamente pela pequena porém eficiente companhia. Um bom atendimento, sem falar em um preço bem em conta, com certeza voltarei a voar pela OceanAir em outras oportunidades.

domingo, 9 de agosto de 2009

Colegas de Trabalho

Estou usando essa tirinha para ilustrar algo curioso que tenho observado recentemente, sobre as relações entre homens e mulheres dentro de um ambiente de trabalho. Minha empresa é relativamente pequena, mas possui alguns escritórios pelo país. Pela própria natureza de meu trabalho, a esmagadora maioria dos funcionários são do sexo masculino, mas claro que existem algumas mulheres, boa parte delas atuando nos setores administrativo e financeiro.

Recentemente eu acabei saindo junto com meus colegas de trabalho para um bar. Com exceção de mim, um texugo alcohol-free, e de um motorista preocupado com a Lei Seca, todos encheram os cornos de cerveja por toda a noite. Tem horas que é engraçado ser o único sóbrio na mesa, ao ver os colegas perdendo a linha e falando merda, e muitas vezes se entregando e falando coisas que normalmente não divulgariam em condições normais. Mas logo um deles, ao perceber que a presença era apenas masculina, puxou um assunto um pouco delicado, ao começar a falar das mulheres do escritório...

Não vou reproduzir em todos os detalhes os comentários do pessoal, em respeito às minhas colegas do trabalho, bem como às mulheres em geral (embora imagino que nenhuma garota deva passar por esse blog). Mas os comentários foram mais baixos que um anão de joelhos... Além de falarem de cada curva de cada funcionária, imaginavam como elas seriam na cama, chamando-as de uma série de adjetivos como gostosa, potranca e outros impublicáveis para o horário de publicação desse post. Um deles ainda levantou que o importante era pelo menos ter boa memória, para ter inspiração em um momento de "5 contra 1", se é que você me entende...

Foi uma situação extremamente constrangedora e desconfortável para este educado texugo ouvir tais comentários. Tanto que me levantei para ir ao banheiro, na esperança de que quando eu voltasse o assunto teria mudado, mas o pessoal continuava contando de situações onde fulana tinha ido ao trabalho com um mega decote ou como siclana era gostosa. Eu até ia falar para eles pararem com aquele tipo de postura, mas eu já passei pela mesma situação que o bonequinho com cara de babaca da tirinha acima, e achei melhor simplesmente ignorar tudo até a conversa tomar outro rumo...

Na minha humilde opinião, considero tal postura uma grande falta de respeito. Afinal de contas, estamos falando de colegas com quem convivemos no trabalho por 40 horas semanais, não é atitude muito honesta o funcionário ficar com essas segundas intenções ocultas com uma garota que trabalha com ele. Penso assim devido a minha própria personalidade, eu sempre fui um sujeito que respeita as mulheres, e jamais iria descer a esse nível, principalmente com colegas de trabalho. Eu pessoalmente ficava ainda mais constrangido pois tenho uma grande amiga que trabalha com a gente no escritório, que por ser uma mulher muito bonita acabou sendo o principal alvo de gracinhas e piadas a respeito de seu corpo e de sua inocência. Eu já acho inaceitável ouvir marmanjos falando de sacanagem de uma garota que eu conheça ou com quem eu trabalhe, e quando se trata de uma amiga querida, fiquei muito puto a ponto de me levantar, deixar o dinheiro para pagar a minha parte e me mandar.

Certamente vai aparecer alguém dizendo que eu sou um filho da puta dum hipócrita mentiroso, ainda mais depois daquela postagem logo abaixo sobre as beldades da Internet. Quero deixar bem claro, são situações completamente diferentes: eu não nego que venho a admirar de forma mais "carnal" uma modelo que se exibe como veio ao mundo na Internet ou mesmo uma desconhecida com quem cruzo na rua, justamente pelo fato de que com essas mulheres não há nenhum tipo de contato pessoal, com elas sequer virei a trocar uma palavra durante minha vidinha patética; mas em relação a mulheres com quem convivo, como no trabalho ou na faculdade, tenho todo o respeito do mundo, trato elas como mulheres e não como pedaços de carne. Repito, pode falar o quanto quiser que eu estou mentindo, que é hipocrisia minha, não me importo...

O mais engraçado de tudo é que naquela mesa de bar eu era o único ali solteiro, todos os demais presentes ou estavam namorando ou até mesmo já eram casados! Sinceramente, eu não consigo entender como que um homem casado age dessa maneira, não está apenas desrespeitando a sua colega de trabalho mas também sua própria esposa. Eu não conseguiria sentar numa roda de amigos para falar da bunda da secretária com a minha mulher em casa me esperando, simplesmente não entra na minha cabeça como esse tipo de postura é tolerável. Tem horas que fico me perguntando se esses malandros se dão conta de que colegas de trabalho de suas esposas devem estar dizendo coisas parecidas delas. Nessa ocasião mesmo, deu vontade de perguntar para um sujeito que trabalha comigo que é casado o que ele sentiria se soubesse que estão falando sacanagens de sua mulher, que tem algum malandrão que divide o escritório com sua esposa e que sonha em dar uns pegas nela...

Mas nessas horas é que reflito um pouco: será que eu estou agindo da maneira correta? Afinal de contas, além de ser o único ali que não estava desrespeitando as mulheres do trabalho, também era o único solteiro! Isso é que me deixa ainda mais confuso, não consigo entender como que homens superficiais e sem nenhum respeito pelas mulheres conseguem sempre arrumar uma companheira, e eu estou aqui respeitando e sendo ignorado por elas. Meus amigos vivem me dizendo isso, que eu deveria desencanar e ser mais "cafajeste" para arrumar uma namorada, mas não consigo, agir assim vai totalmente contra os meus valores e ideais.

Sinceramente, já não sei mais... Eu sei que vou continuar sempre agindo assim, sempre respeitando as mulheres. Resta saber se estou no caminho certo, ou se por teimosia e idiotice vou acabar ficando sozinho. Infelizmente, diria que até agora tudo me leva a crer de que será a segunda opção...

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Gostei do seu raciocínio...

Piadinha velha, mas engraçada...

O professor está entregando as provas de matemática. O Joãozinho olha as questões e depois levanta a mão para reclamar:

- Professor, por que você me deu zero na questão 7? Eu respondi certo!

Meio contrariado, o professor olha a prova do Joãozinho.

- Joãozinho, olha só: "tem cinco pássaros em uma árvore, se uma pessoa atirar uma pedra e derrubar dois deles, quantos sobram?". É matemática elementar, a resposta é três.

- Não concordo, professor! A minha resposta está certa! Não ia sobrar nenhum pássaro!

- Como não? Cinco menos dois é igual a três!

- Tá, mas quando eu acertar a pedra nos dois, os outros três vão voar embora!

O professor pensa um pouco, rindo.

- Gostei do seu raciocínio, Joãozinho, muito bom... Mas a resposta é três.

O Joãozinho fica puto, vermelho de raiva. Mas ele tem uma idéia.

- Professor, vamos fazer uma aposta? Vou fazer uma pergunta, se você acertar eu fico quieto, mas se você errar você vai ter que me dar o ponto dessa questão!

O professor olha para a cara do moleque, rindo por dentro. Não havia como aquele garoto burro fazer uma pergunta que ele não soubesse. E de quebra, ia dar uma lição para o abusado do Joãozinho.

- Está bem... Faça a pergunta.

- Bem, tem três mulheres, duas solteiras e uma casada, sentadas no banco da praça, e cada uma delas está comendo uma banana. A primeira está pegando a banana e cortando em rodelinhas para comer, a segunda está metendo a banana toda na boca e a terceira está amassando a banana num prato. Qual delas é a mulher casada?

- Joãozinho, seu moleque... Acha que eu sou ingênuo? Claro que é a mulher que está metendo a banana toda na boca!

- Não, professor! É aquela que tem aliança no dedo! Mas gostei de seu raciocínio...

sábado, 1 de agosto de 2009

Mais uma do Chavéz

Mais uma da América "Latrina": vários países sul-americanos estão revoltados com o fato de que a Colômbia vai permitir a presença das forças armadas dos EUA no território de seu país. Tal atitude, compreensível para um país que luta contra uma organização terrorista como as FARC, foi vista como uma afronta, principalmente pelo Huginho Chavéz. Ele cortou todas as relações com a Colômbia, condenando a presença dos EUA por aqui, que na verdade querem derrubar o ditador venezuelano e comunista do poder. Lógico, vários outros países estão seguindo a mesma linha, condenando a presença norte-americana, e claro que o Lula não iria deixar passar a oportunidade de uma vez mais mostrar ao mundo como escolhe seus aliados políticos, ao defender Chavéz.

Agora é interessante como o Chavéz é hipócrita, ou no mínimo egocêntrico. A Colômbia está abrindo espaço para a vinda dos EUA para combater o narcotráfico promovido pelos terroristas das FARC, em nenhum momento o objetivo da vinda dos americanos é derrubar o governo venezuelano. Esse bostelho do Chavéz usa qualquer desculpa para se colocar na posição de vítima, é só os EUA se aproximarem um pouco e já vai berrando para o mundo todo que querem tirá-lo do poder à força. Embora este revoltado texugo ficaria muito satisfeito ao ver os EUA derrubarem esse Chavéz, que é um verdeiro câncer para a América Latina, com suas idéias atrasadas e estúpidas.

Mais curioso ainda é que não podemos esquecer que o Chavéz é um profundo aliado das FARC colombianas. E digo isso não apenas pelo fato de terem encontrado armas pesadas nas mãos dos terroristas, qua haviam sido compradas pela Venezuela (segundo Chavéz, a "desculpa" inventada para justificar a presença norte-americana na Colômbia), o ditador venezuelano já tem um longo histórico de apoio ao terrorismo do narcotráfico. Ele mesmo solicitou que as FARC não fossem mais consideradas como um grupo terrorista, dizendo que elas são "forças insurgentes que têm um projeto político e bolivariano". Fala sério, nunca escutei estupidez maior, pergunta lá pra Ingrid Betancourt se eles são tão bonzinhos assim. Sem falar nos milhões de dólares que o Chavéz doou para esse grupo "honesto". Sinceramente, nessas horas me lembro do Tropa de Elite, quando os playboyzinhos dizem que o pessoal do morro tem "consciência social", é a mesma coisa. Tinham que chamar o Capitão Nascimento pra meter um tiro de 12 na cabeça de cada um desses terroristas das FARC...


Outra coisa que me revolta é como o Lula e sua turma sempre apóiam o ditador vermelho. Na mesma notícia, podemos ver como é o regime "democrático" da Venezuela, agora que o Chavéz instituiu uma lei que prende por até 4 anos quem divulgar notícias contra os interesses do governo chavista, um verdadeiro exemplo de liberdade de expressão. Uma vez mais fica evidente a postura do nosso ilustre presidente: para contestar a presença norte-americana na Colômbia, nosso governo não perdeu tempo em apoiar Chavéz; mas, sobre essa medida totalitarista que pisa na liberdade de expressão, ninguém se manifesta. Como dizem, quem cala consente... Fico preocupado se Lula e o partido da "ética" não pretendem algo similar por aqui.

E tem mais: a Venezuela é um dos países que recentemente mais tem se armado nos últimos anos. O arsenal inclui milhares de rifles AK-47 (os preferidos de russos, cubanos, terroristas e traficantes dos morros do Rio), submarinos e caças de Sukhoi Su-35, os mais modernos da América Latina e só comparáveis aos caças americanos. Todo esse arsenal aparentemente tem o objetivo de intimidar os países vizinhos, e tentar fazer frente a uma possível invasão dos EUA. Não se iluda, Chavéz, se os norte-americanos quisessem invadir a merda de seu país, conseguiriam isso sem dificuldades. E o pior é que a Venezuela tem todo esse arsenal, mas não consegue combater os traficantes de drogas que estão na região amazônica. Me esqueci, talvez eles também sejam "camaradas bolivarianos" que só querem ganhar um dinheiro "honesto"...

Não é à toa que digo que o Hugo Chavéz tem merda na cabeça. Aliás, fato comprovado cientificamente, conforme o raio-x que tiraram da cabeça dele: