domingo, 31 de janeiro de 2010

Liberdade de Expressão vermelha

Ultimamente se fala muito nos Direitos Humanos, né? E um dos direitos que é muito falado é a conhecida liberdade de expressão, definida no Artigo XIX da Declaração Universal dos Direitos Humanos (que você pode ver na íntegra aqui), que reproduzo abaixo:

"Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras."

Muito bem, vamos agora fazer um rápido exercício, que recomendo que você faça com aquele seu amigo que é um inflamado defensor da esquerda. Caso seja o leitor desse humilde blog defensor da esquerda, peço que responda com toda a sinceridade.

Vamos imaginar que você veja essas notícias abaixo:

"Presidente retira do ar canais de televisão a cabo que se recusaram a transmitir seus discursos."

"Jornal publica sua opinião na seção editorial."

O que você acharia disso, em especial levando em consideração o Artigo XIX da Declaração acima? Creio eu que a grande maioria das pessoas iria concordar com o fato de que na primeira manchete é visível o desrespeito pela liberdade de expressão: afinal de contas, uma rede de TV a cabo tem o direito de escolher a sua programação, que muitas vezes vem diretamente de fora, como acontece aqui (você já viu a CNN interromper a programação para passar horário político?). E se um presidente fechasse essa TV, isso seria visto como uma ação totalitária. Por sua vez, a segunda notícia é bem simples, nada demais. Ora, o editorial é a seção que um jornal publica as suas opiniões, então não há nada de absurdo nisso.

Imagino eu então que todos concordamos que no primeiro caso a liberdade de expressão está sendo reprimida, enquanto que no segundo caso ela ocorre livremente, certo?

Legal, vamos agora pegar as mesmas manchetes e fazer umas mudanças sutis:

"Presidente Hugo Chávez retira do ar canais de televisão a cabo que se recusaram a transmitir seus discursos."

"Jornal Folha de São Paulo publica sua opinião na seção editorial sobre a ditadura."

O leitor bem informado sabe bem que essas duas notícias são verídicas: nessa semana vimos várias emissoras de TV venezuelanas terem seus sinais interrompidos, e o caso da Folha foi a famosa polêmica da ditabranda, sobre a qual comentei aqui e aqui. E agora? Será que você mudaria as suas respostas?

Aí é que vamos presenciar de nossos hilários amigos petralhas uma significativa reviravolta em suas opiniões, invertendo completamente as suas respostas em ambos os casos. E se engana quem pensa que isso é implicância minha com os petelhos, pois vimos que suas reações diante desses casos reais foram exatamente da maneira que relato em seguida. Contra a Folha, uma revolta total, dizendo que a Folha estava errada e tinha que pedir perdão ao povo brasileiro por sua heresia, que o jornal havia publicado uma inverdade mais absurda do que dizer que 2+2 é igual a 22. Por fim, em relação à decisão autoritária de Chávez, de fechar canais de televisão que não exibiam sua propaganda bolivariana, os petelhos não deram um pio sequer, nenhuma reclamação por parte dos defensores dos Direitos Humanos. E sabemos que "quem cala, consente".

É engraçado como os vermelhos têm esse interessante costume de definir suas opiniões se baseado unicamente na posição política. Um crime idêntico, cometido por um petelho e por algum de seus "inimigos", tem uma interpretação totalmente diferente de acordo com a pessoa que o comete: sendo aliado da esquerda, ele é tido como inocente, que seus atos são justificados e que suas intenções eram boas; porém, sendo adversário da mesma, ele é um bandido, um criminoso que deve ser julgado e o único veredicto aceitável é que ele seja punido. Um verdadeiro corporativismo político.

Querem ver um outro exemplo real, que está em evidência hoje? A questão dos crimes da época da ditadura. Não ignoro o fato de que os militares mataram várias pessoas que contestaram o regime em vigor na época, seja enfrentando os soldados ou expressando opiniões contrárias. Mas é indiscutível o fato de que os militantes de esquerda também foram responsáveis por várias mortes, inclusive de companheiros, que eles imaginavam serem traidores e foram julgados e executados. Todos esses criminosos de ambos os lados foram inocentados pela Lei da Anistia, e agora os petralhas no poder querem revisá-la. Claro que de uma forma que apenas os militares deveriam ser julgados pelos seus crimes, e era isso que aquela atrocidade totalitária do Programa Nacional de Direitos Humanos queria. Na cabeça desses comunistas, parece que as mortes promovidas pelos militantes foram necessárias e toleráveis, e que os adversários da ditadura militar não podem ser julgados culpados, pois estavam supostamente lutando pela "democracia". Resumindo, se os militares mataram, são crápulas assassinos; se os militantes mataram, são heróis inocentes.

É engraçado como os petelhos sempre caem em contradição, toda hora eles acabam mostrando que no final o mais importante é defender os seus, que a lealdade com seus aliados políticos e grupos sociais simpatizantes é muito maior que a justiça. Isso fica mais do que evidente nas duas situações acima. Não vou me estender na questão da ditadura, pois já falei bastante dela aqui no passado, mas podemos focar um pouco mais na visão que eles têm da liberdade de expressão, após esse episódio na Veneuzela.

Queria muito ouvir um comentário dos petralhas no poder sobre a decisão do Chávez. Queria saber se eles, em especial "heróis da resistência" que lutaram pela "democracia" como Dilma e Dirceu, aprovam a decisão do ditador venezuelano. Será que eles acham que está tudo certo? Ora, vocês precisam se decidir... Vou perguntar mais uma vez para vocês, esquerdistas: afinal de contas vocês são mesmo a favor da liberdade de expressão?

Volte a ler lá em cima o artigo que fala sobre a liberdade de expressão. Veja que as pessoas têm direito a ter as suas opiniões e expressá-las sem interferência. Ou seja, uma rede de TV tem todo o direito de não passar os discursos de Chávez e ser contra o seu regime, mas "El presidente" não pensa assim. Com isso, ele sufoca a sua oposição, quem falar mal dele é um inimigo do Estado que deve ser silenciado. Sabe-se lá até onde isso vai, daqui a pouco ele vai estar mandando prender ou executar aqueles que são contra o regime. E, meu amigo, isso está mais do que longe de ser um exemplo de democracia. Aí é que entra em cena o corporativismo político brasileiro: como nossos governantes de esquerda são simpatizantes de Chávez, eles solememente ignoram o ocorrido, nessas horas mais vale manter a amizade com o ditador chavista do que defender os Direitos Humanos. Lógico, se fosse a mesma situação em um país que não tivesse um governo de esquerda, a reação brasileira seria inteiramente diferente.

Na minha opinião, não restam dúvidas de que os petelhos não passam de um bando de filhos das putas que só defendem coisas como liberdade de expressão e Direitos Humanos quando lhes interessa. Não vejo outra explicação para eles terem adotado uma postura de ignorância (e consequentemente de consentimento) diante da decisão de Chávez em fechar as televisões que se recusaram a passar seus discursos. Naquela merda de país estão cada vez mais oprimindo a população, com um regime ditatorial onde os opositores são calados, e ainda me vem esses babacas de nosso governo dizerem que lá é uma democracia...

Não tem jeito... Para a esquerda a liberdade de expressão é um conceito relativo... Nas suas cabeças vermelhas, você tem direito à liberdade de expressão, desde que sua opinião esteja alinhada com o pensamento deles.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

A sobre-vida do disquete

Um dia eu estava aqui, escrevendo um texto no Word, e de repente me dei conta de uma coisa curiosa, talvez que passe despercebida para alguns. Pode parecer babaquice, mas você se deu conta que até hoje muitos programas ainda usam a imagem do disquete para o botão Save?

Fico me perguntando, quem usa disquete hoje em dia? Começando com a chegada dos CD-Rs e continuando hoje com a explosão dos pen-drives, o pequeno quadrado de plástico com 1.44 MB de capacidade se tornou uma peça de museu alguns anos atrás. Confesso que ainda tenho uns três disquetes desses que sobreviveram à época de faculdade, mas que servem apenas para ocupar espaço em meu armário, principalmente pelo fato de que tanto no computador de casa como no do trabalho sequer existe uma unidade de disquete. Eles ficam apenas como lembrança de épocas não tão distantes, e fico a imaginar que algum tempo atrás eu precisava de uma caixa de 10 disquetes para guardar meus trabalhos da faculdade, e hoje posso colocar todos esses arquivos em um pen-drive, juntamente com uma centena de músicas, várias fotos de minha última viagem e um emulador com os melhores jogos de Mega Drive...

Mas é curioso ver como mesmo depois da extinção dos disquetes, eles continuam vivos no menu Arquivo de muitos softwares. Abra, por exemplo, um documento no Office 2007, e para salvar o arquivo lá está uma imagem desse antigo dispositivo de armazenamento...

Do jeito que a coisa vai, parece que o disquete se tornou mesmo o símbolo universal de salvar e vamos ter que aturá-lo ainda um bom tempo nas janelas de nossos programas. O mais engraçado será quando a geração mais nova começar a mexer no computador, ver o desenho do disquete e se perguntar "Que diabos é isso?"

domingo, 24 de janeiro de 2010

Programa Nacional de Direitos Humanos

Já tem um tempo que esse assunto está na boca do povo, sobre o Plano Nacional de Direitos Humanos, uma verdadeira palhaçada que foi bolada por Dilma, Tarso Genro, Celso Amorim, Carlos Minc e companhia e que o nosso ilustre presidente assinou sem ler (o que era esperado, tá explicado porque ele nunca sabe de nada). O documento gerou tanta repercussão e reclamação que ele precisou voltar atrás e rever alguns pontos. Tal documento está repleto de propostas polêmicas escondidas no meio do texto, que são ocultadas por uma falsa idéia de Direitos Humanos, que na verdade só pretendem moldar o nosso país ao gosto dos petralhas e seus atrasados pensamentos comunistas. Afinal de contas, "pega mal" falar dos Direitos Humanos, assim suas propostas polêmicas ficam um pouco mais protegidas contra críticas daqueles que condenam o PNDH.

Para começar, acho ridículo querer se falar em Direitos Humanos em um país onde parece que eles existem apenas para a parcela da sociedade que menos os merece, como bandidos e malfeitores. Não é novidade, por exemplo se a polícia arrebenta com um traficante ou outro bandido, logo vem alguma ONG passando a mão na cabeça do filho da puta e clamando pelos seus direitos; agora se um vagabundo mata um pai de família trabalhador ou se um desgraçado estupra uma garota, ninguém dos Direitos Humanos aparece para acolher as familias dessas vítimas. É foda, nesse país um bandido sem nenhum mínimo de respeito pelo mais básico direito à vida de um cidadão de bem acaba sendo protegido por esses babacas defensores dos direitos "humanos".

Vamos ver então algumas das propostas que considerei mais absurdas desse tal de PNDH, tudo indica uma das minhas maiores postagens... Para facilitar a leitura, o texto do programa (que você pode ver na íntegra aqui) vai em itálico. Começamos com o Eixo Orientador I, que fala da integração Estado e sociedade:

"Estimular o debate sobre a regulamentação e efetividade dos instrumentos de participação social e consulta popular, tais como lei de iniciativa popular, referendo, veto popular e plebiscito."

Pode parecer algo interessante essa maior interação entre a sociedade civil e o governo, mas o grande problema é os petralhas usarem isso para mudar as coisas no país a seu favor, já que a maioria do povão está do lado deles. Como o companheiro Chávez fez na Venezuela, com aquele plebiscito que garantiu que ele pode se reeleger eternamente, numa ditadura disfarçada de democracia. Não ficaria surpreso se fizessem algo parecido aqui, para que os petralhas pudessem contar sempre com a imagem de Lula, amado pelo povão humilde e trouxa.

"Estimular e reconhecer pessoas e entidades com destaque na luta pelos Direitos Humanos na sociedade brasileira e internacional, com a concessão de premiação, bolsas e outros incentivos, na forma da legislação aplicável."

Realmente, sobra dinheiro nesse país, e a idéia é que quem defenda os Direitos Humanos vai ganhar uma grana com isso. Logicamente, o fato da Secretaria de Direitos Humanos ser liderada pelos petelhos não vai ter nenhuma influência se personalidades da esquerda forem as únicas a serem reconhecidas com essas premiações. Afinal de contas, na cabeça deles apenas a esquerda se preocupa com as pessoas...

O Eixo Orientador II começa a insistência do documento com os Direitos Humanos, mostrando que a intenção do documento é chamar tudo de "Direitos Humanos" para tentar justificar as mudanças autoritárias. Na própria introdução dessa seção há algo interessante:

"No caso do Brasil, por muitos anos o crescimento econômico não levou à distribuição justa de renda e riqueza, mantendo-se elevados índices de desigualdade. As ações de Estado voltadas para a conquista da igualdade socioeconômica requerem ainda políticas permanentes, de longa duração, para que se verifique a plena proteção e promoção dos Direitos Humanos. (...) Esta discussão coloca em questão os investimentos em infraestrutura e modelos de desenvolvimento econômico na área rural, baseados, em grande parte, no agronegócio, sem a preocupação com a potencial violação dos direitos de pequenos e médios agricultores e das populações tradicionais."

Aqui começam a fazer coisas contra os grandes latifundiários para favorecer os sem-terra. Aguarde que ainda fica melhor...

"Expandir políticas públicas de geração e transferência de renda para erradicação da extrema pobreza e redução da pobreza."

Me expliquem o "transferência de renda". Quero saber de onde vai sair esse dinheiro que será dado para os pobres.

"Regulamentar a taxação do imposto sobre grandes fortunas previsto na Constituição."

Ah, tá explicado... Só resta definir o mínimo de dinheiro que tenho que ter para que eu possa ser considerado como detentor de uma grande fortuna, para ser ainda mais "financeiramente estuprado" pelos impostos. E gostaria de saber se certas pessoas, como um deputado dono de um singelo castelo ou uma família em especial que é dona do Maranhão, entrariam nessa taxação de grandes fortunas.

"Fortalecer o combate à fraude e a avaliação da conformidade dos produtos e serviços no mercado."

Essa eu só coloquei aqui para lembrar o Lula pra não assistir mais um filme pirata no seu avião... Pega muito mal o presidente do país fazer isso e ainda se dizer contra a fraude.

Vamos então para o próximo Eixo Orientador, o de número III, focado nas desigualdades. Já estou imaginando o que vem por aí...

"Fomentar as ações afirmativas para o ingresso das populações negra, indígena e de baixa renda no ensino superior."

O que seriam "ações afirmativas"? Os petralhas gostam dessas palavras que soam bonito mas que não significam pôrra nenhuma! Mas está bem claro que nessa frase eles resumem a intenção de manter e expandir a criminosa política de cotas, sobre a qual já comentei exaustivamente, uma afronta à igualdade e à meritocracia no ingresso ao ensino superior. Se os negros, índios e pobres têm dificuldade de entrar na faculdade, é porque o ensino fundamental ao qual eles têm acesso é muito fraco, e é absurdamente injusto pensar nessa idéia de garantir um mínimo de vagas para eles. No vestibular, passam aqueles que tiram as melhores notas, não há nada de errado ou preconceituoso nisso. Agora, instituir uma política de cotas, onde um negro entrará na faculdade não por ser um bom aluno mas pela cor de sua pele, só vai tornar o processo de disputa por vagas racialmente desigual. Mas como são os brancos que sairíam prejudicados, parece que não tem problema...

O mais curioso é que o documento fala em diversos pontos na melhoria da educação fundamental. Ora, isso já bastaria para que todos os vestibulandos competissem em pé de igualdade, independente da cor da pele ou condição social, por que então insistir com essa baboseira de cotas? Mas sabemos bem que melhorar a educação fundamental levaria muito tempo e exigiria muitos custos, e é muito mais fácil dar uma canetada e criar políticas para favorecer essas minorias imediatamente e garantir os seus votos nas próximas eleições.

"Apoiar a aprovação do projeto de lei que descriminaliza o aborto, considerando a autonomia das mulheres para decidir sobre seus corpos."

Aqui temos uma outra proposta que gerou muita polêmica, e que mostra que é realmente impossível querer criar uma sociedade fundada apenas nos Direitos Humanos. Pelo que se entende, o aborto passaria a ser algo aceitável na sociedade, para garantir o direito de que a mulher pode fazer o que quiser com o seu corpo. Legal, assim estamos respeitando os direitos dela, mas e o da criança em seu ventre?

Eu pessoalmente não sou a favor ou contra o aborto, acho que existem situações onde ele é um recurso necessário (por exemplo, caso a criança tenha uma má formação grave que a impediria de viver). Mas por outro lado acho absurdo que o aborto seja liberado dessa forma, pois sob um certo ponto de vista autorizar o aborto de um feto saudável seria equivalente a um assassinato, em ambos os casos uma vida estaria sendo tirada. Será que a comissão de Direitos Humanos iria decidir a partir de qual semana de gestação um feto pode ser considerado humano a ponto de ser merecedor de Direitos Humanos?

E mesmo que se julgue que a criança ainda em formação é digna de Direitos Humanos, pergunto o que prevaleceria: o direito da mãe poder decidir sobre o seu corpo, ou o direito do feto à vida? Isso deixa bem evidente como querer doutrinar uma sociedade apenas com os Direitos Humanos é algo incoerente e irresponsável, em algum momento se chegará a uma contradição dessas.

"Garantir os direitos trabalhistas e previdenciários de profissionais do sexo por meio da regulamentação de sua profissão."


Olha só, o PNDH busca regulamentar e apoiar a profissão mais antiga da humanidade! O que você esperaria de um governo cheio de filhos das putas? Até direitos previdenciários... Fico imaginando as razões que levariam uma prostituta a se aposentar por acidente de trabalho, será que iria ser anotado na carteira?

"Elaborar inventário das línguas faladas no Brasil."

Típica proposta sem a menor necessidade... Fica a pergunta, línguas como o "Lulês" contam?

Chega então nesse Eixo a Diretriz 9, só para o negros. Um de seus objetivos diz o seguinte:

"Igualdade e proteção dos direitos das populações negras, historicamente afetadas pela discriminação e outras formas de intolerância."

Em outras palavras, o branco de hoje tem que pagar pelo sofrimento do negro no passado. E viva a igualdade racial! Continuando...

"Realizar levantamento de informações para produção de relatórios periódicos de acompanhamento das políticas contra a discriminação racial, contendo, entre outras, informações sobre inclusão no sistema de ensino (básico e superior), inclusão no mercado de trabalho, assistência integrada à saúde, número de violações registradas e apuradas, recorrências de violações, e dados populacionais e de renda."

"Analisar periodicamente os indicadores que apontam desigualdades visando à formulação e implementação de políticas públicas afirmativas que valorizem a promoção da igualdade racial."

Mais uma vez querem usar frases sofisticadas, realmente algo como "políticas públicas afirmativas" soa muito bem, embora acho que ninguém faça idéia do que signifique. Agora fica a pergunta: será que essas políticas públicas seriam formuladas e implementadas caso os indicativos mostrem que existe desigualdade racial, mas onde o branco é prejudicado? Por exemplo, se eu chegar na Bahia e ver que na universidade 80% são negros, seria feito alguma coisa para inserir mais brancos na universidade e assim promover uma igualdade racial? Sabemos muito bem a resposta... E pelo que parece não vai parar nas cotas das universidades, até o mercado de trabalho vai estar sob vigilância. Daqui a pouco as empresas vão precisar contratar pessoas negras e não qualificadas apenas para atender às exigências de cotas raciais que podem vir a ser implementadas.

"Realizar relatório periódico de acompanhamento das políticas contra discriminação à população LGBT, que contenha, entre outras, informações sobre inclusão no mercado de trabalho, assistência à saúde integral, número de violações registradas e apuradas, recorrências de violações, dados populacionais, de renda e conjugais."

Cacete, até a bicharada está amparada por esse documento! Veja que esse relatório vai falar da inclusão no mercado de trabalho também, entre outras informações. É o primeiro passo para que daqui a pouco venham a inventar que as empresas devem ter um número mínimo de homossexuais em sua empresa, ou então será criada uma cota "rosa" para as universidades... Continuando assim, em breve no Brasil será muito ruim ser um homem heterossexual e branco...

"Desenvolver mecanismos para impedir a ostentação de símbolos religiosos em estabelecimentos públicos da União."

Outro ponto muito falado, acho até um certo exagero proibir o uso de símbolos religiosos nos prédios públicos, que mal faz? Será que as pessoas que tenham outras crenças ficam tão ofendidas assim? Como as piadas que estão circulando ultimamente, daqui a pouco vão querer demolir a estátua do Cristo Redentor, pois ela pode ser considerada ofensiva para os não-católicos. Agora, parece que não há nenhum problema se o político se elege para um cargo público usando a religião como pano de fundo para as suas propostas e para garantir o voto dos fiéis... E aparentemente tampouco há problema no próprio presidente usar a religião em seus discursos, como quando Lula disse que Deus deu o petróleo no pré-sal para o Brasil...

"Realizar ações permanentes de estímulo ao desarmamento da população."

"Propor reforma da legislação para ampliar as restrições e os requisitos para aquisição de armas de fogo por particulares e empresas de segurança privada."

Essas aí abrem as propostas do Eixo Orientador IV, da justiça a segurança pública. Mais um tema polêmico, agora sobre o desarmamento. Curioso como já fizeram um referendo e o povo disse "não" ao desarmamento, mas como o resultado não era o que os petralhas queriam, vão agora tentar fazer isso na força, novamente sob a bandeira dos Dieitos Humanos. E depois dizem que vão incetivar plebiscitos para ouvir a população, como na primeira proposta que reproduzi acima. É, ouvir eles vão, mas não quer dizer que vão levar em consideração.

Não há dúvidas que os únicos afetados por esse desarmamento serão os cidadãos de bem, ou acham que vão me enganar que vão subir os morros e desarmar os bandidos também? E essas restrições à aquisição de armas não ajudariam no combate à violência, já que as armas dos malfeitores sempre chegam no nosso país ilegalmente.

"Desenvolver normas de conduta e fiscalização dos serviços de segurança privados que atuam na área rural."

Outra para passar a mão da cabeça dos sem-terra. Precisam explicar melhor que normas são essas e como seria a fiscalização. Não tenho dúvidas que com isso o objetivo é prejudicar a segurança das fazendas, vão dizer que só podem ser usadas armas de pequeno porte e por aí vai. E com isso, o MST teria menos problemas para invadir as fazendas que quisessem, encontrariam menos resistência para se assentarem no terreno e depois teriam o governo ao seu lado (como vou mostrar a seguir). Aliás, quando falei ali em cima dos bandidos, inclua nesse bolo os sem-terra, será que seria promovido o desarmamento deles?

"Estabelecer política de prevenção de violência contra a população em situação de rua, incluindo ações de capacitação de policiais em Direitos Humanos."

Bom, isso aqui será a glória para os pivetes, trombadinhas, mendigos e vagabundos nas ruas que tentam roubar e agredir a população, eles terão toda a proteção contra a violência. E como fica o cidadão de bem? Não é necessário prevenir a violência contra ele? Desse jeito, se um pivete tenta me roubar e agrido ele, vou poder ir preso... Mas e se for ele quem me agredir, como fica? Vão passar a mão na cabeça dele só porque ele é morador de rua?

"Elaborar diretrizes nacionais sobre uso da força e de armas de fogo pelas instituições policiais e agentes do sistema penitenciário."

Já que tudo nesse documento é pautado nos Direitos Humanos e sabemos que os seus defensores adoram defender criminosos, não resta dúvidas de que essas diretrizes vão restringir ao máximo o uso da força contra a bandidagem. Por exemplo, estourar a cabeça de um meliante como aconteceu naquele episódio na Tijuca não seria aceitável. Vai ajudar bastante a combater a violência, ainda mais sabendo que os bandidos não vão seguir nenhuma diretriz e vão sempre se valer do uso mais violento da força possível.

"Disponibilizar para a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal e para a Força Nacional de Segurança Pública munição, tecnologias e armas de menor potencial ofensivo."

Maravilha, estamos no caminho certo! Realmente as polícias precisam de armas de menor poder de fogo, isso realmente vai ajudar a combater a bandidagem. O que os policiais usariam, seriam estilingues, aquelas arminhas que atiram água ou espuma? É, esse é o armamento ideal para enfrentar os bandidos com suas metralhadores pesadas, fuzis automáticos, canhões anti-aéreos e bazucas...

"Propor projeto de lei voltado a regulamentar o cumprimento de mandados de reintegração de posse ou correlatos, garantindo a observância do respeito aos Direitos Humanos."

"Promover o diálogo com o Poder Judiciário para a elaboração de procedimento para o enfrentamento de casos de conflitos fundiários coletivos urbanos e rurais"

"Propor projeto de lei para institucionalizar a utilização da mediação como ato inicial das demandas de conflitos agrários e urbanos, priorizando a realização de audiência coletiva com os envolvidos, com a presença do Ministério Público, do poder público local, órgãos públicos especializados e Polícia Militar, como medida preliminar à avaliação da concessão de medidas liminares, sem prejuízo de outros meios institucionais para solução de conflitos."

Aqui fica evidente uma das verdadeiras intenções da petralhada com esse programa. Você compreendeu a intenção dessas propostas acima? É o apoio ao MST no final das contas! Hoje se um desses sem-terra invade a propriedade, a justiça tem os meios de intervir em favor do dono da terra invadida, baseado no direito à propriedade previsto pela Constituição de nosso país. Mas os petralhas querem tirar esse "poder" das mãos do Judiciário, através de uma mediação de um órgão superior. Claro, tudo respeitando os "Direitos Humanos"... Volte ao texto que trascrevi acima sobre o Eixo Orientador II, onde fica claro que os grandes proprietários são vistos como os vilões da história.

Na minha cabeça, o invasor não passa de um criminoso, e deve ser expulso do local invadido que deve ser devolvido ao seu dono de direito. Mas agora, se essa proposta do PNDH pegar, os sem-terra uma vez tenham invadido um terreno vão poder participar dessa mediação, onde vai se decidir quem ficará com a terra! Me desculpe, mas puta que pariu! É muita sacanagem! O mais legal é que, considerando que tudo tem que ser feito observando os "Direitos Humanos", e tendo a certeza de que essa secretaria vai ficar na mão dos petralhas, não restam dúvidas de que o resultado dessas estúpidas mediações será a favor dos sem-terra invasores. Pronto, um grande empresário do setor agrícola agora corre o sério risco de ver a terra que ele adquiriu legalmente e onde investiu seu dinheiro ser criminosamente dada de mão beijada para os crápulas do MST que a invadiram.

E observe bem uma coisa, o texto fala em conflitos agrários e urbanos... Quer dizer então que vai acontecer o mesmo se um sem-teto invadir minha casa? Vou comprar um imóvel, gastar um dinheiro para comprar minhas coisas, vou pagar todos os impostos e despesas, e um belo dia um filho da puta dum sem-teto invade a minha casa, e vai ser feita uma mediação entre eu e ele para ver quem que merece ficar com o imóvel? É assim que vai ser? Me desculpe mais uma vez pelo palavreado, mas... Caralho! Como ficaria o meu direito à propriedade? Não consigo acreditar que querem colocar isso na prática, é um absurdo sem tamanho! Se for assim o cidadão honesto que trabalhou que nem um corno para comprar sua casa própria vai precisar botar uma cerca eletrificada ao redor dela, para torrar qualquer invasor e garantir à força o seu direito à propriedade...

É foda... E ainda tem uns babacas que aprovam esse programa, ou pelo costumeiro corporativismo de aprovar qualquer coisa que o PT faça, ou por serem politicamente cegos mesmo. Seguindo para o Eixo Orientador V, sobre a educação:

"Estabelecer critérios e indicadores de avaliação de publicações na temática de Direitos Humanos para o monitoramento da escolha de livros didáticos no sistema de ensino."

Cara, não sacaneia! Vão checar se os Direitos Humanos são cumpridos nos livros da escola? Já imagino, nos livros de Matemática em nenhum dos exercícios poderá haver uma pessoa negra sendo prejudicada, por exemplo, ao ficar com a menor parte de uma divisão de laranjas com dois outros coleguinhas... Fala sério! A verdade é que certamente o interesse dos petralhas é avaliar livros como os de Historia, e garantir que eles narram tudo de acordo com o que pregam os esquerdistas... ou melhor, os "Direitos Humanos".

"Fomentar a realização de estudos, pesquisas e a implementação de projetos de extensão sobre o período do regime 1964-1985, bem como apoiar a produção de material didático, a organização de acervos históricos e a criação de centros de referências."

E logicamente os maiores esforços serão para reescrever nos livros o período da ditadura militar brasileira... Essa é só uma prévia de outro dos grandes objetivos do PNDH, aguarde que está logo abaixo.

"Propor a criação de marco legal regulamentando o art. 221 da Constituição, estabelecendo o respeito aos Direitos Humanos nos serviços de radiodifusão (rádio e televisão) concedidos, permitidos ou autorizados, como condição para sua outorga e renovação, prevendo penalidades administrativas como advertência, multa, suspensão da programação e cassação, de acordo com a gravidade das violações praticadas."

"Promover diálogo com o Ministério Público para proposição de ações objetivando a suspensão de programação e publicidade atentatórias aos Direitos Humanos."

"Elaborar critérios de acompanhamento editorial a fim de criar ranking nacional de veículos de comunicação comprometidos com os princípios de Direitos Humanos, assim como os que cometem violações."

Outro ponto de grande polêmica. Resumindo, o que se quer é que seja feita uma constante vigília se os meios de comunicação não estão atentando contra os "Direitos Humanos". Bom, então isso quer dizer que eu não vou ver mais na televisão um filme do Schwarzenegger ou do Chuck Norris metralhando um bando de terroristas?

Ora, torno a repetir que o Ministério Público e a tal Secretaria dos Direitos Humanos, liderados pelos petralhas e outros movimentos sociais de esquerda, vão simplesmente querer decidir o que pode e o que não pode passar na televisão: e tudo aquilo que não for autorizado, basta dizer que era contra os Direitos Humanos. Coisas como imagens de uma invasão dos sem-terra, reportagens que apontem desvio de verba de governantes ou manifestações contra o Chávez, tudo isso afronta com os Direitos Humanos e não deve ir ao ar. O que na cabeça desses petralhas é a proposta de uma programação mais humana e correta, pra mim se resume a uma palavra: censura.

Muita gente acha que é exagero falar que isso é censura, mas não há como me convencer disso. Afinal de contas, quem vai dizer o que está ou não de acordo com os Direitos Humanos, os petralhas? É muito engraçado mesmo, como falei vão usar a máscara dos Direitos Humanos para mostrar apenas o que eles querem, para proteger os seus aliados políticos, como o MST, e fazer lavagem cerebral do povo.

"Incentivar a produção de filmes, vídeos, áudios e similares, voltada para a educação em Direitos Humanos e que reconstrua a história recente do autoritarismo no Brasil, bem como as iniciativas populares de organização e de resistência."

Isso mostra a indiscutível parcialidade dos autores do programa, por que apenas mídias que falem da luta contra a ditadura devem ser incentivadas? Será que não devemos incentivar a a televisão, o cinema e o teatro em geral? Não na cabeça dos petistas, que com isso vão querer dar maior incentivo (entenda como verba para ser desviada) para a criação de filmecos de propaganda, para enaltecer a luta dos militantes contra a ditadura. Será que não aprenderam com o filme do Lula que esse tipo de filme não cola?

Enfim, chegamos então ao último Eixo Organizador, e também o mais polêmico e revoltante, que fala sobre o tal "Direito à Memória e à Verdade". Trata de uma questão que sempre está atravessada na garganta da esquerda brasileira, que é o período de ditadura. Agora que os antigos militantes e terroristas estão no poder, eles pretendem rever muitas das decisões tomadas após esse período, baseadas em um clima de revanchismo, logicamente sem mexer com as gordas indenizações que eles recebem.

"Designar grupo de trabalho composto por representantes da Casa Civil, do Ministério da Justiça, do Ministério da Defesa e da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República, para elaborar, até abril de 2010, projeto de lei que institua Comissão Nacional da Verdade, composta de forma plural e suprapartidária, com mandato e prazo definidos, para examinar as violações de Direitos Humanos praticadas no contexto da repressão política no período mencionado, observado o seguinte:

- O grupo de trabalho será formado por representantes da Casa Civil da Presidência da República, que o presidirá, do Ministério da Justiça, do Ministério da Defesa, da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República, do presidente da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, criada pela Lei no 9.140/95 e de representante da sociedade civil, indicado por esta Comissão Especial;"

Bem, aqui fica a pergunta clássica: será que vão ser apuradas as violações de Direitos Humanos de ambos os lados? Duvido! Considerando que o PNDH foi escrito em sua maioria por ex-militantes terroristas, e que esse papo "Direitos Humanos" é só fachada para seus ideais de esquerda, pode ter certeza de que apenas os militares serão o alvo dessa investigação. Afinal de contas, na cabeça dos petralhas e seus simpatizantes, todos os crimes que eles cometeram são perdoáveis, uma vez que eles estavam lutando pela "liberdade" e pela "democracia"... É so ler o texto, quando se fala em "examinar as violações de Direitos Humanos praticadas no contexto da repressão política" fica visível que apenas os crimes cometidos pelo Estado estarão no foco das investigações. E depois falam que não é revanchismo.

Tem ainda uns imbecis que acham isso certo, argumentando que os militantes já foram punidos, pois eles foram perseguidos, torturados, exilados e mortos. Realmente, isso exime eles de qualquer responsabilidade pelos crimes que eles cometeram, será? Não apenas eles também perseguiram, torturaram e mataram, mas como hoje ganham uma boa grana de indenização. Que punição... Isso é fruto do corporativismo exarcebado da esquerda, que considera que seus semelhantes são sempre inocentes, independente do que façam.

Eu sou contra a Lei da Anistia, acho que todos os crimes da época da ditadura devem ser igualmente apurados e os responsáveis julgados e punidos, e de quebra na minha opinião deve-se acabar também com essa palhaçada das indenizações milionárias que esses terroristas recebem. (onde já se viu, criminoso receber indenização do governo?). Os dois lados cometeram crimes, e os dois lados atentaram contra os Direitos Humanos. E a Lei da Anistia inocentou os dois lados, que isso fique bem claro. Por que então apenas a anistia aos militares deve ser revista?

A verdade é que tal abordagem pegou tão mal, provocando a revolta dos militares que ameaçaram se demitir dos Ministérios, e Lula precisou pedir uma revisão do PNDH. O que provocou a ira do Secretário de Direitos Humanos e ex-militante terrorista Paulo Vannucchi, que ameaçou se demitir se os feitos dos militantes também fossem investigados. Para os petralhas que estão lendo, pergunto se ainda acreditam que não há revanchismo, depois da birra do Vannucchi em não querer que ele e seus camaradas sejam investigados. Pessoalmente, não fico muito animado com a mudança, pois como tudo será julgado pelos "Direitos Humanos" que estão submissos aos interesses da esquerda, logo é possível que terroristas como Dirceu e Dilma só sentarão no banco dos réus depois de muito tempo, apenas após de todos militares serem julgados; ou então o mais provável de acontecer é que as investigações sobre as ações dos militantes serão inconclusivas ou então serão julgados inocentes...

Enfim, esse PNDH é certamente bem polêmico e deixa claro quais são as intenções dos petralhas que hoje estão no poder. E é de extremo mau-caráter a idéia de esconder propostas autoritárias e favoráveis aos "movimentos sociais" aliados do PT por trás de uma cortina extremamente falsa de Direitos Humanos. É uma abordagem tão nojenta e pilantra que me dá vontade de vomitar. Mas a intenção é realmente essa, para que pessoas que contestem o PNDH como eu sejam tidas como vilãs da democracia e da igualdade de direitos. A verdade é que querem falar bonito e dizer que os Direitos Humanos são a entidade máxima que vai regir tudo, e teremos uma sociedade perfeita. Porém o que os petralhas não dizem é que esse "poder" todo dos Direitos Humanos acaba com outros direitos fundametais e constitucionais, como o direito de propriedade e a liberdade de expressão... Direitos esses que são temidos pelos petelhos, e o PNDH será uma de suas tentativas para cessar com esses direitos e rumarmos para algo como a "democracia" de Hugo Chávez...

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

¿Por qué no te calas? Hijo de puta!

Essa aqui é simplesmente fantástica! Deu no Globo hoje:

Em um comunicado divulgado na rede estatal de televisão venezuelana "Vive", o presidente venezuelano, Hugo Chávez, afirmou que "o sismo do Haiti foi um claro resultado de um teste da Marinha americana" com "uma de suas armas de (provocar) terremoto". Chávez citou um relatório preparado pela Frota Russa do Norte e disse que o "terremoto experimental dos EUA devastou o país caribenho", informa o jornal espanhol "ABC".

A Frota do Norte, segue o texto, "monitorou os movimentos e as atividades navais americanas no Caribe desde 2008, quando os EUA anunciaram sua intenção de restabelecer a Quarta Frota, dissolvida em 1950". (...)

Em relação ao objetivo de Washington com os testes, Moscou e Caracas afirmam que "no resultado final dos testes destas armas está o plano dos EUA da destruição do Irã através de uma série de terremotos pensados para derrubar seu atual regime islâmico".

Por fim, o governo de Chávez denuncia que "o Departamento de Estado, Agência Americana de Cooperação para o Desenvolvimento Internacional (USAID) e o Comando Sul dos EUA começaram a invasão humanitária ao enviar pelo menos dez mil soldados e empreiteiros para controlar, no lugar da Organização das Nações Unidas, o território haitiano após o devastador terremoto experimental"
Já tava demorando, alguém ia falar que a culpa do terremoto era dos EUA. Não me surpreendeu que foi o imbecil do Chávez, seria ele ou aquele filho da puta do Irã que iria bostejar alguma coisa assim. E não tenha dúvidas de que um monte de petralhas deve acreditar nisso também. Os EUA sempre serão os culpados de tudo que há de ruim no mundo, na cabeça atrasada retardada dessa turma.

Foda, acho que não tem ninguém que tenha mais merda na cabeça do que esse puto comunista...


quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Demagogia da Tragédia

Nos últimos dias presenciamos diversas imagens chocantes sobre o terrível terremoto que ocorreu no Haiti, um dos países mais pobres do mundo. Estima-se que milhares de pessoas perderam a vida nessa tragédia e outros tantos estão desaparecidos, e os esforços das forças de paz da ONU, lideradas por militares brasileiros que compõem a maior parte do grupo, continuam para tentar encontrar sobreviventes. Diversas nações estão enviando doações e ajuda humanitária para um país que certamente não conseguiria sobreviver por conta própria, e muitas pessoas, solidárias com os haitianos, estão oferecendo doações de alimentos, roupas e dinheiro para organizações que estão trabalhando para ajudar o país.

Eu imagino que acabarei sendo tido como um cretino insensível pelo que vou dizer nos próximos parágrafos, mas fico imaginando o quanto de todo esse empenho e esforço pelos haitianos é verdadeiro e o quanto é apenas demagogia. Vocês sabem, ajudar para dizer para todos que ajudou, para ficar "bem na fita", para posar de que tem consciência social. Acredito que não devem ser poucos, e desconfio muito de nosso governo estar adotando exatamente essa postura.

Não é perseguição com o Lula, embora eu já tenha deixado claro em muitas postagens aqui que acho que ele não tem capacidade nem para administrar uma barraquinha de cachorro-quente. Mas sabemos muito bem que o barbudo adora posar de defensor dos pobres, ele deve sentir orgasmos ao se mostrar como um homem do povo. Afinal de contas, sabemos muito bem que a maioria que votou nele é de pessoas humildes, e nada melhor para aumentar a simpatia delas do que se mostrar como um semelhante, demonstrando compaixão pelo sofrimento de um dos povos mais miseráveis do planeta.

Levanto ainda uma outra questão: você percebeu como a resposta de Lula e seu governo para a tragédia do Haiti foi extremamente veloz e de grande porte? Logo no dia seguinte ele já estava falando e aviões decolando com destino para o Haiti. Agora compare com a resposta do governo federal diante dos acontecimentos ocorridos em Angra dos Reis e outras regiões afetadas pelas fortes chuvas. Me desculpe, mas é evidente que a velocidade de resposta para a tragédia aqui do Rio foi relativamente mais lenta, está bem claro que as autoridades não estão direcionando muita atenção para as consequências das fortes chuvas em São Paulo. Por quê?

Vejo que uma razão óbvia para isso é exatamente a ânsia de mostrar para o mundo sua preocupação com os povos necessitados. Sejamos frios, coloque na balança o terremoto do Haiti e os deslizamentos provocados pelas chuvas aqui no Brasil: a tragédia ocorrida no país caribenho é certamente mais grave e com mais mortes, e com isso ela também acaba também sendo um fenômeno de maior evidência para o mundo. Mais uma vez, não me veja como um cubo de gelo, mas a verdade é que as dezenas de mortes em Angra, por exemplo, são notícias pequenas e de pouco destaque na mídia internacional, comparadas com as vítimas do Haiti. Convenhamos, os deslizamentos em Angra são tidos como meras ocorrências locais, enquanto o terremoto no Haiti é de interesse global. E a "propaganda" ao redor daqueles que atuam com ajuda humanitária em um episódio desses é diretamente proporcional ao tamanho da tragédia. Ou seja, Lula vai aparecer muito mais na mídia internacional liderando ações de resgate em um país vítima de uma catástrofe do que em uma cidade brasileira, daí a velocidade na resposta.

O que me revolta é que as pessoas parecem se esquecer dos graves problemas que nós temos aqui, que são solenemente ignorados pelos nossos governantes. Por exemplo, todo o verão aqui no Brasil morre gente à beça, por causa das pesadas chuvas seguidas de deslizamentos. Ao contrário do terremoto do Haiti, uma tragédia sim mas isolada, os problemas de infra-estrutura, e saúde de nosso país são coisas recorrentes. Todos os anos podemos estar certos de que o Tietê vai transbordar de água devido às chuvas de verão, provocando o caos na capital paulista, e que isso vai se repetir e nada será feito para evitar que ocorra. Não se vê um décimo de esforços de nosso governo hoje destinados ao Haiti serem empregados na solução de problemas locais. Típica postura comunista da esquerda, com uma preocupação maior de se mostrar para o mundo como uma nação solidária do que em resolver problemas graves que ocorrem dentro de suas fronteiras, principalmente se for para tentar se mostrar superior aos EUA.

Ah, como poderíamos esquecer do já manjado anti-americanismo? Mesmo em uma situação onde a preocupação humanitária com as vítimas do terremoto deveria ser mais importante, sempre existem aqueles petralhas que nunca perdem a oportunidade de arrotar críticas infundadas, estúpidas e sem nexo contra os EUA. Durante essa semana que se passou, já escutei os mais incríveis absurdos, verdadeiras diarréias verbais vindas de membros do governo e simpatizantes da esquerda. Por exemplo, muitos idiotas contestaram o envio do porta-aviões Carl Vinson para a região, mesmo sabendo que o gigantesco navio não está levando nenhum avião de guerra, mas apenas helicópteros para ajudar na ajuda aos desabrigados, além de ser capaz de gerar centenas de milhares de litros de água potável por dia e contar com um hospital de alto nível, que está sendo destinado aos casos mais graves. E ainda tem gente que acha errado, que se revolta com a presença do porta-aviões americano lá. Escutei até um paspalho que comentou que o Brasil deveria fazer frente aos EUA e não aceitar a presença do Carl Vinson na área, e que o nosso porta-aviões, desculpe, navio-aérodromo, São Paulo, fosse para o Haiti, para "marcar presença". Sinceramente, um idiota que fala uma estupidez desse tipo tinha que levar uma surra com um cabo de vassoura. Como comentei aqui recentemente, o São Paulo só chegaria lá rebocado, e nem queira comparar a simplória embarcação brasileira com um dos navios de guerra mais modernos da atualidade: o Carl Vinson tem um deslocamento (que seria o peso total do navio) mais de 3 vezes maior que o São Paulo e uma tripulação 5 vezes maior, é como comparar uma Ferrari com um fusquinha. Só para se ter uma idéia, o navio-hospital norte-americano Comfort, que também está no Haiti e pode receber 1000 pacientes, tem o dobro do deslocamento do São-Paulo...

Pessoalmente, acho ridícula a postura do governo brasileiro em querer peitar os EUA, de se achar superior aos americanos nessa situação. É como diz o ditado, "cão que ladra não morde", e nesse caso o Brasil seria um vira-lata banguela. Os EUA já forneceram um valor de doações imensamente maior que todos os demais países juntos, conta com um contingente maior e melhor preparado de pessoas para ajudar os haitianos, sem falar que eles têm muito mais experiência com operações de resgate e apoio após tragédias desse porte: afinal de contas, os EUA estão acostumados com terremotos e furacões em suas terras, enquanto que o Brasil mal consegue lidar com os efeitos de chuvas de verão. Mesmo assim, os petralhas não toleram a presença americana lá, tampouco abrem mão da liderança nas operações, e vão continuar inventando absurdos para denegrir a presença norte-americana lá (a última foi dizer que os EUA pretendem dominar o Haiti, é mole?). Como falei acima, toda a mídia internacional está de olho, e Lula não vai querer que os americanos ofusquem a sua atuação como líder do resgate ao Haiti.

No final das contas, parece que vale mais para o governo brasileiro ganhar um espaço nos holofotes e posar de maioral, enfrentando os EUA... Enquanto isso, o povo haitiano está lá passando necessidade, ansioso pela ajuda, não importando se ela é brasileira ou norte-americana...

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

O Último Guerreiro das Estrelas

Ah, esse aqui é um dos clássicos da Sessão da Tarde de bem antigamente! Esqueça filmes como Guerra nas Estrelas, essa obra de arte dos anos 80 é simplesmente incrível. O Último Guerreiro das Estrelas (The Last Starfighter) durante muito tempo preencheu a imaginação de um pequeno texugo, que sonhava em ser astronauta e viajar pelo espaço, combatendo alienígenas maléficos que queriam conquistar a Galáxia...

Lançado no longínquo 1984, O Último Guerreiro das Estrelas conta a história do garoto Alex Rogan, que mora em um acampamento de trailers (que vidinha chata...). E realmente não havia muito que se fazer lá, considerando que ele basicamente era o faz-tudo do lugar, e a principal diversão dele era um fliperama de um jogo chamado Starfighter. Claro, Alex não era um sujeito tão bobão de só ficar no videogame, ele tem também uma namorada, a meiga Maggie. Uma bela noite, Alex consegue "zerar" o jogo, e de repente aparece um velho muito comédia chamado Centauri dizendo ser o criador do Starfighter. E aí começa...

Acontece que Centauri na verdade é um alienígena, e seu carro uma nave espacial, que leva Alex para outro planeta. Lá, ele acaba descobrindo que o fliper na verdade era um teste, e todos os seres da Galáxia que venceram o jogo haviam sido levados para combater de verdade. Bem, Alex se caga todo e pede para voltar, e chegando na Terra descobre que Centauri havia largado uma cópia sua para que seus amigos não percebessem sua ausência. Após chamar Centauri de volta e se livrar de um alien cabeçudo que queria matá-lo, Alex volta para a base, para descobrir que ela foi atacada. E não sobrou ninguém para lutar, só ele... Com isso, Alex se une a Grig, um alienígena com cara de cobra e risada engraçada, para enfrentar toda a armada, igualzinho ao jogo. Claro, estamos falando de Hollywood e Alex ganha a batalha, para depois voltar para a Terra e buscar a sua namorada...

Como eu sou bonzinho, ainda vai o trailer do filme, traz belas lembranças...



Sinceramente, esse filme é muito legal, simplesmente trouxe para a telona o sonho de todo garoto que jogava um joguinho de nave no Atari e sonhava que fosse real. Sem falar que o filme não deixou de ser um marco na indústria do cinema, sendo um dos pioneiros a usar a animação por computador: todas as cenas de combate espacial foram feitas por computação, tudo bem que para os dias de hoje qualquer joguinho do Playstation é mais realista, mas para a época era algo fantástico!

Claro, sendo um texugo fã de tecnologia, não poderia deixar de dar um certo destaque para a super nave do filme. O Canhão Estelar é simplesmente incrível, tem todo um visual de um X-Wing depois de tomar uns anabolizantes, voa com dois tripulantes, um piloto e um artilheiro, posição ocupada por Alex.

Conta ainda com uma super arma-secreta, o Botão da Morte, que parece um daqueles ataques especiais que vemos nos videogames de nave, com lasers para todo o lado. Mais um vídeo legal, mostrando o ataque que dizimou toda a esquadrilha inimiga.



Também não podemos esquecer o carro-nave todo futurista do Centauri, um design bem legal, ainda mais com suas portas de gaivota.

E tão futurista que o carro ainda foi aproveitado no segundo filme da série De Volta Para o Futuro! É o mesmo carro, ali à esquerda, estacionado bem na frente do Fusca, provando até mesmo no futuro o simpático Volkswagen ainda vai continuar na ativa...

Claro que tem uns personagens bem bizarros, no filme volta e meia tem espaço para aquele humor inocente dos anos 80. Centauri é um figura, acha tudo muito engraçado mas no fundo só quer saber de ganhar dinheiro. Fico imaginando o que levava um ser de outro planeta usar um chapéu estilo Eliott Ness no espaço.

Grig é outro espetáculo à parte, com sua cara enrrugada e a risadinha característica, que parece alguém com falta de ar! O cara é um louco, todo animado em participar de um combate suicida de um contra todos.

Pior de tudo, mesmo com essa cara ele conseguiu arrumar uma esposa, está melhor que este solitário texugo aqui...

A mulher de Grig, mãe de seus 12 mil griguinhos.

Certamente a veia cômica do filme fica por conta da Unidade Beta, um alienígena que imita a aparência de Alex. Acontece que o carinha é muito sem noção, quase acaba com a reputação de Alex perante sua namorada. A cena em que ele tira a sua própria cabeça para fazer um conserto , sob o olhar assustado de seu irmãozinho tarado por revista de mulher pelada, é hilária



E ainda tem o vilão Xur, que traiu o seu planeta e se aliou a um bando de lagartos espaciais. É compreensível a revolta dele, afinal todo mundo de lá tem a mesma aparência escrota, careca com cabelos brancos (até as mulheres!), não é à toa que ele foi afetado por uma crise de identidade e quis matar todos para ser o único.

Mesmo os alienígenas tem problemas de prisão de ventre.

Os aliens inimigos não são menos bizarros, suas caras parecem ameixas podres, tem ainda um deles que fica se fazendo de sofisticado com um monóculo automático...

"O que fazemos?"
"Morremos..."

E para fechar, o prêmio de "galã" do filme vai para os repugnantes Zando-Zan. Com essa carinha de bunda achatada, fico imaginando que a maior dificuldade deles seria comer: afinal de contas, os olhos ficam mais baixos que a boca, como que ele vai acertar a mordida?


E claro que não podemos deixar de falar do jogo em si, não é? No final do filme a Atari prometia que lançaria o jogo Starfighter para um arcade. Infelizmente, a idéia não vingou, surgindo apenas alguns joguinhos espaciais que se diziam baseados no filme, mas na verdade só imitavam o nome...

"Você foi convocado pela Liga Estelar para defender a Fronteira contra Xur e a Armada Ko-Dan."

Foram necessários mais de 20 anos de espera até que um bando de loucos decidiu recriar esse jogo que povoava a imaginação dos fãs do filme. Eles chegaram até a fazer uma réplica perfeita do gabinete do filme, veja aqui no site deles. E o mais legal é que existe uma versão para download do jogo! Simplesmente animal, pode não ser o simulador espacial mais empolgante que existe, mas pelo fator diversão é nota 10. Só para avisar, se você bater o recorde não vai aparecer um carro do futuro na porta de sua casa... Ou não?


Sei que é uma frase manjada, mas realmente não fazem mais filmes como antigamente. O Último Guerreiro das Estrelas é aquele típico filme com uma idéia simples porém bem divertida de um videogame que se transforma em realidade, na minha opinião um grande clássico de ficção científica, que sempre vale a pena ver mais uma vez.

sábado, 16 de janeiro de 2010

Big Bosta Brasil

Nessa semana começou mais uma edição de um dos programas mais estúpidos e insuportáveis da televisão brasileira, a grande merda do Big Brother. Durante meses a nossa sociedade vai ficar vidrada acompanhando as vidas de um bando de desocupados sedentos por fama vivendo em uma casa vigiada por câmeras. As conversas no trabalho, na rua, na escola e no ônibus serão sobre que fulano falou isso, que siclano vai perder no paredão e que está torcendo que o beltrano vai ganhar o prêmio... A mediocridade continua, ano após ano, e depois vem me dizer que a cultura brasileira é uma maravilha.

Eu pessoalmente tenho nojo desse programa, as únicas vezes que vejo alguma coisa do Big Brother é quando estou passando os canais, pouco me interessa saber o que está acontecendo, o que infelizmente é difícil pois para onde você olha alguém está falando do BBB. Sem falar que essa porcaria ainda ocupa toda a programação da TV, em especial na Globo. Vai ser impossível ver algum jogo do campeonato estadual sem ter que aturar durante o intervalo imagens gravadas na casa. Até mesmo na TV a cabo essa bosta atrapalha, me lembro que uma vez estava gravando um show de música no Multishow, e a emissora simplesmente interrompeu o programa no meio, para mostrar meia hora de cenas do Big Brother! Cara, fiquei muito puto!

Afinal de contas, do que se trata o Big Brother? Um monte de gente em uma casa, só isso? Nunca pude imaginar uma coisa mais sem graça para se mostrar na tela, é uma idéia idiota e estúpida para um reality show. Existem tantos programas desse tipo mais interessantes, como O Aprendiz e The Amazing Race, que conseguem ser reais sem o exagero das 24 horas de câmeras do Big Brother. O que há de interessante em assistir um grupo de pessoas dentro de uma casa da qual não se pode sair? Ver eles acordando, indo pro banheiro de manhã dar uma barrada, tomar café, almoçar, tomar banho, lavar roupa, ver TV, dormir... Pôrra, pra que eu vou ficar vendo outras pessoas fazendo tudo aquilo que já faço todos os dias? Acaba sendo tão escroto ficar acompanhando isso que é preciso inventar algumas tiradas para atrair a audiência e evitar o marasmo. Então de vez em quando eles fazem festas temáticas à fantasia, brincadeiras de gincanas e recebem artistas que fazem um show. Realmente, igualzinho à casa de todo mundo...

Outra abordagem que os produtores usam é convocar participantes dos mais bizarros. Afinal de contas, colocar pessoas normais seria muito sem graça, é preciso atrair o público com sujeitos dos mais estranhos. E nessa edição pegaram pesado, colocaram um garoto bichinha com umas pintinhas na testa, parecendo um daqueles viados do Cavaleiros do Zodíaco, e tem até um filho de uma puta de um travesti! Não sei se a Globo quer agradar as minorias ou se quer chutar a decência longe e incentivar um romance gay com as duas moçoilas se agarrando na piscina...

Sejamos francos, o povo brasileiro gosta muito de ficar sabendo da vida alheia, é por isso que as bancas estão repletas de revistas como Caras e Contigo e na televisão passam programas como Estrelas e TV Fama. Acontece que as celebridades retratadas nessas mídias estão muito distantes do povão, elas vivem em uma outra realidade mais rica e sofisticada. E no Big Brother as pessoas que estão lá são teoricamente do povo também, e as pessoas se identificam com elas mais facilmente. Claro que depois que saem da casa, os participantes tentam a todo custo se tornarem celebridades, algo que é fácil em uma nação que valoriza a mediocridade de enaltecer um paspalho ou uma vagabunda que ficaram simplesmente vivendo em uma casa...

Claro que no final das contas o ponto mais destacado do BBB é a putaria generalizada. Parece que é incentivado que o pessoal ali dentro fique se pegando para apimentar o programa, afinal de contas não existe novela sem um romance... Se é que podemos chamar as ficadas de romance, os relacionamentos que surgem ali no programa são tão "profundos" como nossa sociedade superfivial incentiva. Outro exemplo, qual a necessidade de se colocar uma câmera no chuveiro, além de mostrar para todos os espectadores os participantes tomando banho? É só para agradar ao desejo pervetido das pessoas de ver um sujeito bombado ou uma garota gostosa debaixo do chuveiro. O mais incrível é que os participantes estão cientes dessa invasão de privacidade, e alguns até parecem gostar disso. Também não podemos nos esquecer das frequentes situações onde algumas das mulheres acabam se "descuidando", deixando os peitos à mostra.

Tudo bem, como um texugo macho sou obrigado a admitir que existe algo de bom no BBB, que são algumas das participantes... Não há como não ficar admirado pela meiga Grazi ou pela exótica Sabrina Sato, aliás as únicas que acabaram mantendo a fama mesmo depois do programa.


Impossível resistir a essas duas gracinhas...

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Cara a Cara

Cara (com o perdão do trocadilho), mas isso aqui me traz lembranças. Sem sacanagem, quem aqui que viveu a sua infância nos anos 80 e não se recorda desse divertido jogo da Estrela? Talvez para os dias de hoje possa ser considerado muito simples, mas eu nunca cansava de jogar com meus amigos, tentando adivinhar quem era o personagem do outro, fazendo as clássicas perguntas sobre a sua aparência...

Como a maioria dos jogos lançados aqui no Brasil, Cara a Cara era uma adaptação do jogo Guess Who? que surgiu na mesma época nos EUA. A premissa era bem direta: cada jogador tinha o seu tabuleiro com várias plaquinhas, 24 ao todo, cada uma com um rosto. Sorteava-se uma carta, que seria a pessoa que o seu adversário teria que tentar descobrir quem era, e para isso se faziam perguntas sobre ela. Tinham que ser perguntas simples, de resposta positiva ou negativa, e de acordo com a resposta você baixava as plaquinhas dos rostos que não serviam. Por exemplo, você perguntava "tem cabelo castanho?" e o outro jogador dizia que sim, então você baixava as plaquinhas de todos os personagens que não tinham cabelos castanhos. A qualquer hora você poderia arriscar um nome, errando você perdia, mas acertando ganhava a partida.

Me lembro até hoje que eu costumava inventar algumas regras para tornar o jogo mais disputado ou para render um pouco mais. Por exemplo, como haviam poucas personagens mulheres, a gente costumava não permitir perguntas sobre o sexo da pessoa, senão o sujeito que tivesse sorteado uma mulher iria perder fácil. Outra regra que eu fazia com meus amigos era que não se podia dizer o nome da pessoa, era necessário ficar só com uma plaquinha aberta, consequentemente da pessoa que o outro sorteou. Aí o adversário era obrigado a chutar um nome, se acertasse a partida empatava, mas se errasse ele perdia. É, meu amigo, a garotada da década de 80 tinha imaginação para bolar novas regras!

Bizarros eram os personagens, cada um mais ridículo que o outro! Eu ainda devo ter guardado o meu Cara a Cara, tentei achá-lo aqui em casa para scanear as cartelas, mas não consegui achá-lo. Mas achei nesse site (aliás, muito legal, que fala de vários jogos de tabuleiro) uma imagem de um tabuleiro holandês que é igualzinho ao que havia por aqui na década de 80, tenho certeza de que você vai se lembrar dessas carinhas...

Confesso que não me recordo de alguns nomes, mas tem uma coisa que você certamente deve ter percebido, e você não está enganado: lá fora todos os personagens são brancos! Aqui na versão brasileira já haviam personagens de outras etnias. Na foto acima, os três de cabelos pretos encaracolados eram negros, enquanto que aqueles que tem cabelos ruivos eram mulatos, com exceção do carequinha Bill (que se não me engano era chamado de Edu na versão tupiniquim). Alguns nomes eram bem parecidos, apenas versões em português dos que estão na imagem, me recordo que o tal de Frans era chamado de Chico, a loirinha Anita era conhecida como Lúcia, e certamente outros que não me lembro...

Confesso que não sei se o original americano era tão "racista" assim, é curioso pois os personagens que eram negros aqui tinham toda a pinta, é só ver os cabelos pretos encaracolados... Ou o tabuleiro passou por uma síndrome de descoloração como o Michael Jackson ou então os caras fizeram uma adaptação para a Holanda, para que não tivesse nenhum negro ou mulato: embora acho estranho, pois existem negros holandeses, como o Ruud Gullit, que jogava na laranja mecânica lá pelos anos 90, na época parecia um cruzamento entre o Valderrama e o Compadre Washington...


Curiosamente, enquanto eu estava escrevendo o post acima, em paralelo estava dando uma fuçada no Google para ver se achava uma imagem legal do tabuleiro brasileiro, e acabei encontrando em ótima resolução (clique na imagem para ampliar). Para não perder a piadinha do Ruud Gullit, vamos manter tudo na ordem cronológica e deixar a imagem do tabuleiro holandês lá em cima. Cacetada, quantas recordações... Ainda não sei se as duas linhas na cara do Roberto é um bigode ou parte do nariz, o Marcos parece o Super Mario, o Paulo tem toda a pinta do Barbosa da TV Pirata e o Tony é simplesmente a cópia do carinha que fazia propaganda do Bombril.


Hoje existem várias outras versões do Cara a Cara, e confesso que já começaram a pegar pesado, usando desenhos animado e quadrinhos. Na minha opinião acho que perde um pouco da graça, pois são personagens bem característicos, e isso facilita ou dificulta muito as perguntas. Por exemplo:
  • Na versão dos heróis Marvel, imagina só você ter sorteado o Fera e perguntarem "tem pele azul?". Pele verde não seria tão complicado, pois teria o Hulk, a She-Hulk e o Lagarto. E como seria se a pergunta fosse sobre a cor dos olhos e você tivesse sorteado o Cíclope ou o Demolidor?
  • Também ficaria engraçado na versão da Turma da Mônica: "tem 5 fios de cabelo" ou "é dentuça?" seriam perguntas que poderiam não ajudar em nada ou já resolver a parada.
  • E com a Turma da Disney? Será que valeriam perguntas como "é retardado?", destinada para o Dunga? Ou então perguntar "tem a cara deformada" para encontrar o Quasimodo?
Enfim, Cara a Cara sempre foi um jogo bem divertido e inteligente, e fico feliz de que sua "essência" ainda está viva nos dias de hoje com essas novas versões (embora eu ainda prefira o original), uma alternativa saudável para afastar a garotada um pouco dos jogos de computador.

Isso aliás me deu uma idéia... Acho que vou inventar uma versão do Cara a Cara com políticos brasileiros! Já imaginou, um jogo Cara a Cara com Lula, Roberto Jefferson, Maluf e todo mundo? Só não valeria fazer a pergunta "é ladrão?", pois essa não eliminaria ninguém...

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Boris Casoy não é o único... Todo mundo tem preconceito

Já tem um tempo que esse assunto explodiu na mídia e consequentemente na Internet, sobre a gafe cometida pelo jornalista Boris Casoy no Jornal da Band. Acabei me sentindo obrigado a comentar um pouco sobre isso, principalmente após ver uma série de reclamações e comentários extremamente agressivos contra ele.

Caso você esteja mais por fora que bunda de índio em relação a esse episódio, um resumo: durante o Jornal da Band do dia 31, em um determinado momento mostraram a imagem de dois garis, desejando um feliz Ano Novo. Acontece que o Boris Casoy fez um comentário e não percebeu que seu microfone estava ligado, e dessa forma todos escutaram suas palavras:

"Que merda! Dois lixeiros desejando felicidades do alto de suas vassouras... O mais baixo da escala do trabalho..."

Foi um escândalo total, muita gente ofendida com o comentário preconceituoso e ofensivo de um dos mais respeitados jornalistas da televisão brasileira. Pegou tão mal que no dia seguinte ele se desculpou ao vivo, mas logicamente que os mais revoltados ainda não esqueceram, e agora temos uma indignação por parte de vários grupos da sociedade, não só dos garis. Claro que já apareceu um advogado (esses víboras não perdem uma oportunidade de ganhar dinheiro) para indiciar o Boris Casoy e a Band por danos morais e crime de preconceito...

Sem dúvida foi uma situação bem desagradável, o Casoy foi bem infeliz de ter feito tal lambança, começando o ano realmente com o pé esquerdo... Não acho correta a atitude dele, mas ao contrário da grande maioria que o está crucificando, eu vou levantar uma questão que parece ter sido esquecida pelos críticos do Boris Casoy: será que ele é o único? Em outras palavras, será que a nossa sociedade é tão maravilhosa a ponto de não existir esse tipo de preconceito?

A primeira coisa que observo é quem são as pessoas que estão pedindo a cabeça do Boris Casoy... Além dos garis, vítimas diretas do seu comentário, vemos que os demais revoltados são os mesmos petralhas, defensores dos Direitos Humanos (dos bandidos) e pessoas ligadas a movimentos sociais como Viva Rio. Como sempre, esses são os primeiros a chiarem quando alguma pessoa humilde ou que faça parte de uma minoria é prejudicada de alguma forma. Ainda mais quando o "agressor" é tido por eles como um membro da elite rica, responsável por todos os problemas do Brasil segundo seus conceitos comunistas.

Pronto, se algum simpatizante do PT ou dos Direitos Humanos chegou até esse parágrafo, já deve estar me xingando, dizendo que sou igual ao Boris Casoy e que sou culpado pelas mazelas sociais de nosso país. Bom, podem pensar isso à vontade, já estou acostumado a ser hostilizado por petelhos que não aceitam quem pense diferente deles. Vamos voltar à programação normal...

Francamente, gostaria de saber se todas as pessoas que hoje estão xingando o Boris Casoy são superiores a ele, se são realmente tão íntegras e corretas. Queria saber se os vermelhos têm toda essa consideração pelos garis, os desafio a irem na rua e darem um abraço fraterno em um lixeiro todo sujo e suado, para mostrar que são pessoas melhores que o Casoy, livres de preconceitos. Ah, fala sério, atire a primeira pedra quem nunca foi um pouquinho preconceituoso com a classe mais humilde. Será que esses críticos do jornalista tratam com dignidade e respeito a faxineira que limpa seus escritórios, o porteiro de seu prédio ou a babá que cuida de seus filhos? Claro que eles vão dizer que tratam essas pessoas com dignidade, mas duvido muito que seja 100% verdade, que eles nunca tenham cometido algum deslize. E tem mais, o Casoy apenas fez um comentário, tem gente por aí que fica apontando o dedo para ele e deve fazer coisa muito pior.

Antes que venham me acusar de ser racista e preconceituoso, eu digo que de certa forma todos nós temos algum tipo de preconceito. Isso faz parte de nossa sociedade, gostem ou não. Imaginar que um carinha é nerd só porque usa óculos, rir de piada de loira ou de português e chamar os moradores de Pelotas de viados é tudo preconceito também, embora ninguém fale nada contra. Ah, e em especial para meus amigos petralhas, anti-americanismo também é preconceito, tirem de suas cabeças vermelhas essa idéia ridícula de que é legal e aceitável odiar os EUA.

E é sempre bom lembrar que o preconceito necessariamente não precisa ser degradante para ser tido como preconceito. Por exemplo, dizer que por ser japonês o sujeito é inteligente ou só porque o cara é negro deve ser um bom jogador de basquete também são formas de preconceito. Vá ver no dicionário, preconceito é justamente fruto de uma generalização originada de crenças e não do conhecimento de fato, um pré-julgamento superficial fundamentado nas opiniões pessoais ou de um grupo social. Desistam, o preconceito sempre vai existir enquanto o ser humano tiver sua opinião, enquanto ele tiver no que acreditar.

O mais fascinante é como existe um monte de falsos moralistas por aí, acusando o Boris Casoy de preconceituoso. O que acontece nesse monte de lama que chamamos de Brasil é que uma grande parcela da sociedade só reconhece o preconceito contra as classes mais humildes e contra as minorias. Se uma pessoa fala mal de um sujeito pobre, de um negro ou de um gari, isso é motivo de revolta, essa pessoa é chamada de racista e preconceituosa, logo aparece um advogadozinho querendo processá-la, há todo um movimento demonizando esse sujeito. Mas se fosse feito um comentário semelhante sobre uma pessoa branca, um morador da Barra ou Zona Sul ou pior ainda, sobre um norte-americano, essas mesmas pessoas que hoje estão criticando o Boris Casoy não iriam falar nada, ficariam quietinhas nos seus cantos, nenhum pio sobre falta de caráter ou preconceito... Tá arriscado de que esses hipócritas venham até a gostar e comemorar. E depois esses putos vêm dizer que são contra o preconceito...

Querem ver um exemplo? Lembram-se de um discurso que o nosso ilustríssimo presidente estava fazendo sobre a crise? Em um dado momento, ele comentou que a crise econômica mundial era culpa de "gente branca de olhos azuis". Aí pergunto onde é que estão os moralistas e defensores dos bons costumes, para condenar o comentário preconceituoso do Lula? Ninguém falou pôrra nenhuma, parece então que esses hipócritas cretinos ou concordam com o comentário do presidente ou acham que pessoas brancas de olhos azuis não são dignas nenhum tipo de consideração e respeito. Sinceramente, na minha opinião todos os brasileiros brancos de olhos azuis deveriam levantar uma ação por danos morais contra o Lula depois de mais uma dessas diarréias verbais dele... Agora, imagina se o Bush tivesse dito que a culpa da vrise era dos negros e imigrates ilegais...

E digo ainda mais uma coisa: o Casoy tem o direito de ter a opinião dele, se ele não gosta de garis, é problema dele. Uma vez mais repito que duvido que as pessoas que os criticam são melhores do que ele, tenho certeza de que elas também devem ter opiniões não menos preconceituosas sobre esse ou aquele grupo social. A infelicidade dele foi exteriorizar esse comentário e ter o azar dele sair no ar, sendo exposto como o filho da puta daquele deputado de Brasília colocando propina na meia. E o que tem dele ficar fazendo esses comentários quando está fora do ar? De novo, torno a perguntar se as pessoas são tão diferentes assim, é a coisa mais comum do mundo falar mal de alguém pelas costas, embora eu não ache certo e não faça, tenho a consciência de que muita gente é assim. Agora não entendo porque a empregada pode falar mal da patroa para sua amiga quando ela não está, os colegas de trabalho podem falar mal do chefe quando ele está viajando ou os garotos podem xingar a professora na hora do recreio, mas um repórter não pode falar mal dos garis quando está fora das câmeras...

A verdade é que essa corja de revoltados não percebe que está apontando o erro do Boris Casoy com o dedo mais sujo do que cueca de carvoeiro. Esses vagabundos tem que deixar de ser hipócritas e antes de criticar os outros deviam olhar para si mesmos e pensar se realmente têm toda essa consciência social livre de preconceitos que costumam arrotar por aí.

domingo, 10 de janeiro de 2010

Propaganda Eleitoral com Desconto

Notícia que deu no site da Folha:


"A distribuidora Downtown Filmes, responsável pelo lançamento de 'Lula, o filho do Brasil', fechou novo acordo com sindicatos e exibidores do filme para que qualquer trabalhador sindicalizado pague meia entrada em todos as salas de cinema do país para assistir ao filme.

Esse é o terceiro acordo que a Downtown Filmes faz com os sindicatos, com
o propósito de promover e atrair mais público para o filme, considerado o principal lançamento do cinema nacional em 2010, em termos de público e de renda.

O filme, que está em cartaz há uma semana, está sendo exibido em 354 salas, segundo a Downtown, que até ontem tinha contabilizado público de 329.278 espectadores.

Qualquer trabalhador sindicalizado poderá ter acesso ao filme pagando 50% do valor do ingresso a partir de hoje --apenas na rede UCI a promoção começará no próximo dia 15. Basta apresentar a carteira do sindicato, acompanhado de um documento de identidade. (...)

O longa do diretor Fábio Barreto é uma produção orçada em R$ 12 milhões.
É o filme mais caro da história do cinema brasileiro. Conta a história de Lula desde seu nascimento, em 1945, no sertão de Pernambuco, até sua fase como líder sindical, em 1980, em São Paulo."
É uma sacanagem mesmo, não concorda? Coisas que só acontecem nesse Brasil, desconto para sindicalizados para assistir um filme da história do sapo barbudo. Mal começou o ano e vou precisar chamar o índio, pois Lula e sua turma merecem por essa um "Troféu Óleo de Peroba"!
Até agora não foi dada uma justificativa para esse desconto nos ingressos. Afinal de contas, será que o objetivo é valorizar o cinema nacional? Conversa fiada, pois nunca antes na História desse país inventaram uma política tão descarada como desconto para sindicalizados. Se for assim, então "Tropa de Elite 2" vai ter desconto para policiais do BOPE? Ou então para filmes como "Cidade de Deus" e "Carandiru" os bandidos pagariam meia-entrada...

Desde o início estava clara a intenção desse filme, "por acaso" lançado em ano eleitoral: mostrar para as pessoas que o Lula é uma pessoa do povo, que o entende e luta por ele. Ou seja, no fundo um filme de propaganda para fins políticos e eleitorais. A idéia é que as pessoas vejam as origens do presidente e se identifiquem e simpatizem com ele, e com isso fudeu, passariam a ver que ele é o único político que vale a pena. Tudo acaba sendo uma manobra para que mais gente passe a confiar no Lula, e com isso é só ele subir no palanque e dizer "votem na Dilma" que todo mundo vai fazer o que ele mandar.

Isso se não inventarem de um 3º mandato, algo que não considero tão impossível de acontecer, principalmente se a Dilma não conseguir melhorar nas pesquisas. Afinal de contas, é só o Lula trocar uma idéia com seus amiguinhos Chávez e Morales e tentar fazer o mesmo aqui. Não seria difícil: é só inventar um referendo (algo que o criminoso Programa Nacional de Direitos Humanos em vias de ser aprovado incentiva) para saber o que o povo acha da reeleição, com o argumento "se o atual presidente está fazendo o trabalho bem, por que não dar uma chance para ele continuar?". Aí pronto, além dos costumeiros petralhas, sindicatos e pobres que receberam esmola do governo, também as pessoas vítimas de lavagem cerebral provocada pelo filme do Lula aprovariam sua permanência no cargo.

Mas o problema é que parece que o filme não está funcionando muito bem, não está conseguindo cumprir os seus objetivos. A presença do público está muito abaixo do esperado, mostrando que não tem muita gente interessada em pagar para ver um filmeco sobre a história do Lula. E para os petralhas seria muito ruim para seu ego e consequentemente para sua campanha política que o filme de Lula seja um fiasco... Sem falar que nunca antes na História desse país se gastou tanto com a produção de um filme, e é necessário pagar as contas. Era esperado, você já viu alguma obra do governo não custar uma fortuna? São muitas mãos para se molhar, muita grana que "se perde"... Dizem que não houve um centavo do governo no filme, assim como dizem que havia um monstro marinho no Lago Ness, duvido que de alguma forma indireta o governo PT não contribuiu com o filme.

Apenas para ilustrar o desespero dos petelhos, o filme de Lula levou apenas 193 mil pessoas para os cinemas em seu fim de semana de estréia, uma miséria se comparado com outros filmes nacionais. Por exemplo, "Dois Filhos de Francisco", aquele que Lula viu no DVD pirata em seu avião, levou 315 mil pessoas para a estréia, e olha que é um filme de merda. Bem de longe do recordista nacional, "Se Eu Fosse Você 2", que atraiu quase 570 mil pessoas para seu primeiro fim de semana no circuito. E não vale dizer que o público está baixo por causa da época que foi lançado, logo no início do ano quando muita gente está viajando: afinal de contas, a comédia com o peludo Tony Ramos fazendo papel de mulher foi lançada no mesmo período ano passado, e atraiu mais que o dobro de pessoas em sua estréia.

E nem dá para comparar com os filmes estrangeiros... O fenômeno "Avatar" estreou por aqui com um público na estréia de 770 mil pessoas. Comparar a estréia do Lula com o filme do vampiro viado, "Lua Nova", é covardia: a produção do vampicha levou 1 milhão e 700 mil pessoas para os cinemas em sua estréia, a grande parte de adolescentes histéricas com viadinho que gosta de chupar sangue, embora pareça que goste de chupar outra coisa...

Fico indignado com a arrogância dessa turma, em dizer que é o principal lançamento do cinema em 2010 aqui no Brasil. Muito egocentrismo de dizer isso nas primeiras semanas do ano, como se fosse impossível que surgisse um outro filme que desbancasse o filme do Lula. É um tipo de postura convencida que eu particularmente odeio, igual por exemplo àqueles que dizem que os Beatles são a maior banda de todos os tempos, sem um pingo de humildade para reconhecer que alguém pode ser superior. Sem brincadeira, pra mim grande lançamento de 2010 será Tropa de Elite 2, vou fazer questão de ver nos cinemas para contribuir que a continuação do filmaço do Capitão Nascimento supere a bilheteria do Lulinha.

Eu continuo torcendo que mesmo com o desconto para sindicalizados o filme de Lula venha a ser um grande fracasso, para calar a boca desses babacas vermelhos, esse governo corrupto merece que essa tática comunista, sem-vergonha e descarada de filme de propaganda vá pelo ralo. Mas infelizmente não duvido nada que, se os sindicatos não salvarem o filme do Lula, logo vão inventar uma outra forma de aumentar a sua bilheteria, tipo "morador de comunidade só paga R$1,00 para ver o filme do Lula" ou vão começar a colocar no Bolsa-Família ingressos para assistir o filme.

Para terminar, uma frase excelente do Beto Silva, integrante do Casseta & Planeta, sobre o filme do Lula, que retrata bem o absurdo dessa situação:

"Ué, vão cobrar ingresso no filme Lula, Filho do Brasil? O horário eleitoral não é gratuito?"