quinta-feira, 15 de março de 2018

Abutres Esquerdistas

Eu estava pensando muito se eu iria escrever algo sobre isso. Pois eu conheço bem a minha posição, e sei que não vou com a maioria. Mas... simplesmente não dá pra ficar calado diante da verdadeira putaria promovida pela esquerda brasileira, que de forma insensível e cruel se aproveita de uma tragédia pra fazer militância política.


Nessa quarta-feira tivemos mais um crime no Rio de Janeiro... Até aí, nada de muito novo, considerando que em 2018 já são inúmeras vítimas, só no último fim de semana foram cinco pessoas mortas. Infelizmente, a "Cidade Maravilhosa" está mais para uma praça de guerra, pior do que Síria e Iraque, que muitas pessoas já encaram isso com certa naturalidade. As pessoas que morrem diariamente por conta da violência só estampam um cantinho na página dos jornais, e depois apenas viram estatística. 

Uma violência que atinge a todos. Ricos e pobres. Negros e brancos. Homens e mulheres. Adultos e crianças. Morador de favela ou da Zona Sul. Podem até existir certos grupos que possuem mais vítimas do que outros. Mas a violência não é parcial, os bandidos não estão escolhendo quem matar, não importa quem seja. 


Mas... para certas pessoas, em geral para a esquerda e os politicamente corretos... existem as vítimas com "pedigree".

Para esses indivíduos, parece que a violência só é um problema em alguns casos. A morte de um negro, de uma mulher, de um morador de favela, para eles é algo mais grave e mais revoltante do que a morte de um branco, de um homem, de um morador de bairro "rico". Associam todo um discurso de luta de classes e de embate social para uma questão de segurança pública, que afeta a todos.

Por que estou dizendo tudo isso? Pois nessa quarta-feira tivemos mais um crime bárbaro no Rio de Janeiro: a vereadora Marielle Franco do PSOL foi morta a tiros quando voltava para casa de carro. O ataque tirou a vida também do motorista, apenas a assessora dela que sobreviveu. Bandidos pararam ao lado do carro dela e atiraram várias vezes, em uma ação com claros sinais de ter sido uma execução.

Antes de mais nada, quero deixar algo bem claro aqui. Eu detesto o PSOL, acho um partido hipócrita, cheio de idéias ultrapassadas de esquerda, e que passa a mão na cabeça dos bandidos. Essa minha opinião sobre o partido do Freixo não muda, continuo achando um bando de imbecis. Mas, não significa que eu aprove a execução da vereadora, não estou dizendo aqui "bem-feito". Eu não sou um cretino a ponto de ficar rindo da desgraça alheia, ainda mais quando falamos da morte de alguém nas mãos do crime organizado.

Eu sei que esse é o tipo de acusação que muitos partidários do PSOL e da esquerda vão jogar contra as pessoas que não têm a mesma orientação política do que elas. Não duvido que devem ter extremistas aí que sim, que estão rindo à toa. São uns babacas, uns cretinos. Mas não venham a cometer a injustiça de dizer que toda pessoa que não é de esquerda ficou feliz com a morte da vereadora, quem diz isso também é um babaca, um cretino. Só comprova os interesses políticos, que é a motivação de minha postagem.

O caso foi grave sim. Grave no seguinte aspecto: estamos falando de um representante do povo, uma vereadora que foi executada. Independente de sua orientação política ou plataforma de governo, que deixemos isso bem claro. Isso é grave, pois mostra como a bandidagem está cagando e andando pra justiça, para o poder público. Marielle foi provavelmente morta pois estava pisando no calo do crime, estava mexendo onde não devia. E isso é algo inaceitável.

Tão inaceitável como a execução sumária de policiais. Não podemos nos esquecer disso. Pois, tanto uma vereadora como um policial representam o poder público, e a partir do momento em que essas autoridades estão sendo executadas, tem algo de muito errado. Foram 134 policiais mortos no Rio em 2017, e até o momento já foram 27 em 2018. Muitos deles executados, após os bandidos descobrirem que eles eram policiais.


Agora... eu fico me perguntando... Morreram mais de 100 policiais ano passado aqui, e a mídia em geral não se sensibilizou tanto assim... Matéria no jornal falando de policial morto é algo curtinho, não é dada muita atenção, já caiu no cotidiano. Até mesmo quando executaram o comandante do batalhão do Méier, não deram muita bola. A cada três dias morrendo um oficial de polícia e não vimos nenhuma reação significativa da sociedade, nenhuma revolta, passeata só com a presença de familiares.

Mais de cem policiais mortos, e ninguém acha que a situação tá ruim. Morre uma vereadora do PSOL, e já tivemos atos em homenagem à Marielle ocorrendo em várias cidades do Brasil, a mídia faz uma cobertura imensa do canso, e esse crime é considerado como extremamente grave e inaceitável.

Não estou minimizando o ocorrido, não é isso... Mas repito: a bandidagem está ficando mais ousada, e não respeita mais as autoridades. Se os criminosos estão matando policiais e vereadores, está muito errado. Mas... se comover apenas quando a vítima é uma vereadora, admitir que existe um grave problema de segurança pública apenas depois da morte dela e não quando matavam um policial a cada três dias... eu acho que estão um pouco atrasados...

Vamos repetir mais uma vez, pra não me acusarem aqui de algo que eu não estou falando. Eu não estou dizendo que a morte de Marielle não conte, não estou dizendo que não foi um crime bárbaro. Mas eu acho que não podemos nos esquecer de outros agentes públicos que estão sendo executados há muito tempo, e ninguém parece ter dado muito valor a isso. 

Honestamente... talvez se a sociedade em geral tivesse dito um "basta" há mais tempo, quando estavam matando policiais aos montes... talvez algo já estaria sendo feito, e talvez Marielle ainda estaria viva. Dizer que o crime está fora de controle somente depois da morte de uma vereadora do PSOL, ignorando a escalada da violência que sempre esteve aí encancarada na frente de todo mundo, é muita ingenuidade...

Enfim, mas o que mais me impressiona e me revolta é como que existem certas pessoas que estão descaradamente se aproveitando desse triste episódio como forma de fazer militancia política. Com todo o respeito à Marielle e seus familiares, mas o corpo nem esfriou e já tem um monte de cretinos usando esse crime como forma de promover uma agenda política e atacar seus adversários.

Era esperado... Pois Marielle não poderia ser uma vítima com mais "pedigree": mulher, negra, mãe, afiliada a um partido de esquerda e nascida na favela da Maré.

É só você olhar no seu Facebook, e certamente verá muitos de seus amigos, militantes inflamados da esquerda, colocando comentários e escrevendo textões dizendo os maiores absurdos. Por exemplo, tenho um ex-colega de faculdade que é negro, e extremamente politizado com as questões raciais a ponto de beirar o exagero. Tipo, ele só valoriza músicos negros, acha que a política de cotas é a melhor coisa do mundo e culpa todos os brancos pelo sofrimento dos negros. 

Eu nem precisei descer muito na página do Facebook pra ver ele interessado neste evento em particular:


Pôrra! Genocídio negro

Meu amigo... repense o que você está escrevendo. Repito mais uma vez, a violência carioca não escolhe a cor da pele. Você até pode argumentar que a maioria das vítimas são negras, tudo bem, são fatos. Mas dizer que isso se trata de um genocídio negro, aí eu acho que é um exagero. Ao fazer isso, esse tipo de acéfalos acabam promovendo uma idéia de que a segurança pública é um problema racial. Se há algum tipo de genocídio aqui, a vítima é a população como um todo, parem com essa idéia de só se comover quando a vítima é negra.

Vem cá... será que se Marielle fosse branca, quer dizer então que você não iria protestar? A morte de uma vereadora só é algo revoltante porque ela era negra? 

Isso pra mim tem um nome: RACISMO. Assim mesmo, em letras garrafais pra que vocês entendam. A mesma palavrinha que vocês, supostos defensores da igualdade racial, dizem combater.

Os exemplos não param, cheio de gente usando o episódio como forma de promover o ódio e a disputa política. Tipo esse sujeito aí.


Antes de mais nada, preciso dizer uma coisa, essa é uma das piores combinações que existe: petista e flamenguista. Não tem como sair boa coisa...

Esse é o o tipo de pensamento que muitas pessoas da esquerda promovem, o velho "nós contra eles". Ele acredita num discurso que, como Marielle era negra, mulher e de esquerda, quem a matou foram homens brancos racistas e de direita. Sinceramente, nunca vi demonstração tão exagerada de diarréia verbal. Vamos lá mais uma vez, o bandido mata seja quem for, não importa se é homem ou mulher, se é branco ou negro, se é eleitor do PT ou do PSDB. Na verdade, só tem uma classe que é sempre morta que são os policiais, esses sim os bandidos matam sem pensar duas vezes.

Na boa, o cara deve ser um CSI, algumas horas depois do crime e ele já sabe que os assassinos são homens brancos de direita. Deve ter sido o Temer quem mandou ela ser morta... Fala sério, vai tomar no rabo! Essa é uma típica acusação da esquerda parcial. Pois homens brancos são a escória da Humanidade. A não ser que sejam de esquerda...

Agora, interessante ver o seguinte: quando aquele comandante do batalhão do Méier sofreu uma emboscada em plena luz do dia e foi executado... pessoas como esse quadrúpede aí de cima disseram que tinha sido só um assalto, que não era execução, que tinha sido apenas uma mera coincidência... tá certo...

Outro exemplo que eu faço questão de mostrar como que esses esquerdopatas não tem o mínimo de respeito e consideração ao se aproveitar da morte de Marielle de forma tão cretina, como o puto que fez essa charge, compartilhada por mais um de meus coleguinhas da turma da foice e do martelo.


Pra mim, essa charge é uma evidente acusação de que ela teria sido executada pelos militares. Ou será que o desenhista queria dizer outra coisa?

Os esquerdistas precisam acordar e mudar um pouco o disco da vitrola, e parar com essa idéia fixa de que os militares são inimigos da democracia. Isso aí pra mim é discurso de enrustidos que queriam ter vivido na década de 60 pra lutar contra a ditadura, de imbecis que cismam com uma imagem dos militares moldada pelo professor de história da faculdade. Não discuto que houveram sim excessos promovidos pelos militares na época da ditadura... mas houveram excessos também dos supostos "defensores da democracia", vestindo camisa do Che Guevara. Ambos os lados tiveram anistia, mas depois a tal comissão da "verdade" só se preocupou em rever os crimes praticados por um dos lados... 

E tem mais, é incorreto comparar os militares de ontem com os de hoje. Recomendo que esses mortadelas leiam esse texto excelente do Gabeira aqui. O mesmo Gabeira que na época se revoltou contra os militares, que já foi da esquerda... mas que tem algo dentro da cabeça, que sabe reconhecer que passado é passado. Reproduzo aqui uma frase desse texto dele, que explica bem o que acontece: 
"Nesse momento de intervenção federal, pergunto-me se o Exército, para algumas pessoas da esquerda e mesmo alguns liberais na imprensa, ainda não é uma espécie de fantasma que marchou dos anos de chumbo até aqui, como se nada tivesse acontecido no caminho."
Provavelmente, para o chargista, o exército ainda é o passado... Digo mais, quer criticar a intervenção militar, ótimo. Então começa criticando a intervenção militar na Venezuela, seu filho da puta.

Você gosta de charges? Vai mais uma, que muitos "entendidos" defensores da mulher mais honesta do Brasil estão colocando nas redes sociais.


Qual é o recado aqui? Os esquerdopatas, mais uma vez tentando fazer uso da morte da vereadora para fins políticos, tentam afirmar que os tiros como os que vitimaram Marielle são de responsabilidade das pessoas que foram às ruas batendo panela para pedir o impeachment da Dilma. Ou seja, a culpa não é do crime organizado, mas daqueles que pediram a punição para uma presidente corrupta que estava acabando com o país.

Claro, na cabeça da turma do "Fora Temer", violência só teve a partir da queda da Dilma. Me desculpem, amiguinhos... mas isso não tem nada a ver. Quem bateu panela estava pedindo justiça contra uma governante que roubou e mentiu para a nação, da mesma forma que o "collorido" fez lá no passado. E que sofreu o impeachment motivado por muitos de vocês. E isso não tem nada a ver com o problema crônico de segurança no país, pois o crime sempre esteve aí. Antes, durante e depois o "império" do PT. Cortem essa falácia de dizer que a culpa da morte de uma pessoa é daqueles que lutam conta a corrupção, independente do partido que a promove.

E sabe, e ainda fico me perguntando o seguinte... Acho engraçado como a esquerda "paz e amor" vem agora criticar as pessoas que falam mal da vereadora... e são os mesmos que declaravam abertamente nas redes sociais que torciam pela morte do Temer durante as cirurgias que ele fez recentemente. Os mesmos que lamentam a morte da Marielle, mas provavelmente iriam adorar se fosse o Bolsonaro estendido no chão... Realmente, esquerda "paz e amor".

Pra completar, quer maior cara-de-pau do que Inácio I, ex-imperador do "Brasiu"?


Honestamente Lula... você desvendou tudo, foi um crime político sim. Me explica agora como que você classifica a tortura e morte do Celso Daniel, depois dele expor a corrupção que o PT, partido da "ética", promoveu na prefeitura de Santo André? 

Há quem diga que o assassinato da vereadora seja sim um crime político, pois ela estava responsável por acompanhar possíveis e supostos abusos por parte dos militares nas favelas, e logo depois dela tomar a frente disso ela foi morta. Interessante como ninguém se interessou jamais em estabelecer uma comissão para averiguar os abusos promovidos pelos traficantes de drogas nas favelas, mas tudo bem... Deixemos essa questão de lado e vamos assumir que só a polícia e os militares "esculacham" os moradores de favelas.

E aí esses "entendidos" dizem que a morte de Marielle é um ataque à democracia...

Me digam uma coisa, e a morte de centenas de policiais? E as inúmeras vítimas do tráfico de drogas? E a constante impunidade de vários crimes hediondos? E a proteção aos menores infratores? 

Isso não é um ataque à democracia?

Vamos repetir mais uma vez. Não estou menosprezando a barbaridade desse crime. Mas também eu acho que a sociedade em geral está enaltecendo-o demais. Digo de novo, a morte da vereadora é uma consequência da escalada desenfreada da violência ao longo de muitos anos, aliada à lentidão e incompetência da Justiça que promove uma sensação de tranquilidade e impunidade para os criminosos. Na mesma noite em que Marielle foi executada, tivemos vários outros crimes, um homem foi fuzilado na frente do próprio filho, por exemplo. Tudo isso é uma consequência de anos de descaso das autoridades e da sociedade em geral com a grave questão da segurança pública.

Muitos cariocas esquerdistas aí, que foram na Alerj fazer passeata em homenagem a Marielle, nunca se sensibilizaram com os crimes do Rio de Janeiro, só naqueles que poderiam ser usados como munição para seus discursos partidários; o Luciano Huck e a Angélica condenam a violência e as armas que contribuíram pra morte da vereadora, mas dizem isso dentro de seus carros blindados com segurança, algo inacessível pra maioria do povo; a Rede Globo dedica todo o seu espaço pra homenagear a política do PSOL e para falar da criminalidade carioca, mas não se preocupava muito com isso na época das Olimpíadas, dizendo que o carioca havia resgatado o orgulho de ser carioca...

Hipocrisia... tudo não passa de hipocrisia...

A comunidade artística do Projac chora a morte de Marielle, mas se cala com indiferença quando um comandante de polícia é executado. O Caetano vem cantar musiquinha em homenagem a vereadora, mas fica calado quando é pra falar algo de um pai de família morto na frente de seu filho. A mídia politicamente correta lamenta a perda de uma defensora dos direitos dos moradores de favela, mas se esquece do rapaz recém-formado morto em Botafogo, pelo simples fato de estar ali. 

Como disse, há vítimas com e sem "pedigree". Algumas delas merecem as lágrimas da sociedade, outras ficam só como estatística.

E termino repetindo o meu desprezo pelos cretinos aproveitadores, verdadeiros abutres que não perderam tempo para aproveitar esse episódio para fins políticos e ideológicos. É um tipo de gente que me enoja, que de forma egoísta e interesseira tenta usar a morte de Marielle para seus próprios fins. Como os idiotas que tentam transformar um problema de segurança pública em uma questão de preconceito racial e contra a mulher. Como os babacas que usam a morte da vereadora como incentivo para a luta política, com acusações infundadas de que ela foi vítima da direita. Como os estúpidos que se colocam incondicionalmente contra as autoridades policiais e militares, dizendo que ela foi eliminada pelo Exército que faz a intervenção na cidade.

É uma pena que Marielle tenha perdido sua vida, mais uma vítima em uma cidade em clima de guerra. Mas sua morte não deve ser mais chorada do que as inúmeras outras, tenho isso dito. Todas elas foram fruto do mesmo grave problema de segurança pública de nosso país, onde morrem mais de cem pessoas por dia. Essa tem que ser a preocupação de todos, em vez das agendas políticas e sociais de alguns grupos da sociedade. 

Espero ao menos que essa imensa repercussão sobre a morte da vereadora colabore com a solução desse grave problema da criminalidade, e não sirva apenas para inflamar o discurso de ódio da esquerda em prol de seus interesses...

Um comentário:

André Luiz disse...

Esses militantes esquerditas que se aproveitam da desgraça alheia são, sem dúvida alguma, abutres, são hienas, são carniceiros. Essa gente se alimenta da morte, do sofrimento, da miséria e do ódio. Fomentam tudo isso para ganhar adeptos e fazer proselitismo político e ideológico.
Enquanto o capitalismo, que eles tanto odeiam, a despeito de não ser perfeito - como qualquer invenção humana - promove prosperidade e progresso, o maldito socialismo vai deixando cadáveres pelo caminho. E depois a gente ainda tem que aguentar um energúmeno fazer uma charge - que, com certeza, ele julgou ser uma grande sacada - dizendo que a população, cansada de roubalheira, matou ao bater panelas. É mole?