segunda-feira, 23 de julho de 2018

A Malandragem da Bagagem

Brasileiro é um povo escroto. Muito escroto, metido a malandro. Algo que me revolta muito, nessas horas tenho vergonha de ter nascido nesse país de opereta. Diria até que essa postura de metido a esperto, de querer levar vantagem, é o que faz com que o Brasil seja um país péssimo, cheio de corrupção e outras mazelas. Venho aqui pra contar mais um "causo" que eu presenciei recentemente, dessa vez em algumas viagens de avião que eu fiz, e que comprovam como o pior do Brasil é o brasileiro.

Antes, uma breve contextualização. Tem já algum tempo que as companhias aéreas começaram a cobrar pelo despacho de bagagem. Algo que varia entre 30 e 60 reais em vôos domésticos, dependendo se a pessoa já indica isso ao fazer a compra online da passagem ou no aeroporto. Na época, diziam que isso ajudaria na hora de reduzir o preço das passagens, de forma que apenas aqueles que fosse levar um peso extra pagariam essa taxa. Mas, como esperado de um país como o Brasil, os preços das passagens não baixaram, chegando até a aumentar. Podem culpar alta do dólar, alta do combustível... mas, mesmo assim, mostra como fazem o povo de otário.

Aí, o que o brasileiro "ixperto" começou a fazer?


Claro! Bora levar tudo na bagagem de mão.

Antes mesmo dessas novas regras, muita gente já abusava no direito de levar a bagagem de mão, usando as mais diversas desculpas. Em geral, quem faz isso é um apressadinho que não tem a capacidade de esperar alguns minutos até que suas malas cheguem na esteira de bagagem no aeroporto, são afobados que geralmente levantam dos assentos assim que o avião toca o solo e querem sair correndo em direção ao seu destino. Aí, nessa brincadeira, eram comuns alguns casos isolados em que algumas pessoas levavam malas relativamente grandes, ocupando um volume considerável no bagageiro da cabine.


Mas havia ainda um certo bom senso... Algumas pessoas carregando malas maiores iam lá no balcão pra despachá-las para o porão.

O que acontece hoje, com a taxa de despacho, é que malandro tenta dar um jeito de fazer tudo caber na mala de mão. Nem que precise espremer tudo, nem que precise usar uma mala grandona, a idéia é fazer de tudo para que todos os seus pertences caibam numa bagagem que possa ser levada consigo dentro da cabine, economizando assim um dinheiro. Agora a maioria das pessoas leva uma mega mala de mão, tipicamente daquelas imensas que são rígidas, dificultando ainda mais o seu acondicionamento no restrito espaço do bagageiro.


O grande problema disso é que não há espaço ali dentro para comportar tanta mala...

Nesse vôo que eu fiz, fiquei ali de olho durante o embarque, como que tinha gente com malas de mão imensas. Até fiz uma matemática básica: de uma forma geral, pelo menos nesse avião que eu peguei, cada compartimento de bagagem fica ali pra atender nove assentos (três fileiras, com três cadeiras cada uma). Mas, ao ver um desses bagageiros sendo preenchido, vi que só couberam seis malas ali, todas elas daquelas rígidas com rodinhas. Ou seja, só naquele pequeno grupo de assentos, corremos o risco de que três deles vão chegar ali e não vão ter onde colocar as suas malas.


Mas é moleza resolver isso: é só colocar no bagageiro da outra fileira. Se tiver espaço, lógico.

Ou seja, a tendência é de que não vai ter espaço pra todo mundo colocar as suas bagagens. Que foi exatamente o que eu vi nesse vôo.

O mais legal de tudo é que hoje temos sistemas de check-in modernos. O sujeito nem precisa passar mais no balcão se não tiver que despachar bagagem, é só ir num totem e imprimir o seu bilhete. Ou, melhor ainda, dá pro cara fazer o check-in pelo celular, a caminho do aeroporto, ir direto para o portão e antes de entrar só precisa mostrar o QR Code no seu aparelho para o atendente da companhia. Ou seja, para passageiros somente com bagagem de mão não existe nenhum tipo de controle para evitar que eles levem bagagens fora do padrão aceitável, ou mesmo em termos de quantidade.

Por exemplo, no embarque havia uma moça na minha frente levando uma mala de mão dessas grandonas, mais uma sacola de papelão grande e logicamente que sua própria bolsa a tira-colo imensa.


Não tem como dar certo... É muita mala pra comportar na cabine do avião. E o pior é que quem geralmente se fode é quem segue a regra.

No vôo de ida isso aconteceu comigo. Eu estava viajando com pouca coisa, uma bolsa pequena onde levo as minhas coisas mais frágeis (tipo, meu tablet) e que sempre coloco no espaço debaixo do banco à frente, e uma malinha pequena onde coloquei minhas roupas. Afinal, era uma viagem de dois dias, não precisava levar tanta coisa. Mas quando fui colocar essa singela mala no bagageiro perto do meu assento, vi que estava lotado. Os bagageiros próximos também. Tive que contar com a ajuda da aeromoça para arrumar um cantinho num bagageiro lá na frente, quase dez fileiras adiante!

Algo que me deixou puto e apreensivo... Imagina se algum calhorda roubasse a minha mala? No mínimo ia ter que ficar dois dias com a mesma cueca.

Talvez alguém possa dizer que tal problema é por conta das companhias aéreas, que inventaram essa de pagar taxa de despacho de bagagem. Sim, talvez elas tenham sim a sua parcela de responsabilidade. Mas na minha opinião essas situações desagradáveis, de chegar e não ter onde colocar a sua própria mala, são em muito influenciadas pela postura de metido a "ixperto" do brasileiro, do costumeiro desejo de levar vantagem sobre os outros. Na real, é como se a maioria das pessoas adotasse uma postura de "foda-se se os outros não vão ter onde colocar a mala deles". Tá cada um querendo resolver o seu problema da maneira que lhe interessa.


Chegou a um ponto que os comissários agora pedem para que todos os passageiros usem o espaço abaixo do assento à frente para condicionar bagagens pequenas. Pois já sabem que vai faltar lugar para todas as malas.

Porém, convenhamos... Dependendo do vôo, usar aquele espaço para colocar uma bagagem, mesmo que pequena, é chato pra cacete. Pra começar, tira todo espaço para que você estique as suas pernas. Segundo, se você estiver no corredor ou no meio, corre o risco que um dos outros passageiros queira sair pra ir no banheiro, e certamente ele vai carimbar um pisão na sua mala.

Pessoalmente, eu evito isso sempre pegando um lugar na janela, que tem ainda a vantagem de não ter nenhum apressadinho que queira sair correndo do avião e que é incapaz de esperar o aviso de apertar cintos se apagar pra já sair levantando e assim economizar preciosos segundos de sua vida...


E também eu prefiro colocar bagagens com itens frágeis ali embaixo, pois nunca se sabe se vai ter algum ogro sem noção, enfiando violentamente sua mala imensa no bagageiro como se estivesse deflorando uma virgem, e nisso esmigalhando a minha bagagem e tudo que estiver ali dentro. Ainda mais com as malas de mão grandonas que esses canalhas estão usando.

Aliás... Pensando nessas coisas sobre bagagem de mão é que eu percebi a verdadeira malandragem por trás dos espertinhos que tentam carregar um contêiner na cabine... Acompanhe o meu raciocínio...

Imagina então um avião, e as pessoas vão entrando. Como esperado, muita gente trazendo malas de mão gigantes, com todos os seus pertences. Não por necessidade, não por estarem levando itens frágeis, mas tudo para evitar de pagar a taxa de despacho. O embarque vai rolando, nego entupindo os bagageiros e até mesmo o espaço abaixo dos bancos na frente. Não é de se surpreender que, chegando no final vão haver alguns "premiados" que estarão com malas de mão grandes sem lugar para colocá-las.


Foi o que aconteceu nesse vôo que eu fiz. Contei umas quatro pessoas, só ali perto de onde eu estava sentado, que ficaram nessa situação.

Diante da sobre-carga de bagagens na cabine e devido ao fato de que tais bagagens eram grandes demais pra caber abaixo dos assentos, os comissários então não têm outra opção: as malas que sobraram precisam ser despachadas.

Começa então todo um processo: vem um carinha da equipe de terra, pega um bilhete e anota os dados da pessoa, como nome e assento, que é colado na mala de "mão", deixando um recibo com o passageiro. Por fim, as malas devem ser levadas por esse cara (que geralmente é um só) até a entrada do avião, onde então são descidas e levadas até o porão. Ou seja: um processo relativamente lento e manual, que resulta em atraso do vôo.

Mas, aí que vem a parte hilária: perceba que os "ixpertos" que tentaram embarcar com uma mala grande e não conseguiram um espaço pra ela ali dentro da cabine, conseguiram que a bagagem fosse despachada sem a necessidade de pagar a taxa?


Isso mesmo! Bagagem despachada "de grátis"!

Bando de filhos das putas! Perceba como o brasileiro tem um "talento" pra usar a sua criatividade e inteligência pra levar vantagem. Quer solução melhor? Levar bagagem no porão, só quem é burro. A dica é levar como bagagem de mão mesmo, pois das duas, uma: ou vai conseguir levar essa bagagem na cabine sem problemas sem ter que pagar nada, ou se faltar espaço ela será despachada de última hora, também sem ter que pagar nada.

Lógico que nesse processo, provavelmente esses "ixpertos" vão atrapalhar pessoas que tentam seguir as regras, que estão levando bagagem de mão dentro do padrão de bom senso. Mas, aí é problema delas, não é mesmo?

Sério... se eu fosse responsável por uma companhia aérea, eu ia botar uma checagem de volume de bagagem de mão lá no portão. Malas muito grandes iam ser barradas ali mesmo, e o passageiro ia ter que pagar o triplo da taxa pelo despacho tardio. Ou se preferisse, seria despachada pelo preço normal no próximo vôo. Passageiro ia ficar puto, mas quem quer dar de malandro merece isso.


Ou deveriam colocar uma taxa para bagagem de mão acima de um certo tamanho. Uma taxa maior que a de despacho. Assim, se o sujeito quiser levar um contêiner na cabine, que pague por isso.

Vão dizer que eu sou louco, que estou puxando o saco das companhias aéreas. Não é isso. Acho justo sim que exista uma taxa para bagagens de mão grandes demais. Pois, uma mala desse porte vai começar a tirar o espaço que é de outros passageiros. E repito, em geral, de outros passageiros que estão seguindo as regras e levando malas de mão que são realmente bagagem de mão.

Mais uma vez, me dá um nojo ver como que o brasileiro é. Essa situação simples e ordinária é mais um exemplo de como esse povinho é metido a malandro, onde toda hora o sujeito quer levar vantagem, que dar um jeitinho, quer encontrar uma brecha pra se dar bem, pouco se preocupando se estará prejudicando os outros. Aqui, a maioria se acha esperta ao fazer o errado, e quem faz o certo é babaca. Uma conduta que está por trás de tanta coisa ruim nesse país, esse tipo de postura é que leva à criminalidade e à corrupção. Pois o criminoso, seja ele aquele que segura um fuzil ou que pede seu voto na eleição, age com a mesma motivação por trás.

Quando você for viajar, não seja um cretino dum canalha. Tenha bom senso, respeite o regulamento levando um volume de bagagem de mão permitido. Não banque o "ixperto" levando um contêiner na cabine, prejudicando os demais passageiros. Isso aí é postura de malandro, de corrupto, de aproveitador que não vale a merda que caga, gente escrota que tem mais é que levar uma surra. Seja consciente e não banque o malandro, pois assim só estará contribuindo pra esse país ficar pior ainda.


Nenhum comentário: