quinta-feira, 3 de maio de 2018

Malandragem Subterrânea

Têm duas coisas que eu tenho o costume de fazer no meu dia-a-dia: observar o comportamento humano e ficar puto com algo que me tira do sério. E muitas vezes essas duas coisas acontecem de forma simultânea, pois tá cheio de gente aí pelos cantos que me tira do sério com suas atitudes em geral mal educadas, egoístas e estúpidas. Acho estupidez a pessoa que aperta o botão do elevador quando ele já está aceso. Fico puto com os apressadinhos que saem abrindo caminho pela escada rolante. Fico com vontade de espancar os filhos das putas que entopem banheiro público. Tantos casos que eu percebo por aí, que só me fazem ter vontade de me isolar em uma ilha deserta, longe da civilização.


Hoje venho com mais uma dessas postagens que segue as minhas tentativas de bancar o psicólogo... Ou só pra desabafar mesmo, pra reclamar da grande quantidade de gente que se acha "ixperta", que só querem levar vantagem sobre os outros. Vou falar dos malandros das estações de metrô. E, pra variar, começo com uma daquelas introduções longas, justificando aqui o porquê de eu ter decidido escrever sobre esse assunto.

Nestes últimos dias eu tive que ir algumas vezes em Ipanema, para algumas consultas médicas. Nada de grave, de vez em quando este texugo precisa dar uma revisada na sua arcada dentária, e cuidar desse monte de dentes às vezes exige uma batelada de consultas na dentista. Pra minha sorte, o consultório fica perto da estação de metrô da General Osório, e esse foi o meio de transporte escolhido para chegar lá.

Para quem não é do Rio, ou quem é mas não tem o costume de andar de metrô, explico um pouco sobre como é essa estação. Na verdade ela sofreu uma reforma grande, em que fizeram uma grande expansão, motivada pelas Olimpíadas. Afinal, essa estação serviu como ponto de partida para a nova Linha 4, que segue por Ipanema, Leblon e Barra (ou pelo menos apenas seu início). 


Embora, nova linha é força de expressão... pois na prática só estenderam a Linha 1, que já fazia o trajeto entre a estação General Osório, bem ali na transição entre Copacabana e Ipanema, e a outra ponta na Saens Peña, na Tijuca.

Resultado é que hoje temos uma plataforma inoperante nessa estação, quem acessa por meio das entradas de Ipanema e Copacabana passa por cima dela. E a nova plataforma em uso faz parte da extensão. 


Dizem algumas fofocas que essa nova plataforma foi necessária por conta de uma cagada de projeto. A imagem abaixo mostra um pouco disso, em que a estação antiga é mostrada em preto, com o traçado em uma seta azul, do que seria o caminho dos trilhos previsto originalmente. Mas, talvez por conta da estrutura dos prédios abaixo do trajeto inicial, fizeram essa nova plataforma, mostrada em cinza, cujo caminho ao longo de Ipanema e Leblon é mostrado pela seta laranja.


Fico pensando: será que ninguém se deu conta disso antes? Afinal, é de se esperar que uma obra desse porte faça uma avaliação dos riscos, identificando que a melhor forma de escavar o túnel do metrô seria por esse trajeto atual. Se já tivessem planejado dessa forma, poupariam milhões.

Se bem que... nada como uma obra nova pra desviar uma verba, não é?


Enfim... A situação hoje é essa: existe uma plataforma inútil, pegando poeira, que dizem que um dia passará a ser o ponto final da Linha 2, que hoje é em Botafogo. Algo que pra mim faria sentido, pois a troca de linhas nessa estação não é prática, fica o trem da Linha 2 ali num trilho intermediário, esperando a liberação para seguir a viagem no caminho inverso. Seria muito mais coerente mudarem o ponto final dessa linha. Assim, na estação Cantagalo (que fica logo antes da General Osório), seria apenas um desvio: se o trem é da Linha 1/4, vira pra direita, pegando a nova plataforma e depois seguindo viagem em direção à Barra; se é da Linha 2, vira pra esquerda e pára na estação antiga, como mostra o mapinha abaixo, que eu coloquei algumas legendas.


Mas... sabemos que pensar não é o forte do brasileiro...

Por fim, só comento mais uma coisa. Perceba que a estação possui vários acessos, alguns deles ainda originais da primeira estação: o acesso A é o principal, no meio da Praça General Osório, e que fica coladinho no acesso B, na rua Jangadeiros (tão perto, que nunca entendi a necessidade de existir). Como essa é uma estação com "consciência social", ela tem um acesso C que fica no Complexo Rubem Braga, onde tem elevadores para os moradores da favela do Cantagalo... isso mesmo, aqui no Rio o poder público tá preocupado em colocar elevador panorâmico e bondinho pra favelado. E por fim havia o acesso D, na rua Sá Ferreira em Copacabana, entrada pouco badalada e que é quase uma porta dos fundos, mas que ficava pertinho da estação, com uma caminhada mais curta do que aquelas a partir dos outros acessos.

E na extensão eles fizeram o novo acesso E, na Lagoa. É o caminho destacado em laranja. Em que a caminhada é imensa, anda-se para caralho, dá pena do coitado que vai querer pegar o metrô dali. Sério, é quase a mesma distância que separa as estações General Osório da Cantagalo.

Pois muito bem, chega de destacar a incompetência e falta de planejamento das obras do Metrô Rio. Vamos enfim focar no assunto do post, que nos leva à plataforma nova. Não achei uma foto melhor do que essa, que a mostra na época das obras ainda.


Mas eu vou fazer alguns desenhos aqui pra explicar melhor. Trata-se de uma estação que possui três plataformas, duas nas bordas e uma central, entre os trilhos. Conforme a indicação do metrô, a plataforma do meio serve para o embarque, enquanto que as externas são usadas para o desembarque. Uma organização já usada na plataforma anterior da estação, baseada em outras que já eram assim, como a da Carioca.


Isso permite uma logística organizada quando o trem chega, que evita aquele congestionamento de embarque contra desembarque na porta do vagão, típico da maioria das estações. Primeiro o metrô abre as portas do lado de fora (ou seja, da direita de quem está olhando pra frente da composição) para que assim os passageiros com destino à General Osório saiam.


Depois, ele abre as portas de dentro (do lado esquerdo) e assim os passageiros embarcam. E todos seguem felizes com suas vidas. Sem stress.


Mas isso é o que acontece em um país civilizado, em um lugar em que as pessoas pensam nos demais, que buscam seguir as regras, pois sabem que elas não estão ali à toa, é para organizar o fluxo de pessoas entrando e saindo do metrô.

Não podemos esperar o mesmo no "Brasiu"... onde as pessoas são egoístas, querem levar vantagem, mesmo que a suposta vantagem seja economizar dois segundos apenas. É a lei da selva, cada um por si, pouco se fudendo se vai atrapalhar os outros, ignorando até mesmo a possibilidade de um acidente. É um povinho escroto, de merda. E é isso que me motivou, ao observar a "fauna" que frequenta essa estação específica.

O que aconteceu foi o seguinte. Estava eu lá na plataforma de embarque, junto com várias outras pessoas. Afinal de contas, se você pretende embarcar no metrô, você vai na plataforma de embarque. Da mesma forma que se você quer entrar em um lugar, você vai na "entrada", e não na "saída". Mas aí, após alguns minutos esperando pela chegada do trem, percebo que começam a aparecer pessoas na plataforma de desembarque.


O troll face não é de graça... pois essas pessoas não estão ali sem querer, por terem errado a escada, ou por não saberem ler. É intencional mesmo...

Aí o trem chega, e percebemos qual era a intenção do "ixperto": como a porta de desembarque abre primeiro, o filho da puta consegue assim entrar antes do restante das pessoas. Certamente com a intenção de pegar um lugar sentado. Acontece que o canalha faz isso remando contra a maré de pessoas que querem sair.


Puta que pariu. Já está errado ao entrar pela plataforma de desembarque. E fica pior ainda, pois esses filhos das putas sequer tem um pingo de educação, ao deixar as pessoas saírem primeiro. Já vão se enfiando ali no meio, abrindo caminho se necessário, pra adentrar o vagão o mais rapidamente possível, bagunçando o desembarque.

Antes fosse apenas isso... pois, sabemos bem que filho da puta dá em qualquer canto aqui nesse país de bosta. Pois, além dos canalhas que querem entrar pela porta de saída... ainda têm os canalhas que querem sair pela porta de entrada.


Pois é. Por algum motivo que não sei explicar, tem gente que faz questão de sair pela porta de entrada. Talvez para fugir da muvuca que está desembarcando, ou por considerar que a escada da plataforma de embarque vai poupar preciosos dois segundos de seu tempo. Ou por filhadaputagem mesmo, pra atrapalhar aqueles que seguem as regras e querem entrar.

E assim, o filho da puta que entrou pela porta de saída e o filho da puta que saiu pela porta de entrada seguem felizes com suas vidas, com aquela sensação de que se deram bem. E aqueles cidadãos seguidores de regras, que entram pela porta de entrada e saem pela porta de saída, perdem a paciência e ficam putos da vida.


Brasil-il-il...

Eu acho impressionante como que as pessoas são mal-educadas, como que tem gente que consegue fazer coisas assim. Tudo pra levar vantagem. Pior que eu até entendo o calhorda que tenta entrar pela porta de saída, por mais que seja inaceitável essa idéia, existe sim algum propósito: o sujeito é um filho da puta de um malandro, que quer arrumar um lugar mais confortável no sempre lotado metrô. Agora, o babaca que tenta sair pela porta de entrada, esse eu realmente não entendo. Não vejo que tipo de vantagem ele levaria, o que me resta a crer que é por egoísmo mesmo, é tudo com a intenção de ser do contra, de desrespeitar as regras, de prejudicar os outros.

Eu sou um texugo de idéias às vezes meio extremas. Nesses casos, eu acho que a melhor solução ia ser se os seguranças ficassem ali na plataforma de desembarque, e o primeiro filho da puta que aparecesse querendo dar uma de "ixperto" pra embarcar por ali ia levar uma surra. De cassetete. Pra deixar de ser cretino e desrespeitar as regras. Porém, tal iniciativa só resolveria na porta de desembarque, pois na porta de embarque o cara sai de dentro do vagão. Claro que nada impediria um segurança ali de olho, pra descer uma surra no cretino que saísse do vagão pelo lado errado, mas acho que seria mais complicado.


Mas isso nunca aconteceria... ia aparecer Direitos Humanos e o escambau... Mundinho sem-vergonha esse, onde não se pode usar a porrada pra colocar os transgressores nos eixos...

Enfim, então eu sugiro uma outra solução, um pouco mais pacífica. Sairia mais caro do que cassetetes, mas acho que daria certo. Pra começar, eliminar todas as escadas comuns das plataformas, colocando apenas escadas rolantes. Só que aí, com a seguinte sacada: as escadas que ligam o piso superior ao embarque apenas descem, enquanto que as escadas que saem da plataforma de desembarque até o nível acima apenas sobem.


Assim ia fuder com os planos desses filhos das putas duma figa. O calhorda que fosse dar uma de malandro pra entrar pela plataforma de desembarque não ia ter como descer, só se ele se jogasse dali de cima (e que na queda espero que venha a quebrar a perna). Por sua vez, o canalha que saísse pela porta de embarque ia ficar ilhado ali embaixo, sem ter pra onde ir. Só se ele pegasse o próximo trem pra saltar na outra estação.

O foda é que tem os elevadores... Eles estragariam essa idéia.

A não ser que os elevadores destinados ao embarque só tivessem botão de chamada no piso superior... enquanto que os elevadores do desembarque só tivessem esse botão lá na plataforma, sem nenhum em cima.

É complicado. Eu já disse algumas vezes, no transporte público brasileiro encontramos a maior concentração de gente mal educada por metro quadrado. Tem gente que diz que o metrô é coisa de primeiro mundo, que essa falta de educação só acontece nos trens e ônibus, mas essas pessoas estão erradas. Tá cheio de malandro debaixo da terra também, aprontando no metrô. Retrato desse nosso povinho, mal educado desde o berço...


Nessas horas apenas agradeço que só uso o metrô de vez em quando... Acho que se eu usasse todos os dias, ia acabar espancando um e jogando na linha do trem.

Nenhum comentário: