sábado, 28 de fevereiro de 2009

Madeira!

Se é pra usar a força bruta, então não economize!



Predator, um mega-filmaço com o Schwarzenegger enfrentando um bicho bocudo assassino. Essa cena é clássica, a turma abre uma clareira na base de tiro e granada. Eles destruíram em torno de 100 hectares da floresta da Indochina e vaporizaram dezenas de animais em extinção, mas a droga do Predador saiu numa boa!

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

"El presidente"

Deu hoje no site de notícias do BOL:


"O presidente Luiz Inácio Lula da Silva passou quase oito horas no Sambódromo do Rio de Janeiro, deixando o camarote do governador Sergio Cabral Filho (PMDB) por volta das 5h desta segunda-feira. (...) Do camarote do governo do Rio, Lula e Temporão jogaram cartelas de preservativos para os foliões que terminavam de assistir ao desfile da Beija-Flor."


Esse é o nosso presidente, preocupado com a saúde da população... Ele manda o povo "sifu", mas com segurança!

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Odeio o Carnaval!

E é isso aí, hoje começa a festa mais popular do Brasil, o Carnaval. Até quarta-feira, ou diria até o próximo final de semana (já que os festeiros de plantão certamente vão enforcar direto) o Rio de Janeiro pára por completo para essa comemoração. É a época de desfiles de escolas de samba, dos blocos de rua fazendo algazarra, do Scala baile gay e da pegação generalizada. Mas apesar da opinião pública sempre valorizar muito o Carnaval, pessoalmente não tem coisa que eu odeie tanto! E são vários motivos, cito alguns deles a seguir.

Uma das coisas que mais detesto é a bagunça que o Carnaval provoca, principalmente os blocos de rua. É um barulho infernal, a cantoria fora de sintonia tentando acompanhar o sujeito com o microfone, que canta as mesmas músicas já manjadas: sempre tem "explode coração, na maior felicidade", "ei, me dá um dinheiro aí", "olha a cabeleira do Zezé" e inúmeras outras marchinhas extremamente chatas que me fazem ter vontade de vomitar. Não importa se você quer ver um filme ou ler um livro em casa, a sua tranquilidade e sossego serão sempre arrancados enquanto o bloco estiver passando. E toda essa zorra sempre feita em uma via de grande importância de nossa cidade, fazendo a ala dos motoristas revoltados, presos no mega engarrafamento que sempre se forma atrás do bloco. É impressionante, por que não fazem essa merda em uma praça ou outro lugar menos movimentado? Precisa ser em avenidas de grande movimento de veículos e com grande número de moradores? Começo a imaginar que o objetivo é esse mesmo, chamar a atenção do maior número possível de pessoas, pouco se preocupando se vai incomodar alguém.

Existe outra coisa que faz parte do Carnaval que eu repudio completamente: a bebedeira exagerada. Não consigo entender o porquê das pessoas encherem os cornos acima dos limites, é como se existisse um mandamento como "no Carnaval, beberás apenas pinga". Eu sou um texugo alcohol-free, não gosto de cerveja e de seus similares etílicos, apenas um vinhozinho bem de vez em quando em situações especiais. Sempre quando saio com os amigos, fico no refrigerante e suco, e não por isso me divirto menos. Mas a maioria das pessoas parece que tem a obrigação de tomar cerveja e se embebedar. E isso só traz consequências ruins: não são só os pinguços que depois pegam no volante e vão provocar algum acidente, independente da Lei Seca, mas também tem aqueles que ficam mais violentos, e num ambiente de tumulto e multidão sempre acontece de rolar alguma briga. Sem falar na sujeirada, na irreverência do Carnaval de rua foliões que tomaram umas e outras fazem da cidade o seu banheiro, mijando em locais como árvores, postes, muros e rodas de veículos estacionados, o lugar que estiver mais próximo onde possa esvaziar o tanque.

Normalmente junto com a bebedeira, vem também a pegação desenfreada. Como diz aquela música horrível daquela merda de grupo Tribalistas, o Carnaval é época onde ninguém é de ninguém, mas sim de todo mundo. No fundo trata-se de uma festa de putaria e sacanagem, onde o objetivo é pegar o maior número possível de pessoas do sexo oposto - na maioria das vezes, pois tem muita gente que aproveita o clima festivo e irreverente do Carnaval para liberar seu lado gay. Sinceramente, sou um texugo das antigas, não sou de ficadas e pegações na night, e não seria diferente no Carnaval, mas a impressão que tenho é que por algum motivo as pessoas ficam no cio nesse período, as mulheres com trajes mínimos e com os peitos de fora e se agarrando no primeiro que aparece. Não se engane, sou um texugo macho e me agrada muito ver as fêmeas, mas com a Internet hoje é muito mais fácil satisfazer meus desejos carnais de ver uma mulher pelada surfando na grande rede. Ainda sobre essa sacanagem toda, é interessante ver que o próprio governo incentiva isso, com a costumeira campanha de uso de camisinha que sempre vai ao ar nessa época do ano. Perdoe-me pois agora vou descer ao nível de uma gilette deitada, mas é o Governo que fode o povo durante todo o ano pedindo para que o povo se foda com segurança...

Acho que a única coisa de bom no Carnaval é o fato de ter quatro dias e meio de folga do trabalho. Tudo bem que em função da baderna nas ruas só dá para aproveitar adotando uma tática caseira, só abrindo a porta na Quarta-Feira de Cinzas... E some a isso a alegria de ver o Flamengo tomando outro vexame histórico, ao ter acabado de perder de 3 a 1 para o Resende, time do interior do estado, sendo assim eliminado da Taça Guanabara! Como todo texugo, sou preto e branco, logo torcedor do Botafogo, e melhor que ver o meu time ganhar é ver o arrogante, sujo e ladrão rubro-negro levar a pior, ainda mais em situações como essa. Por esse lado, pelo menos o Carnaval de 2009 tem algum motivo de alegria...

Chora Flamengo!

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Estrangeiro aqui é respeitado (?)

Todo mundo deve estar acompanhando o caso da advogada Paula Oliveira na Suíça, é um dos assuntos hoje que é obrigatório nos jornais. Apenas caso você tenha passado as últimas semanas em uma redoma de vidro, essa brasileira vive na Suíça e alegou que teria sido atacada por um grupo de skinheads, que teriam a agredido e feito vários cortes em seu corpo, o que acabou provocando o aborto dos gêmeos que ela esperava.

Como é incapaz de não se envolver em polêmica, o nosso ilustríssimo e literado presidente Lula fez o seu comentário revoltado com essa situação, e antes mesmo de iniciarem as investigações considerou como fato o que a advogada disse, e partiu para as críticas contra o país euroupeu: "o governo brasileiro não pode aceitar e não pode ficar calado diante de tamanha violência contra uma brasileira no exterior" (fonte: Folha Online). Uniu-se a ele o ministro de Relações Exteriores Celso Amorim, meio que afirmando categoricamente que o episódio era um exemplo claro de xenofobia causada por grupos neonazistas. Em outras palavras, a advogada foi tida pelo governo nacional como vítima inocente da situação, pelo simples fato de ser brasileira, e não foram poupadas críticas contra a sociedade suíça, considerada xenófoba.

Eu sempre fui um texugo desconfiado, e desde o início toda essa história cheirava tão bem como um ônibus lotado indo pra baixada depois de um domingo de sol e praia... Afinal, existiam muitas lacunas na versão contada pela advogada: não haviam testemunhas, ninguém que tivesse visto o grupo de skinheads, sequer imagens de câmeras de vigilância comprovando a agressão; onde estaria também o pai dos gêmeos, que em nenhum momento se pronunciou; e a ausência de exames médicos e outras informações mostrando que ela estava grávida. Diante dessa situação, existem duas abordagens mais comuns: ou se adota muita cautela e silêncio antes de concluir toda a investigação (como feito pelo governo suíço) ou então se cria um estalhardaço e gritaria contra os supostos agresores (como feito pelo governo brasileiro).

Após alguns dias, parece que a realidade surgiu. Para começar, ela sequer estava grávida: a única "prova" da gravidez era um email enviado para alguns amigos, com uma imagem de ultrassom, mostrando os gêmeos, imagem essa que despertou desconfiança pois a legenda estava em inglês e não em francês ou alemão, línguas oficiais. A imagem havia sido obtida na internet, direto pelo Google! Só isso já é suficiente para enquadrá-la como culpada por falso testemunho, e ainda nem foi falado sobre os supostos agressores, muito provavelmente outra invenção. O advogado de defesa já começa a cogitar a possibilidade de alegar que a advogada sofre de alguma doença ou insanidade, embora logo após o suposto "crime" já veio o pai da moça dizendo que ela não é doente, que é uma pessoa extremamente lúcida. No final das contas, a vítima acabou se mostrando como uma verdadeira farsante, certamente inventou essa história com o objetivo de ganhar algum tipo de indenização do governo suíço. Acontece que lá é primeiro mundo, lá tem justiça qe funciona, não é que nem o Brasil: se acusada, terá que pagar uma multa, e só não vai passar 3 anos na cadeia por não ter antecedentes criminais.

Mas o que eu quero ver agora é a reação do Lula e do governo brasileiro, que algumas semanas atrás estava falando grosso e apontando o dedo para os suíços. Comprovada a farsa, caberia no mínimo um pedido de desculpas pela acusação de xenofobia, algo que já foi solicitado pela polícia suíça e negado pelo ministro de Relações Exteriores. Com essa brincadeira o Brasil virou alvo de críticas de diversos jornais no mundo, e com razão. Uma vez mais o Lula faz nosso país passar vergonha ao demonstrar a sua postura primitiva diante de uma situação diplomática. Realmente me dá muita (modo de ironia ligado) tranquilidade e segurança em saber que nosso país está nas mãos de alguém tão bem preparado, capaz de tomar decisões sensatas sem ser afetado pela emoção (modo de ironia desligado).

Para finalizar, gostaria de colocar uma piada: "O Brasil tem sido exemplo de boa convivência com estrangeiros. Aqui nós vivemos em paz, aqui nós recebemos estrangeiros e os tratamos bem." - Luís Inácio Lula da Silva (fonte: Folha Online). Piada porque não tem palavra que melhor descreva o absurdo dito pelo nosso ilustre presidente ao afirmar que os estrangeiros são bem tratados em nosso país. Desde quando que os estrangeiros aqui são bem recebidos? Perguntem para os turistas que foram assaltados em albergues em Copacabana e na Lapa nessa semana; perguntem para os familiares de dezenas de estrangeiros mortos no Brasil; perguntem para americanos que são vítimas de anti-americanismo provocado pelos revoltados da esquerda (e depois dizem que no Brasil não tem xenofobia). E nem precisa ser estrangeiro, nós mesmos que somos brasileiros sofremos com a violência e o crime de nossas cidades. Posso apostar que vou me sentir mais seguro em passear em uma cidade na Suíça do que andar no calçadão de Copacabana à noite.

Aliás, acho que eu estou exagerando... Afinal de contas, o Lula falou algo que não é de todo uma mentira, de fato os estrangeiros são bem recebidos em nosso país. Como o italiano Cesare Battisti, acusado na Itália de quatro assassinatos e que recebeu no Brasil o status de refugiado político. Parece que o nosso país só recebe de braços abertos os estrangeiros que tenham a ficha suja...

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Tudo para aparecer

Eu sou um texugo que cedo madruga, normalmente às 6:00 da manhã já estou de pé para me preparar para o trabalho. Mas tem horas que dá aquela preguiça, e acabo ligando a TV e normalmente coloco na Globo para ver o Bom Dia Rio, muitas vezes para saber do tempo, trânsito e ver os gols da noite anterior. Nesta quarta, acabei presenciando uma das cenas mais inusitadas que já vi na televisão brasileira, simplesmente hilário! Felizmente pela Internet, o vídeo da cena em questão foi colocado na rede (observe com detalhe a partir de 1 minuto de vídeo, e não se desanime com a imagem da lixeira).

Cara, nunca vi isso! Não é novidade que nas entrevistas ao vivo sempre tem algum engraçadinho que quer aparecer, mas o sujeito que surge é simplesmente único, com o seu meio-bigode e penteado bizarro. E depois aparece o irmão-gêmeo do goleiro Bruno do Flamengo, que já vem puto porque o meio-bigode está lá aparecendo. O engravatado (aliás, nunca vi gravata mais escrota), que parece ser um boy a caminho do trabalho, também quer aparecer, e o que vemos depois é um empurra-empurra para aparecer na telinha, ao vivo! É uma eterna disputa para preencher qualquer espaço e mostrar a cara (feia) na Globo.

A dupla dinâmica em segundo plano

Muito ridículo, é só aparecer uma entrevista e logo aparece um monte de papagaios de pirata que ficam ali, parados, olhando para a câmera sem fazer nada demais, apenas para exarcebar o seu ego ao aparecer na televisão, embora certamente nenhum de seus amigos e familiares deve ter visto a aparição. Ainda levanto as seguintes questões:

1 - Como é que a repórter e o cameraman conseguem manter a compostura durante a entrevista, sem rir dos palhaços no fundo?
2 - O que o meio-bigode faz colocando o celular no ouvido, mas sem falar uma palavra? O puto só abre a boca pra xingar o engravatado.
3 - Gravata amarela?
4 - Qual é desse meio-bigode? Nova moda para o verão carioca? Ou será que faltou espuma de barba?

O pior é que tem muitos outros vídeos desses, um dia eu vou apresentar um papagaio de pirata profissional, que já possui dezenas de aparições nos telejornais.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Venezuela "libre"

Notícia que saiu hoje no site do Terra:
Neste domingo 14 de fevereiro, será realizado um referendo na Venezuela, onde será definido se os cargos escolhidos pelo voto popular não terão mais limite para reeleição. E o velho comandante declarou todo o seu apoio ao Hugo Chavez.

Será que sou só eu que estou sentindo o cheirinho podre da ditadura? O pior de tudo é daqui a pouco o Fidel vai apoiar a mesma causa para aquele índio da Bolívia, e não duvido nada de que o próximo será um certo sapo barbudo que conhecemos muito bem...

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Vida de super-herói...

Eu diria que todos os fãs de filmes como X-Men, Quarteto Fantástico e Superman devem agradecer ao pioneiro "Batman - O Homem Morcego" de 1966, que mostrou como não fazer um filme de super-heróis:



Simplesmente ridículo! Não sei o que é pior, essa cena bizarra ou o inacreditável "Nó Humano Siamês" que vi certa vez em um dos episódios da série, onde um mero movimento poderia quebrar seus ossos e estrangulá-lo...

"A Bat-Girl está com cãimbras nas pernas! Robin, se eu mexer as minhas orelhas e você inclinar o 4º dedo de sua mão esquerda, nós podemos escapar!"

Honestamente, isso aí mais parece uma Bat-Suruba! Com detalhe para o olhar desapontado do Robin, que queria estar na posição da Bat-Girl sendo encoxado pelo homem morcego...

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Polícia e Ladrão

Certa vez estava conversando com alguns colegas, e num determinado momento o assunto da roda passou a ser a violência na cidade do Rio de Janeiro. E um deles, que acredito morar perto de alguma "comunidade", mencionou que confia mais no bandido que está no alto do morro do que na polícia que chega atirando e matando inocentes. É um assunto interessante, e como sou um texugo que gosta de assuntos polêmicos assim, achei que valia a pena colocar aqui as minhas palavras...

É simplesmente revoltante na minha opinião que tenhamos chegado a essa situação na qual parte da população escolheu o lado da bandidagem, ficando contra a força policial. Afinal de contas, a polícia está aí para defender a sociedade dos bandidos, essa é a idéia. Mas devido principalmente aos meios de comunicação e ao poder público, está havendo uma inversão de valores que demoniza os policiais e enaltece os bandidos. Na minha infância eu brincava de polícia e ladrão, e sempre todo mundo queria ser o policial; será que agora a criançada disputa o papel do traficante e sequestrador nessa brincadeira?

Eu não nego o fato de que a polícia de uns tempos para cá tem realmente caído de qualidade, e que existem muitos policiais corruptos e tão malfeitores como os bandidos que deveriam combater. Resultado da falta de investimento dos nossos governantes na polícia, que está mal preparada para enfrentar o crime, sem falar nos baixos salários que acabam fazendo com que aqueles de má índole se corrompam. Mas acho que isso não é justificativa suficiente para apoiar a bandidagem. Ao meu ver, quando a sociedade começa a confiar no traficante do morro, ela está sendo conivente com todas as atividades atrozes que ele faz, como sequestrar pessoas e matar inocentes. Podem haver até policiais corruptos, não nego, mas também existem policiais do bem; agora, quero ver alguém me convencer de que existe bandido bonzinho? Como dizia o Sivuca, "bandido bom é bandido morto!"

Diria que essa inversão de valores é em grande parte provocada pela sociedade pobre e miserável que mora nas comunidades carentes. Ou melhor, eu não gosto dessa palavra "comunidade", pra mim o certo é chamar esses locais de favela, cortiço ou lixão. Além de destruir a paisagem natural dos morros da cidade, as favelas são talvez a principal causa do aumento da violência no Rio de Janeiro, pois nelas é que os bandidos encontram o ambiente ideal para se esconder, uma vez que é um local de difícil acesso para as autoridades. E apesar de suas atividades ilícitas, o traficante do morro é visto com grande confiança pelos moradores das favelas, pois ele proporciona segurança além de uma série de benefícios: por exemplo, posso apostar que a essa hora deve ter algum favelado desfrutando de todos os canais da NET de graça, enquanto eu aqui tenho que pagar uma boa grana para ter o pacote básico.

Mal sabem essas pessoas que certamente a intenção do traficante é usar os próprios moradores da favela para sua própria proteção. É mais ou menos como os terroristas palestinos sitiados na Faixa de Gaza fazem: todos os QGs, bases de lançamento de mísseis e esconderijos são estrategicamente localizados bem próximos à hospitais, escolas e centros urbanos. Dessa forma, quando Israel é atingida, ocorre a retaliação, e nesses bombardeios fatalmente os inocentes que estão próximos aos alvos militares são atingidos. Aí no dia seguinte são as manchetes de que morreram 30 crianças que estavam em uma creche e os israelenses (juntamente com os EUA, como sempre) são taxados de assassinos. Exatamente como ocorre nas favelas: durante uma operação da polícia, ocorre troca de tiros com os bandidos, no meio da favela. Certamente vai ter algum morador inocente que vai ser atingido. Curiosamente, sempre é dito que foi o tiro de um policial que atinge a vítima, realmente os traficantes devem ser muito bons de mira e só acertam na polícia, e esta é totalmente zarolha é só mata inocentes... E sempre depois da operação, a população da favela promove a revolta, recebendo a polícia com pedradas, queimando ônibus e chamando os policiais de assassinos. Engraçado como só fazem esses protestos, certamente ordenados pelos mesmos traficantes envolvidos na troca de tiros, contra a polícia. Ou você acha que alguém do morro vai acusar os bandidos de terem matado um inocente? Corre o risco de acabar queimado vivo dentro de uma pilha de pneus, a clássica execução no "forno de microondas" que os traficantes gostam de fazer. Tão bonzinhos, né?

E o mais legal de tudo é que toda essa população miserável das favelas que não paga por nenhum imposto ou serviço e que defende a bandidagem está sendo agraciada com quase 900 milhões de reais, dados de bandeja pelo digníssimo presidente da república através do PAC. É isso aí, já não basta a gente aqui trabalhar meses só para sustentar o governo, agora também estamos pagando obras para milhões de favelados que não pagam um centavo de imposto. Isso é Brasil-il-il...

Além disso, aqui no Brasil sempre existiu essa de dar destaque ao bandido. A mídia sempre teve disso, é só ver nos jornais como os crimes provocados por policiais corruptos são bastante evidenciados, e muitos dos crimes cometidos por sequestradores, assaltantes e o restante da escória da sociedade muitas vezes sequer são mencionados. O cinema brasileiro é outro que tem essa mania de romantizar o bandido. Veja por exemplo o caso daquele desgraçado que sequestrou o ônibus 174: já fizeram dois filmes dele, nunca deixando de dizer que ele era uma "vítima" da desigualdade social e ressaltando como a polícia errou na operação (concordo, deveriam ter mandado um tiro no meio da testa desse infeliz quando tiveram chance) e acusando de assassinos os policiais que mataram o sem-vergonha no camburão. Junte a esses filmes outros como Cidade de Deus e Carandiru, sempre colocando como heróis os malfeitores. Precisavam fazer mais filmes como Tropa de Elite, esse sim é um exemplo para a sociedade de como deve ser essa luta, com o mocinho vencendo do bandido no final, com um tiro de 12 no meio dos cornos e estragando o velório do vagabundo.

Por mais que tenham esses casos de policiais corruptos, eu acredito que devemos estar do lado da polícia. Como mencionei ali em cima, a partir do momento que começamos a confiar no bandido, nós estamos concordando com tudo que ele faz e com todos os crimes que ele comete. Uma vez mais, o povo adota a postura mais cômoda, pois é mais fácil ficar do lado do malfeitor que é mais forte e está ganhando a luta do que ficar do lado da polícia, mais fraca. Acredito que as pessoas que defendem esses vagabundos nunca foram vítimas deles, nunca perderam um amigo ou familiar vítima de um sequestro, assalto ou estupro. Nessas horas, eles certamente iriam agradecer se tivesse um policial por perto para impedir o crime...

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Fazer conta é tão difícil?


Eu tenho a plena consciência de que nem todos têm acesso ao estudo, e que existem milhares de brasileiros que não cursaram o ensino básico e foram apresentados à noções básicas de Português e Geografia: o nosso ilustre presidente é um exemplo disso. Mas se tem alguma coisa que eu tenho certeza que a imensa maiora das pessoas tem a mínima noção é Matemática. Afinal de contas (com trocadilho, por favor), mesmo a pessoa que nunca foi à escola sabe conferir o troco que recebe no mercado, somar as prestações da TV que comprou nas Casas Bahia e fazer as contas no fim do mês. E falo de operações aritméticas triviais, como soma e subtração, nem estou falando da multiplicação com a clássica tabuada ou da divisão, com o quociente e o resto. Mas mesmo assim, me impressiona como existem pessoas que parecem ser incapazes de colocar em prática conhecimentos matemáticos tão simples em atividades do cotidiano como pegar o elevador.

Eu moro em um edifício de apartamentos, e para descer, sempre uso as escadas, hábito que tenho desde criança e que a maioria dos moradores dos andares mais baixos também têm. Mas para subir, mesmo sendo poucos andares, normalmente estou cansado de um longo dia de trabalho, e o elevador é o caminho. No meu prédio existem dois elevadores idênticos, e não foram poucas vezes que chego e vejo ambos elevadores subindo para o mesmo andar (e quase sempre para os andares mais altos), o que me deixa extremamente revoltado e puto!

Permita-me demonstrar a situação, para que você possa entender o motivo de minha frustração:

Caso 1 - Imagine uma pessoa com o mínimo de inteligência que está no 20º andar, e que deseja descer. Ela vê que um dos elevadores está no 14º andar e o outro está no 5º. Sem fazer muito esforço, essa pessoa chama o elevador que está no 14º andar.

Caso 2 - Agora imagine uma pessoa acéfala, estúpida, com QI de um protozoário retardado, que está no 20º andar, e que deseja descer. Ela vê que um dos elevadores está no 14º andar e o outro está no 5º. Sem pensar, chama os dois elevadores e aguarda qual deles vai chegar primeiro (muito provavelmente se perguntando qual deles vai chegar antes).

Normalmente o que acontece comigo é o retratado no Caso 2... Impressionante como as pessoas podem ser tão burras! Pra que chamar os dois elevadores? Não é apenas um desperdício de energia, mas também um grande incoveniente para as pessoas no térreo, que precisam ficar esperando. Não consigo entender como essas pessoas não conseguem perceber que o elevador que está no andar mais próximo vai chegar antes, e não há necessidade de chamar aquele que está mais longe, normalmente no térreo ou próximo dele, aguardando o morador que chega cansado do trabalho ou precisa urgentemente "passar um fax" (fato que já aconteceu certa vez com este humilde texugo revoltado). Arrisco até dizer que existe muitas vezes traços de egoísmo nessa atitude, parecem saber que deve ter alguém lá embaixo que vai ter que ficar mofando até o elevador chegar. É mais um dos grandes problemas dos elevadores, juntamente com os peidões que soltam vapores tóxicos no limitado espaço do elevador e os babaquinhas pré-adolescentes que apertam os botões de todos os andares.

É, infelizmente tá cheio de gente burra e ignorante por aí, muitos deles morando nos andares mais altos, o que levanta a questão: será que a inteligência é afetada pela gravidade, algo como quando mais longe do chão mais estúpida fica a pessoa?

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Você quer ver algumas fotos?

Aposto que você deve ter algum amigo, familiar ou conhecido que é louco por fotografias. Eu conheço vários, aqueles que não perdem a oportunidade de disparar suas câmeras e registrar fotos nas mais diversas ocasiões, como festas de aniversário, casamentos, formaturas e viagens de férias. Lógico, são situações que vale a pena tirar algumas fotos como recordação, para lembrar das semanas na Europa ou dos amigos de faculdade... Mas como tudo na vida, exagerar nunca é bom, e normalmente para esses "fotólatras" (nem sei se existe essa palavra) não há um limite, tudo tem que ser registrado, e tiram centenas de fotos. E coitadas das pessoas que vão ter que ver essas fotografias todas.

Para começar, eu acho ridículo tirar fotos de absolutamente tudo! Eu confesso que quando viajo (normalmente a trabalho), tiro fotos do quarto de hotel onde fico e de algumas coisas da cidade, mas também tem limite: já vi conhecidos que só do hotel tiram dezenas de fotos, registram o que comeram no café da manhã, as famosas fotos do "antes e depois" (tipo mostrando o quarto logo após fazer o check-in e depois no último dia), e assim por diante. Nas viagens de férias, então... Cada lugar visitado é fotografado nos mínimos detalhes, podem chegar a dezenas de fotos de um único ponto turístico, de todos os ângulos, com e sem a presença da pessoa. E não pára por aí: fotos são tiradas dentro e fora do avião, das malas indo pela esteira de bagagem, do carro alugado, das compras feitas, das roupas de frio...

O pior de tudo é que essas pessoas, após tirar centenas de fotos, fazem questão de mostrá-las para todos os seus conhecidos. Com isso, são pilhas de álbuns que são colocados em nosso colo quando visitamos esse amigo fotógrafo, quando não somos convidados para uma sessão de slides. Para os mais jovens, que pensam em Powerpoint quando menciono a palavra slide, vou explicar: os slides eram basicamente pequenos quadradinhos de plástico onde um quadro do filme era colocado, todos eles devidamente organizados em um grande carrosel que era montado em um projetor, usado para exibir na parede da sala as fotos em um tamanho imenso. Posso apostar que você, se está perto dos 30, já foi convidado para uma sessão de slides, com as cortinas da sala fechadas e o enjoativo barulho trek-trek do aparelho, enquanto eram passadas as fotos do casamento de sua tia ou da viagem da família. A única coisa legal era fazer brincadeiras com sombras, tipo fazendo chifres e bigodes nas pessoas ou um divertido monstro mordendo as imagens (como no filme Ace Ventura 2).

Por essas e outras é que eu me revolto com o avanço tecnológico. Permita-me explicar: até não muito tempo atrás, para tirar fotos era necessário comprar rolos de filme, o que provocava sempre um gasto. Ao terminar de tirar as fotos, o filme precisava ser revelado em algum laboratório especializado, o que levava algum tempo e custava mais um dinheiro. E se você quisesse fazer os slides, aí já morria mais uma grana. Enfim, tirar fotografias era uma brincadeira que não saía barata. Mas graças ao avanço tecnológico hoje temos câmeras digitais, que aposentaram de vez o filme, ao permitir guardar as fotos dentro de pequenos discos de alta capacidade ou na própria memória da câmera ou celular. Resultado: hoje os tarados por fotografias podem tirar uma quantidade absurda de fotos, sem precisar gastar muito com isso. As novas tecnologias também acabaram com o projetor de slides, hoje podemos ver as fotos no computador ou mesmo na televisão, por meio de um aparelho de DVD. Isso dificulta muito a se esquivar dessas sessões cansativas de fotos: agora, podemos em uma inocente visita à casa de um colega ser pegos de surpresa com frases do tipo "Ah, acabei de de gravar um DVD com as 5000 fotos da minha viagem, vou colocar aqui pra gente ver na TV" ou "Terminei de baixar as fotos que tirei da festa de aniversário do , está aqui no computador". Corremos ainda o risco de ganhar "de presente" um CD com todas as fotos, cujo destino muito provavelmente será ser perdido durante a próxima limpeza de fim de ano do seu armário.

Sem falar que as máquinas digitais de hoje eliminam do processo a figura do revelador, o sujeito no laboratório que recebe e revela os filmes. A existência dessa figura também inibia que o fotógrafo tirasse certas fotos mais incomuns. Ou será que alguém seria tão sem-vergonha de deixar um filme com fotos do colega vomitado depois da farra ou com fotos mais "à vontade" da namorada nas mãos de um estranho? Lembram daquele filme do Robin Williams? Talvez o revelador seja um psicótico homicida que iria saber de todos os seus segredos, ou no mínimo daria aquela risadinha amarela quando você aparecesse para pegar as fotos. Hoje não tem mais esse problema, e se você quiser tirar a foto de um "charuto" no vaso sanitário ou da sua prima vestindo o sutiã, pode fazer isso sem problemas de que algum estranho vá ver...

Eu pessoalmente não sou muito chegado à fotos, tanto em tirar como em ver, por isso a minha revolta. Mas acho que não devo ser o único a achar insuportável ser obrigado a ver centenas de fotografias. Registrar as lembranças em fotos é algo bem legal e natural, mas o que os fanáticos por fotos devem entender é que seus amigos e familiares podem não ter necessariamente o mesmo interesse em ver 954 fotos da sua viagem para o exterior ou da festa de fim-de-ano do escritório.