domingo, 25 de janeiro de 2009

Todo mundo já foi noob um dia!


Como sou um texugo moderno, gosto muito de jogos online. Embora eu costume me divertir o suficiente com joguinhos mais simples, como encontramos em inúmeros sites em flash espalhados pela grande rede, tem horas que gosto de passar o tempo em jogos mais elaborados. E ultimamente existem jogos muito bem-feitos, verdadeiras obras de arte onde pessoas de todo mundo se divertem. Embora a maioria destes jogos sejam RPGs e os famosos jogos de tiro em primeira pessoa, eu sempre fui muito fã de carros, e existem alguns de corrida muito legais, como o Trackmania e o Project Torque, ambos gratuitos e bem originais. Mas como acontece na vida real, nas salas virtuais destes e de todos os jogos online existem sempre os babacas que sentem o maior prazer em ridicularizar os outros. E uma das zoações mais comuns que estes retardados mais gostam de fazer é chamar os outros de "noob".

O termo noob não tem nada a ver com Noob Saibot, o ninja preto do Mortal Kombat, mas vem de newbie, novato em inglês, e cada vez mais é usado de forma pejorativa e agressiva, principalmente nesses jogos online. É sempre a mesma coisa: um jogador comete um erro previsível e de iniciante, e logo aparece um sujeito, normalmente que não faz nada além de ficar na frente de um computador jogando, que rapidamente ativa a tela de chat e exclama "seu noob!", algumas vezes usando a forma alternativa com zeros ("seu n00b"). E muitas vezes o boçal sente também a necessidade de falar o quanto ele é melhor que os outros, complementando com frases como "eu cheguei a nível 45 moleza" ou "tenho uma arma que tem +7 de ataque". Imagino que esse tipo de pessoa deve ter um orgasmo ao mostrar para os outros o quão ele é bom...

Sei lá, eu pessoalmente acho muito infantil e ridículo esse tipo de postura. Afinal de contas, como digo no título do post, todo mundo já foi noob, ninguém nasce sabendo. O jogador que hoje se acha o tal porque está no nível 50 já teve o seu dia de nível 5, e certamente naquela época era chamado de noob também. É um processo básico chamado aprendizado, com o tempo e a prática nós nos aperfeiçoamos, nos tornamos mais experientes e chegamos a níveis mais elevados. E tem mais: cada um tem o seu próprio ritmo e suas aptidões, e desta forma aprender certas coisas pode ser mais fácil do que outras. Veja na escola por exemplo, uns têm mais facilidade com as matérias das exatas como Matemática e Física, mas História e Literatura são mais difíceis, e a mesma coisa no mundo online dos jogos. Ou seja, o mané que fica se achando e chamando os outros de noob no CounterStrike só porque acerta headshots de longe pode ser um pereba no volante no Need for Speed, que é incapaz de fazer um drift bem-feito...

Além da questão aptidão, que é de cada um, existe também a questão tempo. Normalmente os jogadores que se acham os fodões e chamam os outros de noobs são filhinhos de papai, pré-adolescentes que estudam de manhã e ficam a tarde e a noite inteiras no computador jogando. Não é à toa que esses jogadores vão ter muito mais experiência do que a pessoa normal que vê o jogo como um passatempo ocasional para passar o tempo nas noites depois de um dia cansativo de trabalho ou fins de semana sem ter o que fazer. É como se o Rubens Barrichelo, com mais de 250 GPs nas costas, fosse se vangloriar e se sentir superior ao vencer um piloto estreante. Embora eu teria minhas dúvidas se o Rubinho conseguiria ganhar...

Por fim, termino com a seguinte pergunta: o que tem demais em ser noob? Ainda mais em um mero joguinho online? Aliás, eu gostaria de refazer essa pergunta, questionando agora o que tem de grandioso em ser o "cara" num jogo online? Sinceramente, acho que o indivíduo que fica se achando só porque está num nível elevado em um jogo é um pobre coitado de baixa estima, que não tem nenhum tipo de conquista especial em sua vida, que se sente inferior às outras pessoas no mundo real e sente essa necessidade incansável em querer ser o melhor em alguma coisa. Parece que se esquecem que os verdadeiros campeões não são aqueles que vencem todas, mas que sim aqueles que respeitam o adversário, que quando vencem sabem ser bons vencedores e que tem a humildade de saber que um dia vão perder. É como uma das sábias frases do filósofo Homer Simpson: "Não importa o quanto você seja bom em alguma coisa, sempre existirão pelo menos 1 milhão de pessoas no mundo que são melhores que você."

Esse nasceu noob e sempre será noob

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Entrando em forma!

Mais uma notícia bizarra, dessa vez vindo lá da Inglaterra... Uma academia decidiu aposentar os halteres e trocá-los por pessoas! Isso mesmo, agora quando um cidadão deseja malhar e entrar em forma, deve escolher um destes simpáticos pesos (foto vinda deste site da Globo, onde vi a bizarrice):


Muita loucura, para os iniciantes é só escolher um dos pesos "verticalmente limitados" (já se foi o tempo que alegria de anão era ir para o circo), os marombeiros de plantão já podem tentar erguer as tiazinhas ou o moçoila magricela (que não sabe amarrar o sapato, reparem só). E todos eles devidamente marcados! Muito ridículo mesmo... E tudo com o objetivo de tornar a academia "mais humana".

Fico pensando o que os cidadãos acima estavam pensando ao se rebaixar ao nível de meros pesos para exercício. Será que daqui a pouco vão trocar também os sacos de pancadas por um boçal que goste de apanhar? Me lembro agora de um conhecido meu que é um verdadeiro Neanderthal, e que após terminar sua malhação sempre tem a mania de jogar os pesos para o alto, talvez para ter o prazer de ouvir o esporro quando eles desabam sobre o piso de concreto do buraco que ele chama de academia. Imagina só, pegando a anãzinha e isolando pro alto?

Eu sou um texugo que está mais para ser uma forma (de esfera) do que estar em forma, já está nos planos voltar a fazer alguns exercícios. Imagino que consigo erguer uns 50kg, mas pra me registrar numa academia dessas só se trocar o Papai Smurf ali de cima por um peso mais "anatômico"...

Pedindo desculpas pela piada chauvinista e com todo respeito à lindíssima Megan Fox, mas certamente seriam os 50kg que eu teria o maior prazer em colocar as mãos...

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Santa Mussarela!

Da série "grandes frases da Humanidade":


"Baba, vômito... Dá no mesmo!" - Pizza The Hutt


Tive a felicidade de ver "S.O.S. Tem Um Louco Solto No Espaço" nesses dias na televisão, e não tem como não rir do monstro ridículo ali de cima. Uma das melhores sátiras já feitas em minha opinião!

domingo, 18 de janeiro de 2009

Rio for Partiers - Exagero?

Já tem algum tempo desde que eu vi uma reportagem sobre esse livro polêmico. Para quem está por fora, "Rio for Partiers" (algo como Rio para Festeiros) é um guia da cidade do Rio de Janeiro destinado ao turista estrangeiro que busca por uma diversão, digamos mais animada, focada realmente na vida noturna e nas festas que ocorrem todo dia na capital carioca. E esse guia provocou a revolta de muitas pessoas, principalmente da Embratur, alegando que o autor incentiva o turismo sexual com as suas sugestões de atividades no Rio. Mais sobre a acusação da Embratur, nesta notícia na página do JB, uma das referências que consultei para esse post.

Este texugo aqui, que não nasceu ontem, decidiu dar uma pesquisada, e logo achei o site do famigerado guia, onde inclusive há uma versão demo para download. É curioso como o autor (que é brasileiro) adota um linguajar bem mais informal ao mencionar algumas das atrações da cidade. Por exemplo, ao falar sobre o futebol, ele menciona que a maioria dos gritos envolve a mãe ou a bunda do juiz. E não pára por aí, ao sugerir ao turista corajoso que planeja visitar as favelas, que antes assista Tropa de Elite, ou como lidar ao ser assaltado.

Mas claro que o foco é na sacanagem, e mesmo no guia free fica evidente qual a intenção do livro. Ao falar dos bares, por exemplo, cada estabelecimento possui um approach index, que seria uma forma de dizer quais as possibilidades de você chegar numa pessoa para uma azaração casual. Quando fala do Hard Rock Cafe (que tem o maior índice), deixa claro que lá há uma grande quantidade de solteiros, e logo uma "Brazilian Connection" é bem possível! Sem falar nos rótulos usados para as mulheres... Talvez essa tenha sido uma das principais razões pelas quais o guia se tornou notícia. Segundo o autor, as mulheres podem ser definidas como:
  • Britney Spears : seriam as patricinhas, as meninas bem arrumadas da Barra, Leblon e Ipanema, que segundo o guia, são difíceis de se paquerar (ou será que não?).
  • Hippies : talvez se referindo às garotas de estilo mais alternativo, góticas talvez (ou quem sabe se referindo à maconheiras mesmo).
  • Balzacs : nada mais do que as mulheres de mais idade, estilo Sex and The City, que dão mais trabalho para se conquistar.
  • Popozudas : as "máquinas de fazer sexo", com bundas descomunais, onde o destino final (e bem provável) é uma cama de motel.
O mesmo tipo de rotulação é feita com os homens (embora as reportagens que apareceram na Internet e nos jornais não mencionavam nada sobre o isso, acho que para eles só é degradante quando a mulher é rotulada):
  • Bonitinhos : seria a contra-parte das Britney Spears, ou seja, os mauricinhos, que se vestem todos arrumados, verdadeiros metrossexuais (embora este texugo ache que o nome certo é viado mesmo).
  • Pitbulls : os famosos pitboys, que só pensam em jiu-jitsu e dar porrada nos mais fracos.
  • Hippies : a denominação mais "politicamente correta" para os maconheiros, vivendo no seu estilo Paz e Amor e queimando um baseado.
  • Jogadores : não, acho que ele não se refere aos jogadores de futebol, mas aos playboys da Zona Sul, que são os que "sabem tratar as mulheres" e são os mais desejados (o típico cafajeste, diria eu).
Este tipo de abordagem é que revoltou centenas de cariocas e a Embratur, que agora faz tudo para tirar o guia do ar. Dizem que o livro incentiva o turismo sexual e é degradante com as mulheres (e com os homens, não?). A dignidade do povo brasileiro estaria sendo atingida por essa publicação suja, ao mostrar uma imagem completamente falsa da cidade. Será mesmo?

Eu pessoalmente diria que o guia certamente não retrata um lado da nossa cidade do qual devemos nos orgulhar, mas acho que em nenhum momento ele mostrou uma imagem falsa. Aproveitando o momento, tomemos como exemplo o Carnaval... No guia, definido como "festas ao ar livre com atividades de semi-orgia". Sejamos sinceros, aqui no Brasil, em especial no Rio de Janeiro, o Carnaval é uma surubada generalizada, pegação geral pelos cantos. Veja o desfile das escolas de samba, duvido que a cada 10 minutos você não vai ver alguma mulher totalmente nua em um carro alegórico, alguma atriz ou modelo com os peitos de fora, ou uma passista rebolando freneticamente a bunda (normalmente a dois centímetros da cara de um folião com cara de paspalho girando um pandeiro nos dedos). Isso sem falar nas festinhas mais reservadas, nos bailes onde acontece de tudo. Fato, o Carnaval é a festa do sexo, até o próprio Governo reconhece isso, ao lançar sempre as conhecidas campanhas "nesse Carnaval, use camisinha". E agora eu pergunto: qual é a imagem que a Embratur usa para divulgar o Carnaval no exterior? Independente da imagem, pode apostar que pelo menos uma bunda deve ter...

E continuo levando pela questão do turismo sexual, dos rótulos que fazem dos cariocas. Será que não tem um pouco de verdade no que o autor menciona? Ora, vivemos na era das mulheres-fruta, dos bailes funk e da azaração na noite carioca, e não vejo ninguém reclamando disso, agora quando o cara faz essa propaganda para o gringo ver, aí vão condená-lo? O Rio de Janeiro sempre foi famoso por sua boemia, pela Garota de Ipanema e pelas noites nos bares, principalmente nos dias de hoje que a sociedade em geral está muito mais liberal, é só fazer um pequeno sacrifício e escutar o funk do momento, certamente falando de sexo e sacanagem, e sempre com alguma mulher rebolando como se estivesse no cio (e depois dizem que isso é cultura). É só ver os bares à noite, adolescentes que se conheceram a quinze minutos "ficando". Parece que a culpa é dos turistas que vêm para cá com essa intenção de turismo sexual. Acordem: é a velha lei da oferta e da procura, não discuto que tem muito gringo vindo pra cá querendo afogar o ganso em uma popozuda, mas eles vêm pra cá porque tá cheio de popozuda disposta a isso.

E termino ainda dizendo que é muita hipocirsia, em particular por parte das mulheres, que se revoltaram em ser rotuladas pelo guia. Lembro que vi uma reportagem sobre o guia onde entrevistaram uma menina na praia, certamemente moradora da Zona Sul, que disse achar um absurdo, que as pessoas não são apenas a beleza exterior, mas o que importa é a beleza interior. Tá certo! Quero ver se ela vai dizer isso ao ver na praia um sueco de dois metros de altura, loiro e de olhos azuis, duvido que ela não iria jogar um charme se ele estivesse próximo. Vai me dizer que o autor exagerou nos rótulos? Ora, patricinhas e pitboys, popozudas e maconheiros, todos eles estão aí na paisagem ensolarada do Rio de Janeiro já tem tempo, só não ver quem não quer.

Realmente "Rio for Partiers" é de fato degradante, e deixa aquela má impressão de que a cidade é um verdadeiro prostíbulo. Porém, antes de atirarmos pedras no guia, acho importante vermos que essa imagem é uma consequência da nossa cultura e do nosso povo: enquanto ainda existir Dança do Créu, enquanto o Carnaval continuar sendo uma festa onde seios e bundas desfilam abertamente, e enquanto a cultura da azaração e pegação nas noites foi incentivada pela sociedade, só podemos esperar que continuem surgindo guias como esse.

Em tempo: na Amazon tem esse livro à venda, e o mais curioso é que a edição lá é de 2004. Ou seja, esse livro está aí pelo menos uns cinco anos, mostrando para os gringos a realidade de um cotidiano que a imensa maioria dos cariocas vivencia, e a Embratur até agora nunca havia se pronunciado. Por quê?

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Tudo acaba em pizza!

Como ano que vem tem as eleições, não posso perder a oportunidade de falar das mais bizarras histórias envolvendo o sapo barbudo que é o nosso presidente. É impressionante como o Lula é uma fonte inesgotável de material para piadas, revolta e discussões.

Hoje um dos amiguinhos dele, o justíssimo Tarso Genro, concedeu asilo político a um canalha italiano, um terrorista condenado por quatro homícidios lá na terra da pizza! Veja aqui no site de notícias da Globo a matéria falando dessa barbaridade.

E o Lula ainda vem com aquele papo de boteco, dizendo que é uma decisão soberana (como os PeTelhos adoram essa palavra), e que o Brasil é um país generoso. É, realmente só aqui para um bandido ser recebido assim numa boa, manda ele passar um tempos em Brasília, lá vai se sentir bem à vontade com a cambada de lá...

Agora, lembram dos atletas cubanos que pediram asilo político aqui no Brasil na época do Panamericano? Dois deles foram mandados de volta para a Ilha da Fantasia Vermelha do Fidel (gente finíssima), pelo mesmo Tarso Genro. Onde é que enfiaram a generosidade e soberania das quais tanto se orgulham?

É isso aí: quando é pra acolher um terrorista e assassino, o Brasil tá de braços abertos; agora para receber fugitivos de uma ditadura opressora, as portas estão fechadas, principalmente se for pra agradar o barbudo do charuto lá de Cuba e o restante da Turma do Chavez...

domingo, 11 de janeiro de 2009

Oi meu chapa!

Bem-vindo ao meu site!

Eu sou o Texugo Maluco, e este é o meu blog. Como estou sem muitas idéias e morrendo de sono, essa primeira postagem vai ser apenas para inaugurar a página: nada mais sem-graça do que um blog sem nenhuma mensagem!

Aqui você vai encontrar de tudo um pouco: vou falar de notícias bizarras que só tem aqui no Brasil, mas também vai ter espaço para falar de coisa séria; comentar a respeito do que acontece, e ainda sobrando tempo para algumas piadas; discussões sobre diversos assuntos, desde cinema até política, passando por comportamento, futebol e o cotidiano da cidade onde me escondo, o Rio de Janeiro; e vai ter lugar para zoar com as personalidades que nos divertem (como nosso ilustre presidente) e para tentar entender o maior dos mistérios da Humanidade: as mulheres!

Esse texugo aqui não tem a vida ganha, então postagens só quando o relógio deixar e quando tiver assunto pra falar. Mas o texugo não é surdo e também escuta, então venha sempre deixar os seus comentários e sugerir algum assunto.

E é isso aí, por hoje é só, o Texugo Maluco não tem asas mas está no ar: tudo bem que de classe econômica, mas a crise tá aí, é hora de economizar!