sábado, 3 de novembro de 2012

O pior do Brasil

Antes de mais nada, esse posto é relativamente antigo, estava aqui perdido nos meus rascunhos. Mas decidi colocar ele logo na praça, talvez muita coisa esteja desatualizada, do jeito que a TV brasileira é volátil...

Não são poucas as ocasiões nas quais eu tenho que viajar a trabalho. Já fui para diversos cantos do Brasil, indo desde as grandes capitais como São Paulo, Brasília e Belo Horizonte, e passando também por cidadezinhas pequenas, que quase não dá para ver no mapa. Embora até goste de viajar, tem algumas situações bem enjoadas que acabo passando. Claro, sem contar com as vezes que eu preciso rachar quarto com outro companheiro da empresa, como já narrei aqui. Mas hoje vou falar de outra coisa bem enjoada: a pouca diversidade de canais de TV que tem nos hotéis.

De fato, quando viajo à serviço, na imensa maioria das vezes o único lazer que desfruto é assistir televisão no fim do dia, já que muitas vezes não encontro algo legal perto do hotel (como um shopping, onde eu possa dar uma passeada a conferir as gatinhas) e o preço da Internet costuma ser exorbitante nesses hotéis. Como também não me interessa de maneira nenhuma ficar trabalhando de noite, aí me resta ligar o aparelho de TV e tentar achar algo legal para ver. Vale tudo, desde um filme, um desenho animado, qualquer coisa... E, se já é tarde da noite e estou sozinho no quarto, vale até sintonizar no Multishow e ver aqueles programinhas do Sexy Time...


Pausa para escutar um bonde de palavrões e xingamentos das feministas exageradas, e voltemos à programação normal...

Bom, acontece que muitas vezes os hotéis não disponibilizam todos os canais fechados que costumo assistir aqui em casa. Nada de Sony, Fox, AXN e Warner, e sequer um vestígio dos canais do Telecine. Aí não me restam muitas opções, e sou obrigado a aturar aquelas bostas da TV aberta, como novelas e outras babaquices.

Mas, nessa minha última viagem, consegui me superar em termos de baixa qualidade televisiva. Fui mandado para uma cidade longe pra cacete, onde Judas deve ter perdido suas meias, e o pior era que só poderia voltar para casa no domingo de manhã, devido aos horários de ônibus. Dessa forma, precisei fazer mais um pernoite em um hotel que pegava os canais muito mal, apenas a Record e a Globo eram as que ficavam legais. E novela é algo abominável para minha pessoa, não suporto ver aquelas baboseiras que a Rede Bobo inventa. Mas me arrependi profundamente de tentar ver a emissora do bispo, pois lá conheci um novo padrão de bizarrice, o tal do programa O Melhor do Brasil...

Sério, programa de auditório é pior que limpar a bunda com uma lixa de obra depois de ter descarregado uma diarréia épica de vatapá com pimenta. Todos eles são simplesmente absurdos, Faustão, Gugu e Raul Gil deviam ser amarrados em um bloco de concreto e jogados na Baía de Guanabara. Bando de salafrários! Salvo desse mundo só o Silvio Santos, até que aqueles programinhas de jogos são divertidos, mas os outros não tem nada que preste.

Talvez só as vídeo cassetadas, mas aí prefiro assistir um daqueles programas americanos ou, se estou limitado aos canais abertos, a um outro programa que descobri nessa viagem, onde a gatíssima Helen Ganzarolli apresenta vários vídeos engraçados, ao lado de um infeliz vestido como uma cópia barata do Barney.

Voltando ao assunto, esse tal programa Melhor do Brasil é apresentado por um bostinha qualquer chamado Rodrigo Faro, que parece almejar o novo posto de babaquinha metido a escroto, antes ocupado pelo Gugu. Aliás, antes ocupado uma vírgula, porque o babaca engomadinho do Gugu, que adora um pintinho amarelinho que cabe na mão dele, continua ainda na ativa, chegando até ao ponto de imitar o Raimundo Nonato e fazer aquele manjado programa da escolinha, repleto de humoristas do passado, mas que ainda são mais engraçados que esse bando de idiotas de hoje... Estão lá figurinhas carimbadas, só falta mesmo o hilário do Seu Peru para completar o circo.


Sim, humoristas do passado e um monte de pseudo-atrizes e ex-BBBs, que não sabem nada de contar piadas, mas sabem tudo de usar roupas provocativas, para a alegria dos marmanjos entre uma piada e outra...


Mais uma vez me desviando do assunto. Voltando ao programa Melhor do Brasil mas ainda mantendo no tema de vestimentas, o pior é que esse energúmeno de apresentador parece ter uma vontade louca de se travestir, pois toda hora ele imita alguma personalidade, na maioria das vezes uma mulher, o que vira uma desculpa para botar uma saia e uma peruca.

Cara, vendo esse tipo de coisa, faz me dar conta de que 2012 é o ano que essa merda vai pro espaço... E se não acabar o mundo, estamos perdendo uma ótima oportunidade de acabar com atrocidades bizarras como essa!


E não me venha com essas de dizer que quando o cara se garante, não é botar uma roupa de mulher que o torna um viado! Tem limite pra tudo, pôrra! Não sou desses machões exagerados, nada demais do cidadão botar uma camisa rosa, por exemplo... Ir no cabeleireiro, bom, é meio suspeito, mas desde que seja só pra cortar o cabelo, até vai... Mas se vestir de Lady Gaga, mesmo que seja de brincadeira... Aí tem que gostar da coisa mesmo...

O pior de tudo é que nesse programa trazem de volta aquelas criaturas toscas, bizarras e inexplicáveis, que parecem ter fugido de uma toca de rato. Sim, estou falando dos anões! Não apenas um, mas dois pintores de rodapé, que são sempre zoados pelo apresentador. Tinha um desses salva-vidas de aquário, do alto de seu um metro de altura, vestido de Sonho de Valsa! Apelação total, como na época em que a Xuxa vestia aquele anão de tartaruga...


Fico pensando, será que tá tão difícil assim pra anão achar um emprego decente? Na boa, por mais que possa parecer um comentário preconceituoso (realmente é uma "maravilha" essa nossa sociedade exageradamente politicamente correta...), mas da mesma forma que cão chupando manga e chester, nunca vi um anão que trabalha em um emprego normal. É mais fácil você ver por exemplo uma pessoa numa cadeira de rodas ou alguém com Síndrome de Down em trabalhos corriqueiros do que ver um sujeito verticalmente limitado. Não vemos um anão advogado, um anão médico ou um anão piloto de avião (avião comercial, não de papel), só vejo é anão trabalhando no circo, na televisão ou em programas de auditório...

Logicamente, um programa de auditório que se preze não vai contar apenas com as situações cômicas que um par de gnomos pode oferecer. Como esperado, também há espaço para as ajudantes de palco, com seus corpos esculturais e vestidas em trajes sumários, dançando de maneira caliente para a alegria da família brasileira. Ou pelo menos para os membros do sexo masculino da família brasileira... Curioso é que, ou por originalidade ou por falta de verba mesmo, só há quatro ajudantes, e que até participam mais ativamente das brincadeiras e quadros, não sendo meras compositoras de cenário. E a participação, pelo menos até onde eu vi, até que não chega a ser tão apelativa, como o Gugu fazia com aquela banheira...

Destaque pessoal para a moreninha simpática e sorridente, chamada Michelle Nunes. Muito bonitinha, se destaca das outras colegas.

 
 
 

Enfim, saindo um pouco da parte mais visualmente agradável porém apelativa da postagem (apenas temporariamente), acho engraçado é ver como esse programa faz um grande uso de quadros focados em relacionamentos, ao contrário daquelas entrevistas estúpidas com atores e atrizes globais ou com o último eliminado do BBB, situações nas quais me dá tanto prazer em ver televisão quanto engolir um bolo mofado cheio de baratas. Nesse dia estava passando um desses quadros, que era tão ridículo, tão tosco, tão indigesto, que não consegui parar de ver... Sabe, como aquele filme ou seriado que é tão ruim, mas que por isso mesmo a gente não consegue desgrudar.

O Silvio Santos (sempre ele) já havia até inventado algo parecido, com aquele famoso bordão "é namoro ou amizade". Mas nesse Melhor do Brasil, conseguiram descer ainda mais baixo. Faça a seguinte matemática: pegue uma dúzia de meninas encalhadas, entre os seus 18 e 25 anos, dê um banho de maquiagem para que fiquem minimamente apresentáveis na televisão, e uma dúzia de sujeitos da periferia de SP, entre estudantes com pinta de frescos, motoboys franzinos que se acham os gostosões e aspirantes a DJs com trejeitos afeminados. Chame um deles por vez, e depois dele mandar uma cantada de efeito de fazer o Don Juan perder a fé na Humanidade, pergunte para cada uma das meninas se ela vai querer conversar com o cretino. Se alguma for tola o suficiente para se arriscar a ficar menos de um metro de um dos "gatinhos", os dois vão para um sofá e ficam ali conversando... Se o otário for rejeitado por todas, ele ganha aquela carta do Banco Imobiliário de "vá para a prisão" e fica ali em um canto do palco, junto com os dois pilotos de autorama e dois babacas descamisados. E assim vai indo, até que no final se vê quais os casais que foram formados...


Sim, é simplesmente abissal... O pior de tudo era ver as cantadas dos estrupícios ali... O que mais me deixa puto dentro das minhas calças é ver que esse tipo de criatura consegue ainda arrumar uma namorada, cometendo ainda o atentado contra a evolução ao se reproduzir... E eu que tento ser legal, tento respeitar e tratar bem as mulheres só levo fora! É foda...


Tá... Alguns minutos para que eu possa recuperar o fôlego... Não por causa do beijo escroto do casalzinho suburbano, mas por conta do über par de pernas da loira do programa. Continuando...

Antes parasse aí... O programa ainda me vem e traz um outro quadro com o tema na relação homem e mulher. Nesse outro, eles pegam um daqueles casais suburbanos, tipo com o sujeito que é porteiro e a mulher que é empregada, e que estão passando por problemas conjugais. Basicamente, com a vida entre quatro paredes não muito animada. Me pergunto até se não seria um casal formado em uma outra edição do programa, naquele quadro tosco que mencionei acima...

Então, qual a brilhante idéia para tentar dar uma melhorada na vida do casal? Não, eles não levam os pombinhos para um SPA ou um cruzeiro para que possam curtir momentos íntimos, tampouco os levam a um psicólogo com a intenção de ajudá-los a superar os problemas. Cara, ou até mesmo que levassem eles em um cartório, para assinar logo um divórcio e assim cada um se virava sozinho... Algum produtor do programa teve a brilhante idéia de fazer o seguinte: arrumar uma gostosona para servir de esposa temporária, que faria algumas coisas para deixar o cara mais animado...


O mais bizarro era que a mulher era forçada a ficar assistindo a tudo isso, e com um detalhe escabroso: se os seus batimentos cardíacos passassem de um certo limite, o casal perdia um prêmio em dinheiro. Sem brincadeira, é meio sem lógica isso... Se a mulher se controla ao ver uma modelo curvilínea se esfregando em seu homem, os dois ganham uma bolada, e certamente a esposa vai usar a sua parte da grana para contratar um jagunço para castrar seu futuro ex-marido e jogar seu pinto em um moedor de carne. Se a mulher perde o controle e eles perdem o prêmio, nada vai impedir que ela tire um dinheiro da poupança para contratar um jagunço para castrar seu futuro ex-marido e jogar seu pinto em um moedor de carne.


Para completar o circo de horrores, ainda chegam no palco e armam a "vingança": a mulher escolhe um dos três armários, e sai de lá um garotão vestido como cowboy ou bombeiro, que faz um strip tease para ela ao vivo. E dessa vez é o marido que tem seus batimentos controlados, para que o casal possa ganhar mais dinheiro.

O que é mais engraçado é como o ser humano consegue ser sem noção e como "pimenta nos olhos dos outros é refresco", conforme já proferido pelo velho deitado da montanha. É interessante observar nesse quadro como em um primeiro momento o cara fica todo bobão com a gostosona dando em cima dele, achando que não tem nada demais, e a mulher fica puta da vida, achando aquilo inaceitável. Mas, quando viram a mesa, e jogam um go-go boy pra ficar esfregando sua sunga nas narinas dela, os papéis se invertem: aí é o cara que acha absurdo, e a mulher que acha o maior barato. Simplesmente não me entra na cabeça como um homem e uma mulher que se submetem a isso conseguem se casar... E repito: esse tipo de gente acaba tendo mais sorte no relacionamento do que eu, é flórida!

Sabe, se a mulher realmente achasse errado o seu cônjuge estar se engraçando com uma estranha, ela não deveria se sentir confortável em fazer o mesmo, mas o que vemos é uma satisfação imensa, um brilho nos olhos quando o garotão musculoso fica ali dançando na frente dela. É a famosa política do "quando é comigo, tudo bem; quando é com o outro, não pode", seguida à risca por nossos amigos petralhotários, ou então é uma comprovação de que nada mais satisfaz a mulher do que se vingar.

Enfim, é mesmo um programa tosco pra caçamba, principalmente esse quadro de teste de fidelidade. E você pode se perguntar por que eu ainda insistia em ver tal demonstração gratuita de falta de respeito pelo matrimônio e pelo relacionamento entre um homem e uma mulher. Bom, a mulherada certamente vai me tacar uma pedra nas fuças, mas não tem como eu não deixar de mencionar a tal "esposa" de aluguel.

 
 

É, sendo um texugo macho e ainda por cima solteiro, é difícil não babar por essa gata... Gaby Fontenelle é muito, mas muito, mas muito linda! Tudo bem que ela parece ser do tipo metida, embora algo me diz que a postura de "destruidora de lares" é mais atuação para o quadro do programa.

 
 
 

Sensacional! Normalmente não curto muito garotas marombadas, mas ela até que não é tanto, ainda mantendo uma forma bem feminina e atraente. Sem falar no respeitável par de peitos que é de deixar qualquer marmanjo de queixo caído.

 
 

Chega! Daqui a pouco vão imaginar que desenterrei esse post só para colocar umas fotos dela. Sem bem que não deixa de haver um certo fundo de verdade nisso... Pena que para vê-la tenho que aturar um dos programas mais insuportáveis e escrotos da TV brasileira. 

Nenhum comentário: