sábado, 27 de janeiro de 2018

Super Amigos - Os Monstros Estão Chegando

Vamos aqui mais uma vez com um episódio de nossos grandes amigos de capa, os Super Amigos. Eu às vezes acho que é covardia fazer piada com uma animação que não tem a menor pretensão de ser sério e que beira o ridículo. Mas sem dúvida é engraçado ver como que conseguiram bolar uns desenhos hilários, com piadas prontas que me fazem duvidar se os produtores tinham mesmo a idéia de fazer uma série pra valer. Hoje é o dia da história Os Monstros Estão Chegando.


Cabem dois comentários antes de começar. Esse episódio foi sugestão de um leitor que acompanha o blog, uma das raras ocasiões que eu atendo pedidos. Mesmo porque o Lula poderia contar na sua mão quantos pedidos já chegaram no meu site. Mas é legal que tem gente curtindo aqui, e que eu não sou o único que leio meu blog.

E a outra coisa pra comentar é que esse é um daqueles episódios mais longos, de vinte minutos. Antes dos novos heróis como El Dorado e depois daqueles adolescentes escrotos, mas já com os Super Gêmeos. E com a presença do Aquaman...


Assim, se preparem para uma postagem meio grande, no estilo daquela do Falcão Azul. Mas vale a pena.

Começamos no centro espacial Kennedy, onde o narrador diz que está um ótimo tempo para o lançamento de um foguete que colocará o novo satélite da Globo no espaço. Acho que o sujeito tem um conceito meio absurdo de "ótimo tempo", ao vermos que o céu está todo encoberto e escuro, como se o furacão Irma estivesse vindo ali.


A contagem regressiva para o lançamento se aproxima do fim, embora eu não faça idéia como que o foguete vai subir se a plataforma o abraça daquele jeito.


Mas isso não parece incomodar os engenheiros da Nasa, posicionados ali com um alinhamento sincronizado de cabeças que só vi antes nas cartelas de Comandos em Ação.


O foguete é lançado, subindo em câmera lenta naquilo que imaginamos ser apenas mais uma operação de rotina para a agência espacial que já havia colocado o homem na Lua algumas vezes. O que poderia dar errado?


Logo aparece na tela uma mensagem de emergência, dizendo que o foguete não está com velocidade suficiente para alcançar a órbita. Nisso que dá confiar na gasolina comprada no Posto Ipiranga.


Vendo que o foguete provavelmente iria cair em alguma cidade ou outro lugar populoso, e temendo que o Trump achasse que tivesse sido um ataque do coreano gordinho, os caras decidem apertar o botão de auto-destruição, para assim evitar qualquer problema. Mas adivinha? O sistema também estava com defeito!


Puta merda, Nasa! Vocês já foram melhores...

E pra completar, a ponta do foguete (que mais parece o bico de uma cola Polar) explode, jogando longe o satélite genérico. Curioso observar como que em todos os desenhos os satélites têm esse formato, de uma bola cheia de anteninhas. E mais curioso ainda é o fato desse ser o design do Sputnik, primeiro satélite russo, mostrando que os desenhos da Hanna-Barbera não sabem nada de história da corrida espacial. Mesmo ela tendo acontecido há poucos anos atrás.


Sério... o desenho é de 1977, menos de dez anos depois do homem ter pisado na Lua... É curioso pensar que estamos falando de um desenho de 40 anos de idade, não acha?

Lá do outro lado da América, no Vale da Morte, o satélite finalmente encontra o chão, quicando como uma bola de praia e fazendo "boing", como você espera que um apetrecho espacial metálico faça ao cair no solo.


Não sei explicar porque, mas depois de quebrar começa então a sair uma radiação de dentro do satélite. Parece que na verdade a Nasa estava era querendo jogar lixo radioativo lá pro espaço sideral, isso sim!


E se tem uma coisa que os desenhos nos ensinaram é que quando algum ser vivo é atingido pela radiação...


... ele fica gigante e com sede de destruição. O Godzilla está aí pra comprovar.


Enquanto isso, na Sala de Justiça...


Nossos grandes amigos Zan e Jayna estão dando uma arrumada no armário para a limpeza de verão, quando encontram algumas tintas e pincéis, da época em que Zan queria pintar nu artístico mas só apareceram sujeitos querendo ficar pelados na frente dele. Quem estava usando aquela droga?


Claro, tinha que ser o Gleek, que está pintando um prato com bananas. Pois ele é um macaco, e não se interessa por nada além de bananas, como pensam os roteiristas sem originalidade... E nunca entendi porque os pintores precisam fazer esse joinha enquanto pintam.


E o acéfalo conseguiu a proeza de pintar na verdade é o seu dedo na frente das frutas. Mais uma demonstração do humor café com leite das animações da época.


Logo o alerta começa a tocar e o Batman liga a televisão. Nela, aparece um dos protagonistas do Chips, que conseguiu achar uma câmera no meio do deserto pra posar para essa chamada, dizendo que existem monstros gigantes passeando por ali e destruindo tudo, e vai sobrar pra ele, que é o patrulheiro do dia, limpar a zona toda.


Interessante ver como é a tecnologia no Super Amigos: o sujeito consegue fazer uma transmissão ao vivo como se estivesse em um iPhone, mas pra passar o áudio precisa de um walkie-talkie que parece ter sido roubado de um museu.

O Super-Homem diz que aquele era um assunto pra homens, dizendo que ele, Batman, Robin e Aquaman deveriam ir pra lá o mais rapidamente possível. Não sei de onde que ele está tirando que o Menino Prodígio podia ser considerado como homem, mas acho que o Batman não toparia ir em lugar nenhum sem seu puxa-saco juvenil...


Apesar da demonstração machista, a Mulher Maravilha e Jayna (que parece ter perdido metade de seu corpo por conta da preguiça do desenhista) não reclamam, talvez por nojinho de monstros. E Zan também parece não ter contestado muito o fato de que o Homem de Aço considerava o Robin mais homem que ele. Os três apenas concordam em ficar na Sala de Justiça, limpando as cortinas e fazendo a janta, enquanto os homens vão trabalhar.


Instantaneamente, os quatro chegam lá na região do chamado, e só encontram um monte de casas destruídas. Robin acha que foram os tais monstros gigantes que fizeram isso, mas o Batman manda ele se fuder, pois não tinha na região nenhum bicho daquele tamanho, e se tivesse eles não iriam perder tempo com uma favela. Provavelmente, aquela zorra ali tinha sido causada por flamenguistas depois de mais uma eliminação.


Logo eles escutam um urro e o Super-Homem se prontifica em ajudar, pois apenas ele tem a super-força necessária pra arrebentar algumas tábuas de madeira velhas. 


Atrás da tábua, está um capiau que fica puto por terem destruído a parede de seu barraco ali à toa. Aquele urro não era porque ele estava preso, mas sim poque estava com uma caganeira que borrou toda a sua cueca.


Ele explica então que um "largarto" gigante havia aparecido do nada e destruído a comunidade. O Batman o corrige, dizendo que "largarto" era a puta que pariu e que achava que aquele cara estava era bêbado. O Aquaman lembra que o carinha da Chips ainda estava perdido, e sugere que eles façam como a turma do Scooby Doo e se dividam para localizá-lo... Algo muito prudente quando existe a possibilidade de monstros gigantes por ali.


O Super-Homem, egoísta como só ele, decide ir sozinho pra dar uma vasculhada pelo deserto, dizendo para seus amigos pelo moderníssimo telefone que só encontrou areia. Só que de repente o chão começa a tremer.


E aparece uma minhoca gigante, saindo de dentro da terra. Por algum motivo me lembrei daquele filme tosco, O Ataque dos Vermes Malditos, que aliás acho que merecia aqui uma postagem. Se você não conhece... é outro filme doido pra cacete, daqueles da Sessão da Tarde, que é uma verdadeira piada.


Sem perder tempo, o Super-Homem pega na minhoca... 


E pare de pensar bobagem! Eu sei que essa frase pegou mal, mas é o diabo de uma minhoca, cacete!


Sem mais nem menos, a cena corta para um casal que está passeando de buggy no meio do deserto. Na verdade, imagino que o carinha estava pretendendo dar o golpe da gasolina que acabou pra ver se a mina iria topar alguma parada...


Só não esperava que outro minhocão aparecesse, estragando seus planos. Fico me perguntando por que essas minhocas tem essa boca dentuça...


Lá do alto, o Super-Homem percebe que apareceu outra minhoca, e assim ele se livra daquela, jogando lá embaixo sem nem olhar. Provavelmente vai cair em cima da cabana de alguém, mas o que a câmera não pega não fica na consciência do filho de Krypton.


A minhoca já está estuprando o buggy, enquanto que os adolescentes ficam ali sentados e gritando, em vez de simplesmente soltarem seus cintos e saírem dali. O Homem de Aço se pergunta então se valeria a pena salvar aqueles moleques mesmo, pois o mundo estava cheio de aborrescentes idiotas.


Mas ele é o herói do desenho... E além disso tava rolando uma aposta na Sala de Justiça sobre quem iria salvar mais pessoas nesse episódio, valendo dez pratas. Pensando nisso, o Super-Homem os salva do monstrengo, recomendando que eles fujam para a cidade. E que usem camisinha.


A outra minhoca se junta na briga, e o kriptoniano começa a dar umas voltas fora do foco da imagem, fazendo aquilo que se espera de um desenho para crianças...


... dando um "nó" das duas, embora ali pareça um mega cagalhão. Podia ter usado sua visão de calor pra fritar os vermes gigantes e acabar com tudo de uma vez, mas o Super-Homem quis ser bonzinho pra não arrumar problemas com o Ibama.


Enquanto isso, na Sala de Justiça... a Mulher Maravilha e os Super Gêmeos haviam encontrado as fotos eróticas que o Robin havia tirado para dar de presente para o Batman, o que deixa Jayna de calcinhas molhadas e o Zan desejando ter nascido cego.


A Mulher Maravilha tenta ser a adulta do recinto, e fica pesquisando no computador por uma explicação de todo esse incidente dos monstros. Como o roteiro do desenho estava ali no backup, rapidamente eles descobrem que um satélite havia caído e que levava uma carga radioativa. Ela diz que iria na Nasa pra ver se achava onde o satélite estava, e pede para que os Super Gêmeos fossem pra cama, pois já era hora da naninha, o que deixa Zan chateado, pois ele queria jogar videogame até tarde.


Vamos dar uma colher de chá para a Mulher Maravilha e não falar nada sobre o mapa do computador com uma seta e um puta alvo no meio do Vale da Morte, indicando onde o satélite havia caído.

Voltando lá no deserto, vemos que o Aquaman está fazendo a sua grande contribuição para a caça aos monstros, enquanto fica parado de boa, olhando para uma lagoa. Ou seria um lago?


Antes que ele conseguisse encontrar alguma coisa, uma lagosta gigante aparece ali do meio da lagoa (ou lago) e encontra ele. Essa é pra ele aprender a deixar de ser preguiçoso.  


Sabendo que no seco ele é um bosta, o Aquaman pula dentro da água pra tentar fugir dali, enquanto a lagosta (que por algum motivo tem um bigode igualzinho ao Leôncio do Pica-Pau) o persegue. Será que ele consegue escapar? 


Claro que não... Mesmo debaixo d'água, o Aquaman é um zero à esquerda.


Resta então ao herdeiro de Atlântida usar aquele seu poder de araque, pra se comunicar com os outros peixes para que eles possam ajudá-lo. De todos os Super Amigos, o Aquaman é sempre aquele que precisa da ajuda alheia pra se virar, até mesmo os Super Gêmeos conseguem ser mais independentes.


Ele tenta chamar alguns atuns pra ajudar, mas eles também ficaram monstruosos e por conta disso a telepatia marinha do Aquaman não surte efeito. E embora eu não curtisse muito a aula de Biologia, eu tenho a ligeira impressão que peixes não tem dentes, e muito menos caninos. E tampouco bigodinhos chineses fu-manchu.


Como se a situação dele já não estivesse suficientemente fudida, aparece então uma outra lagosta, que está com vontade de se vingar de suas irmãs que foram pra travessa das festinhas de grã-finos.


Aí... sem mais nem menos as duas lagostonas decidem brincar de Escravos de Jó, soltando o Aquaman. Puta merda, que cagada, hein? Tiveram que contar com a burrice dos crustáceos vitaminados para que a equipe da Sala de Justiça não ficasse desfalcada...


Enquanto isso, em outro canto do deserto, Batman e Robin caminham ali numa boa, pra fazer um exercício antes de pularem numa sauna. Faz todo o sentido fazer isso, em vez de usar o Bat-Jato que permitiria varrer um perímetro maior mais rapidamente e sem se expor ao calor do deserto.


Do nada, Robin dá um ataque, dizendo um "Santa Tartaruga" ao ver algo ali do lado. O que seria? Talvez era o Coringa soltando um barro atrás dum cactus, ou era o Charada vendendo pamonha. Ou talvez uma tartaruga mesmo.


Que nada... O susto do Robin foi ao ver várias bolhinhas de sabão ali no meio do deserto. O Batman taca um esporro no seu parceiro, pois não tinha motivo pra viadagem só por conta de algumas bolhas. Ele já tinha visto bolhas, quando tomavam banho de espuma juntos.


O Batman decide dar uma conferida naquelas bolhas, talvez seu Bat Identificador de Bolhas poderia dizer a origem daquela merda. Quando então Robin dá um grito estridente, após ser laçado por algo que parece ser a tromba de um elefante.


Eu disse tromba...

Simplesmente temos ali um caracol gigante, que conseguiu pegar o Menino Prodígio com sua antena. Curioso como a Dupla Dinâmica estava ali andando e não percebeu o bicharoco de quase dez metros de altura e que se move vagarosamente.


O Batman decide agir, e saca algo que lembra e muito um vibrador...


... mas que na verdade era um gancho, que ele deve usar para laçar o caracol, sei lá. Já desisti de entender os planos dos Super Amigos.


Não estou entendendo o que diabos o Homem Morcego quer fazer... Pois ele acaba pegando com seu Bat-Gancho em um tronco de árvore lá longe. Pra que isso?


Pra ficar se pendurando como o Tarzan... Na boa, era mais fácil ter sacado alguma arma pra atirar no caracol, mas assim ele não poderia fazer a manjada cena dele se balançando na Bat-Corda. Deve ser alguma obrigação contratual quando ele se alistou nos Super Amigos.


Com a elegância de uma ginasta romena, o Homem Morcego dá um mortal duplo carpado e pousa sobre o casco do caracol, que parece ter sido desenhado por um moleque de dois anos.


O Batman se equilibra sobre o molusco, graças aos Bat-Sapatos de Sucção, e diz que a única esperança para salvar seu parceiro seria se usasse o Bat-Absorvedor de Umidade. E eu não estou zoando, essa é a exata fala dele do desenho. O que será que esse puto não tem no seu Bat-Cinto de Utilidades?


O Bat-Absorvedor de Umidade nada mais é que uma garrafinha de lança-perfume, com a fragrância de sovaco de morcego depois da pelada, o que deve resolver o problema.


Dito e feito. Não sei se por conta da fumaceira ou pelo fedor, mas o pobre do caracol começa a passar mal e solta o Robin, que salta para o chão como uma gazela alegre.


Coitado do caracol, vai ficar fedendo à axila de morcego pelo resto do dia. Desesperado, o bichorongo sai se arrastando pra mergulhar na água, pra ver se assim se livra do futum.


Voltamos para a Nasa, onde a Mulher Maravilha está conversando com os engenheiros que lançaram o satélite. O chefe do programa espacial, que inexplicavelmente usa um capacete de obras que não tem nada a ver com engenharia de foguetes, explica que o satélite que eles fizeram era movido a energia nuclear, para que assim pudesse operar eternamente... pelo menos até o momento em que fosse desativado e retornasse para a atmosfera terrestre como uma bomba nuclear. E um dos efeitos possíveis seria transformar criaturas em monstros gigantes.


Ela pergunta onde que o satélite caiu, para ver se assim poderia recuperá-lo. Os engenheiros se perguntam se ela é idiota, pois afinal de contas todo mundo já estava sabendo pelo Cidade Alerta que haviam monstros gigantes no Vale da Morte. Mesmo assim, eles educadamente mostram pra ela o local no mapa onde o satélite caiu. Como a Mulher Maravilha tem miopia e é fresca demais pra usar óculos, ela precisa quase enfiar as fuças no monitor pra enxergar.


Sem perder tempo, ela se manda em seu avião invisível. Que segue a manjada sacada dos desenhos, onde tudo que é invisível aparece só com contornos em branco.


Após algumas horas de viagem, sem direito a lanchinho pois a amazona é fit, o alarme da aeronave começa a tocar, dizendo que há um elevado nível de radiação logo abaixo. O avião pode ser invisível, mas pelo menos os mostradores são coloridos, ia ficar difícil perceber uma luz vermelha se ela fosse invisível. Até porque se ela fosse invisível, não saberíamos se era vermelha, amarela ou cor-de-burro-quando-foge.


E era isso mesmo... alguns metros ali embaixo estava o satélite, rachado que nem um ovo podre. Prezando pela sua segurança, a Mulher Maravilha faz um rasante ali sobre o "inofensivo" apetrecho, vazando radiação pra todos os cantos.


Cara, me pergunto uma coisa: se o avião é invisível, como é que ele faz uma sombra ali embaixo?

Não deu outra... juntou a enorme radiação vinda do satélite com o fato dela estar nos seus dias, e aí bateu uma mega dor de cabeça que faz com que ela desmaie.


Normalmente, se o piloto de um avião perde os sentidos em pleno vôo, temos uma catástrofe. Mas aqui é um desenho animado bonzinho, e dessa forma a aeronave transparente da Mulher Maravilha simplesmente sai quicando tranquilamente pela areia, como se fosse de brinquedo.


Com a pancada, ela acorda do desmaio. E decide fazer a coisa mais prudente que se poderia imaginar: corre em direção ao satélite, pra levar um segundo banho de radiação. Parece que falta um pouco de inteligência pra essa besta da Mulher Maravilha...


Após sofrer a ação dos raios gama emanando da carcaça do Sputnik, a Mulher Maravilha cresce e vira uma besta verde. Stan Lee, se você queria uma desculpa pra processar a DC, a oportunidade é agora.


A cena corta então para uma base da Marinha no Vale da Morte... Algo que eu acho meio sem sentido, imaginar que a Marinha dos Estados Unidos investiu dinheiro dos contribuintes pra fazer uma base no meio do deserto, onde não tem uma poça de água.


O operador de radar fica desesperado, gritando para o seu comandante que tem um objeto gigante vindo na direção da base. E não era o comboio trazendo a cerveja do churrasco do fim de semana.


O vigia saca os seus binóculos pra ver que esbórnia é essa. E vemos que é a She-Hulk... quero dizer, a Mulher Maravilha monstrenga, que está vindo ali pra ensinar para praqueles soldadinhos o que é empoderamento feminino.


Os tanques de guerra, que aparentemente tem tudo a ver com a Marinha, cercam a criatura. Aliás, cometário paralelo: se a Mulher Maravilha ficou gigante, como é que as suas roupas acompanharam o seu tamanho? Dúvida cruel, desde os tempos do Hulk... embora confesso que não deveria ser muito agradável ver a periquita monstruosa de uma mutante verde e feiosa.


Logicamente que o tanque não é páreo pra Mulher Maravilha, que o chuta pra longe. Os soldados então tentam o apoio aéreo, com o helicóptero jogando alguns barbantes para amarrá-la. Já podemos imaginar que é uma péssima idéia.


Era de se esperar, a monstra começa a puxar as cordinhas, pra jogar o helicóptero para baixo. O piloto arrega, soltando os cabos e se mandando dali, afinal de contas ele não queria se alistar mesmo.


De volta na Sala de Justiça, os Super Gêmeos estavam ali assistindo ao Tela Quente quando aparece uma vinheta do plantão, falando de que uma base da Marinha estava sendo atacada por uma feminazi verde de seis metros de altura na TPM. Eles se dão conta de que ela parecia muito com a Mulher Maravilha, como se usar tiara fosse coisa da moda e pudesse ser outra pessoa.


Querendo fazer alguma coisa de útil no desenho os dois decidem ir para a base, e para isso ativam os seus poderes de transformação.


Pra mudar um pouco a irritante combinação águia e água, Jayna se transforma num falcão, que mais parece um pardal...


... enquanto que Zan por algum motivo vira um balanço de gelo. Mas pra quê isso?


Eu não entendi o motivo dessa transformação. Apenas fico aliviado pelo fato dele não ter se transformado em um picolé, ou essa cena em que o Gleek fica ali todo curvado poderia ficar meio imprópria pra criançada.


Mas na verdade o balanço era apenas uma cadeirinha, pra levar o símio junto com eles, que vai é ficar com a bunda gelada. Não sei por que cismam de levar esse macaco com eles, ele não serve pra nada! Deviam ter deixado ele numa gaiola com algumas bananas e um jornal pra não fazer sujeira.


De novo na base, a Mulher Maravilha Hulk continua tacando o zaralho, derrubando um muro de tijolos. Interessante como até agora ninguém na base decidiu usar a força bruta, podiam dar uns tiros naquele monstro e pronto.


Parece que alguém me escutou. Chega ali um outro tanque, extremamente mal desenhado, com um canhãozão vitaminado em riste, apontando para o céu como se tivesse tomado uma dose cavalar de Viagra.


Tá explicado o porquê desse tanque pseudo-erótico, quando vemos a pinta do comandante dele: um mané todo bombadão, usando uma camiseta regata estilo "mamãe sou forte" que dificilmente faz parte do uniforme militar, e que direciona o ataque olhando em um periscópio. Afinal de contas, é um tanque da Marinha, e faz todo sentido que ali exista um equipamento que você espera ver em um submarino.


Aliás... não faz o menor sentido.

Faz menos sentido ainda que o canhão não dispara um projétil, mas sim um raio laser. Me lembrei mais uma vez dos Comandos em Ação, onde no desenho todas as armas eram laser, com tiros em vermelho para os Joes e em azul para os Cobras. E que nunca acertavam ninguém, pior que os Stormtroopers.


Mas pra variar a arma futurista não surte nenhum efeito, só deixa a Mulher Maravilha mais puta ainda com essa demonstração de violência contra a mulher.


Os Super Gêmeos já estavam ali, surpresos ao ver a destruição causada por sua amiga. Tão surpresos que a camisa amarela do Gleek ficou roxa, sem nenhuma explicação.


Continuidade e coloração não parece ser o forte dessa geração de animadores...

Os dois decidem que é hora de agir, com o plano de levá-la para o deserto e longe da base. Para isso, vamos de novo para mais uma transformação em que Jayna vira algum bicho e Zan algum derivado de água...


Zan vira uma nevasca... que mais parece o redemoinho do Taz...


... enquanto que Jayna se transforma em um pterodáctilo, ainda mais tosco que o pardal que ela havia se transformado antes. Parece com a cara do Pato Donald, pombas!


Usando seu poder, Zan circunda a Mulher Maravilha monstro, fazendo com que ela pare. Afinal de contas, usando ali um biquini daqueles, ela deveria estar sentindo muito frio pra fazer qualquer coisa.


É a vez de Jayna pegar a monstruosidade para levá-la para longe. Mas em questão de segundos o plano dos irmãos vai pro espaço. Primeiro, porque a Mulher Maravilha pesa algumas toneladas, e Jayna se transformou em um pterodáctilo meio molenga. E depois, a radiação ainda estava forte, e assim eles começam a ser afetados também.


Pronto... os Super Gêmeos conseguiram piorar o problema, se transformando em monstrengos verdes também. Sensacional, conseguiram piorar o problema.


Gleek se desespera. Danou-se, agora que os seus donos haviam virado monstros, os outros Super-Amigos iriam mandar ele prum circo. 


A sorte da base da Marinha é que os três se cansam daquela merda, e decidem ir pra outro canto para espalhar o terror. Como se tivesse algo mais pra fazer num deserto.


Vamos deixar os Três Patetas caminhando lá para outro lugar pra arrumar confusão, e vamos voltar ao Vale da Morte, onde os demais Super Amigos se reencontram depois de terem contatos imediatos com os monstros gigantes, sem muito sucesso.


O Batman se emputece, que eles estavam ali perdendo tempo enfrentando aqueles bichos, era só avisar os turistas pra ficarem longe dali e irem pra Disneylândia que tava tudo tranquilo. O Super Homem rebate, dizendo que é obrigação deles enfrentar os monstros, mas desde que o Aquaman vá lá encarar as minhocas, pois ficar ali brigando com criaturas roliças estava pegando mal pra sua reputação.


O Homem Morcego manda o filho de Krypton tomar dentro, e decide dar uma olhada na televisão do seu Bat-Jato pra ver se já começou o jogo da tarde. Mas ele é surpreendido por uma chamada a cobrar interurbana.


Como ele tá cheio da grana, dá pra atender. E é o almirante da base naval do deserto, dizendo que eles foram atacados impiedosamente por três criaturas horrendas e fedidas. Como eles eram marinheiros acostumados a lutar nos mares, não tiveram nenhuma chance.


Logo aparece o videoteipe da chacina, mostrando a Mulher Maravilha e os Super Gêmeos monstruosos. Pra completar, o almirante diz que as minhocas gigantes estavam atacando a costa da California, e uma grande horda de moradores de São Francisco de orientação sexual duvidosa saiu correndo pra lá, ao ouvir que haviam "minhocas gigantes" por ali.


O Super Homem lembra ao Aquaman que é ele quem deve enfrentar as minhocas, mas vai acompanhá-lo só pra tirar umas fotos e colocar na comunidade do Feice dos Super-Amigos. Enquanto isso, Batman e Robin se candidatam a ir atrás dos monstros... Afinal de contas, essa era a deixa pro Batman descer a porrada nos Super Gêmeos sem correr o risco de aparecer algum defensor do ECA.


A cena corta para uma mina próxima, onde dois operários estão brincando de pique-pega enquanto estão carregando o vagão ali atrás com um pó branco misterioso.


E aí aparecem os Hulks, atraídos pela farinha. Devem estar loucos pra dar uma fungada no pó, bando de drogados!


Na hora H, a Dupla Dinâmica aparece em seu Bat-Jato. Era só mandar uns mísseis ali e pronto, tudo resolvido, e eles podiam voltar pra mansão Wayne a tempo de pegar o lanchinho da tarde do Alfred.


Mas em vez de tomar uma atitude definitiva, os dois decidem partir para uma abordagem menos letal e mais estúpida, a começar por se ejetarem do Bat-Jato que nem dois atletas de salto ornamental. E ao ver que os dois saem na mesma vertical, ficamos na dúvida se o Menino Prodígio estava sentado no colo do Homem Morcego... E se você percebeu bem, parece que eles se esqueceram de um pequeno detalhe, que foi colocar o pára-quedas.


Era pegadinha. Essa era a chance para o Batman testar o seu mais novo invento, o Bat-Pára-Quedas-Portátil, que cabe na sua carteira. Mais um produto das Organizações Wayne.


A Mulher Maravilha não está querendo dar colher de chá praqueles dois, que nos anos 60 faziam um monte de piadinhas na série de TV ridicularizando as mulheres. Com isso, ela decide pegar um vagão e jogar em cima deles.


Bom... você já imaginava. Recorrendo mais uma vez ao seu Bat-Cinto de Utilidades, o Homem Morcego saca um Bat-Maçarico para cortar uma porta no vagão. Parece um canivete suíço essa porcaria! E bobeando o cinto dele deve ter um Bat-Canivete-Suíço.


Enquanto isso, os Super Gêmeos decidem fazer arruaça num bondinho que os operários usavam pra ficar matando trabalho. Acontece que mesmo nessa forma monstruosa, os moleques são uns merdas e não conseguem fazer nada direito.


Por conta de um erro de continuidade crasso, o Batman está de volta ao Bat-Jato, reclamando que esse episódio já está perdendo a graça. Era melhor deixar os mineiros despencarem, pra assim acontecer algo de legal.


E não deu outra: com um característico "Snap" que mais parecia um elástico se rompendo, as cordas se arrebentam e os dois mineiros preguiçosos despencam para a morte certa.


Claro... pra resolver o problema, o Batman (que agora voltou à terra firme) saca mais uma de suas engenhocas loucas. Deve ser um Bat-Pegador-de-Bondinhos-Que-Caem... Até o Robin faz aquela cara de quem já não está mais surpreso com essa conveniência escrota.


Mas não, na verdade aquele era o Bat-Controle-Remoto do seu Bat-Jato, que inicia um vôo rasante em direção ao bonde. Sei lá, mas me parece que essa não é uma boa idéia.


Não sei como... mas desafiando todas as leis da Física o Batman consegue fisgar o bonde com um Bat-Gancho pendurado no seu Bat-Jato.


Enquanto isso... lá na California os minhocões já estão causando a maior zoeira na vizinhança do Charlie Harper.


O Super Homem está ali com o Aquaman e não perde a piada, dizendo que o Príncipe Submarino ia ter que pegar nas minhocas. Realmente, você é um pamonha, Super Homem. Fica aí zoando o Aquaman, mas lá em cima era você quem tava encoxando as minhocas.


Apesar das piadas, o Homem de Aço não quer perder a oportunidade de salvar o dia. Com isso, ele decide ir lá pegar nas minhocas de novo. Fica zoando, mas parece que curtiu pegar nos bichos, né?


Sim, eu sei... Tá bem pseudo-erótico esse desenho...


Vamos em frente... Depois de recolher todos os invertebrados, ele os leva para um passeio...


... jogando-os em uma caixa d'água. Acho um plano idiota, pois podemos ver que os minhocões já conseguem sair dali na maior facilidade.


Acontece que as minhocas gigantes já tinham escavado tudo por baixo da cidade, e assim com um mega tremor os prédios começam a afundar no chão. Acredite, os prédios estão tremendo, eu não ia gerar um GIF só por conta disso.


Se for o caso, balança a cabeça pra cima e pra baixo, pombas!

O Super-Homem se desespera, pois será o fim de São Francisco, e assim os Super Amigos não vão poder ser os convidados de honra da parada gay. Ele precisava pensar rápido em alguma coisa. E podia esquecer o Aquaman, que continuava lá no morro sem fazer pôrra nenhuma.


Aí então ele tem uma idéia: fazendo um rasante na praia, ele começa a trazer uma nuvem de areia de alguma forma atrás dele, e então ele voa para um dos buracos deixados pelas minhocas gigantes, levando a areia junto.


Realmente, algo que contraria totalmente as leis da Física... Com os buracos sendo preenchidos pela areia fina. Não faz o menor sentido, mas acredite que fica pior.


Pois ao encher a terra ali embaixo de areia, os prédios começam a subir, voltando para a sua posição de origem. Juntamente com um barulhinho que parece quando você pegava um cogumelo no Super Mario e ficava grandão. Puta merda, impossível isso! E de novo, não vou fazer um GIF animado, confia que os prédios ali embaixo estão subindo.


Após salvar São Francisco (e de alguma forma inexplicável ter conseguido sair debaixo da terra), o Homem de Aço recebe uma ligação no seu celular tijolão, que mais parece uma pedra. O toque personalizado do "nanananananananananananan, Batman!" indica que era o Homem Morcego. E aposto que você cantarolou a musiquinha na sua cabeça.


O morcegão diz que eles não conseguiram parar a Mulher Maravilha e os Super Gêmeos. Tudo bem que eles nem tentaram, mas o Super-Homem não precisava saber dessa. Assim, ele recomenda que todos voltem para a Sala de Justiça, para que todo mundo pudesse bater o ponto pra marcar a hora extra do dia, e também para consultar o computador para achar uma solução.


Depois de chegarem em casa, o Batman começa a digitar tudo no computador, enquanto o restante fica esperando. Passada meia hora de processamento e quinze minutos para imprimir a resposta numa impressora matricial (lembrem-se que estamos na década de 70), eles esperavam ter uma solução para reverter seus amigos à forma normal. Ou pelo menos a Mulher Maravilha, pra dar uma aliviada naquela festa de salsicha, já tava ficando meio desagradável só cueca ali dentro. Ainda mais cueca por cima da calça.


O plano era que o Super-Homem usasse a sua visão de raio X para reverter a polaridade da radiação do satélite, e assim gerando um antídoto para a monstruosidade. Algo que não faz o menor sentido, até mesmo o Aquaman que é uma besta não caiu nessa.


O computador sabe de tudo mesmo, pois logo depois ele fala que havia localizado o jato invisível da Mulher Maravilha, com uma mega fonte de radiação ao lado. Provavelmente era o tal satélite... que bastaria terem perguntado pra Nasa para saber onde estava. Enfim... era hora de ir lá no Vale da Morte e colocar o plano em prática.


Logo depois, o Super-Homem encontra o satélite. Ainda bem que ele é um alienígena a radiação não faz nada com ele, se fizesse os Super Amigos estavam lascados. Fazendo uma pose de metido, ele ativa a visão de raio X para ver se conseguia mudar a polaridade do efeito radioativo.


E aparentemente ele consegue. Deve ser, pois as ondinhas que eram amarelas ficaram azuis. Ou eles conseguiram um antídoto, ou uma radiação monstruosa ainda mais forte. E me expliquem como que os aparelhos internos do satélite aparecem através da carcaça. A não ser que o satélite seja de plástico.


Enquanto isso, numa estrada ali perto...


Encontramos o Pedro e o Bino dirigindo seu caminhão, levando um imenso carregamento de Havainas para exportação. Pra tentar economizar tempo, o Bino havia decidido pegar um atalho pelo deserto, onde poderia sentar a bota sem se preocupar com o limite de velocidade.


Como a gente já imaginava, estão lá os Super Monstros pra fazer uma recepção pra lá de desagradável. Foi dar uma de esperto pra cortar caminho? É uma cilada, Bino!


O Super-Homem chega na hora H com o satélite e decide usar os Super Gêmeos como cobaias do experimento. Se algo desse errado, ninguém iria sentir muito a falta deles mesmo. E observe que no estado monstruoso Zan conseguiu desenvolver uma monocelha de dar inveja.


Mas aí felizmente a radiação-antídoto funciona, não apenas revertendo os dois irmãos à forma original, mas também costurando as suas roupas rasgadas. Radiação da boa essa aí, cura monstruosidade e remenda os trapos!


Percebam que nesse episódio o filho de Krypton é quem está fazendo tudo, sem dúvida ele vai ficar com a maior parte da gorjeta por ter salvo o dia. Ele corre para fazer o mesmo com a Mulher Maravilha, que está ali fazendo levantamento de peso com o caminhão do Pedro e do Bino.


Pronto, a amazona voltou a ser como era antes. Sem perder tempo, o Homem de Aço pergunta se ela topa um rala e rola depois de terminar o episódio, já que ele a salvou de ser uma monstrenga fedida e verde.


Pra fechar a conta, só faltava terminar com os monstros de verdade. Querendo contribuir com alguma coisa, o Batman serrou o satélite ao meio, colocando metade no nariz do seu Bat-Jato...


... e a outra metade no nariz do avião invisível da Mulher Maravilha. Assim eles poderiam se dividir e usar o antídoto sobre os monstros.


O Super-Homem, que está com as outras duas metades do satélite, diz que é hora de agir, se eles corressem daria pra ver o BBB na televisão.


Bom, é isso mesmo que você leu... ou tinha um segundo satélite que ninguém viu, ou os roteiristas não sabem conceitos elementares da Matemática, como o fato de um inteiro ter apenas duas metades. Mas deixaremos esse detalhe aritmético de lado, pra terminar logo o post.


Aliás, um detalhe minucioso, que talvez você só possa perceber se ampliar a imagem: no Bat-Jato, estão a Dupla Dinâmica e os Super Gêmeos, enquanto que a Mulher Maravilha está sozinha no seu avião. Cacete, será que deixaram o Aquaman a pé no meio do deserto?

E aí, como esperado, os monstros que estavam ali fazendo zorra pelos cantos voltam ao tamanho normal, depois de serem atingidos pelas ondinhas azuis de radiação do bem.


Isso incluiu os minhocões, que haviam saído da caixa d'água e estavam escavando tudo de novo embaixo da cidade de São Francisco. Mas não tem problema, bastaria o Super-Homem fazer aquele truque idiota e incompreensível de arrastar areia pra dentro dos buracos que tudo ia ficar sussa.


De volta na Sala de Justiça, os heróis respiram aliviados, pois tudo havia acabado. A Mulher Maravilha está particularmente feliz, pois o efeito da radiação-antídoto fez ela perder os quilinhos extras mais rápido do que qualquer dieta milagrosa, e vai poder sensualizar na praia no verão.


Aí o Zan se dá conta que ninguém viu o Gleek, que também havia sido esquecido no deserto. Mas antes que ele pudesse pensar em ir no pet shop e comprar um novo macaco de estimação, ele se caga nas calças ao ver um Gleek gigante que aparece do nada.


Só que o boboca não percebe que aquilo ali era simplesmente uma projeção numa parede que o Gleek estava fazendo, ao ver um filme caseiro de quando ele havia viajado junto com o Bubbles e o macaco Tião.


Claro... um desenho dos Super Amigos nunca será um desenho dos Super Amigos se não tiver a manjada piadinha de encerramento com esse macaco idiota, complementada com as risadinhas dos heróis.

E chegamos ao final deste episódio. Bem interessante e curioso, ao colocar de certa forma alguns dos Super Amigos como os bandidos da história, embora logicamente após terem sido transformados em monstrengos. Sem dúvida hilário, imaginar um desenho de algumas décadas e que tinha tanta coisa sem o menor sentido, mas que dá para dar algumas boas gargalhadas.

Só digo o seguinte: acho que vai levar um tempo até eu fazer postagens de sátiras de episódios como esse aí. Esses são desenhos mais longos, de vinte minutos, tava mais acostumado a zoar aqueles mais curtinhos de dez. Além do fato da postagem ficar imensa, foram quase 150 imagens tiradas. Mas valeu a pena, vamos ver o próximo episódio dos Super Amigos que eu coloco por aqui.

4 comentários:

Ciro Lira disse...

Como sempre as sátiras são bem divertidas. O Ataque dos Vermes Malditos é um trash clássico, o SBT passava com frequencia no finado Cinema em Casa. Apoio uma futura sátira dele. E feliz ano novo, Texugo! Meio que atrasado, mas ta valendo

Texugo disse...

Obrigado por mais um comentário e pela visita, e também pelos votos de ano novo, desejo o mesmo para você!

Realmente, Ataque dos Vermes Malditos merece uma sátira aqui. Confesso que eu estou fazendo uma série de posts aqui e provavelmente o filme dos monstrengos subterrâneos vai ter que esperar um pouco, mas certamente vale a pena zoar esse clássico.

netsfera disse...

Texugo, estou visitando hoje (01 de Março de 2018) a sua postagem e quero agradecer do fundo do meu coração pelo EXCELENTE TRABALHO! Eu estava de férias e fiquei o mês inteiro sem acessar a Internet e só hoje me dei conta! Fico muito feliz de você ter aceitado o meu pedido. Demorou para postar, mas foi um trabalho caprichado, com direito a dezenas de imagens capturadas! E todas elas PERFEITAS PARA ILUSTRAR A SUA CRÍTICA! Ficou demais. Um misto de sátira com dúvidas curiosas! Você pode não acreditar, mas quando vi esse desenho pela primeira vez, eu tinha 5 anos de idade e fiquei traumatizado com a narrativa. Sobretudo ao ver uma heroína transformada em um monstro gigante e musculoso semelhante ao HULK (algo que inclusive você menciona na sua crítica)! Ela ficou horrível e vê-la monstruosa e irritada ao longo do episódio me deixou chocado! Era um misto de pena e medo.
VOLTANDO À SUA CRÍTICA, Já nos primeiros parágrafos, você arrasa! Como por exemplo no trecho: "E se tem uma coisa que os desenhos nos ensinaram é que quando algum ser vivo é atingido pela radiação...ele fica gigante e com sede de destruição. O Godzilla está aí pra comprovar." LOGO DEPOIS, quando fala sobre a tecnologia da década de 1970 ao dizer: "a tecnologia no Super Amigos: o sujeito consegue fazer uma transmissão ao vivo como se estivesse em um iPhone, mas pra passar o áudio precisa de um walkie-talkie que parece ter sido roubado de um museu." CONTINUO NO OUTRO COMENTÁRIO...

netsfera disse...

Texugo, continuando o meu comentário, esse episódio em si, toma um rumo completamente diferente quando a Mulher Maravilha é transformada em "SHE-HULK". Nos momentos que antecedem a transformação, quando assisti, eu pensei comigo, como pôde algo assim acontecer com os roteiristas? VOCÊ DESCREVE ISSO PERFEITAMENTE ao dizer: "prezando pela sua segurança, a Mulher Maravilha faz um rasante ali sobre o "inofensivo" apetrecho, vazando radiação pra todos os cantos." E DEPOIS VOCÊ DIZ: "Não deu outra... juntou a enorme radiação vinda do satélite com o fato dela estar nos seus dias, e aí bateu uma mega dor de cabeça que faz com que ela desmaie." E FECHANDO: "decide fazer a coisa mais prudente que se poderia imaginar: corre em direção ao satélite, pra levar um segundo banho de radiação."
Nesse momento em que ela está de frente ao satélite, ela coloca as mãos lado-a-lado na cabeça e franze a sobrancelha e abre a boca rapidamente em um frame de segundo, mostrando o que parece ser uma dor imensa... E AINDA DIZ: "Oh não! É o satélite!" (como uma voz trêmula)...
EU FICO IMAGINANDO APÓS TODOS ESSES ANOS, É MEIO BURRICE TOTAL DOS ROTEIRISTAS ESCREVEREM ESTA CENA... Se ela acordou com o choque da queda (como você mesmo falou), não é possível que tinha consciência de onde estava!!!

vOCÊ MENCIONOU O FATO DE O SATÉLITE SE PARECER COM O SPUTNIK... Isso eu só fui descobrir anos mais tarde, quando aprendi na escola sobre a corrida espacial. E engraçado que em outros desenhos da Hanna-Barbera, algo semelhante acontece... satélites são retratadados como esferas ou cubos...

QUANDO O SUPER-HOMEM aplica a radiação-antídoto sobre os Superamigos afetados, interessante e inevitável foi o fato de você comentar sobre as roupas rasgadas dos Super Gêmeos voltarem ao normal... hilário. E como momentos atrás no desenho, a roupa da Mulher Maravilha não se rasgar, já que foi afetada da mesma maneira... Acho que foi porque ela usava apenas aquele "maiô" e os braços e pernas estarem livres...

Agora, você não tem idéia como eu rachei de rir com a referência ao "Carga Pesada" quando o caminhão atravessa a rodovia no Vale da Morte. Foi hilária! LOGO APÓS ISSO, QUANDO OS SUPERAMIGOS SE REUNEM VOCÊ CITA AQUILO QUE TALVEZ FOI A MAIOR FALHA DO ROTEIRO (OU QUE NÃO FOI EXPLICADO... o satélite ter sido dividido em duas partes... e ambas terem sido colocadas no Batjato e no Jato Invisível... Nossa, como pode? Ou será que as "metades das esferas" eram apenas receptáculos para a "sucata" do satélite ficar acondicionada?
ENFIM, TEXUGO, FOI UMA ANÁLISE CHOCANTE! QUERO AGRADECER IMENSAMENTE MAIS UMA VEZ POR TER ATENDIDO O MEU PEDIDO E FAZER ESTA POSTAGEM. Você arrasou no texto, na escolha das imagens e nas referências à cultura e história mundial. Meus parabéns! FELICIDADE, VIDA LONGA E SUCESSO!