segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

O caso da Fabíola

Um dos assuntos mais falados recentemente foi a respeito do vídeo da tal da Fabíola. Calma, não se trata de minutos de putaria de uma qualquer uma, mas sim um acontecimento bizarro que veio a acontecer em um motel. Se você não está por dentro do assunto (como eu, até alguns dias atrás), resumindo a história é de um sujeito que é (ou era, se não rolou ainda o divórcio) casado com a Fabíola, e que aparentemente sentiu uma coceira na testa e desconfiou que estava sendo traído. Futucando no celular da moça, viu algumas mensagens meio estranhas. Até que um belo dia decidiu seguir a esposa, e quando ela entrou no motel o marido teve um acesso de fúria, descendo a porrada no carro do cara que estava com ela. E para piorar, aparentemente o sujeito que estava colocando um par de chifres na sua cabeça era um de seus melhores amigos. Vieram com papo de que estavam indo lá só pra conversar, coisas do tipo...

O curioso é que outro carinha, que imagino ser amigo do marido traído, estava vindo logo atrás e filmou tudo com o celular. Se você ainda não viu, tá aí o vídeo.


Bom... O caso ganhou muita repercussão, todo mundo falando a respeito da Fabíola, que disse que tava indo no manicure mas estava mesmo era querendo dar uma cavalgada no salame do gordinho. E vejo a sociedade em geral seguir por três principais vertentes. A primeira acho que dispensa muito do meu tempo comentando, que é a turma que acha graça de tudo isso, que na verdade vê a história como um meme ou piada. Esses são os típicos babaquinhas da internet, mas que eu sinceramente não vejo como muito crítico não. É o tipo de gente que ri quando alguém tropeça na rua, pessoas meio sem noção e idiotas, mas que ao meu ver são relativamente inofensivas. Esses aí vão se esquecer da Fabíola daqui alguns dias, quando aparecer a nova modinha da internet...

Tem outro grupo que são as pessoas que estão xingando a Fabíola, chamando ela de vagabunda por ter corneado o marido, por quem têm solidariedade pelos seus chifres. Bom, sob meu ponto de vista acredito que sim, é um grupo que tem o seu fundamento, pois afinal de contas a Fabíola fez algo errado e imoral. Afinal de contas, uma mulher ir ao motel com o melhor amigo do marido, sem dúvida não foi pra conversar... Mesmo com todo o liberalismo de relacionamento que existe hoje, ainda acredito no respeito pelo matrimônio, e se um casal está junto assim, traição não pode acontecer, não importa de quem. É um grupo que entende o sujeito ficar puto da vida e sair quebrando o carro do outro.


Deixando novamente bem claro: traição para mim é errado, não importa se quem está traindo é a mulher ou o homem. Digo isso pois sei que tem muito marmanjo aí xingando a Fabíola de puta e outras coisas piores, mas que certamente iriam "pular a cerca" se tivessem chance. 

Agora... Tem um terceiro grupo de pessoas que me deixa preocupado... Principalmente por não ser um grupo relativamente pequeno. São aqueles que estão defendendo da Fabíola.

Sim... Existe uma parte da sociedade que presta solidariedade à Fabíola, mesmo ela tendo traído o seu marido! Esse grupo, composto em sua maior parte por mulheres, tem uma opinião ao meu ver absurda e extremamente parcial ao defendê-la de forma incondicional. Condenam, por exemplo, o fato do marido não ter respeitado a sua privacidade, olhando mensagens no seu celular. Nada demais que a mulher esteja traindo o marido, para essas pessoas errado é ele ter traído a sua confiança (mesmo quando ela não merecia) e ter olhado seu celular... Fala sério.

Impressionante como certos valores são hoje... Tudo bem que o direito à privacidade é válido, mas parece que as pessoas estão esquecendo que ela traiu o seu marido. Será que isso pode ser deixado de lado? Fico me perguntando se os papéis fossem trocados, se fosse a Fabíola quem tivesse fuçado o celular do marido e tivesse a suspeita de que ele a estivesse traindo... Pode apostar que essas pessoas que estão criticando tanto a invasão de privacidade iriam mudar de opinião e dizer que seria sim justificado, se foi para descobrir a traição.


Como disse, a maioria desse grupo é composto por mulheres... E certamente mulheres que tem uma postura feminista exagerada, a ponto de estar sempre do lado de suas semelhantes, mesmo quando elas fazem algo de errado. Digamos, algo como um corporativismo de saia. Como é comum com os grupos da sociedade menos favorecidos, é a política do mesmo peso e duas medidas: homem espiar mensagens no celular da mulher é invasão de privacidade; mulher espiar mensagens no celular do homem tá tudo bem.

E o pior de tudo não é isso, é ver como essas pessoas buscam algum tipo de justificativa para inocentar a tal da Fabíola inclusive da traição. Tem que ver o tipo de coisa que se diz, cogita-se que ela apanhava do marido em casa, que ela não era tratada com carinho, cheguei a ler em algum lugar alguém dizendo que talvez ela não sentia prazer com o marido. E por isso, por possíveis razões como essas que ninguém pode provar, entende-se que a Fabíola não errou ao trair o marido...

Como certa vez uma conhecida minha comentou em uma rodinha de conversa com outros colegas, quando o assunto era uma garota que conhecíamos que havia traído seu namorado em uma viagem. Segundo essa conhecida, a traição é diferente dependendo se é o homem ou mulher, na cabeça dela o homem sempre trai porque é cafajeste, porque é tarado e quer comer todas, enquanto que a mulher sempre trai por amor, por ela não estar satisfeita com seu companheiro, buscando carinho e compreensão nos braços do outro.


Claro que, por essa lógica, entendo que na cabeça dela a mulher por quem um cara traiu a sua companheira é vista como destruidora de lares e piranha; por outro lado, o homem por quem uma moça traiu o seu companheiro é o verdadeiro amor, é um cara gente fina. A mulher traída é uma vítima e uma pobre coitada, o homem traído é um babaca que bobeou e dançou.


Sério... Eu vou ser sincero, por mais que eu me sinta solitário ao não ter ninguém... Mas se fosse pra ter uma mulher com esse tipo de pensamento, melhor continuar solteiro.

Traição é traição. Não importa quem a pratica. Não há justificativas para tal. Na minha concepção, não existe essa estupidez de achar que um dos sexos pode e o outro não. Babaquice achar que se espera do homem uma postura de poligamia, de que não conseguiu resistir; babaquice pensar que a mulher tem o direito de trair se ela encontrar um cara de quem goste mais. Uma das coisas mais importantes em um relacionamento, qualquer que seja, é a confiança. E é inadmissível pensar que uma pessoa possa trair a confiança do seu cônjuge de uma forma tão covarde assim.

Para as queimadoras de sutiã, defensoras de um feminismo exagerado, digo só o seguinte: mesmo que o cara com quem você esteja não te trate com todo carinho que você gostaria, mesmo que você não se sinta mais atraída por ele... Tenham um pingo de respeito e sejam sinceras com o seu namorado ou marido. Se acabou o amor, converse numa boa, talvez você possa escutar uma explicação razoável. Tenham pelo menos um pouco de decência e admitam isso e terminem o relacionamento, antes de sair por aí dando pro Ricardão. Depois vão me dizer que todo homem é escroto e outras idiotices, mas agir assim, traindo o cara com quem você esteja, é uma tremenda putaria.

Ninguém sabe a verdadeira história por trás da Fabíola. Sim, talvez o seu marido seja um cara que a maltrate. Mas, por outro a lado, pode ser também um cara que a trate muito bem. Em um momento como esse, cada um vai ter a sua versão parcial da história, os amigos do marido traído defendendo-o, chamando a mulher de puta, e do outro lado as amigas da Fabíola defendendo-a, chamando o sujeito de idiota. Acontece que na minha opinião, independente de quem esteja certo ou errado, independente do que aconteceu, eu vejo que sim a Fabíola é a grande culpada, é quem fez a cagada nessa história. De novo, ela podia até ter os seus motivos: mas que chegasse e terminasse o casamento, pedisse um divórcio, antes de ir prum motel com o melhor amigo do cara.

Agora... Uma coisa eu não tenho dúvida. Nessa história toda, quem leva o prêmio de filho da puta é o carinha que gravou tudo...


Sinceramente... O calhorda foi lá junto com o marido, provavelmente metendo a maior pilha pra que rolasse uma cena, muito possivelmente deve ter sido ele quem dedurou ao amigo que ele estava ganhando um belo par de chifres. E durante toda a discussão não largou o celular, filmando o gordinho e a Fabíola, ao ponto até mesmo de ficar zoando, fazendo piadinha. Esse é o verdadeiro boçal da história, que além de gravar colocou na internet pra todo mundo ver, só pra ganhar jóinha. Em vez de respeitar um pouco a privacidade de seu amigo e sua esposa, o panariço chega e espalha pra todo mundo.

É a realidade do mundo de hoje, onde infelizmente qualquer Zé tem um celular com câmera, e sempre o usa da forma mais inconsequente e idiota possível. Embora ache que a Fabíola errou, penso que ela não tinha que ter essa exposição toda em cima dela. Era pro marido chegar lá e descobrir (e dar umas porradas no carro do gordinho sim), e depois fazer ela ser responsabilizada pelo que fez, como por exemplo, perder todo o direito de metade dos bens se houve partilha no matrimônio, ou pelo menos dela ser posta pra fora de casa. Errar, ela errou. Mas, tanto ela como o marido, e mesmo o gordinho, terem as suas vidas expostas aí para um monte de desconhecidos, por conta de um boçal infantilóide e escroto, aí já acho demais...

Na boa... Esse é que merecia levar um par de chifres e ter a sua cornice divulgada nas redes, pra aprender o que é bom pra tosse.


quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Não façam como o Homer

Amanhã vai estrear o novo filme do Star Wars. E pela primeira vez um filme da saga será lançado numa época em que a internet e as mídias sociais estão bombando. Qualquer coisa que acontece, e pode apostar que logo alguém está postando no "Feice" ou no "Insta". É a necessidade de falar para os outros, de compartilhar qualquer coisinha, mesmo que isso venha a incomodar os amigos e conhecidos. 

Principalmente no que diz respeito a compartilhar coisas a respeito de um dos filmes mais aguardados da última década...

Por isso, neste 17 de dezembro, tenha um pouco de consideração pelos seus amigos e colegas que não tiveram a oportunidade de ver logos nos primeiros dias a estréia de O Despertar da Força. Guardem suas opiniões e comentários para um momento mais oportuno, ou pelo menos pergunte se a pessoa do lado já assistiu o filme. Tenha um pouquinho de consideração, e não faça como nosso amigo Homer:


domingo, 13 de dezembro de 2015

Petistas Bitolados

Já faz um bom tempo que não escrevo aqui sobre política. A razão disso não é por eu ter sido pago pelo governo pra ficar calado, é simplesmente pelo fato de que já se fala tanto de política em todos os cantos, que é um assunto que já está me deixando de saco cheio. Ou como diria o ilustre Agamenon Mendes Pedreira, de bagus plenus.

Mas eu decidi voltar aqui a falar sobre o tema, uma vez que está acontecendo muita coisa. Estão cada vez cercando mais o Lula, que daqui a pouco vai dizer que não conhece os próprios filhos; Dilma está cada vez mais na merda, agora com o processo de impeachment podendo ser instaurado a qualquer momento; Eduardo Cunha assumindo o papel de "homem-bomba", deixando claro que se for condenado pelo Conselho de Ética vai levar todo mundo pro buraco com ele; deputados caindo na porrada, com o sempre destaque dos vermelhos partindo para a violência e truculência quando a balança da democracia não pende para o seu lado; e o gigante, esse alienado, apesar de tudo, continua dormindo e mais preocupado com o jogo do Flamengo, com a nova edição do BBB e com o carnaval.


Já que a moda agora é falar em latim, tem outra que se aplica muito bem ao nosso povinho: qui alienati, enrrabadus est.

E o mais engraçado de tudo é ver como que o povo está ele mesmo dividido. Se você tem Facebook, certamente já deve acompanhar a grande bipolaridade que existe nas postagens de seus amigos. De um lado, aqueles que pedem a cabeça da presidente e querem ver o Lula junto com o japonês da Polícia Federal, e do outro os incansáveis petistas e demais agregados, com sua truculência virtual para agredir qualquer um que seja contrário aos seus ideais comunistas. É justamente sobre esse tipo de verme político que venho falar aqui, pois são sem dúvida o que há de pior.

Eu fico impressionado como essa turma é realmente doente. Sério, existem outros adjetivos que eu poderia usar para descrevê-los, muitos deles impróprios para esse horário, então eu prefiro seguir uma linha mais polida e elegante e chamar esses petistas de doentes. Digo petistas, mas que não se restringem aos fãs do PT. Podemos incluir nessa lista os partidários de outras siglas de esquerda como PSOL e PC do B, que são até mais virulentos e agressivos que muitos que levam a estrelinha com o 13 no peito, assim como membros e afins de certas organizações como CUT, UNE e MST, que (modo ironia on) tem como principal objetivo defender os trabalhadores, estudantes e sem-terra, sem nenhum tipo de afiliação política e/ou interesse no benefício próprio (modo ironia off). Soma-se a esse bando a grande maioria dos funcionários de empresas e órgãos públicos, como universidades federais e estaduais, Petrobras, Correios e as diversas prefeituras do país, que se deixam levar pela lavagem cerebral que é instituída nessas organizações. 

Pra facilitar, chamarei toda essa turma de petistas. Ou de vermelhos. Ou de esquerdistas. Ou de outros nomes mais chulos que se apliquem.


O que me surpreende nessas pessoas é o nível de raiva e ódio que carregam nas discussões políticas. Eu entendo que, para qualquer assunto, cada pessoa tem direito a sua opinião. Cito como exemplo um post daqui que costuma sempre gerar uma certa repercussão, quando falei que não gosto dos Beatles. Confesso que fiquei surpreso como, pelo menos até o momento, os comentários contrários foram educados, sem partir para a grosseria que eu costumo escutar de meus colegas beatlemaníacos ao vivo. E da minha parte, todos os comentários, a favor ou contrários ao meu ponto de vista, foram publicados, em alguns deles me colocando a explicar o meu ponto de vista. Mostra como é possível sim discutir as diferenças de forma civilizada, sem partir para a agressividade. Algo que os petistas se recusam a fazer.

Mantendo a discussão no mundo da internet, tomando o meu exemplo acima, vemos como que os esquerdistas seguem práticas de guerrilha cibernética, chegam a descer a esse ponto. Se aparece alguém e escreve algo contrário aos ideais petistas, eles não perdem tempo e começam a bater, encher de comentários contrários, sempre sem nenhum tipo de embasamento e intenção de diálogo, mas só de agredir mesmo, chamando o autor de filho da puta, viado, pega-pau dos EUA e por aí vai. Só que não pára por aí: se um petista encontra algum post que lhe ofenda, ele não vai perder tempo e divulgar para seus amigos, para abarrotar a página do cara de comentários agressivos. Acabam até descendo mais baixo ainda: criam contas e perfis falsos para gerar volume de críticas. Às vezes nem precisa, só postar como anônimo que já funciona, assim não é difícil imaginar que duas dúzias de comentários raivosos pró-PT escritos ali saíram do mesmo teclado.


Por sua vez, se a postagem é de esquerda, eles também vão lá e fazem a mesma coisa, uma enxurrada de comentários, só que logicamente, a favor. Mesmo que sejam fatos totalmente fictícios, uma verdade distorcida, elaborada pela alta cúpula petralha para tentar justificar suas trambicagens, divulgada por um exército de blogueiros pagos com dinheiro público. Sites que fazem uma costumeira filtragem dos comentários, só aceitando aqueles que são alinhados com os seus ideais, em uma inigualável demonstração de apreço pela liberdade de expressão que os esquerdistas tanto defendem... Uma verdadeira ação de propaganda, para deixar o Stalin feliz em seu túmulo. 

O que me deixa fascinado é ver como que esses esquerdistas são tão oito ou oitenta. Tudo para eles é sempre visto como uma guerra entre dois lados, tudo é transformado em conflito: PT x PSDB, Lula x FHC, proletariado x burguesia, vermelho x azul, comunismo x capitalismo, União Soviética (que nem existe mais) x Estados Unidos, banqueiros x trabalhadores, pobres x ricos... Parece que o petista só tem razão de viver se estiver brigando com alguém, precisa ter um adversário para combater. Aliás, acho que adversário é uma palavra muito fraca se consideramos a forma como esses esquerdistas agem, tá mais para inimigo mortal mesmo. 


Um exemplo de como esses comunas tem essa necessidade de ter um inimigo pode ser vista na postura que muitos deles estão tendo diante dos protestos desses último domingo, favoráveis ao impeachment. A principal diferença, se compararmos com os outros protestos, é que dessa vez há um pedido de impedimento da presidanta em tramitação, que foi liberado pelo Eduardo Cunha. Pronto. Já se tem um nome para o vilão da história. Como a própria Dilma e o PT deixaram claro, o presidente da Câmara é um inimigo a ser combatido, e isso já é suficiente para que essa cambada de petistas venha agora a adotar uma postura de dizer que aqueles que estavam nos protestos desse 13 de dezembro a favor do impeachment são também favoráveis ao Eduardo Cunha, que é tão ou mais corrupto do que nossa presidanta.


Tipo... Perdão o baixo nível, mas... O que o cú tem a ver com as calças?!

Como disse, é a bipolaridade que os petistas tanto adoram, da qual eles dependem. Até os protestos anteriores, não tinha como o PT dizer muita coisa, a não ser só desmerecer as passeatas. Pois esses movimentos são apolíticos, são movimentos organizados pela população, e mesmo as antas do PT e coligadas não seriam estúpidas a ponto de hostilizar o povo. Só que agora eles conseguem eleger um vilão para personificar e direcionar o seu ódio, no Eduardo Cunha, que deu seguimento ao impeachment. Essa é a lógica petralha... Agora na cabeça deles, qualquer um que seja a favor do impeachment é no final das contas um militante e defensor do Eduardo, agora fica fácil ter a consciência tranquila de que eles estão "certos", de que no final das contas trata-se de um embate político.

Curioso é ver como que todos esses movimentos contra a Dilma não tem nenhum dedo de partidos políticos. Exemplo disso é que em alguns protestos passados deputados que são explicitamente contrários ao PT, com o Bolsonaro, não foram permitidos de discursar. Tudo para deixar claro que o protesto não tem filiação com nenhum partido, de que trata-se do povo brasileiro, abrindo mão de parte de seu fim de semana, vestido com as cores da bandeira nacional reivindicando o fim da corrupção e a punição dos culpados. Um evento que não tem nada de político, que passa a ser visto pelos petralhotários como apoio ao Cunha.

Por sua vez, o evento que vão fazer agora no meio de semana (pois, afinal de contas, os comunistas não querem perder uma oportunidade para matar o trabalho) na cabeça deles será uma representação da opinião do povo brasileiro, mesmo tendo um vigésimo do público das passeatas desse domingo, com um monte de gente vestida de vermelho, que até onde me lembro não faz parte da bandeira do Brasil, ostentando camisetas e cartazes estampando siglas de partidos políticos, da CUT, do MST e a cara do Che Guevara. Na cabeça dos petistas, esse não seria um movimento político...

Ah, sem esquecer que muita gente estará lá pra faturar um pão com mortadela...


O mais engraçado de tudo é que, até algum tempo atrás, enquanto o Eduardo Cunha estava segurando os processos de impeachment, nenhum petista falava nada dele. Agora, como o PT disse que ia pedir pela continuação do processo no Conselho de Ética contra ele, Cunha em evidente ato de vingança deu entrada no impeachment. Esse é o azar da Dilma, pois o Cunha é mais filho da puta do que ela. E aí nesse cenário, ele virou vilão da história... Se o PT mudar de opinião quando ao Conselho de Ética, Cunha provavelmente vai embarreirar mais uma vez o impedimento, e todos voltam a ficar amiguinhos. Esse é o jogo da política.

Agora, não tem nada a ver em dizer que só porque sou favor do impeachment que eu também seja favorável ao Eduardo Cunha. Isso não passa de um plano dos petralhas para tentar dissuadir as pessoas de pedir a cabeça da Dilma, para que eles possam arrumar uma justificativa de que aqueles que estão protestando estão defendendo um corrupto.  


O mais sensacional de tudo é que quem elaborou o pedido de impeachment não foi o Cunha. Um dos autores do processo é Hélio Bicudo, fundador do PT. Você vê só, como que o sujeito que criou o partido conseguiu enxergar motivos para que a presidente eleita pelo mesmo partido deve ser removida da liderança do país. O que os petistas vão dizer a respeito disso? 

Por isso que é difícil ter uma discussão normal com um petista. É uma turma bitolada, que tem essa postura agressiva e de não aceitar quem pensa o contrário. Independente do que o partido faça, estará sempre certo; independente do que seus adversários façam, estarão sempre errados. Há alguns anos, impeachment era visto por eles como um direito democrático do povo em pedir a saída de um presidente de quem não gostava, quando o alvo era o Collor, o FHC. Só que agora, impeachment virou golpe, só porque agora a presidente é a Dilma.


O petralha tem essa forma de pensar... Vamos imaginar que um político do PSDB faz algo de errado, como por exemplo, desviar verba para uma empresa de um amigo. Diante de algo assim, o petista se revolta, esbraveja, fala de corrupção e o caralho a quatro. Mas, se o mesmo crime for cometido por um político do PT ou aliados, começa aquele papinho de "veja bem", que não é bem assim, que é perseguição política. Vão acabar chegando naquelas idéias mais recentes, como dizer que alguém da oposição roubou antes, como se da segunda vez não tivesse problema. Ou vão inventar alguma baboseira como para justificar as pedaladas fiscais, argumentando que foi para proteger e garantir os direitos dos mais pobres...

Sim, Brasil é o país do pobrismo. Se algo é feito em prol dos pobres, as pessoas não vêem problema...

É um dos motivos pelo qual esse país não vai pra frente. Durante esses últimos doze anos e três governos do PT, tudo foi feito a princípio para defender os interesses do povo, mas na verdade essa quadrilha estava interessada era em engordar as suas contas bancárias. Usando aquela frase que o Lula gosta tanto, nunca antes na história desse país se viu um governo tão corrupto, que roubou em quantidades astronômicas, e que ainda tem a cara-de-pau de dizer que são santos. E ainda me aparece gente defendendo essa turma com unhas e dentes, com uma agressividade sem tamanho, mesmo quando eles acabam sendo prejudicados pelo PT. Impressionante como a ideologia comunista acaba sendo, uma verdadeira lavagem cerebral que deixa as pessoas cegas, sem perceber os problemas ao seu redor. Em latim, diria-se amant communismi, levast en bundus. 

Vou ficando por aqui, antes que esse meu papo comece a atrair petistas pra cá. Eles são que nem pombos, aparecem em bando pra encher o saco e ficam cagando tudo, com aquela pose de que são melhores que os outros.

domingo, 6 de dezembro de 2015

Darth Vader... Herói ou vilão?

Com a chegada do novo filme do Star Wars, por todos os cantos tem alguém falando dos clássicos do cinema de uma galáxia tão tão distante. Depois das duas trilogias, tem gente esperando com grande ansiedade pelo Episódio VII, alguns imaginando onde diabos está o Luke Skywalker que até agora não apareceu nos trailers, como será ver o Han Solo gagá, se dessa vez algum Stormtrooper vai acertar algum tiro ou se a Disney fudeu com a série. E aqui não seria diferente, aproveitando o momento decidi escrever um pouco a respeito de um dos personagens mais famosos da série, talvez até mesmo de todos os filmes. Claro que estou falando do Darth Vader.


Uma coisa eu tenho que dizer: Darth Vader é de longe um dos vilões mais maneiros que eu já vi. Todo de preto, com aquele visual ameaçador, com sua respiração arrastada e a voz de fazer os mais machões se borrarem nas calças, temos que tirar o chapéu pra ele. Talvez só o Magneto, eterno vilão dos X-Men, se compare em nível de fuderossice ao lorde Sith. Não é à toa que a trilogia mais recente, que trouxe os episódios iniciais, surgiu para contar a sua história, mostrando como o bondoso e valente Anakin Skywalker se deixou seduzir pelo lado negro da Força pra se tornar o vilão...

E sim, LADO NEGRO DA FORÇA! Aqui não tem essas viadagens de ficar vendo racismo em qualquer coisa, pombas! Não tem essa estupidez de lado "sombrio" da Força, fica escroto pra cacete! 

Enfim... Realmente Darth Vader é o epítome de vilão, por mais que tentem jamais vão superá-lo. Podem até inventar algumas cópias baratas, pois acho bem difícil surgir alguém que personifique tão bem o papel de antagonista.


Acontece que muitas vezes eu fico me perguntando o quanto que o Darth Vader é realmente assim tão mal... Pode parecer babaquice da minha parte, mas eu sinceramente questiono muitas vezes em como ele na verdade tem tudo para ser o herói da saga. Talvez um herói meio incompreendido e com seus problemas, mas justamente por isso mais humano e verdadeiro do que muitos dos mocinhos que vemos em filmes e séries. Por exemplo... Na minha opinião, eu vejo o Anakin Skywalker da trilogia original como um herói de muito maior destaque e força do que o bunda mole do seu filho, Luke Skywalker. Interessante que podemos até fazer uma certa comparação se avaliarmos os episódios de cada uma das trilogias.

Começando no primeiro filme, vemos como Anakin é um garoto de personalidade inocente e com grande senso de justiça e amizade. Sem pestanejar, ele decide ajudar o Liam Neeson (como se ele precisasse de ajuda, aquele que depois ira tacar o zaralho nas suas buscas implacáveis) e até mesmo aquela besta do Jar Jar Binks, se voluntariando para participar da corrida e arrumar as peças da nave. Ele decide ir com eles para se tornar um Jedi, chegando ao ponto de arriscar a sua própria vida pilotando aquela nave no final do filme. Tudo isso tendo, sei lá, menos de dez anos.


Por sua vez, o Luke ficava ali todo birrento, reclamando com seus tios por ter que trabalhar na lavoura, e depois fica todo ouriçado pra salvar a princesa, sem dúvida com um desejo de ver se o tapete dela combinava com as cortinas (ou seria donuts, se considerarmos o penteado de headphone da princesa Léia?). Sem falar que ele ia acabar batendo as botas se não fosse o Han Solo ajudando ele na cena final da Estrela da Morte... Em outra palavras, um baita dum bunda-rachada chorão e imbecil.


Vamos então para os segundos filmes... Em O Ataque dos Clones, que eu confesso que nunca vi do início ao fim de uma vez, o garoto cresce exponencialmente (não pense bobagens, estou falando da altura dele), se tornando mais e mais poderoso no uso da Força. Vemos que nesse filme ele já começa a dar uma fraquejada para ser seduzido pelo mal, mas entendo que por razões até compreensíveis, como exterminar aqueles sujeitos do Povo da Areia que tinham matado a sua mãe, e se casando secretamente com a Princesa Amidála. Além disso, no final ele não fica com medo ao enfrentar o Conde Dooku (não, não dou), e mesmo tendo o seu braço inteiro decepado ele reage como homem.


E aí vamos para o outro ataque, do Império Contra-Ataca... Já começa apanhando do pé-grande e precisando mais uma vez ser salvo pelo Han Solo. Tudo bem que ele logo de cara ganha um beijo da Princesa Léia, mas que só fez isso pra sacanear o Indiana Jones, ou melhor, o Han Solo. Aí então ele larga todos os seus amigos para ir atrás do Mestre Yoda, afundando a nave e fazendo um monte de merda pelos cantos, a ponto de deixar o baixinho se perguntando porque estava perdendo tempo com aquele babaca. Aí então ele vai lá pra resgatar seus amigos naquela cidade flutuante, caindo no choro depois de perder a mão e descobrir que o Darth Vader é seu papai...


Aliás, é interessante ver certas coincidências... Como que nos dois "segundos" filmes das trilogias os protagonistas são mutilados... Enfim...

Por fim, chegamos ao terceiro filme das trilogias. E aqui não tem comparação, mesmo vendo que Anakin se tornou um verdadeiro filho da puta, chegando até a matar os jedizinhos-mirins e finalmente sucumbindo ao Lado Negro da Força. Simplesmente não dá para superar a luta final contra Obi-Wan, quando ele vira uma kafka que passou do ponto, e finalmente passa por toda a transformação em Darth Vader, talvez uma das cenas mais marcantes da história do cinema.


Enquanto isso, Luke tenta mostrar que é alguma coisa no último filme, liquidando com a turminha do Jabba The Hutt. Depois de fazer com que o Mestre Yoda morresse, ele participa daquela missão no planeta dos Ursinhos Carinhosos... quer dizer, dos Ewoks, mas fica todo complexado e mijão por achar que Darth Vader iria encontrá-lo. E em vez de fugir, ele se entrega para seu pai. No confronto final, quando esperaria-se uma luta entre os dois, vemos quase uma brincadeira de pique-esconde, em que ele solta a franga até decepar a mão de seu papai (olho por olho, dente por dente e mão por mão). Só que ele fica todo cheio de bichisse, e seria estuprado pelos relâmpagos do Imperador se não fosse salvo pelo próprio Darth Vader.


Enfim... só dessas observações eu acabo entendendo que o Darth Vader acaba sendo no final o grande herói da saga. No fundo, ele sempre foi do bem, como podemos ver nos primeiros filmes, tendo sempre intenções nobres. Mas no decorrer da primeira trilogia ele acaba sendo tomado por sentimentos como dor, raiva e medo. Sentimentos extremamente humanos. A tristeza de não poder ajudar a sua mãe, a culpa por não ter ido buscá-la mais cedo, tudo isso foi meio que o estopim para ele sucumbir ao Lado Negro. Diferente dos outros Jedis, que parecem ter aberto mão de sua Humanidade (tudo bem, metade não era sequer ser humano), como verdadeiros robôs sem sentimentos.

E a gota d'água foram os pesadelos que ele teve de ver sua amada, a rainha Amidála (ih, rimou!), morrendo ao dar a luz ao seu filho. Sério, se você encontra uma pessoa de quem você gosta tanto, acho perfeitamente natural que você tenha medo de perdê-la. Ainda mais em se tratando da Natalie Portman.


Te pergunto: se você tivesse alguém assim de quem você goste tanto, e tendo a certeza de que algo ruim possa acontecer com ela, você não faria qualquer coisa para protegê-la?

Eu sei que pode parecer meio egoísta e absurdo... Muitas pessoas podem até me julgar mal por isso, principalmente as mais religiosas, que tipicamente têm uma visão de que uma força superior (observe que não estou me referindo à Força dos filmes) que dita o destino de todos. Quantas vezes não escutamos frases como "foi a vontade de Deus" diante de uma fatalidade, não é mesmo? Ou mesmo a típica "seja o que Deus quiser" diante de qualquer coisa. Uma postura muito passiva na minha humilde opinião, como se certas decisões e acontecimentos não dependessem nem um pouco do livre arbítrio e das decisões das pessoas...

Curioso como o assunto seguiu essa linha... Não me levem a mal, não é uma crítica à religião, seja ela qual for. Cada um tem o direito de ter a sua crença. Apenas comento a postura passiva de aceitar tudo que acontece como a vontade de uma força ou entidade superior, que muitas pessoas adotam de forma até exagerada, como se tudo que ocorre fosse obra de uma divindade.


Como o jogador de futebol que fala que Deus fez com que o time A ganhasse o campeonato. Pombas, como diria um amigo meu, se fosse assim, a seleção do Vaticano seria vinte vezes campeã da Copa do Mundo...

Voltando, o que eu entendo é que a decisão de Anakin se juntar ao Imperador e ao Lado Negro não foi motivada pelo Mal. Diferente dos outros Siths, que aparentemente só querem espalhar o Mal pela Galáxia, o jovem Skywalker viu como a única saída para salvar Padmé. Como já diria o velho deitado da montanha, amor e ódio são sentimentos muito próximos, e essa foi a ruína de Anakin, se deixando enganar pelo filho da puta do Palpatine. Chega a ser até irônico como ele acaba sendo o responsável pela morte de Padmé, por estar tomado pelo ódio oriundo do Lado Negro...


Penso até que ele, sendo tão poderoso como era, poderia ter nessa hora arrancado a cabeça do Palpatine e enfiado no seu próprio rabo... Mas só não o fez talvez por fraqueza, por já ter perdido tudo e não ter mais para onde ir. Quase como um caso de depressão aguda, após ter perdido sua família e a mulher que amava, Darth Vader acabou sendo por fim consumido pelos piores sentimentos possíveis, tornado-se o temível vilão que marcou as telonas. Mas que no final, acaba alcançando a redenção... Apesar de ser um babaquara, em uma coisa Luke Skywalker estava certo: ainda havia um pouco de bondade em Vader. E na luta final vemos como ele acaba se livrando do domínio do Imperador, jogando ele lá na casa do caralho, salvando o seu filho.

Na minha opinião isso traz uma profundidade muito significativa ao personagem, algo que talvez não teria sido percebido sem a trilogia inicial. Como já comentei, é como o Magneto dos X-Men, um vilão que tem as suas justificativas, que tem a sua razão para ser do jeito que é. Focando na série do Star Wars, vemos que no fundo quase todos os vilões são como marionetes nas mãos de Palpatine: aquele chifrudo do Darth Maul era só um aspone, o Conde Dooku (não, não dou, já disse) fez ali aquele teatrinho para motivar a criação do exércitos de clones... Mas no final todos eles eram tão filhos das putas como o velhote do manto preto. Anakin Skywalker foi aquele que sofreu, que perdeu todo o seu chão, que foi levado ao Lado Negro pelo medo e a tristeza, e não por uma simples motivação de fazer o Mal.

Por isso que acho que Darth Vader no final é o grande herói da série. Um herói incompreendido, que veio a se tornar o vilão mais maneiro da história do cinema.