quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Livro Bizarro

Sabe como é, virada de ano sempre é uma época em que além de festas, feriados e idas no shopping para trocar a camisa cor de diarréia que você ganhou de Natal, costumamos também arrumar a casa, fazer aquela limpeza nas coisas que vamos empurrando com a barriga durante todo o ano. Sempre costumo fazer isso, jogando fora papéis velhos, arrumando lembranças do passado (como o RPG do Aventuras Heróicas que falei há pouco neste post) e despachando aquilo que não uso mais. 

E durante uma dessas arrumações, eu achei um livro que eu ganhei quando moleque, que mostrava várias coisas em cortes.


Não, não era um livro de cirurgias médicas que deram errado, mas um livro que mostrava imagens de coisas como castelos, submarinos, aviões, estações de metrô e outros veículos e instalações fatiados em vários planos de corte, como se fossem várias fatias de pão-de-forma, mostrando assim como que eles são por dentro. Bem legal, tinha até o Titanic nesse livro.


Tá, não sei se esse era mesmo o Titanic ou outro transatlântico. Até porque não sei se em 1912 os passageiros faziam questão de ter uma piscina olímpica coberta dentro do navio...

Para quem é fã de tecnologia ou tem a curiosidade de saber como era um castelo medieval por dentro, sem dúvida esse livro era um prato cheio. Muito bem desenhado e detalhado, dava pra ficar horas ali folheando as páginas e percebendo os detalhes. Aliás, detalhes muito bem representados minuciosamente, como todo o maquinário de uma locomotiva, todos os recintos escondidos de uma fortificação, e assim por diante...


Agora, quem teve esse livro muito provavelmente se deu conta, ao passar pelas suas páginas, que os detalhes acabavam sendo, vamos dizer, realmente bem "sujos". Isso porque aqueles que tiveram esse livro certamente se lembram que em praticamente todas as páginas, tinha em algum canto alguém soltando um barro...

Isso mesmo! Imagino que o desenhista dessas imagens tinha alguma tara pelo ato de defecar, e sempre era possível ver em algum lugar alguém de calças arriadas. Por exemplo, se você olhar na estação de metrô de Londres...


Se você abrir a imagem e olhar lá no canto superior direito, ou se você olhar no close que eu coloquei abaixo, vai poder perceber que tem alguém ali na casinha mandando um fax para as Tartarugas Ninja. Tomara que ele tenha papel pra limpar a bunda.


Bizarro...

Claro que você pode achar que eu estou exagerando, até pelo fato da imagem ser tão pequenininha que mal dá para perceber que tem uma pessoa ali fazendo as suas necessidades. Mas isso foi só porque o metrô é uma instalação de grande porte. Se formos olhar o trem...


... podemos ver ali o carinha ali de calças abaixadas e pensando na morte da bezerra enquanto está lançando um submarino ao alto mar. Afinal de contas, na época das maria-fumaça não havia ainda smartphone pra que você pudesse jogar Angry Birds enquanto estivesse fazendo força pra dar uma cagada.


Aliás, no trem ainda tínhamos o desprazer de ver um camarada de bunda de fora tomando banho!


O mais engraçado de tudo é que o cara desenhou a seção do trem onde tem o chuveiro um pouco acima do restante dos outros cortes, juntamente com a seção do pessoal que está assistindo o filme. Olhando assim de relance parece que o pessoal está lá de camarote vendo o bilau do cara tomando banho. 

Claro que nem todas as imagens apelavam para a escatologia, mas umas chegavam perto. Como nas páginas que mostram o tanque russo em corte.


Se você observar bem, cortaram o coitado do atirador do tanque ao meio! Não vemos ninguém cagando, mas temos uma visão dos intestinos do sujeito, que mais parecem um emaranhado de macarrão ao molho de tomate.


Uma das melhores era o navio antigo, um galeão da época das grandes navegações. Só bizarrice.


Ver esse livro era quase como ler o "Onde Está o Wally?", só que em vez de procurar um quatro-olhos vestido como uma meia listrada você tinha que achar onde tinha alguém cagando. E nesse navio tinham dois caras dando suas barrigadas na proa do navio...


... e até mesmo um filho da puta que, talvez por estar longe do banheiro oficial, decidiu baixar as calças e largar a bosta pela borda do navio.


Aqui tinha direito até a um camarada mijando amarradão, em cima de um caixote com uma ovelha, e não se sentindo ameaçado por estar a dois centímetro de um canhão.


E para completar, dava até pra encontrar um coitado no interior do navio, vomitando todas as suas tripas dentro de um balde... Nojento!


Pra finalizar, só faltou mostrar o castelo, não consegui achar nenhuma foto dele inteiro, mas consegui achar um que mostra a parte mais nojenta do livro, quando somos apresentados à maneira como o pessoal ia no banheiro na Idade Média, onde você basicamente tinha que sentar sua poupança num buraco.


Até aí, nada de muito novo, já vimos nesse livro todo tipo de gente com as calças arriadas cagando. Mas o pior nesse aqui é que a gente era obrigado a ver também o destino de toda essa merda...


Caralho! Coitado desse cara, tendo que limpar esse depósito de bosta! É merda chegando até a altura do joelho, pela madrugada! O pior de tudo é o cidadão tá lá limpando e tem alguém cagando lá de cima, não consigo imaginar coisa mais desagradável do que isso. Seria levar um banho de chuva de cocô, se o carinha lá em cima estiver com diarréia, ou acabar tendo um traumatismo craniano ao ser atingido na cabeça por um torpedo em queda livre!

Livrinho curiosos esse... Não só podemos ver como as coisas são por dentro, como também matamos a curiosidade pra saber como que o pessoal fazia pra cagar antigamente. Que merda!

Um comentário:

Anônimo disse...

bizarro foi seu ponto de vista sobre um livro tão interessante.
Ou, tão interessante seu ponto de vista bizarro sobre esse livro.
Ou Tão livro seu de vista interessantemente bizarro ponto.

dei umas risasdas lendo seu scrool down ai. vlw.