quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

E tem gente que acredita...

Faz tempo que eu não escrevo sobre política aqui, até porque estou ficando cada vez mais enojado de tudo que acontece nessa bosta de país. Mas essa não deu pra deixar passar, pois realmente mostra como o brasileiro é um povo burro, idiota, que se deixa ser facilmente enganado pelos nossos governantes, que leva na bunda todo dia e ainda fica achando que a vida é boa. A de hoje foi mais ma de nossa "presidenta", que esteve na FIFA para falar a respeito dos preparativos para a Copa do Mundo que chega aqui em poucos meses. Você pode ver a notícia aqui.

O próprio presidente da FIFA havia comentado que o Brasil era o país que mais teve tempo para se preparar para o mundial, mas que mesmo assim era o mais atrasado de toda a história das Copas. E não precisa ir muito longe para perceber. Veja os estádios, por exemplo: vamos ter doze sedes para a competição, e cinco delas ainda estão em obras a menos de um semestre da Copa, sendo que até um desses estádios, o de Curitiba, corre o risco de não ficar pronto a tempo e ser excluído. Você pôde acompanhar o que se gastou de grana, assim como os acidentes que vitimaram operários das obras, certamente como consequência da pressa e da acochambração. Naqueles que já estão prontos, fica evidente que tudo foi feito às pressas, de que a estrutura não está 100% pronta para a competição...


E o que a nossa "presidenta" vem e diz? Que "os estádios são obras relativamente simples".

Sério, Dilma... Vai pentear macaco! Obras simples? Pode até ser, mas só em país civilizado, só em lugares onde os governantes não estão pensando somente em como faturar uma grana, em desviar verba pra garantir o seu sustento, às custas do povo! Gastam uma fortuna com estádios clulengas, fazendo até arena lá no raio que o parta, com a obra mais atrasada do que trem da Central, e a senhora vem me dizer que estádio é obra simples?


Pior é que ela podia ter se limitado a falar essa bobagem, mas sabemos bem que a "presidenta" não perde a oportunidade de quer aparecer, podia ter ficado com a boca fechada antes de falar merda. Mas não, ela ainda vem falar que o mais importante são as obras de infra-estrutura e de transporte urbano que estão sendo feitas, que serão o grande legado para o povo brasileiro.

Essa lazarenta diz isso pois ela, quando voltar de seu passeio na Europa, pago com o meu, o seu, o nosso dinheiro, ela não vai passar pelo Galeão, que parece uma tragédia grega, todo bagunçado, sem ar condicionado a ponto de estar mais quente que o verão carioca de 40 graus...


Legado... até parece!

O pior de tudo isso é que tem gente que acredita... O povão é muito inocente, muito imbecil, escuta essas cascatas e cai direitinho! Até parece que vamos ter um legado, até parece que o povo vai poder usufruir dessas "melhorias" que os governos dizem estar implementando no Rio de Janeiro, São Paulo e outras grandes cidades. Vai ser como no Pan-americano, vão dar aquela maquiada na cidade, como quando o esperto decide escovar bem o antes só na véspera da visita no dentista ou que só toma banho direito quando vai encontrar a namorada, vão dar só aquela ajeitada temporária para os gringos verem. Vão mandar o povo ficar em casa pra não atrapalhar o trânsito, vão colocar o exército nas proximidades dos lugares dos eventos, vão fazer tudo que puderem pra deixar as cidades minimamente apresentáveis para que a Copa possa ocorrer.

Aí depois... Volta tudo pra mesma coisa... Vai voltar o caos no trânsito, com ruas atoladas de carros, metrô e trem lotado, aeroportos acabando com a paciência dos passageiros; voltam os mendigos, os flanelinhas e os bandidos, deixando ir embora todo o ar de segurança que vai ficar aqui só pra competição; os estádios vão ficar largados, com grandes "elefantes brancos" em locais de grande tradição futebolística como Manaus; os hospitais e a educação, esses que não servem em nada pra Copa, vão só piorar ainda mais... 

E o povinho? Ah, esse aí não vai estar nem aí... Ainda mais se o Brasil ganhar a Copa, não vão nem se lembrar de todos esses problemas... Como eu já disse, o povo tem os governantes que merece...


terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Chega de Realities!

Recentemente começou uma nova edição de um dos programas mais insuportáveis da face da Terra, o Big Brother Brasil, ou BBB para os íntimos. Já são anos que temos que suportar essa merda, que não se restringe à Rede Globo (da qual eu passo longe), mas que também toma conta da programação de praticamente todos os canais pagos da rede do Plim-Plim, assim como das conversas no restaurante, no ônibus, no trabalho, na Internet e nas redes sociais. Toda hora vemos comentários estúpidos e que me enojam, do tipo "o fulano fez pirocóptero no chuveiro", "a fulana ficou pelada" ou "o beltrano e a siclana treparam debaixo do edredon". Impressionante como o povão se esbalda ao acompanhar a vida de um monte de desconhecidos em uma casa absurda, onde a putaria rola solta.

É tanta putaria que ocorre nesse programa, que chega a ser obscenas certas coisas. Fico imaginando como é que o namorado de uma participante ou a noiva de um participante devem se sentir ao saber que sua cara-metade vai participar de um programa desses, onde é incentivado todo o tipo de promiscuidade, imagina só como seria se tornar corno em rede nacional. É tanta putaria que nessa edição chutaram o balde e convidaram uma stripper.


Tá bom... Confesso que ela tem um par de razões que são interessantes...

O engraçado é como o povão adora essa merda, ainda ficam dizendo que todo mundo vê, mas muita gente não admite. Eu não vejo essa bosta, a única vez em que eu tive que suportar essa porcaria foi quando certa vez estava vendo um show musical no Multishow há muitos anos atrás, e em um intervalo colocaram quase vinte minutos de cenas da pôrra da casa! Fiquei muito puto, pois ainda cortaram parte do show que eu estava assistindo. 

E deve-se destacar que existe outro grande motivo para eu não suportar essa merda...


Cara, escutar um dos "versos" do Bial deve ser a mesma sensação do que ter uma barra de ferro, da bitola de um hidrante, ardendo em chamas a mais de mil graus, sendo empalada no meio de seu orifício retro-furicular, enquanto escuta um CD com os grandes sucessos do Frejat.

Em todo caso, essa história do BBB me fez fazer esse post, para comentar a respeito de um câncer da televisão mundial, que são os reality shows. De alguns anos pra cá, é impressionante a quantidade de programas desse gênero, trazendo meros desconhecidos e colocando-os diante das câmeras, enquanto eles encaram a "realidade". 


Realidade entre aspas pois a imensa maioria dos programas retrata tudo, menos realidade. Claro que em alguns casos essa é a intenção, mas em outros, como o Big Bosta Brasil, fazem um discurso de que tudo ali é real, mas na prática é tudo moldado para atrair a audiência. Ou vai me dizer que é realidade uma dúzia de adultos de diferentes classes sociais, que fica numa casa só fazendo nada, malhando ou na piscina, ou fazendo festa todas as noites?

Claro, eu não estou sendo aqui drástico. Eu digo que tem alguns pouco reality shows que eu gostava de assistir, mesmo se ficamos com aquela dúvida se realmente tudo ali é real ou se não é forçado. Aquele Survivor, onde o pessoal ficava numa ilha e tinha que sobreviver (e que foi porcamente imitado pela Globo) era bem interessante; o The Amazing Race, muito legal, pois ele assumia mesmo o objetivo de ser uma "corrida ao tesouro", com o toque especial de ser ao longo de vários países do mundo; sempre achei legal a Guerra do Ferro-Velho, com o pessoal tendo que improvisar para construir máquinas bizarras; tinha outro parecido, chamado Full Metal Challenge, onde equipes de vários países tinha que construir veículos bizarros para enfrentar uma competição; aqueles programas policiais também são legais, mostrando polícia que funciona de verdade, e não essa bosta daqui do Brasil; o American Chopper sempre arrancou boas risadas com as constantes brigas entre o Paul Sr. e o Paul Jr., enquanto faziam as motos mais maneiras.


Confesso que até acho curioso o Beauty and The Geek (chamado por aqui de As Gostosas e os geeks), que passa no Multishow, onde são formados casais com uma garota lindíssima, dessas de parar o trânsito, mas que normalmente é mais burra que uma porta, e um nerd totalmente feio e desajeitado. Os casais competem em provas que justamente tentam forçá-los a vencer suas fraquezas, com cada um se ajudando. Por exemplo, a garota tendo que responder perguntas de ciências, ou o carinha tendo que participa de uma competição de dança. Apesar de parecer meio apelativo, acho legal pois mostra como não devemos nos ater aos estereótipos, que não é porque o cara tem uma pinta de nerd que ele é sem graça, e não é porque a menina é gata que ela não tem como ter conteúdo e ser inteligente.

Mas tem uns programas que realmente são insuportáveis! São umas idéias que inventam para realities que não tem nada a ver, sobre assuntos que realmente não são de interesse de ninguém normal, ou que chegam ao limiar do ridículo. Por exemplo, como aqueles programas de emagrecimento, tipo aquele quadro Medida Certa do Fantástico, onde as pessoas precisam perder peso para ganhar a competição, com os gordinhos suando a camisa. Acho algo meio pesado (com trocadilho, por favor), pois sei o que é estar acima do peso, embora não morbidamente como os participantes desse programa. Se já não bastasse serem zoados na vida real, tinham que pagar o mico de serem zoados na telinha.


Embora tenha coisa pior do que tentar convencer gordinhos a reduzir a comilança para conseguirem caber em uma singela roupa XXG. Insuportável mesmo era ver isso...


Cara, Queer Eye For The Straight Guy é inacreditável! Juntaram cinco bichonas, sendo que a moçoila loira é tão viada que vale por dez, cada um deles focado em uma área (como vestuário, gastronomia, decoração e outros assuntos extremamente "másculos") que tentam dar dicas para sujeitos que não se cuidam, de forma assim a agradar mais suas famílias, amigos e namoradas. Acontece que na verdade a imensa maioria das dicas acaba tornando o cara afeminado, tanto que muitos dos sujeitos acabavam se enrolando na hora de seguir as dicas coloridas. Sinceramente, se o cara tem uma namorada ou amigos que decidiram inscrevê-lo nesse reality show, deveria era arrumar outras companhias...

Seguindo na outra direção, o que não falta hoje em dia são programas de culinária. Não estou falando de programas onde se ensina a fazer comida, algo como um livro de receitas na televisão, como fazia a Ofélia, mas aqueles manjados realities onde tem-se uma competição entre vários chefs, sempre tendo algum entendido do assunto que julga os pratos, dizendo quais que são como um delicioso orgasmo para o paladar e quais que são como algo regurgitado por um leproso. Cada um claro tenta manter o seu estilo para fugir da mesmice, como o viadinho do Jamie cheio de suas frescuras e ares europeus ou aquele maluco que xinga os seus pupilos de tudo quanto é jeito quando eles erram feio.


Pra você ver como hoje temos essa overdose de programas de culinária, chegaram ao cúmulo de inventar uma atrocidade que se chama "Life After Top Chef". Resumindo, se não bastasse termos o programa padrão Top Chef, onde aspirantes a mestre-cuca tentam impressionar os juízes para ganhar o prêmio, temos agora um programa paralelo que mostra a vida de vários dos competidores que foram eliminados! Puta merda, se eu curtisse um programa desse tipo, eu iria dar a mínima pra quem perdeu, cacete?

Outro tipo de programa que é chato pra cacete são aqueles realities que acompanham a vida de alguma celebridade, ou pior ainda, de alguma sub-celebridade. Tipo, aquele em que a Paris Hilton e sua amiga fingiam que tentavam arrumar emprego, ou aquela outra da gordinha Honey Boo Boo que queria ser Miss Mirim, ou então aquele outro que acompanha a vida da "socialite" Kim Kardashian, mais conhecida por aquele vídeo. Desses programas, só teve um que se salvava, que era Os Osbournes.


Afinal de contas, quer algo mais engraçado que um programa com o Ozzy fazendo as suas merdas? Ele chegou a admitir que estava chapado em TODOS os episódios do programa!

Também deve-se falar a respeito de como que aqui no Brasil conseguem tornar esses programas ainda piores. Não só o Big Brother, que é realmente o que há de pior na face desse planeta, mas se você for pegar certos programas como o The Voice, imitação dos programas de música tipo American Idol, porém descendo o nível, trazendo a sempre enjoativa MPB. Se já não bastassem todos os cantores e cantoras de merda que surgem naturalmente dos cantos mais fedorentos desse país, temos que aturar também criaturas como essa, fabricadas no programa.


Bom, isso é que se espera de um programa que tem como jurados a turma abaixo: o gagá do Lulu Santos, cuja carreira acabou lá nos anos 80 mas se esqueceram de avisá-lo, o Daniel sempre com sua cara de cu sem pestana e que só ganhou fama depois que deixou de ser dupla sertaneja, o Carlinhos Brown que não merece comentários, que nos trouxe "grandes" invenções como Olodum, Tribalistas e caxirola, e a Claudia Leite que no final das contas é uma cópia loira da Ivete Sangalo.


Mas tudo bem, pois a Claudia Leite é muito mais gata que a Ivete Sangalo...

Enfim, bem que podiam parar um pouco com esses realities, já está enchendo o saco. Infelizmente a grande maioria deles é boçal, sem graça e apelativa, principalmente quando se tratam de produções nacionais, como BBB e A Fazenda, que descem mais baixo que o nível de uma gilette deitada. Só ocupando espaço na programação, tirando o lugar de programas mais interessantes ou séries mais legais de se assistir, vejo que cada vez mais fazer programas desse tipo está se tornando mais comum. Programecos de quinta categoria, que não trouxeram nada de útil para a sociedade.

Bem... com exceção dela...


Sem dúvida, a Grazi foi a única coisa de bom que saiu do BBB, a Sabrina Sato também não fica atrás, mas sou mais a loirinha... Como é que aquele babaquara que era casado com ela (ou ainda é, não sei) abriu mão dela? Eu não daria esse mole...

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Os Aventureiros do Bairro Proibido - Parte 1

Recentemente eu fiz aquela série de posts relativos ao filme do Starship Troopers, onde fiz quase que uma narrativa do que acontecia, logicamente dando a sacaneada que esse filme legal porém tosco merecia. Se você por acaso não viu, você pode olhar nas postagens anteriores, com a parte 1, parte 2 e parte 3. Outro que foi vítima de minhas sacaneadas foi aquele clássico da Sessão da Tarde, Os Heróis Não Tem Idade, que rendeu um único post igualmente tosco. E já havia feito alguns posts mais resumidos, destacando quanto certos filmes que tentavam ser sérios acabavam como hilariantes diversões, como o Último Guerreiro das Estrelas e O Grande Dragão Branco, os quais eu certamente foi revisitar com posts mais longos e detalhados. Mas, antes deles, ficou a promessa de falar a respeito de um dos filmes mais sem noção que já vi, Os Aventureiros do Bairro Proibido.


Sim, eu já tinha feito um post sobre esse filme há bastante tempo. Mas se eu pude fazer graça com Starship Troopers, que é um filme que tenta ser sério, não ia poder deixar de zoar um filme que tentou ser sério também mas falhou miseravelmente, virando um dos grandes clássicos cult dos anos 80. Mostra mais uma vez como as produções dessa época são muito legais e ainda divertem. Se você conhece esse filme, sabe do que estou falando. Se não conhece, então siga na primeira de algumas postagens que vão contar uma das aventuras mais sem noção de toda a Chinatown.

O filme começa em um escritório de advocacia, onde o Lewandowski trabalha, depois de ter visto que defender a turma do PT não dava em nada. E logo como primeiro caso ele tinha que defender um sujeito bizarro.


Esse sujeito bizarro era um chinês zoiudo, chamado Egg Shen, que ganha a vida dirigindo ônibus de turismo no bairro chinês, normalmente levando turistas ingênuos para lugares sem importância nenhuma e cobrando uma grana preta deles. Ele estava sendo acusado de ter explodido metade dum bairro, e estava cheio de historinha de feitiços e o caralho a quatro.


Aliás, você pode estar estranhando esse início do filme. Sabe que eu também? Acho que eles sempre cortavam essa parte inicial quando o filme passava na Sessão da Tarde. Até porque essa parte é chata à beça. 

O Lewandowski então diz que Egg Shen parecia mais era maluco, que toda essa história de mágica era a maior mentira. E olha que ele acreditava na inocência do Dirceu, pra você ver como ele acredita em qualquer coisa. Então o china faz um truque de mágica que aprendeu com o Mister M, e decide então contar a história de como tudo aconteceu...


Era uma vez um caminhão, dirigindo pela estrada...


... e nesse caminhão está Jack Burton, o herói do filme, que se amarra em pegar o radinho de caminhoneiro e ficar falando obscenidades de todos os tipos. Como, por exemplo, dizendo que sua ex-mulher é tão vagabunda que se ele a mandar pro Inferno é bem provável que ela vai dar pro diabo.


Depois de uma longa viagem através dos States, ele finalmente chega em São Francisco, onde precisa entregar numa feira chinesa seu carregamento de brócolis, banana e miúdos. E eu pensava que essas feiras eram exclusividade aqui do Brasil.


Sempre odiei as feiras, com aquele monte de barracas sujas, nego berrando e cuspindo em cima de seus produtos, donas de casa gordas com seus carrinhos desengonçados, e aquele futum característico da mistura de goiaba, peixe podre, suor e bosta de galinha. 


E por algum motivo esse ganso fez uma ponta no filme. Olhando no Imdb, vi que esse ganso depois fez uma ponta também no Titanic, como "cozido do jantar #4".

Depois de concluída a entrega, nada como um pouco de cerveja e um joguinho pra distrair, não é? Jack então acha a primeira rodinha lá com uns chineses meio doidos e decide dar uma lição naqueles amarelos imigrantes ilegais. Só que ele acaba se esquecendo de perguntar o que os putos ali estão jogando, provavelmente um strip pôquer interracial, onde quem perder terá que ficar de cuecas enquanto os demais enfiam aqueles palitinhos chineses no seu rêgo...


E no grupo ali está Wang Chi, um amigo de Jack. Pelo visual, ele deve ter roubado essa roupa do set do Indiana Jones para parecer ser mais maneiro. Conseguiu foi é ficar mais ridículo. 


Depois de algumas horas jogando, Jack consegue rapar a grana de todos os chinas ali, deixando dois deles totalmente sem dinheiro, um sem as calças e mais um que vai ter que pagar a promessa de chupar uma galinha. Nada como acabar com a grana e a dignidade de pobres imigrantes chineses que mal sabem falar uma palavra em inglês. Mas como diria Jack Burton numa hora dessas, "This is Murica!!!"


Um desses que ficou zerado foi o próprio Wang, lamentando que havia perdido todas as economias que ele estava guardando para uma cirurgia para ficar mais alto. O amigo dele, que mais parece um Evo Morales asiático, decide levar as cartas embora pra acabar com essa esbórnia de jogatina toda, pois o dia já começou e tá na hora dele abrir a pastelaria dele, pois "plecisa fazê pastel pra ganhá a vida, né?".


Jack então diz que foi um prazer tirar todas as economias de Wang, que sempre é divertido pra ele como americano dar uma coça em chineses e outros amarelos, com seus palitinhos de almoçar e seus biscoitos da sorte, demonstrando todo o seu respeito pelos asiáticos. Mas o china fica todo putinho, e decide propor uma última aposta, nada ou o dobro...


É "o dobro ou nada", seu pleura! Sério, ele fala assim trocado no filme, vai se fuder! Não é à toa que Jack Burton conseguiu vencer ele tão fácil assim no jogo, acho que Wang estava pensando que pôquer era igual a golfe e pra ganhar tem que fazer a menor pontuação.

Bom, provando mais uma vez o quanto ele é estúpido, Wang diz que se ele conseguir cortar a garrafa no meio com seu facão Ginsu de estimação, ele recupera a grana, mas se ele não conseguir, que ele paga o dobro pra Jack. 


Lá vai então o golpe...


... e não precisava queimar tanto a cachola pra saber que Wang não ia conseguir. Mas o que parece é que seu plano na verdade era fazer a garrafa voar na cara de Jack para deixá-lo desacordado, para que assim ele pudesse recuperar sua grana, além de poder jogar o Jack num chiqueiro pra ser violentado por meia dúzia de procos no cio.


Só que Jack não é bobo... Como ele mesmo diz, "It's all in the reflexes."

Sem nenhum tostão nem pra pegar um ônibus de volta pra rodoviária, Wang pede então que Jack dê uma carona pra ele, pra que assim eles fiquem quites. Malandro esse china, querendo passar a perna em Jack. Mas o caminhoneiro não é tão bobo assim, que lembra Wang que ele é quem está devendo, e que pode dar até essa carona pra ele, mas isso ia custar mais umas quinhentas pratas. E ele teria que pagar o pedágio na ponte Rio-Niterói. E se livrar daquele chapéu ridículo, Jack não estava afim de passar vergonha ao ser visto com um china que acha que é o Indiana Jones.


No caminhão, Wang começa então a contar o porque dele estar precisando de grana: era que sua namorada estava vindo da China, e ele queria impressioná-la, levando para lugares sofisticados como MacDonald's ou KFC. Não era grande coisa, mas para uma garota que estava acostumada a comer carne de cachorro lá na terrinha, ia ser um upgrade sensacional comer um Big Mac.


Wang mostra então uma foto da garota, chamada Miao Yin...


... e com isso Jack responde com um sonoro "já comi".


Bizarro é a mulher ser chinesa e ter olhos verdes. Tudo bem, sei que tem muito chinês que fica meio chateado com o fato dele ser igual a todos os seus conterrâneos, o que leva a uma grande crise de identidade que resulta tipicamente no sujeito pintar seu cabelo de abóbora. Mas, chinesa de olhos verdes é a primeira vez, deve ser daquelas regiões ali perto com a Rússia. Embora com essa cara, ela pareça mais um travecão. 

Chegamos então no aeroporto, onde o avião de Miao Yin já chegou. Depois de uma viagem de praticamente um dia, com a cabine repleta de chineses, coreanos, japoneses e todo tipo de cidadão de olhinhos puxados, imagino que o pessoal deve sair de lá com um odor meio desagradável de sushi estragado...


E os nossos amigos estão lá, Wang parecendo um macaco no cio, louco pra levar sua namorada prum quartinho e abrir o biscoito da sorte dela, enquanto Jack está extremamente puto, se dando conta de que seu amigo chinês não vai pagar pôrra nenhuma e ele vai sair no preju.


Já que está na merda, melhor arrumar algo pra salvar o dia. E logo ele acha um alvo...


Ao contrário de Wang, que é todo sentimental e cheio de frescuras, como "ai, estou apaixonado por Miao Yin, vamos nos casar e ter um casal de filhos lindos e morar numa casa com um poddle", Jack não tem dessas sutilezas e já chega na loirinha sem perder tempo, mandando algumas indiretas como "pega no meu manche e vamos jogar come-come".


Claro que a loirinha não se anima muito com as investidas de Jack. Pelo menos por enquanto...

Digo por enquanto pois essa atriz aí, chamada Kim Cattrall, alguns anos mais tarde viria a ser uma das do Sex In The City, fazendo o papel daquela balzaquiana tarada amiga da cara de cavalo que não pode ver nenhum objeto de formato cilíndrico sem ficar excitada. Até que algumas décadas atrás ela era jeitosinha, ela participou do Loucademia de Polícia e daquele filme-putaria Porky's.

Bom, aí enquanto Jack manda as suas cantadas de pedreiro, aparece alguém ali cortando no meio do caminho. E ninguém interrompe Jack Burton quando ele está dando em cima de uma mina.


Eram três chinas, um deles com uma escolha simplesmente lastimável de óculos escuros.


Pôrra, quer chamar a atenção pendura uma melancia no pescoço! Que merda escrota esse óculos, cacete! Embora o da esquerda não fique atrás, com aquele óculos 3d do Master System.

Aproveitando a ação dos três patetas ali de cima, a garota loira, chamada Gracie Law, se livra das investidas de Jack, e vai para um canto mais sossegado, onde pode então ver uma foto. Sim, eram os anos 80, não tinha iPhone para você ficar vendo fotos, tinha que trazer ela revelada na mão mesmo.


Da mesma forma que Wang, Gracie estava esperando alguém naquele vôo, uma chinesa genérica que chamarei de Chun Li. Bom, isso pode indicar que Gracie é mais chegada numa luta de aranhas, o que explica ela dar uma escapada das investidas machistas de Jack.


A Chun Li então finalmente consegue se livrar da alfândega, depois de ter sofrido todo tipo de revista íntima que ela possa imaginar. Mas talvez isso só a tenha deixada mais preparada para encontrar sua amiga americana, que lhe ofereceu uma casa na América em troca de favores sexuais.


Quem também já está pra sair é Miao Yin, trazendo uma caixa de bugigangas chinesas pra vender no Shopping Avenida Central. E sou só eu, ou a Chun Li é mais bonitinha que a Miao Yin?


E aí então é que os Três Patetas decidem agir. Parece então que eles estão ali pra sequestrar umas chinesinhas, e partem pra cima da Chun Li e da Miao Yin. Dá pra ver pela expressão de grande animação dos três que eles curtem umas asiáticas, pensando em diversas maneiras bizarras de violentá-las, como os japoneses fazem nos desenhos de hentai.


Eu ainda vou me enrolar com esses nomes chineses!

Como ainda não tivemos o 11 de setembro, não temos toda aquela segurança nos aeroportos. Jack então decide acabar com essa palhaçada, chamando o china pra brigar que nem homem.


Mas logo vemos que essa pose de machão é só pose, e Jack tropeça na perna do outro china de óculos escroto e cai no chão, ferindo não só o seu traseiro como seu orgulho.


Enquanto isso, o outro saca seu trezoitão falsificado e leva Miao Yin sequestrada.


Jack e Wang correm até o estacionamento, procurando pelos chinas filhos das putas. Sabe-se lá como eles adivinharam que os sequestradores foram ali pro estacionamento, mais uma daquelas coisas inexplicáveis que ninguém nunca se preocupa em pensar quando assiste um filme desses.


Os chinas pegam então o seu carro esportivo de dois lugares, certamente o mais indicado para se usar quando se está em três e deseja-se sequestrar alguém...


... como podemos ver, ao presenciar todo o desconforto que Miao Yin passa no pseudo-porta-malas desse carro, sorte que ela é magrinha que nem a Olívia Palito. Pelo menos podemos dar um desconto pros chinas, pois os caras tem estilo, o carro é show de bola...


Qual foi? Acho esses carros dos anos 80 muito maneiros!

Os bandidos jogam o carro em cima de Jack e Wang. Interessante como Wang fica ali parado, só olhando, achando que não ia acontecer nada, teria virado um rolinho chinês se não fosse Jack, jogando-o para o lado para sua segurança.


"Son of a bitch must pay!"

Essa é sem dúvida uma das frases com maior concentração de testosterona dos filmes da época! Se prepara que esse aqui tá cheio dessas frases, dá até pra competir com os filmes do Schwarzenegger.

Para perseguir um carro esportivo, quer melhor idéia do que um caminhão?


Wang certamente fica puto, dizendo que aquele caminhão nunca ia alcançar os bandidos, que eles nem faziam idéia de onde procurar, que era melhor ter roubado um carro esportivo que era mais rápido. Jack manda ele tomar dentro, que ele era um caminhoneiro, e caminhoneiros dirigem caminhões, nada dessa viadagem de carrinhos esportivos feito de fibra.


Enquanto isso, ali pertinho em Chinatown, vemos um ônibus amarelo tosco, passeando pelas ruelas sujas e cheias de camelôs.


Sim, é o nosso amigo Egg Shen lá do início do filme, dirigindo o seu ônibus cheio de turistas, contando abobrinhas como dizendo que naquela esquina ali foi onde o Hugh Grant foi pego com uma prostituta tocando sua flauta e que no próximo quarteirão foi onde o cachorro do Nixon deu uma cagada em cima de um pombo. Com a próxima parada na pizzaria onde as Tartarugas Ninja compravam suas pizzas de anchova.


Podemos ver a expressão dos turistas, que incluem ali 50% de idosos que quando viajam não sabem fazer nada além de andar de excursão, um alemão ali à direita pensando na supremacia da raça ariana e o gordinho, que já ficou todo animado ao ouvir a palavra "anchovas".


O que não estava no plano do passeio era um quase contato imediato com o caminhão de Jack, zunindo por cima de tudo e todos pelas ruas. Egg Shen manda então um monte de palavrões em chinês, e avisa aos passageiros que aquela manobra ali era uma atividade extra da viagem, custando 20 pratas por cabeça.


Jack continua seguindo pelas ruas, até que Wang dá um piti e diz pra virar numa rua, obrigando Jack a fazer um drift com o caminhão.


Jack então pergunta pro Wang se carro esportivo ia fazer um drift assim tão perfeito?

Depois de andar um pouco, eles vêem um monte de hare-krishnas vestidos de branco, carregando um cartaz com a foto de um maracujá de gaveta e um caixão. Jack já fica preocupado, pensando que aquilo ali era um arrastão e que iam levar todas as calotas de seu caminhão, mas Wang fala que os caras são do bem, são a gangue dos Chang Sing, que gostam de cantar musiquinhas e ajudar os pobres.


Como de costume, os Chang Sing tinham também os seus inimigos, a gangue dos Wing Kong, que logicamente vieram aparecer bem na hora desse funeral pra atrapalhar tudo. Ao contrário de suas contrapartes de faixas amarelas, os Wing Kong usavam faixas em vermelho, e sabemos bem que quem usa vermelho ou preto é do mal. E quem usa vermelho e preto é mulambo.


Começa então a briga. E como podemos esperar de um filme de artes marciais, quando dois grupos arqui-rivais de lutadores de kung-fu se encontram...


... sim, um filho da puta saca uma metralhadora e sai fuzilando a procissão pela paz dos Chang Sing. Artes marciais é o caralho, nada como uma arma de fogo.

Só que os Chang Sing...

CHEGA!!! É foda ficar chamando por esses nomes chineses, pôrra! Vou chamar de "amarelos" e "vermelhos" pra facilitar. Não necessariamente pensem que eu estou sendo racista com os bonzinhos dos Chang Sing, tampouco supondo que os putos dos Wing Kong são petralhas.

Enfim, só que os amarelos também não brincam em serviço, e sacam suas armas. Mostrando que esse filme tá indo mais pra linha de faroeste-espaguete do que artes marciais.


Jack então vê que eles estão fudidos, e a única coisa que ele tem à disposição é a sua faquinha. Embora, como vimos no Starship Troopers, nunca menospreze o poder da faquinha.


Depois de acabar com a munição, os vermelhos então decidem abraçar de vez o estereótipo de que asiático só resolve tudo na base da porrada. Podemos nos preparar para uma luta daquelas.


Os amarelos também, embora seja possível ver que eles estão em certa desvatagem, pois só tem como armas um monte de consolos dourados tipo Motumbo.


Wang explica então que a disputa começou, e que ela vai ocorrer nos moldes dos grandes confrontos da velha China. Jack não entende nada, e Wang explica que é uma briga de silêncio, que quem fizer barulho primeiro é a mulher do padre.


O silêncio dura segundos... minutos... até que...


AAAAAAHHHHHHH!!!!

O vermelho com cara de babaca que parece o Pedro de Lara solta um berro, pois alguém chegou por trás ali dele e puxou seu saco até o joelho. E com isso, a porradaria começa, com os amarelos e os vermelhos saindo na pancada.


É soco na cara, joelhada nos bagos, cotovelada no pomo-de-Adão e tijolada nas fuças rolando pra tudo que é lado. Com direito até a membros sendo fraurados.


Falha minha, essa aí foi o último mico do Anderson Silva, que quebrou a perna dando um chute no joelho do adversário. A cena certa é essa.


O engraçado é que a briga parece mais uma daquelas cenas toscas, tipo dos Trapalhões ou dos Três Patetas. É nego se jogando da janela, quebrando vidraça, longe de ser uma luta de verdade. Depois não sabem porque ninguém levou esse filme muito a sério.


E o mais tosco é isso...



Toda hora, eu digo, TODA HORA, depois que um dos amarelos derruba um de seus adversários, ele olha para um de seus colegas e faz esse sinal tosco com a mão. é quase como se fosse um jóinha particular do grupo deles, vou até batizar essa pôrra de "chininha".



Depois de muita pancadaria, alguém solta um peito fumacento, ou então chegou a PM na área, tacando bomba de gás lacrimogêneo e bala de borracha, pra parar com essa zôrra toda.


Eis que então aparecem eles...




Já tava na hora de aparecer o que mais tem de engraçado nesse filme, os três bandidões. Os "Three Storms", que se chamam Thunder, Rain e Lightning respectivamente, dotados de poderes sobrenaturais e chapelões mais ridículos que os usados pelo Jamiroquai. Mas como aqui é sacanagem, vou chamá-los de "Trio Parada Dura", com os nomes de Nhonho, Paçoca e Rayden.


É verdade! Os criadores de Mortal Kombat admitiram que se basearam nesse filme pra criar o Rayden. Nada mais justo que chamar o carinha de Rayden aqui também.

Os vermelhos já meteram o pé, e os amarelos, percebendo que aqueles três babacas ali pareciam ser do mal, sacam suas armas e atiram. Armas que eles podiam ter usado no confronto agora há pouco, trucidando os vermelhos... Mas sabemos como os mocinhos sempre querem lutar de forma justa.


Claro que as meras balas não fazem nada contra o Trio Parada Dura, ou os amarelos aprenderam a atirar com os Storm Troopers. Cansados dessa viadagem, os três sacam seus facões que mais parecem vírgulas...


... e mandam os amarelos pra escanteio.


Chega a hora então do Trio Parada Dura mostrar as suas armas bizonhas, começando com Nhonho que tem dois punhais com umas lâminas curvas, bom para decapitar pintos...


... Paçoca por sua vez possui dois coçadores de costas...


... e Rayden com lâminas de pirocóptero que giram em suas mãos.


De novo eu digo... Depois não sabem porque esse filme é considerado um dos mais toscos da face da Terra.

Jack já ficou de saco cheio, não aguentando mais aquela porcaria toda. Ia resolver o problema da forma mais diplomática possível, ao estilo Jack Burton.


E isso se faz jogando o caminhão em cima dos três, mas que conseguem se desviar da tática espartana de Jack.


Acontece que não pára por aí... Aparece do nada um outro bandido, esse parecendo uma bicha louca com unhas compridas e chapéu de boiola, que ainda faz posezinha de "vem cá, meu puto". Quem é esse merda?


Só que Jack Burton não leva desaforo pra casa, e não tolera uma bicha chinesa de barbinha ficar flertando com ele. Esse tipo de gente Jack Burton passa por cima, literalmente, com direito a um sonoro "BONG!". Wang diz que aquele ali era Lo Pan, e Jack pergunta "Lo Pan quem, pôrra?"


O pior é que o filho da puta ainda está de pé. Ser atropelado por um caminhão e ficar inteiro não é pra qualquer um. E percebo agora que ele levou um prego tamanho família no meio da cabeça, e que parece estar fazendo todos os esforços pra segurar um torpedo. Além disso, ele não sabe se posicionar no meio da imagem.


Ele então dá uma de Ciclope, e dispara um raio dos olhos...


... e em seguida solta um arroto luminoso.


Aliás, eu sei que tem malucos que tentam acender seus peidos para gerar uma labareda, será que alguém já pensou em acender arrotos também?

Eu sei... esse foi um dos comentários mais absurdos que eu poderia ter falado, mais absurdo que esse filme. Vamos continuar, daqui a pouco chegamos num momento bom pra fazer uma pausa.

Jack acaba ficando cego por conta do arroto luminoso de Lo Pan, e Wang vai ao seu resgate, deixando o caminhão lá largado. Sorte que Jack não está vendo nada, pois quando e der conta que perdeu seu caminhão, vai ficar muito puto.


Depois de correr uma quadra e achar que assim já estão seguros da ameaça de Lo Pan e do Trio Parada Dura, Wang acha uma poça de mijo de cachorro para que Jack possa lavar os olhos. Vai pegar uma boa infecção e ficar fedendo, mas pelo menos vai conseguir enxergar alguma coisa.


E não demora e os chineses que sequestraram Miao Yin aparecem. Jack desiste, diz que desde que decidiu ajudar Wang a buscar sua namoradinha no aeroporto, só tem acontecido coisas bizarras com ele, como brigar com um bando de chinas de óculos escrotos, presenciar uma luta entre duas gangues que mais parecia uma partida do Passa ou Repassa, ver três babacas de chapéu de palha e um baita dum viadão que parecia uma gueixa. Pra ele já bastava, que Wang fosse pra puta que pariu e ficasse com o dinheiro.


E onde estava o seu caminhão?

Depois de correr, os dois conseguem finalmente se livrar, e Jack fica puto dentro das calças, queria a pôrra de seu caminhão de volta, pois ali tinham muitos objetos sentimentais para ele, como sua primeira Playboy, sua coleção de chapinhas de refrigerante e o pagamento da entrega que ele havia feito. E nem que ele tenha que virar Chinatown ao avesso ele vai encontrar seu caminhão. E se desse tempo e ela estiver junto com o caminhão, ajudaria a achar Miao Yin também.


Mas essa continuação vai ficar para depois, pois o post já tá ficando quilométrico!