quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Porque gatos são mais espertos que cachorros 2

Cada vez mais começo a perceber que, se um dia eu for arrumar um animal de estimação, vou preferir um gato em vez de um cachorro. Os felinos parecem ser muito mais espertos mesmo do que o melhor amigo do homem, como você deve se lembrar dessa postagem aqui de algum tempo atrás.

Por exemplo, enquanto para os cachorros dormir em um lugar desconfortável como uma calçada é uma maravilha...


... os gatos preferem superfícies mais macias, redondas, aconchegantes e agradáveis...


Malandrão esse gato, não é? E malandro este texugo que aqui escreve, até parece que o real motivo da postagem era pra falar do cachorro e do gato...

Mais uma piadinha, com a ajuda do 9gag.

domingo, 18 de novembro de 2012

Geração Workaholic

Engraçado como são as coisas do mundo corporativo, outro dia quase mandei um colega de trabalho tomar bem dentro de seu esfíncter. Tudo isso por conta de uma daquelas conversas de bebedouro, na qual eu e outro colega estávamos reclamando de como nosso chefe nos sobrecarrega de trabalho, acima da capacidade humana, o suficiente para muitas vezes encurtar a hora de almoço para um rápido lanche de 15 minutos na birosca perto do escritório e atrasar a saída do trabalho para bem depois das 5. 

Aí então chega o supracitado sujeito que trabalha com a gente, e após escutar a minha reclamação sobre a carga pesada de trabalho e de que não haviam horas suficientes para fazer tudo, ele veio com uma cara de paspalho e disse, com um sorriso amarelo no rosto.


"Ah, e o que você faz entre meia-noite e seis da manhã?"

Só sei que eu parei de falar, olhei para a cara dele com uma expressão de ódio. Acho que ele não precisava ser vidente ou o Professor Xavier para perceber que na minha mente eu estava xingando todas as últimas oito gerações dele...

Brincadeiras à parte, esse tipo de postura é cada vez mais comum hoje em dia, sabemos muito bem disso. Vivemos hoje em uma era onde há um enorme incentivo por parte da sociedade e das empresas que se trabalhe mais do que antigamente, não respeitando sequer mais aqueles momentos de descanso, conhecidos como a hora de almoço e o fim de semana. Tenho certeza de que isso é familiar, posso apostar que você que vem aqui visitar o blog e que trabalha certamente já teve que trabalhar além das quarenta horas semanais alguma vez na sua vida.

A não ser que você seja funcionário público, lógico...


Temos com isso uma geração que hoje é extremamente workaholic, que se dedica cada vez mais ao trabalho, quase sempre em detrimento de outras coisas da vida. Estamos trabalhando muito mais que nossos pais e nossos avós, e a pergunta que faço é: vale a pena?


Diria que a grande culpa disso é o grande avanço da tecnologia, em especial por causa do telefone celular. Lembra do tempo no qual o telefone era somente fixo? Agora com o celular, nossos chefes, nossos clientes, nossos colegas de trabalho, todos podem falar com a gente a qualquer momento. Seja no ônibus a caminho do trabalho, seja no carro ao voltar para casa, sejam mesmo durante a hora em que estamos sentados na mesa do restaurante para almoçar.

Vi isso outro dia. Estava no restaurante e na fila do buffett estava um sujeito, segurando o prato (ainda vazio) em uma mão e o celular na outra. Sei que eu passei por ele, pesei a comida, achei uma mesa e estava já comendo quando o carinha finalmente pôde desligar o aparelho e começar a se servir.


Com a chegada dos smartphones então, nem se fala. Esses aparelhinhos permitem que você veja e responda e-mails, e até se for o caso fazer uma video-conferência. Observe na rua, no metrô, no elevador, e você certamente verá alguém digitando nas teclazinhas pequenas de um Blackberry ou datilografando na tela Touch de um iPhone um e-mail do trabalho. Ou até mesmo em um laptop, outro dia peguei a ponte Rio-São Paulo e era absurda a quantidade de pessoas no portão de embarque com seus notebooks abertos e modems da Claro ou Vivo plugados, mandando aquela mensagem que não pode esperar uma hora...

Esse é o maior problema dessa tecnologia, pois hoje entende-se que não há desculpa para esperar por alguma coisa. As empresas estão ficando muito imediatistas, exigindo que seus funcionários respondam as mensagens o mais rapidamente possível, e com isso temos essa neura de comunicação em qualquer momento.

Sério, já chegou uma vez que fui no banheiro e tinha um cara lá cagando e falando no celular com seu trabalho! Agora ninguém tem o direito nem de sentar no trono e despachar um deputado em paz...



Principalmente se formos um pouquinho mais criteriosos e entender que nem tudo precisa ser resolvido imediatamente. Certas atividades do trabalho, como responder um e-mail, ligar para um cliente ou fazer um relatório não tem como ser feitas naquele exato instante, demandam tempo para serem executadas, ou mesmo dependem de algo ou alguém fora de nosso controle. Até mesmo a pressa em responder pode ser prejudicial: quem é que nunca mandou um e-mail apressado e se arrependeu? Sem falar que as coisas têm as suas respectivas prioridades, e muita vezes aquilo que surge naquele momento é de fato menos importante do que você está fazendo, e deve ir para o fim da fila.

E pelo menos comigo, não adianta essa conversa de dizer "é urgente". Se tem uma coisa que aprendi é que na imensa maioria das vezes quando alguém diz que uma coisa é urgente, na verdade não é urgente pôrra nenhuma. É só uma forma que usam para tentar ser atendidos imediatamente. Já perdi a conta de quantas vezes tive que parar o que estava fazendo para atender uma urgência, e aí quando entregava para a pessoa que solicitou, escutava sempre um "ah, depois eu vejo...".

Eu pessoalmente sou muito contra esse tipo de "disponibilidade" exagerada. Tudo tem a sua hora e o seu lugar, e temos que ter um mínimo de bom senso para saber as horas nas quais o trabalho deve ficar em segundo plano. Não é porque hoje temos essa facilidade de estarmos sempre conectados que devemos estar sempre à disposição para atender ligações e fazer coisas do trabalho, deve existir um limite. Chegamos até onde estamos hoje respeitando as 40 horas semanais de carga horária, será que precisamos de mais?

Mas não é assim que a maioria das pessoas pensa, a necessidade de estarmos sempre conectados é muito mais forte. E com isso, acaba sendo natural que a dedicação ao trabalho acabe sendo maior, seja pelo fato de que as pessoas estão ficando muito mais ansiosas e imediatas graças à facilidade da comunicação, seja pela pilantragem dos chefes que adoram que seus funcionários façam coisas do trabalho fora do expediente, com horas não-remuneradas... Sério, tem gente que enxerga isso como comprometimento com a empresa. Pra mim, é abuso por parte da empresa, e burrice do funcionário quando aceita isso.

Lá na minha empresa já tive essa discussão certa vez com meu chefe. Era a época que o pessoal da informática estava querendo trocar os computadores da equipe, e meu chefe sugeriu que eu trocasse a minha estação de trabalho por um notebook. Neguei na hora! Meu chefe tentou me convencer de diversas formas, dizendo que com um notebook seria mais prático e fácil para eu trabalhar... Claro, para eu trabalhar de casa! Consegui fazê-lo desistir da idéia quando disse que, se me arrumassem um notebook, ele iria passar os fins de semana quietinho em cima de minha mesa...

Cara... Onde já se viu? Trabalhar no fim de semana? Vá pra puta que o pariu! Tem que ser muito tarado por trabalho pra isso!

E o pior é que tem gente que é... Alguns meses atrás  um colega nosso saiu de férias para a Europa com a esposa, visitar lugares como Paris. Mas todo dia ele respondia e-mails, e até participava de fone-conferências! Imagina como que a mulher dele ter ficado...


Tem gente que até gosta, que é a favor da prática de "trabalhar em casa". Comigo não funciona. Eu sou um texugo que gosta de separar as coisas, considero importante definirmos bem certas fronteiras entre as coisas, ou então perdemos o controle de onde começa e onde termina cada uma delas. E uma dessas fronteiras que procuro estabelecer é entre o escritório e minha casa. Eu evito ao máximo levar para o trabalho os problemas do lar, mas também espero o mesmo tipo de compreensão por parte do meu trabalho, não permitindo que os problemas e tarefas de lá invadam a minha casa.

Trazer o trabalho pra casa implica em um risco duplo, na minha opinião: a primeira coisa é que você estará em seu ambiente de casa, e a tentação para dar uma escapa da labuta sempre será grande. Mesmo que você tente ser o mais profissional possível, tendo por exemplo um escritório em casa, sempre vai haver alguma distração, como o telefone, um vizinho chato, o cachorro querendo brincar ou os filhos curiosos com o seu trabalho.


Mas o pior na minha opinião é o contrário... É que uma vez o trabalho tenha invadido o seu espaço pessoal, a tendência é grande para que tentem forçá-lo a se dedicar um pouquinho a mais. Uma vez se abra um precedente desses, fica muito mais fácil para o chefe pedir que você dê uma olhada nos e-mails no fim de semana ou dedique algumas horas da noite para ler um certo documento. Aí, meu amigo, é um caminho cuja volta é difícil...

Espero que as pessoas se conscientizem de que exageros não levam a nada, principalmente quando o assunto é trabalho. Não é porque hoje temos um acesso mais fácil aos meios de comunicação que vamos ter que ficar 100% de nosso tempo ligados no que acontece no emprego. Sei bem que trabalhar é um mal necessário, mas vamos maneirar, não é?

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Aí vem o vampicha

Está para estrear o último filme da saga Crepúsculo, do nosso amigo vampicha. Só tenho algo a dizer, e vou usar essa imagem que vi na Internet agora há pouco.


sábado, 10 de novembro de 2012

Cozinhando com a Marvel

Acho que eu vou fazer agora uma das postagens mais doidas que eu jamais imaginei fazer. E o pior de tudo, a culpa não é minha, estarei apenas analisando uma das idéias mais absurdas e cretinas que alguma criatura desprezível teve a coragem e a falta de noção de pensar. Algo que vai simplesmente destruir completamente a reputação de alguns dos heróis mais famosos dos quadrinhos. Se você gostou dos Vingadores, é melhor não ver essa postagem, pois vai ser difícil ver Thor, Capitão América e outros heróis com os mesmos olhos.

Mas o que poderia ser assim tão absurdo, você pode estar se perguntando. Os mais vividos podem dizer que já viram de tudo, que nada pode surpreendê-los. Mas acredite: nada pode tê-lo preparado para o Livro de Receitas dos Super-Heróis Marvel!


Sim, é isso mesmo que você leu. E sim, a capa tem o Homem-Aranha usando um chapéu de mestre-cuca e um Hulk com cara de quem sujou as calças...

Eu consigo imaginar o porquê disso... Segue aquela já manjada idéia de tentar aproveitar o fato de que um garoto nos seus 10 anos vai dar muito mais atenção para o que os super-heróis dos quadrinhos e da TV dizem do que para os conselhos de seus pais. E com isso, temos então uma preocupação em que esses personagens de faz-de-conta passem mensagens decentes e corretas, dando conselhos valiosos para a garotada, como faziam os Comandos em Ação e o He-Man no final de seus episódios.

 

"Tomar banho junto com seus amiguinhos é muito mais seguro e divertido!"

Bom, pensando nisso alguém teve a brilhante idéia "vamos ensinar para a garotada como fazer suas próprias refeições, usando os super-heróis da Marvel". Certamente, tudo que pais responsáveis iriam querer, deixar os seus pimpolhos na segurança de sua cozinha, repleta de facas afiadas e chamas escaldantes, para preparar refeições de qualidade extremamente duvidosa, como veremos durante aos próximos parágrafos.

O livro segue por quase 100 páginas, mostrando que pelo menos criatividade culinária os autores aparentam ter (acredite, apenas aparentam), divididos em diferentes capítulos, focados no café da manhã, sanduíches, saladas e pratos principais. Ou seja, a intenção é que no final da leitura tenhamos um verdadeiro gourmet mirim, que vai poder ajudar sua mãe na hora de fazer a janta. Claro, garotos de 10 a 12 anos adoram ficar na cozinha ajudando a cozinhar... Fala sério...

A não ser que seja um moleque que tenha o mesmo penteado do Príncipe Adam ali em cima e com fortes tendências para fazer faculdade de moda quando crescer, eu duvido que um menino em idade escolar iria se interessar em cozinhar, mesmo se quem estivesse ensinando fossem exemplos máximos de macheza como o Capitão América ou o Homem de Ferro. Simplesmente não funciona... Seria como inventar um livro falando sobre as 1001 formas de se brincar com meleca e outros excrementos, apresentado pela Barbie ou pelo Pequeno Pônei... 

Mas vamos lá, vamos dar uma chance para eles e ver algumas dessas receitas. Afinal de contas, são os super-heróis da Marvel, certo? Acho que vou me arrepender, mas pelo menos vamos dar algumas risadas...


É, acho que vou me arrepender... Você pode ver que esse livro faz uso daquele bom humor forçado, que tenta ser engraçadinho mas acaba sendo ridículo. Naquele estilo de piadinhas e brincadeiras que vemos nos Super-Amigos, por exemplo. É só ver a imagem abaixo, onde temos nossos destemidos heróis babando diante de uma confeitaria. Claro, temos que ter o Capitão América com seu patriotismo exagerado desejando uma torta de maçã, o Homem-de-Ferro e o Homem-Aranha lamentando o fato de que seus disfarces não permitem que eles tenham acesso fácil às guloseimas, a Mulher Invisível com aquela expressão de "tudo é delicioso, mas estou de dieta"... e o Hulk com uma cara de psicótico, dando a entender que ele vai dar uma cabeçada na vidraça e devorar todas as tortas e heróis que estiverem no seu caminho...


Ou mesmo no final do livro, onde a turma está atacando a geladeira, atrás das sobras. Com direito ao Capitão América atacando a geladeira como se não houvesse amanhã, o Coisa segurando um sanduíche que ostenta uma mordida humanamente impossível de ser praticada, a Feiticeira Escarlate querendo bancar a saudável preparando uma salada e um Hulk bizarramente desproporcional pronto para engolir a geladeira inteira. Admita, você nunca imaginou que viveria para ver uma cena bizarra como essa.



Para o desespero dos fãs de os Vingadores, mais algumas das piadinhas hilárias... Como ver o Homem-de-Ferro usando chapéu de mestre-cuca na seção de saladas, segurando uma bombinha de óleo que só vemos mesmo em desenhos animados...


Ou que tal ver o Capitão América comendo um bolinho? Com direito ao sonoplástico "Chomp chomp"!


Triste... Melhor partir para falar das receitas que o livro apresenta...

Logicamente, será mais fácil encontrar pratos apetitosos e chamativos em uma padaria ou restaurante do que eles serem feitos pelo molequinho que segue o livro. A maioria das receitas é tão boçal, apenas lista os ingredientes (muitas vezes indicando usar aqueles já prontos e industrializados) e instruções resumidas em um mero parágrafo. Tudo para dar a impressão de que é simples...

E muitas vezes, realmente sendo simples, até demais. Como o Lanche do Pantera (com Batatinhas)...


Cara, na boa... Nem aqui nem na puta que pariu isso é uma receita! Ela se resume a indicar que se pegue algumas fatias de pão de forma, cortar fora as cascas e colocar um recheio. Pombas, nem sugerir o que colocar no recheio eles ensinam! Pode ser um bife? Ou uma fatia de sabão? Sem falar que esse Pantera mais parece o Batman depois da gripe...

E tem mais, uma coisa que nunca entendi... Por que existe esse preconceito contra as cascas do pão de forma? Sempre tão desprezadas pelos sanduíches, para que ela serve? Só para cortarmos e jogarmos o lixo? Eu pessoalmente não me ligo muito nisso, quando vou fazer um sanduíche ou torrada deixo a casca mesmo, não tenho essa frescura. Só não gosto das fatias das extremidades...


Depois desse devaneio filosófico sobre a utilidade da casca do pão de forma, vemos que o pessoal que escreveu esse livro não faz muita idéia do que significa cozinhar. Mas fica pior, acredite, como você pode ver nessa receita putamente chamada de Comestíveis Instantâneos do Dr. Estranho...


Puta merda, isso pra mim tem outro nome: Cúmulo da Preguiça! Como é que eles têm a coragem de chamar isso de receita? Mas pelo menos é a mais honesta de todas, pois como disse dificilmente um garoto em idade escolar vai se aventurar em cozinhar, ele vai mesmo é abrir a geladeira e comer o que tiver ali. Terrível, alguém tinha que ensinar para esses jumentos como escrever um livro de receitas...

Por exemplo, há um detalhe que eles não percebem, que é o fato de que as crianças são burras, e não tem nenhum pingo de bom senso, e usar certas imagens pode acabar induzindo os pirralhos a fazer coisas extremamente idiotas. Parece meio abstrato, mas vou tentar ilustrar isso com mais um exemplo do famigerado livro, as Panquecas He-Man do Galactus.


Bom, vamos por um momento ignorar o fato de que Galactus é um imenso dum filho da puta dum gigante com algumas dezenas de metros de altura, cujas refeições básicas incluem alguns planetas regados com molho BBQ. Vamos supor para a nossa sanidade mental que ele reduziu seu tamanho ao de um ser humano comum. Aí você olha então para a figura acima, onde ele segura uma panqueca que tem o tamanho de uma roda de caminhão, recheada com carne suficiente para alimentar um pequeno país africano e uma fatia de queijo que parece ter o tamanho de uma revista. Qual a mensagem que isso passaria para um pentelho de 8 anos? Já consigo imaginar o pivete querendo preparar uma panqueca colossal dessas na banheira... 

Se querem desenhar as comidas, que as façam com o tamanho correto, pombas! Como disse, crianças não tem muito discernimento e bom senso, se elas chegam e vêem algo como o Tocha Humana carregando uma almôndega do tamanho de uma bola de praia, não seria surpresa vê-las querendo fazer o mesmo... Proporções meus amigos, mantenham as proporções.


Aliás, interessante como esse livro enriqueceu meu vocabulário de inglês, nem fazia idéia de que ground beef é carne moída...

Enfim, mas isso não é tão grave quanto o tremendo desprezo pelas noções fundamentais de alimentação. Basta ver a seção de lanches, para presenciar a receita mais absurda que já imaginei, capaz de fazer os nutricionistas terem convulsões.


É, isso mesmo que você leu... Estamos falando de pedaços de banana mergulhados em suco de laranja (mistura meio tosca), cobertas por açúcar e depois envoltas em fatias de bacon! Puta merda, comer uma sobremesa dessa é pra causar uns três infartos de uma só vez! Tudo bem que naquela época não havia toda essa neura com comidas diet e light, mas imagino que mesmo nos anos 60 coisas como milk-shake de manteiga de amendoim (outra das receitas nutricionalmente incorretas da publicação) não deveriam ser vistas como refeição saudável...

Breve parênteses para um momento Homer... Manteiga de amendoim é SENSACIONAL! Tudo bem que é extremamente calórico, tem que maneirar... Mas é bom demais. Pessoalmente, melhor do que Nutella, manteiga de amendoim é uma delícia de comer junto com biscoito Maria ou até mesmo no dedo mesmo... Não há nada que fique ruim com manteiga de amendoim...


... mas o livro da Marvel abusa, ao sugerir que a garotada faça um petisco composto de um pedaço de aipo coberto com uma generosa porção de pasta de amendoim. E ainda foram infelizes com o tom de marrom, isso tá parecendo outra coisa!

Curioso é observar que o livro não se limita a refeições bobinhas e simples, como sanduíches, enroladinhos de banana e bacon e petiscos de aipo e manteiga de amendoim, tem seções que são focadas em pratos principais. Vai de carnes à massas, passa por peixes e aves, o livro vai apresentando vários pratos que na minha opinião tem uma certa complexidade, coisas que mesmo eu não me aventuro a fazer, e com todas as receitas uma vez mais resumidas a quatro ou cinco linhas. Muita coragem ou estupidez dos criadores do livro em achar que a garotada conseguiria preparar alguns dos pratos que eles apresentam como lagostas e frangos assados...

Mas a falta de noção nas piadinhas e desenhos continua imperando, e é isso que traz as gargalhadas. O pessoal pega pesado, como na abertura na seção que fala de frutos do mar, onde temos essa imagem.


Gostaria que alguém me explicasse essa cena. Tudo bem, eu até entendo uma horda de super-heróis reunidos em um barco pescando de todos os jeitos, deixando as cidades totalmente livres para a ação de vilões e bandidos, com detalhe para o Hulk esgoelando um peixe com as próprias mãos e o Thor exibindo triunfante um atum que tem a sua altura. Mas não consigo entender como é que o Namor está ali todo tranquilo, vendo seus amigos marinhos pendurados em anzóis e agonizando em redes. Esse é o tipo de retribuição que o Príncipe Submarino dá às criaturas do oceano depois delas o ajudarem a enfrentar os inimigos? Sinceramente, é por isso que super-heróis marinhos não prestam...

Por exemplo, mais bem bolada é a seção de aves, onde eles colocam Howard o Pato com uma expressão de desespero ao imaginar seus colegas de penas girando em espetos de padaria... Isso sim faz sentido, é uma das poucas piadas decentes que eles fazem no livro.


...

...

...

...

...

...

Howard o Pato... Não conhece? É um personagem dos quadrinhos da Marvel, um pato que vive entre os humanos. Talvez você nunca tenha visto uma revistinha dele, mas provavelmente deve ter visto o filme...


Como assim nunca viu? Quer dizer que eu fui o único idiota que viu essa merda? Melhor deixar pra lá... E pense só que o George Lucas é um dos culpados por esse filme ter visto a luz do dia... O pior é que esse puto de pato ainda pega a Lea Thompson, que fazia a mãe (e também a namorada) do Marty McFly no De Volta Para o Futuro.


Qual foi? Lá nos anos 80 ela era o sonho de consumo de muita gente! E como você vê nessa foto, ela aparecia de camisola! Ah, bons tempos nos quais os filmes não tinham todo esse pudor exarcebado de hoje...

Para encerrar o devaneio patológico, depois que vi essa imagem do Howard desesperado por conta de frangos assados, por algum motivo minhas longínquas memórias de infância começaram a brotar, e do nada me dei conta dos desenhos da Disney, mais em especial do Pato Donald, e de algo ainda mais absurdo que esse livro da Marvel, visto na cena abaixo.


Meu amigo, você se deu conta do que está acontecendo? Ora, o Pato Donald e seus sobrinhos são patos, que são aves... Na mesa, um baita dum frango assado, também uma ave... Caiu a ficha? É, isso mesmo! Donald e seus sobrinhos são canibais! Pra gente ver como somos inocentes quando crianças...
 
Chega de devaneios e vamos voltar para as receitas dos heróis da Marvel. Aliás, falando em heróis é importante destacar como eu comecei a me sentir extremamente ignorante em termos do universo da Marvel, ou pelo menos me perguntando se na época ele estava em uma linha Super Amigos trazendo personagens coadjuvantes que viriam a cair no esquecimento alguns anos depois. Por exemplo, vamos pegar a seção que fala do sempre favorito, o bolo de carne.


Cinco heróis estampam as duas páginas reservadas ao melhor uso para carne moída, depois do croquete e do molho bolonhesa. Bem, lá no cantinho temos o inconfundível Coisa, tudo bem, esse é conhecido. Temos lá em cima a pequenina Vespa, relativamente conhecida também, apesar de ter sido excluída do recente filme ela fazia parte dos Vingadores. Talvez por conta de seu pequeno tamanho, mas só se lembraram dela depois no desenho animado que passa agora na TV...


Aliás... Até que nesse novo desenho ela tá bonitinha... Para dar uma alegrada na postagem, ainda vai uma dela de biquini.


Sim, eu não presto... Continuando.

Mas, e os outros? Pôrra, quem diabos é esse negão cuja camisa tem uma gola que parece um funil e a máscara mais inútil já criada? E aquele carequinha lá embaixo, não deve ser o Professor Xavier, o sujeito está de pé. E pela madrugada, que absurdo é aquele cretino daquele china ali, que parece o Liu Kang depois de uma diarréia? Puta que pariu, e depois eu reclamava daqueles babacas dos Super Amigos, como o Trovão Negro, El Dorado e Samurai...

Pior que esse china aparece constantemente no livro, ao contrário de seus colegas afro-descendente e deficiente capilar. O nome do puto é Shang-Chi, deve ser um parente do Shang Tsung que aparecia em uma revista da Marvel sobre mestres do kung-fu. Sim, ainda mais desconhecido do que Howard o Pato... O sujeito aparece até apresentando a sua receita de arroz, que segundo ele é "fofinho", uma palavra que certamente está no vocabulário de um lutador de artes marciais.


Claro... Ele recomenda que você só se dê ao trabalho de fazer essa receita se você não tiver conseguido encontrar algum arroz instantâneo no mercado. Abissal esse livro, metade das receitas se resume a recomendar que você compre uma refeição pronta e siga as instruções do fabricante. Sensacional, seu chinês de araque, só consegue fazer arroz com a ajuda do Uncle Ben's.


Realmente o livro é muito tosco... Cada receita mais absurda do que a outra. Pior de tudo é que entendo a intenção deles em fazer um livro politicamente correto, que incentive o consumo de verduras e legumes. Mas convenhamos, tem certas coisas que são muita forçação de barra, como os Rolos de Repolho do Thor (saiu bem pseudo-erótica essa tradução).


Primeiramente, para aqueles que só conheceram o semi-deus nórdico nos filmes e estão confusos ao ver o cidadão acima, vão pra puta que o pariu. O Thor de verdade não é aquele mauricinho com barba por fazer e pose de galã, Thor mesmo é esse sujeito aí de cabelos compridos, fala engraçada e capacete com asinhas!

Agora, meio sem noção esse Thor... Pombas, repolho é algo abominável, até hoje não consigo chegar perto disso, sem falar nos efeitos gasosos que eventualmente surgem algumas horas mais tarde. Duvido que a pose triunfante do filho de Odin e o trocadalho do carilho do Coisa ali embaixo tenham convencido a garotada de experimentar essa receita.

Se bem que se você ler com detalhes, vai ver que na verdade esse Thor é um fanfarrão. Fica dando a impressão que é um prato saudável com repolho, mas na prática ele apenas usa as folhas para embalar uma gororoba feita com arroz, carne moída, cebola, ovo e molho de tomate. Tá certo, já saquei qual é a dele... Ou no final as folhas de repolho vão ter absorvido todo o sabor dos demais ingredientes, tornando-se assim algo mais digerível, ou no final das contas ele vai só desembrulhar o pacote depois e comer o que tem dentro. Thor malandrão...

Antes essa fosse a pior... Veja só essa receita, que é simplesmente o exemplo máximo e indiscutível de falta de noção da história. E adivinhem: também é de autoria do Thor. Senhoras e senhores, contemplem a Sopa Vegetariana Asgardiana do Thor! Sugiro expandir a imagem, para que você veja bem...


Cara... Sério, parou... Engraçaralho pra cadinho esse Thor, não é? Sinceramente, vai pra puta que te pariu! Pelas barbas do camarão, como é que eles têm a audácia de inventar uma sopa vegetariana cujo primeiro ingrediente é carne moída?


O Thor deve estar de sacanagem, ou então na terra dele as vacas são grandes vegetais com chifres. Mas eu diria até que o nórdico é o que sai menos queimado desse livro. Afinal de contas, melhor ser um filho da puta enganador faminto por carne moída do que posar com um chapéu de cozinheiro ou comendo um bolinho como outros Vingadores.

Melhor por exemplo do que pagar um mico do tamanho do King Kong, como nosso amigo Hulk pagou, ao estrelar uma receita simplesmente absurda de espaguete com almôndegas... Ignorando um fato de que um prato chamado Espaguete e Almôndegas do Hulk soa extremamente pseudo-erótico.


Para quem não está acostumado com as unidades inglesas, eu traduzo o absurdo: são quase 50 quilos de espaguete, 20 quilos de carne moída, 10 quilos de molho de tomate e 200 pedaços de pão! Digo mais uma vez, seus putos... Proporções...

E deixa eu dizer mais uma coisa: observe no rodapé da página, onde temos ali a cabeça do Coisa (fumando um charuto, algo inadmissível nos dias de hoje em um livro para crianças). Sinceramente, não tem coisa que acho mais estúpida, mais ridícula, e até mesmo um pouco assustadora, do que essa mania que muitos desenhistas têm de desenhar somente a cabeça do personagem. Pôrra, tosqueira isso, fica lá a cabeça do cara voando no nada. E isso se repete em diversas oportunidades nesse livro, assim como ocorria até nas revistas normais da Marvel.


Acho tosco... E, de quebra, me lembrou de um desenho...

"Você viu um corpo procurando uma cabeça? Eu sou uma cabeça!"

É, acho que é melhor parar por aqui. Realmente esse livro consegue ser uma das coisas mais ridículas já imaginadas...

...

...

...

...

...

Tá bom, só não é mais ridículo que o filme do Howard.


terça-feira, 6 de novembro de 2012

Já pensaram nisso?

Eu ia fazer um post sobre isso, mas esse garoto foi mais rápido e postou no 9gag uma brilhante observação...


Sério, como é que ninguém pensou nisso antes? Sempre achei muito escroto essa das pessoas tirarem a foto no espelho, aparecendo o telefone. Por acaso quando tiramos foto de alguma coisa, temos que ficar mostrando a câmera?

Faz pensar que esses boçais só querem mesmo é exibir os seus iPhones...

sábado, 3 de novembro de 2012

O pior do Brasil

Antes de mais nada, esse posto é relativamente antigo, estava aqui perdido nos meus rascunhos. Mas decidi colocar ele logo na praça, talvez muita coisa esteja desatualizada, do jeito que a TV brasileira é volátil...

Não são poucas as ocasiões nas quais eu tenho que viajar a trabalho. Já fui para diversos cantos do Brasil, indo desde as grandes capitais como São Paulo, Brasília e Belo Horizonte, e passando também por cidadezinhas pequenas, que quase não dá para ver no mapa. Embora até goste de viajar, tem algumas situações bem enjoadas que acabo passando. Claro, sem contar com as vezes que eu preciso rachar quarto com outro companheiro da empresa, como já narrei aqui. Mas hoje vou falar de outra coisa bem enjoada: a pouca diversidade de canais de TV que tem nos hotéis.

De fato, quando viajo à serviço, na imensa maioria das vezes o único lazer que desfruto é assistir televisão no fim do dia, já que muitas vezes não encontro algo legal perto do hotel (como um shopping, onde eu possa dar uma passeada a conferir as gatinhas) e o preço da Internet costuma ser exorbitante nesses hotéis. Como também não me interessa de maneira nenhuma ficar trabalhando de noite, aí me resta ligar o aparelho de TV e tentar achar algo legal para ver. Vale tudo, desde um filme, um desenho animado, qualquer coisa... E, se já é tarde da noite e estou sozinho no quarto, vale até sintonizar no Multishow e ver aqueles programinhas do Sexy Time...


Pausa para escutar um bonde de palavrões e xingamentos das feministas exageradas, e voltemos à programação normal...

Bom, acontece que muitas vezes os hotéis não disponibilizam todos os canais fechados que costumo assistir aqui em casa. Nada de Sony, Fox, AXN e Warner, e sequer um vestígio dos canais do Telecine. Aí não me restam muitas opções, e sou obrigado a aturar aquelas bostas da TV aberta, como novelas e outras babaquices.

Mas, nessa minha última viagem, consegui me superar em termos de baixa qualidade televisiva. Fui mandado para uma cidade longe pra cacete, onde Judas deve ter perdido suas meias, e o pior era que só poderia voltar para casa no domingo de manhã, devido aos horários de ônibus. Dessa forma, precisei fazer mais um pernoite em um hotel que pegava os canais muito mal, apenas a Record e a Globo eram as que ficavam legais. E novela é algo abominável para minha pessoa, não suporto ver aquelas baboseiras que a Rede Bobo inventa. Mas me arrependi profundamente de tentar ver a emissora do bispo, pois lá conheci um novo padrão de bizarrice, o tal do programa O Melhor do Brasil...

Sério, programa de auditório é pior que limpar a bunda com uma lixa de obra depois de ter descarregado uma diarréia épica de vatapá com pimenta. Todos eles são simplesmente absurdos, Faustão, Gugu e Raul Gil deviam ser amarrados em um bloco de concreto e jogados na Baía de Guanabara. Bando de salafrários! Salvo desse mundo só o Silvio Santos, até que aqueles programinhas de jogos são divertidos, mas os outros não tem nada que preste.

Talvez só as vídeo cassetadas, mas aí prefiro assistir um daqueles programas americanos ou, se estou limitado aos canais abertos, a um outro programa que descobri nessa viagem, onde a gatíssima Helen Ganzarolli apresenta vários vídeos engraçados, ao lado de um infeliz vestido como uma cópia barata do Barney.

Voltando ao assunto, esse tal programa Melhor do Brasil é apresentado por um bostinha qualquer chamado Rodrigo Faro, que parece almejar o novo posto de babaquinha metido a escroto, antes ocupado pelo Gugu. Aliás, antes ocupado uma vírgula, porque o babaca engomadinho do Gugu, que adora um pintinho amarelinho que cabe na mão dele, continua ainda na ativa, chegando até ao ponto de imitar o Raimundo Nonato e fazer aquele manjado programa da escolinha, repleto de humoristas do passado, mas que ainda são mais engraçados que esse bando de idiotas de hoje... Estão lá figurinhas carimbadas, só falta mesmo o hilário do Seu Peru para completar o circo.


Sim, humoristas do passado e um monte de pseudo-atrizes e ex-BBBs, que não sabem nada de contar piadas, mas sabem tudo de usar roupas provocativas, para a alegria dos marmanjos entre uma piada e outra...


Mais uma vez me desviando do assunto. Voltando ao programa Melhor do Brasil mas ainda mantendo no tema de vestimentas, o pior é que esse energúmeno de apresentador parece ter uma vontade louca de se travestir, pois toda hora ele imita alguma personalidade, na maioria das vezes uma mulher, o que vira uma desculpa para botar uma saia e uma peruca.

Cara, vendo esse tipo de coisa, faz me dar conta de que 2012 é o ano que essa merda vai pro espaço... E se não acabar o mundo, estamos perdendo uma ótima oportunidade de acabar com atrocidades bizarras como essa!


E não me venha com essas de dizer que quando o cara se garante, não é botar uma roupa de mulher que o torna um viado! Tem limite pra tudo, pôrra! Não sou desses machões exagerados, nada demais do cidadão botar uma camisa rosa, por exemplo... Ir no cabeleireiro, bom, é meio suspeito, mas desde que seja só pra cortar o cabelo, até vai... Mas se vestir de Lady Gaga, mesmo que seja de brincadeira... Aí tem que gostar da coisa mesmo...

O pior de tudo é que nesse programa trazem de volta aquelas criaturas toscas, bizarras e inexplicáveis, que parecem ter fugido de uma toca de rato. Sim, estou falando dos anões! Não apenas um, mas dois pintores de rodapé, que são sempre zoados pelo apresentador. Tinha um desses salva-vidas de aquário, do alto de seu um metro de altura, vestido de Sonho de Valsa! Apelação total, como na época em que a Xuxa vestia aquele anão de tartaruga...


Fico pensando, será que tá tão difícil assim pra anão achar um emprego decente? Na boa, por mais que possa parecer um comentário preconceituoso (realmente é uma "maravilha" essa nossa sociedade exageradamente politicamente correta...), mas da mesma forma que cão chupando manga e chester, nunca vi um anão que trabalha em um emprego normal. É mais fácil você ver por exemplo uma pessoa numa cadeira de rodas ou alguém com Síndrome de Down em trabalhos corriqueiros do que ver um sujeito verticalmente limitado. Não vemos um anão advogado, um anão médico ou um anão piloto de avião (avião comercial, não de papel), só vejo é anão trabalhando no circo, na televisão ou em programas de auditório...

Logicamente, um programa de auditório que se preze não vai contar apenas com as situações cômicas que um par de gnomos pode oferecer. Como esperado, também há espaço para as ajudantes de palco, com seus corpos esculturais e vestidas em trajes sumários, dançando de maneira caliente para a alegria da família brasileira. Ou pelo menos para os membros do sexo masculino da família brasileira... Curioso é que, ou por originalidade ou por falta de verba mesmo, só há quatro ajudantes, e que até participam mais ativamente das brincadeiras e quadros, não sendo meras compositoras de cenário. E a participação, pelo menos até onde eu vi, até que não chega a ser tão apelativa, como o Gugu fazia com aquela banheira...

Destaque pessoal para a moreninha simpática e sorridente, chamada Michelle Nunes. Muito bonitinha, se destaca das outras colegas.

 
 
 

Enfim, saindo um pouco da parte mais visualmente agradável porém apelativa da postagem (apenas temporariamente), acho engraçado é ver como esse programa faz um grande uso de quadros focados em relacionamentos, ao contrário daquelas entrevistas estúpidas com atores e atrizes globais ou com o último eliminado do BBB, situações nas quais me dá tanto prazer em ver televisão quanto engolir um bolo mofado cheio de baratas. Nesse dia estava passando um desses quadros, que era tão ridículo, tão tosco, tão indigesto, que não consegui parar de ver... Sabe, como aquele filme ou seriado que é tão ruim, mas que por isso mesmo a gente não consegue desgrudar.

O Silvio Santos (sempre ele) já havia até inventado algo parecido, com aquele famoso bordão "é namoro ou amizade". Mas nesse Melhor do Brasil, conseguiram descer ainda mais baixo. Faça a seguinte matemática: pegue uma dúzia de meninas encalhadas, entre os seus 18 e 25 anos, dê um banho de maquiagem para que fiquem minimamente apresentáveis na televisão, e uma dúzia de sujeitos da periferia de SP, entre estudantes com pinta de frescos, motoboys franzinos que se acham os gostosões e aspirantes a DJs com trejeitos afeminados. Chame um deles por vez, e depois dele mandar uma cantada de efeito de fazer o Don Juan perder a fé na Humanidade, pergunte para cada uma das meninas se ela vai querer conversar com o cretino. Se alguma for tola o suficiente para se arriscar a ficar menos de um metro de um dos "gatinhos", os dois vão para um sofá e ficam ali conversando... Se o otário for rejeitado por todas, ele ganha aquela carta do Banco Imobiliário de "vá para a prisão" e fica ali em um canto do palco, junto com os dois pilotos de autorama e dois babacas descamisados. E assim vai indo, até que no final se vê quais os casais que foram formados...


Sim, é simplesmente abissal... O pior de tudo era ver as cantadas dos estrupícios ali... O que mais me deixa puto dentro das minhas calças é ver que esse tipo de criatura consegue ainda arrumar uma namorada, cometendo ainda o atentado contra a evolução ao se reproduzir... E eu que tento ser legal, tento respeitar e tratar bem as mulheres só levo fora! É foda...


Tá... Alguns minutos para que eu possa recuperar o fôlego... Não por causa do beijo escroto do casalzinho suburbano, mas por conta do über par de pernas da loira do programa. Continuando...

Antes parasse aí... O programa ainda me vem e traz um outro quadro com o tema na relação homem e mulher. Nesse outro, eles pegam um daqueles casais suburbanos, tipo com o sujeito que é porteiro e a mulher que é empregada, e que estão passando por problemas conjugais. Basicamente, com a vida entre quatro paredes não muito animada. Me pergunto até se não seria um casal formado em uma outra edição do programa, naquele quadro tosco que mencionei acima...

Então, qual a brilhante idéia para tentar dar uma melhorada na vida do casal? Não, eles não levam os pombinhos para um SPA ou um cruzeiro para que possam curtir momentos íntimos, tampouco os levam a um psicólogo com a intenção de ajudá-los a superar os problemas. Cara, ou até mesmo que levassem eles em um cartório, para assinar logo um divórcio e assim cada um se virava sozinho... Algum produtor do programa teve a brilhante idéia de fazer o seguinte: arrumar uma gostosona para servir de esposa temporária, que faria algumas coisas para deixar o cara mais animado...


O mais bizarro era que a mulher era forçada a ficar assistindo a tudo isso, e com um detalhe escabroso: se os seus batimentos cardíacos passassem de um certo limite, o casal perdia um prêmio em dinheiro. Sem brincadeira, é meio sem lógica isso... Se a mulher se controla ao ver uma modelo curvilínea se esfregando em seu homem, os dois ganham uma bolada, e certamente a esposa vai usar a sua parte da grana para contratar um jagunço para castrar seu futuro ex-marido e jogar seu pinto em um moedor de carne. Se a mulher perde o controle e eles perdem o prêmio, nada vai impedir que ela tire um dinheiro da poupança para contratar um jagunço para castrar seu futuro ex-marido e jogar seu pinto em um moedor de carne.


Para completar o circo de horrores, ainda chegam no palco e armam a "vingança": a mulher escolhe um dos três armários, e sai de lá um garotão vestido como cowboy ou bombeiro, que faz um strip tease para ela ao vivo. E dessa vez é o marido que tem seus batimentos controlados, para que o casal possa ganhar mais dinheiro.

O que é mais engraçado é como o ser humano consegue ser sem noção e como "pimenta nos olhos dos outros é refresco", conforme já proferido pelo velho deitado da montanha. É interessante observar nesse quadro como em um primeiro momento o cara fica todo bobão com a gostosona dando em cima dele, achando que não tem nada demais, e a mulher fica puta da vida, achando aquilo inaceitável. Mas, quando viram a mesa, e jogam um go-go boy pra ficar esfregando sua sunga nas narinas dela, os papéis se invertem: aí é o cara que acha absurdo, e a mulher que acha o maior barato. Simplesmente não me entra na cabeça como um homem e uma mulher que se submetem a isso conseguem se casar... E repito: esse tipo de gente acaba tendo mais sorte no relacionamento do que eu, é flórida!

Sabe, se a mulher realmente achasse errado o seu cônjuge estar se engraçando com uma estranha, ela não deveria se sentir confortável em fazer o mesmo, mas o que vemos é uma satisfação imensa, um brilho nos olhos quando o garotão musculoso fica ali dançando na frente dela. É a famosa política do "quando é comigo, tudo bem; quando é com o outro, não pode", seguida à risca por nossos amigos petralhotários, ou então é uma comprovação de que nada mais satisfaz a mulher do que se vingar.

Enfim, é mesmo um programa tosco pra caçamba, principalmente esse quadro de teste de fidelidade. E você pode se perguntar por que eu ainda insistia em ver tal demonstração gratuita de falta de respeito pelo matrimônio e pelo relacionamento entre um homem e uma mulher. Bom, a mulherada certamente vai me tacar uma pedra nas fuças, mas não tem como eu não deixar de mencionar a tal "esposa" de aluguel.

 
 

É, sendo um texugo macho e ainda por cima solteiro, é difícil não babar por essa gata... Gaby Fontenelle é muito, mas muito, mas muito linda! Tudo bem que ela parece ser do tipo metida, embora algo me diz que a postura de "destruidora de lares" é mais atuação para o quadro do programa.

 
 
 

Sensacional! Normalmente não curto muito garotas marombadas, mas ela até que não é tanto, ainda mantendo uma forma bem feminina e atraente. Sem falar no respeitável par de peitos que é de deixar qualquer marmanjo de queixo caído.

 
 

Chega! Daqui a pouco vão imaginar que desenterrei esse post só para colocar umas fotos dela. Sem bem que não deixa de haver um certo fundo de verdade nisso... Pena que para vê-la tenho que aturar um dos programas mais insuportáveis e escrotos da TV brasileira.