sábado, 29 de janeiro de 2011

O Gênio do Crime


São poucas as postagens com o tema de leitura que tenho aqui, você já deve ter percebido (ou não). Não é pelo fato de eu ser um texugo iletrado, eu gosto muito de ler, mas infelizmente o tempo corrido não me permite ter esse luxo: as semanas são curtas, o trabalho tomando todo meu tempo, e nos fins de semana tenho uma série de afazeres, impossíveis de serem realizados nos dias úteis. Tudo bem que eu poderia dedicar menos tempo escrevendo no blog menos lido da Internet e ler algo que preste, mas sou um texugo teimoso...

Mas hoje eu venho para falar de um livro de minha juventude, "O Gênio do Crime". Essa história é relativamente antiga, escrita em 1969, e até hoje continua fazendo sucesso! Sim, se você for em qualquer livraria hoje, é possível encontrar o livro à venda. Tenho até hoje o livrinho azul, que incluía também uma outra história da mesma série, "O Caneco de Prata". Já li e reli essa história várias vezes, inclusive já consegui uma versão em PDF recentemente que traz algumas sutis diferenças em relação ao livro que tenho.

A história se passa em São Paulo, e começa apresentando os três amigos estudantes que viriam a se tornar os protagonistas da trama: Edmundo, Pituca e Bolacha, todos alunos da quinta série do colégio Três Bandeiras. Logo de cara somos introduzidos à trama principal, que se trata de uma coleção de figurinhas de futebol. Se a pessoa conseguisse completar o álbum, poderia pegar uma série de prêmios, e para Edmundo faltava apenas uma figurinha (do craque Rivelino). Seu colega Pituca então veio com a dica: um cambista na cidade vendia figurinhas abertas, e dessa forma seria possível completar o álbum.

Tudo culpa do bigode!

Quando Edmundo e Pituca foram na Fábrica de Figurinhas Escanteio com o álbum completo debaixo do braço, se deram conta de que haviam muitos outros garotos que completaram o álbum e estavam na espera dos prêmios, que aparentemente haviam sido suspensos. Depois de um breve tumulto e a ajuda de um advogado, a garotada toda consegue ganhar os seus prêmios. Nessa hora somos apresentados ao Seu Tomé, o bondoso e hipocondríaco dono da fábrica, que vai até a casa de Edmundo e lhe explica sobre a existência de falsificadores de figurinhas que estavam levando-o à falência. E ele consegue convencer os garotos a ajudá-lo a encontrar os bandidos.

Sim, é uma história um pouco exagerada, imaginar que uma molecada de 12 anos seria capaz de combater o crime... Mas a história flui muito bem, prendendo a atenção de todos. Cada personagem tem sua característica marcante, sendo que Edmundo é o mais corajoso e destemido (vemos isso numa cena que ele sai no braço com o cambista) e Pituca é o mais bobão e piadista. Bolacha, muitas vezes chamado simplesmente de Gordo, apesar de ter tudo para ser o bocó do grupo, logo começa a ganhar a posição de protagonista. Vem de família rica, tem algumas manias meio bizarras e está sempre comendo, mas também é o cérebro do grupo, o que fica provado ao conseguir "quebrar" o esquema infalível de despistamento do cambista que vendia as figurinhas.

Cara, a idéia do gordo (e do autor que escreveu o livro, claro) é tão fantástica que vale até explicar aqui. Para evitar que os detetives o perseguissem e encontrassem o ponto onde faria contato com os falsificadores, o tal cambista adotava uma tática complexa: após sair da praça onde vendia as figurinhas, ele pegava três ônibus diferentes, sempre olhando para todos passageiros para ter certeza de não estar sendo seguido. Ao saltar do terceiro ônibus, atravessava uma rua de contra-mão e pegava um táxi. E a cada dia fazia um trajeto diferente, para tornar a perseguição ainda mais difícil... Depois de duas tentativas frustradas, Bolacha sugere que o cambista seja seguido ao contrário! Como assim? Em vez de descobrir para onde ele estava indo, eles iam descobrir de onde ele estava vindo. Afinal de contas, para chegar à praça, ele provavelmente pegaria o mesmo caminho sempre. E a cada dia os três jovens detetives chegavam um pouco mais cedo do que o cambista, e assim traçando o caminho de onde vinha, até descobrir a casa dele. Muito bem bolado!


A essa altura surgem novos personagens na história, sendo que um deles viria a rivalizar com os garotos: o Mister John Smith Peter Tony, o Detetive Invicto, vindo diretamente da Escócia. Um grande investigador que também tinha um curioso senso de humor e uma fala atravessada, tentando falar em português mas misturando tudo (como "pôr essa copo de água em cima do seu cabeça, e deixar a copo equilibrada, sem pôr o mão no ele"). Ele rapidamente consegue localizar a casa do cambista, graças ao seu super silencioso helicóptero (como ninguém não havia pensado nisso antes?), juntamente com a ajuda de Jonas, seu ajudante que só sabe dizer "Saludos amigos" e é fissurado em colecionar poeirinhas dos locais de crimes. Não demora para que Bolacha fique furioso com a competição do escocês, a ponto de colocar querosene na garrafa de whisky dele.

E outra que a aparece é a jovem Berenice. Depois de descobrirem que o filho mais novo do cambista provavelmente é o responsável por passar a lista de figurinhas para os falsificadores, Bolacha acaba sendo matriculado na mesma turma dele com a ajuda de Seu Tomé, sendo que para não levantar muitas suspeitas por causa da idade, o gordo precisa fingir que é debilóide. E acaba conhecendo Berenice na turma, que em questão de segundos descobre que Bolacha é um detetive e está atrás do filho do cambista. Chame isso de um forte sexto sentido, sorte descarada, intuição feminina ou leis da conveniência literária, e o gordo acaba então contando com a ajuda dela para não estragar o seu disfarce. Berenice, que parece ser uma namoradeira compulsiva (afinal, dois segundos depois de conhecer o gordo fica afim de namorar com ele), acaba se propondo a ajudar. E não demora para que o gordo comece a gostar dela...

Alguns dias depois Bolacha consegue descobrir a localização da fábrica clandestina, depois de se esconder dentro do carro do informante bandido e de uma casinha de cachorro. Conhecemos também a gangue, liderada por um anão cujo nome nunca descobrimos, o tal "gênio do crime", todo meticuloso e sistemático, planejando muito bem suas ações, e ainda capaz de imitar vozes. E como todo vilão, tinha os seus comparsas, dois grandões meio tapados, o peludão Atlas e o de cabelos cacheados Almeidinha. Eles acabam prendendo o gordo e o levam para a fábrica clandestina, que fica escondida debaixo de uma grande máquina da fábrica de tecidos real que ficava em cima.

O Gênio do Crime

Contrariando o que se espera em típicos livros infantis e juvenis, os bandidos da história não são figuras caricaturadas e estúpidas, mas sim grandes malfeitores. Por exemplo, há a cena da tortura, onde os grandões usam um alicate e quase arrancam a unha do dedão do gordo, para convencê-lo a falar, e o próprio plano do anão para se livrar dele era bem sinistro: dissolvê-lo em um banho de ácido. Mas Bolacha era realmente muito esperto, e logo bolava um plano para avisar as autoridades, alterando os tipos da impressora para escrever uma mensagem no verso das figurinhas falsificadas.

Para não me alongar mais, acontece que Bolacha acaba sendo salvo, pelo Mister e seus amigos, graças ao filho de Atlas, que viu a mensagem no verso de uma das figurinhas que seu pai lhe deu, e depois de uma grande luta do Mister com os dois grandões. Claro que com isso o escocês acabava perdendo o seu título de Detetive Invicto, já que na verdade o gordo era quem havia chegado à fábrica clandestina primeiro. E assim terminava a história, mas não a série...

Isso mesmo, depois desse grande sucesso o autor criou várias outras histórias envolvendo o gordo e sua turma. Na época, eu só conhecia "O Caneco de Prata", que vinha no mesmo livro, uma história bem bizarra, tendo como pano de fundo um campeonato de futebol escolar. Bizarra não apenas pelos personagens mais doidos (como um marciano, um tigre verde falante e um psicanalista maluco), mas até pela estrutura da narrativa alternativa. Nunca me esqueço de um capítulo que se resumia a seguinte frase:

"O professor Giovanni tinha sete filhos e comeu um macarrão."

Fala sério... Ou então esse outro capítulo:

"A ARANHA ESTROBOSCÓPICA deu um pulo e comeu o mosquito. E assim termina a rapidíssima participação da ARANHA ESTROBOSCÓPICA nessa minha história"

Mas houveram outros livros, que mantiveram não só a turminha de crianças, mas também as aventuras bem engraçadas e hilárias. Pena que eu não as tenha lido, mas depois dessa postagem deu vontade de dar uma passada num sebo e procurar por outros livros da série.

Ou então dar uma procurada na Internet, quem sabe não teve alguém que já os digitalizou? Assim será certamente mais saudável, evitando lojas de livros antigos bolorentas e cheias de mofo...

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

De peito aberto

Este é um dos blogs menos visitados da Internet, mas isso não significa que não exista um mínimo de visitantes. Sim, tem algumas postagens que acabaram atraindo alguns internautas para cá, e aos pouquinhos vão surgindo mais visitas. E com o tempo, surgem alguns poucos que começam até a gostar desse site, acompanhando minhas postagens dos mais diversos assuntos. E logicamente, também vão aparecer muitos que vão achar isso aqui uma merda e vão me xingar aos montes...

Pessoalmente eu até me divirto bastante com aqueles que odeiam o que escrevo. Volta e meia aparecem tipos como petistas, flamenguistas e pseudo-intelectuais que mandam comentários contra a minha pessoa. Eu não me acho o dono da verdade, e não vou me incomodar de autorizar um comentário me contradizendo, desde que o faça com o mínimo de respeito. Algo que não acontece, essa turminha revoltada, como defensores do partido da "ética" por exemplo, só sabem aparecer aqui e xingar quando falo mal do Lula ou da Dilma, de cada 10 palavras do comentário umas 8 são palavrões e agressões. O pior de tudo é que no meio de palavras "amistosas" direcionadas a minha mãe e pedidos de auto-violação anal, nunca tem um mísero pingo de bom senso, não há nada de construtivo que possa colaborar para uma discussão sadia sobre o assunto em questão. Nada mais que brados raivosos contestando minha pessoa e meu ponto de vista, mas sem nenhum argumento sólido para discordar do que eu disse...

Mas dessa vez veio um comentário que me surpreendeu, por causa da postagem sobre Body Painting, feita alguns dias atrás... A mulher (imagino que seja mulher, pelas palavras) fez um longo comentário criticando essa postagem, me xingando de um monte de coisa. Convenientemente, a mulher se protegeu sob o manto do anonimato, como os petistas que sempre me atacam costumam fazer...

Essa deve ser a cara da desocupada que me escreveu

Cacete, a mulher me xingou de tudo que podia... Disse que eu era um safado sem-vergonha, que meu site é uma má influência para crianças como seus filhos, pois teria várias fotos de mulheres inteiramente nuas (?!). Falava que eu tinha que ter no mínimo um pouco de vergonha na cara e dizer que isso aqui é um site erótico (!?!?!) e colocar uma indicação que só maiores de 18 anos poderiam ver. Falou que eu era, entre outras coisas, um imbecil e tarado (!!!), e o melhor a fazer seria fechar o blog, pois estou atentando contra os bons costumes. Ela até chegou a dizer que eu tinha que ser preso (!!!)

Ela tem cara de estar atentando contra os bons costumes?

Sem brincadeira, essa mulher deve estar maluca! Onde é que ela viu fotos de mulheres inteiramente nuas? Tá, tudo bem que na postagem citada haviam umas fotos de modelos que estavam sem roupa, cobertas apenas por pintura corporal, mas não considero que nenhuma das imagens colocadas ali é tão pesada. No máximo mostrando os peitos da mulher, mas novamente digo, cobertos por tinta. Pôxa, tem coisa muito mais erótica em sites por aí, e mesmo na televisão e no cinema tem coisa pior...

Só pra citar alguns exemplos, tem no Titanic a hora que a Rose posava pelada para o Di Caprio pintar um retrato dela, a Anne Hathaway já ficou de topless em alguns filmes (aliás, uma atriz lindíssima), assim como Angelina Jolie, Halle Berry e outras que exibiram seus seios nos filmes. Outras já mostraram mais, como a eterna Wandinha Addams, Christina Ricci, que já ficou totalmente sem roupa em vários filmes e Sharon Stone que teve a sua famosa cruzada de perna. E nem preciso falar da série American Pie, ou dos filmes nacionais de alguns anos atrás, produções cuja única justificativa era a nudez exagerada das atrizes...

Chamar o meu blog de site erótico é uma grande sacanagem... Eu até admito que acabo não resistindo e colocando algumas fotos de atrizes e modelos famosas, e algumas postagens são motivadas em destacar a beleza de uma garota. Mas repito, todas as fotos que coloco aqui são relativamente bem comportadas, são raros os casos onde os seios da mulher aparecem, e mesmo assim sempre cobertos, seja por uma blusa, mechas de cabelos ou camada de tinta. E no máximo isso, nunca coloquei teve imagem de mulheres aqui exibindo sua região mais íntima (veja até como tentei ser o mais brando possível ao falar da genitália feminina).

Ela ficou chateada com essa reclamação da leitora...

Dizer que o blog é erótico é demais... O objetivo aqui do blog é mostrar de tudo um pouco, a idéia aqui não é ser um site de sacanagem. É só dar uma surfada por aí que você vai achar sites, que não dizem ser eróticos e tampouco não recomendados para menores de 18 anos, que são exageradamente obcenos, com closes ginecológicos, cenas de sexo explícito e até coisas mais bizarras que fariam mesmo um taradão virar a cara de nojo. E depois vai essa mulherzinha dizer que meu blog é erótico...

E fala sério, acha que colocar um mero aviso dizendo que o site é impróprio para menores de 18 anos faz alguma diferença? Alguém acredita que o garoto que ainda não atingiu a maioridade vai olhar para um aviso desses e dar a mínima? Acha que ele vai pensar "ah, eu não tenho mais de 18 anos, então não posso entrar nesse site"? Pergunto pra mulher revoltada, se os filhos dela (que suponho que devam ser menores) não ficam vendo site de sacanagem na Internet, se não ficam folheando a Playboy que o coleguinha levou pro colégio, se não ficam depois no banheiro "se divertindo"? A garotada está bem mais precoce hoje em dia, já se passou faz tempo a época que 18 anos era a idade mínima para certas coisas... A molecada nos seus 15 anos já está vendo filme de sacanagem e outras coisas, bobeando já estão até transando... Colocar um aviso desses é mais um incentivo para que a garotada acabe entrando no site: como dizem, "o proibido é mais gostoso".

Bom, eu fiquei puto! Não sou santo, e isso aqui não é site católico, eu admito. Aqui vai ter coisas que não são as mais puritanas, mas dizer que eu estou atentando contra os bons costumes é a puta que pariu! Ninguém é obrigado a entrar no meu blog, se não gosta do que vê aqui, que se dane! Então não dê as caras aqui, vá ver outra coisa! O "Texugo Maluco" está sempre de portas abertas àqueles que querem vir, em nenhum momento iria impedir as pessoas de ver meu site. Se você está tão incomodada, Sra. Anônima, não posso fazer nada, sinceramente que você enfie os dedos e rasgue. Não vou mudar nada aqui por sua causa...

Ei, o que você está fazendo? Não tira a blusa, você vai me arrumar mais confusão!

Aliás, fiquei tão revoltado com essa situação, que acho que vou mudar uma coisa aqui no site sim... A partir de agora, não vou mais ficar me preocupando tanto em ser tão certinho. Não vou mais ficar censurando certas imagens um pouco mais reveladoras... Não vou chutar tanto o balde assim, lógico, pois ao contrário do que aquela chata pensa, aqui não é um site erótico. Mas agora vou permitir fotos um pouco mais apimentadas...

Pensando bem... Vamos em frente!

Sim! A partir dessa postagem, aqui no "Texugo Maluco" não vai mais haver restrição a mostrar garotas sem blusa. Declaro que de hoje em diante aqui vai ser que nem praia européia, o topless vai ser permitido!

YES!!!

O que é bonito é pra se mostrar!

Agora sou que nem juiz de boxe, da cintura pra cima tá valendo! Se não gosta disso, vá em outro site e não me encha o saco!

Simplesmente linda!

Ah, e só pra constar: essa menina é muito, muito, muito linda! Estou apaixonado por ela! Não precisava fazer o topless para considerá-la uma gata... Mas assim ela fica ainda muita mais gata!


terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Papel Higiênico

Outro dia eu estava de viagem a serviço, e felizmente nessa eu estava viajando sozinho, sem ninguém mais da empresa. É a melhor coisa que tem na minha opinião, ter a privacidade de ficar sozinho no quarto do hotel só traz vantagens: poder dormir a hora que quiser, sem ter que encarar um banheiro fedido depois de seu companheiro de quarto ter dado uma cagada, poder escolher qual das camas vai usar, poder assistir o que quiser na TV, não ter que dividir espaço no armário e poder liberar golfadas de metano sempre que for necessário. Sério, em certas viagens dava até vontade pagar a diferença e ficar em um quarto sozinho, para evitar determinados companheiros de quarto e ter mais privacidade...

Mas tem horas que pode ser até um pouco solitário, principalmente quando a cidade para onde você está indo não oferece muitos atrativos que o motivam a sair, e boa parte do tempo a melhor coisa a fazer é ficar no quarto vendo televisão ou jogando algum jogo no computador. Foi o caso dessa minha última viagem... Quando não se tem muito o que fazer, acabo me distraindo com pequenas coisas para passar o tempo, coisas às vezes que são tão comuns de nosso dia a dia, me fazendo perguntas que normalmente nunca teria pensado. E dessa vez, comecei a divagar sobre o papel higiênico...

Uma dupla inseparável!

Sim, pode parecer estupidez ou babaquice, mas é a mais pura verdade. Num desses dias de minha viagem, estava lá "passando um fax" quando meus olhos recaíram sobre o rolo de papel higiênico. Achei curioso como ele era todo texturizado, com desenhos de patinhos. Muito curioso todo o cuidado que tem para fazer o papel todo assim bonito e enfeitado, dá até pena limpar seus excrementos com algo que era tão bem feito. Com a curiosidade digna de George Costanza, após ter terminado de praticar rapel sentado no banheiro, comecei a pesquisar na Internet sobre as origens do papel higiênico (viva o Wikipedia!), dando origem a um dos posts mais "nojentos" aqui do blog.


Ainda influenciado pelo Costanza, a primeira pergunta que me veio à cabeça é como os povos mais antigos faziam para se limpar após o número 2? Aparentemente os chineses, lá pelo longínquo século VI, que já usavam folhas de papel para limpar suas bundas amarelas, Provavelmente era algo relegado apenas às cortes imperiais, o povão devia se virar de outra forma. Claro que o papel higiênico não era como conhecemos hoje, tratavam-se apenas de folhas de papel destinadas para esse fim, e na época já haviam até pensado em borrifar perfume nas folhas, para deixar aquele cheirinho de flores do campo no orifício retrofuricular depois de largar um torpedo...

É, muitas invenções vieram lá da China, mas e como os demais povos antigos se viravam depois de uma barrigada? Normalmente os ricos tinham à sua disposição lenços de seda ou lã para esse fim (será que eram descartáveis ou limpavam para aproveitar depois?), mas os vagabundos mais pobres tinham que se virar com o que estivesse mais perto. Aí o importante era ser criativo e escolher algum meio para se limpar que fosse eficiente e, se possível, que não traumatizasse muito a sensível região posterior.

Folhas de árvores pareciam ser a solução mais inteligente, além de ser um material biodegradável e em abundância na natureza deveria cumprir bem sem papel. Uma folha de bananeira seria uma boa pedida depois de uma diarréia, imagino eu. Existem até relatos de que folhas de maconha também eram usadas, muito doido! Mas nem sempre haviam folhas à disposição, e nesse caso muitas opções usadas pelos povos antigos eram simplesmente absurdas, como marinheiros que usavam cordas para se limpar. Caramba, tive o desprazer de imaginar a cena do marinheiro pegando um pedaço de corda e passando entre suas nádegas, devia arder pra burro! Certamente o cara ficava assado depois de largar um barro e se limpar usando uma corda.

A tática do rapel poderia ser usada para limpeza nas alturas.

Outra idéia meio absurda tiveram os gregos, que usavam pedras para se limpar, tinham que ser bem lisas e redondas para não machucar. Sem brincadeira, não imagino que usar pedras para limpar bosta seja muito eficiente, acredito que era mais uma desculpa dos gregos antigos, que eram meio chegados em dar "marcha a ré no quibe"... Por sua vez, os romanos bolaram um sistema mais engenhoso, que consistia de uma esponja presa num pedaço de madeira. Até aí uma boa idéia, o cabo de madeira ajudaria a alcançar a flor de oríba com maior facilidade, mas depois de cada passada a esponja era limpa em um balde com água salgada, puta merda isso devia arder muito!
Típica esponja com água salgada usada para limpar a bunda

Houveram outras idéias, dependendo da região e da disponibilidade, o cara podia se limpar com musgo (devia melar a bunda toda), neve (para uma sensação refrescante) e feno (cagando a comida dos cavalos). Agora, uma idéia simplesmente besta veio de nossos patrícios, em Portugal antigamente era comum usar espigas de milho debulhadas pra limpar a bunda! Puta merda, tem idéia mais escrota? Não quero nem imaginar a cena, o português enfiando uma espiga de milho no rabo pra se limpar...

Apenas para um pouco de cultura inútil, um escritor francês chamado François Rabelais deu destaque a questão da limpeza do terceiro olho em um de seus romances. Em um capítulo, o personagem principal da trama começava a pensar sobre a melhor forma de se limpar depois de cagar, concluindo que o pescoço de um ganso era o meio ideal para a limpeza perfeita, pelas penas macias e formato adequado. Bem, imagino que o ganso não tinha que estar vivo para essa abordagem, seria meio perigoso o bicho se revoltar e dar uma mordida nas suas bolas. Sem falar que seria bem desagradável para o pobre ganso...


E na ausência de tudo isso, o que restava? Se não houvesse nada para se limpar, o jeito era usar a mão mesmo, alternativa ainda usada em alguns lugares hoje em dia. Para certos povos, o detalhe é que deve-se usar a mão esquerda para se limpar...

O papel começou a ser produzido de forma mais comercial no final do século XIX nos EUA, inicialmente ainda como folhas soltas e empilhadas. Mas logo alguns anos depois surgiu o hoje tão conhecido rolo de papel higiênico, juntamente com o suporte. E com isso, surgiu também o famoso dilema: como o rolo deve ser colocado, com o papel saindo por cima ou por baixo? Eu pessoalmente prefiro com o papel saindo por cima, é mais fácil de puxar e cortar, algo fundamental quando você está atrasado e precisa se limpar rápido.


E hoje chegamos a grande variedade de papéis higiênicos, é só dar um pulo no supermercado para ver que hoje tem de tudo: folhas duplas, com decorações em relevo dos mais diferentes tipos, umedecidos, perfumados e assim vai. Claro, em certos lugares como banheiros públicos em escolas e rodoviárias ainda é comum encontrar aqueles papéis reciclados, duros que nem uma lixa e que te deixavam todo assado... Embora nesses lugares pode ser considerado sorte encontrar um rolo de papel disponível...
E quanto ao futuro? Eu não sei, mas pessoalmente acho que o design do papel higiênico não deve mudar muito para os próximos anos. E honestamente espero que não, certamente eu passaria pelos mesmos maus bocados que o Stallone no filme "O Demolidor", tendo que se virar com as 3 conchas para limpar a bunda...


Sinceramente, acho que nunca fiz uma postagem tão escrota assim! Vou ficando por aqui, pois todo esse papo de papel higiênico me deu uma vontade de "despachar um deputado"...

domingo, 23 de janeiro de 2011

Body panting

O carnaval está cada vez mais próximo. Essa época insuportável, onde as ruas ficam extremamente tumultuadas, cheias de gente fedendo a suor, mijo e cerveja, cantando marchinhas escrotas e pulando pelos cantos com roupas extravagantes. Época em que toda a programação é deturpada para passar o cansativo e repetitivo desfile das escolas de samba. Época em que aonde quer que você olhe há alguém falando de samba. Época na qual as bichas enrustidas se aproveitam para se vestir de mulher sem medo de chamarem a atenção e serem reprimidas. Época em que ou fujo para uma cidade tranquila para ficar longe da folia, ou me tranco em casa por quatro dias seguidos até a bagunça passar...

Sinceramente, não tem nada que me agrade no carnaval, fora o fato de ter quatro dias livre do trabalho. Isso mesmo, apenas o período de folga é que me agrada. Confesso que já se foi o tempo em que o carnaval era aguardado com grande ansiedade para ver beldades quase sem roupa desfilando na televisão. O leitor mais novo, acostumado desde cedo com a Internet, não precisou passar pela dificuldade que toda uma geração enfrentava no passado, quando para ver uma mulher bonita em trajes mínimos ou sem roupa de graça só era possível vendo certos filmes depois do horário, assistindo a abertura de Tieta ou acompanhando o desfile das escolas de samba. Ah, tempos difíceis... Hoje é mais fácil ter acesso a pares de seios na Internet do que calcular a tabuada de 1. Nem precisa entrar em sites do ramo, é só procurar no Google com o filtro desativado que logo aparecem milhares de resultados.

E no meio dessa putaria carnavalesca, uma coisa que sempre faz sucesso entre os marmanjos é ver as moças pintadas. Muito comum isso, a mulher fica só com a parte de baixo do biquini (ou então apenas com um tapa-sexo) e seu corpo é coberto por uma pintura. Por exemplo, é só ver a mulata Globeleza, praticamente pelada e toda pintada, embora eu pessoalmente ache que ela já perdeu a graça. Muito sensual, com certeza, talvez pelo fato de sabermos que ela está sem roupa embora pareça estar vestida. Em todos os cantos você pode ver mulheres quase que interiamente nuas, só cobertas por uma camada de tinta.

Belos "olhos", não acha?

Isso é o chamado body painting, seria quase como fazer uma tatuagem de grandes proporções pelo corpo que é removível com água. Começou com os povos antigos, que costumavam se pintar para assustar seus inimigos, e até hoje existe esse costume de passar tinta no corpo. Por exemplo, os soldados costumam passar tinta na cara para se camuflar, os índios se pintam para fazer seus rituais e certos cantores de rock fazem isso pois são malucos pra cacete.


Imagina cruzar com isso num banheiro público!

Tem casos que é quase uma arte, existem outras ocasiões fora o Carnaval onde o body painting é usado: pode ser para uma capa ou matéria de revista, para algum evento, como apresentação artística ou em uma propaganda. E claro, também para pornografia, qualquer coisa pode ser usada para pornografia, essa turma tem uma criatividade doentia... Por exemplo, em época de Copa do Mundo é comum que surjam fotos como essas (e olha que essas são as mais comportadas...).


Lógico que nem sempre dá certo... O que não faltam são exemplos de body painting de merda...


É, acho melhor voltarmos para os body paintings que deram certo, vamos ver algumas das minhas favoritas...

Ah, Ashley Greene... A vampirinha meiga da saga Crepúsculo mais parece uma sereia... Muito linda essa garota, é a única razão pela qual aturo os filmes do vampicha. Uma das minhas favoritas...


Você pode não conhecer Brooke Burke, mas ela é uma modelo bem famosa lá nos Estados Unidos, e aparecia no Need for Speed Underground 2. Aqui vai ela com uma pintura de ouro sobe seu corpo...


Outra das minhas favoritas, a ex-RBD Dulce Maria também já passou pela experiência, pena que não apareceu muito de perto. Muito linda essa menina... A outra garota com ela não é de se jogar fora, mas é totalmente ofuscada pela doce Dulce...


Kim Kardashian não faz nada demais da vida, fica só posando para fotos e sendo pega em flagras. E foi outra adepta do body painting, que diga-se de passagem ficou excelente.


E quem disse que não temos uma brasileira? A Daniella Sarahyba, com esse corpaço que tem desde novinha, também está na lista.


Outra beldade nacional, Dani Souza, a eterna Mulher Samambaia, também com uma bela pintura sobre seu corpo que é uma obra de arte.


E para fechar com chave de ouro, a maravilhosa Grazi, posando para a capa de uma revista...

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Pose para foto

Início de ano, época em que boa parte das pessoas está de férias, ou pelo menos aproveitou para viajar durante a passagem de ano. E como morador de uma cidade turística como o Rio de Janeiro, tenho presenciado em meu dia-a-dia muita gente de fora, passeando por aí e conhecendo cartões postais como o Corcovado e o Pão de Açúcar.

Um desses dias, estava eu no metrô voltando para casa depois de mais um exaustivo e estressante dia de trabalho. Por sorte, havia conseguido sentar na janela, evitando assim ser bolinado pela multidão mal educada que frequenta esse caótico meio de transporte. O trem estava parado em uma estação, quando percebi na outra plataforma um grupo grande, parecia ser uma família vinda de fora do Rio. Então vi que um garoto, devia ter seus 15 anos, entregou sua câmera para uma garota, para que tirasse uma foto dele...

Até aí, você pode achar que não tem nada demais. Mas o que me chamou a atenção foi esse ato de tirar essa foto. Como 99% das pessoas que tem uma câmera, o babaquinha se posicionou na plataforma, com o trem (onde eu estava) atrás dele, e simplesmente ficou ali parado que nem uma placa de trânsito para posar para a foto. Assim, todo paradão, estático como um Playmobil, tendo o metrô ao fundo...


Sério, achei muito escroto! Pra que fazer essa pose absurda para tirar a foto? O sujeito parecia um débil mental, parado que nem uma mula! Cacete, quer tirar uma foto do metrô, não precisa ficar ali plantado como uma árvore, para compor a paisagem.

Como de costume, fiquei encucado com essa questão e comecei a fazer uma pesquisa... Comecei a olhar no Facebook os álbuns de meus amigos, olhei blogs a esmo na Internet, e em todos esses lugares eu encontrava fotos parecidas: podia ser uma paisagem, um prédio histórico, uma placa, um veículo, qualquer coisa de interesse que motivou a foto, e sempre estava lá a pessoa parada na frente.

Cada foto mais estúpida que a outra! Pior que isso só aquelas fotos tiradas pela própria pessoa. Pegue a total falta de habilidade com uma câmera e some com o limitado comprimento do braço humano, e tem-se uma foto totalmente torta, onde mal se consegue ver a paisagem no fundo pois 3/4 da imagem é ocupada por um close da cara do infeliz, capaz de se ver os poros da face e as melecas amontoadas no fundo do nariz da pessoa...


Sabe por que as pessoas tiram fotos assim? Parece que é para provar que elas estavam em um determinado lugar. Acham que se tirarem só a foto da paisagem as pessoas vão pensar que não estavam ali. Fala sério! Pombas, já vieram me falar isso de minhas fotos, coisas do tipo "ah, como provar que você esteve nesse lugar?"... Vai tomar no rabo, que se dane, e não acredita que estive no lugar da foto, que se exploda! Eu sei que estive, isso que importa.

Eu por exemplo não gosto de aparecer nas minhas fotos, pelas seguintes razões:

1 - Primeiramente, eu prefiro mais fotos focadas no objeto de interesse. Se vejo uma paisagem bonita, vou querer registrá-la com o maior destaque possível. Aparecendo minha pessoa na foto, perde-se o foco e o motivo da foto.

2 - Sou extremamente chato com as minhas coisas, e odeio que as pessoas mexam nelas, pois sempre acabam quebrando, sujando ou estragando. Isso inclui minha câmera. Antes de arrumar a minha digital, tinha uma de filme normal, que as pessoas destruíram: era dedo engordurado na lente, apertavam o botão com força desnecessária e uma vez deixaram cair no chão. Então, para evitar maiores riscos, eu tiro as fotos e não deixo ninguém tocar na minha máquina! Egoísmo? Não acho, pois se fuderem minha câmera, sou eu quem vou ficar no prejuízo...

3 - Todos os dias, quando acordo, eu vejo a minha cara no espelho. Pra quê preciso ficar registrando minha cara? Melhor dar mais destaque na foto para aquele lugar que conheci nas minhas férias e provavelmente não voltarei a visitar tão em breve.

4 - Eu sou um texugo feio pra caralho! Tirar minha foto é um sério risco de queimar o filme ou rachar a lente da câmera!

Uma coisa é quando se tem uma situação onde o foco são as pessoas presentes, aí eu não vejo nada demais nelas aparecerem. É o caso do aniversariante soprando as velas, o casal dizendo "sim", os amigos do trabalho comemorando alguma coisa... Aí tudo bem. Mas quando o foco é uma paisagem, um monumento, coisas do gênero, não há necessidade de aparecer. Fica muito escroto, pouco original e sem sentido, estragando a foto.

A não ser que você seja como ela... Aí pode aparecer na frente da paisagem...



quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

De cara nova!

Me dei conta de que o blog menos visitado da Internet já completou 2 anos de vida! Parece que foi ontem que comecei esse pequeno projeto pessoal, mas foi exatamente em 11 de janeiro de 2009 que inaugurei a minha primeira postagem.

Com isso, apenas para não ficar na mesmice por mais um ano, decidi colocar um novo layout aqui no blog. O padrão original até que funcionava, mas já estava ficando enjoado daquela cor burro quando foge na página.

Eu sei que esse padrão nada mais é que um dos modelos do Blogger! Eu tenho pavor de programação e HTML, não tenho saco nem tempo para fazer um layout todo rebuscado. Meu voto é sempre na simplicidade, e assim vai continuar sendo.

Vamos ver se assim o blog fica um pouco menos desagradável para os leitores...

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Desrespeito ao campeão


Vai começar nessa quarta o campeonato carioca. E antes mesmo do primeiro apito, já começou a costumeira sacanagem por parte da mídia, em especial da Rede Globo, em favorecer o time do Flamerda e de sacanear o Botafogo...

Se você pegar a tabela da Taça Guanabara, os jogos que serão mostrados na TV aberta são os seguintes:

19/01 = Flamerda x Volta Redonda
23/01 = Nova Iguaçu x Vasco
26/01 = Boavista x Vasco
30/01 = Cabofriense x Fluminense
02/02 = Flamerda x Nova Iguaçu
06/02 = Vasco x Americano

Isso mesmo: nenhum jogo do Botafogo, atual campeão carioca, será mostrado! Até a pôrra do Nova Iguaçu vai ter dois jogos televisionados, e o alvinegro não vai ter nada! Puta sacanagem!

E veja que os jogos televisionados do time da favela são todos aqui no Rio capital, então não cabe a desculpa esfarrapada de que só vão transmitir jogos no interior. Mais uma vez é o favorecimento ao time a mulambada... Afinal de contas, sabemos muito bem que a Globo é flamenguista, e que tem poder para mexer nos campeonatos esportivos. Só espero que esse favorecimento fique só no campo da mídia... Não seria surpresa algo similar na Taça Rio...

Enfim, tá na hora de atualizar o pacote do PFC. E que o Fogão parta pra cima dos bacalhaus, bambis e urubus com toda força e fature o bi-campeonato! Não precisa passar os jogos na Rede Bobo não, pode ter certeza que tudo correndo bem vão bastar passar 4 jogos do Botafogo, nas finais dos dois turnos!