sábado, 21 de outubro de 2017

Johnny Bravo - Bravo Dooby-Doo

Acho melhor voltar para as sátiras de desenhos, não é verdade? Bem mais curtos, consigo resolver em um post somente, e costumam ser muito hilárias e engraçadas. E dessa vez, eu vou ser um pouco original e fugir dos heróis da Hanna-Barbera, já tivemos vários episódios dos Super Amigos, cada um mais tosco que o outro. Dessa vez, vamos partir para algo mais light, embora ainda tenha uma grande influência do universo HB. Está na hora de ver um desenho sensacional, quando o nosso amigo machão Johnny Bravo se encontra com a turma do Scooby-Doo.


Na época áurea do Cartoon Network, Johnny Bravo era um de meus desenhos favoritos. Muito hilário, ele sempre querendo bancar o pegador e se dando mal com as garotas. Ainda mais com a pinta de bombadão e voz de academia, que tornavam ele ainda mais engraçado. E neste episódio ele acaba cruzando com o cachorro falante mais famoso do universo Hanna-Barbera... Aliás, é interessante como Scooby e seus amigos estão sempre participando de algum cross-over com outros desenhos...

Começamos o desenho no meio da estrada, de noite, no meio de uma tempestade. Como as histórias misteriosas precisam começar... 


E nessa estrada tem um carro todo estropiado, com peças caindo pelos cantos, como se estivesse sendo pilotado pelo Rubinho depois de uma corrida daquelas. Detalhe para a roda que não é redonda, deve ser por isso que ele quebrou.


Mas na verdade quem está ali todo abafado é o Johnny Bravo. Seu carro esportivo da década de 70, comprado a 86 prestações, tinha pifado no meio da noite, sem mais nem menos. Teria sido melhor ter investido num importado em vez de um carro que fazia parte do cenário de um dos filmes do Elvis.


Como de costume, quando o carro quebra a primeira coisa que fazemos é abrir o capô e ficar olhando ali dentro, pra chegar à conclusão extremamente conclusiva de que o carro pifou. É um ritual que geralmente fazemos, parece que assim dá a impressão de que estamos entendendo o que se passa... Mas no caso de nosso amigo Johnny, depois de encontrar um balde de peixes ali dentro, realmente não dá para entender nada.


Essa é uma das típicas piadas que fazem mais sentido em inglês. No dublado, ele diz "isso não está me cheirando bem". Aposto que no original, ele fala algo como "this smells fishy", e daí o pote com peixes.

Vendo que ele precisa de um mecânico (ou talvez de um pescador), Johnny desiste de seguir com os reparos, ao perceber um furgão chegando. Melhor era esticar o polegar e pedir uma carona. Algo muito prudente de se fazer em uma estrada deserta...


E, como já era esperado por conta do título do desenho, o que chega ali é a famosa kombi verde chamada Máquina do Mistério, com os adolescentes favoritos da Hanna-Barbera e o seu cachorro gigante.


Johnny então começa a explicar a situação, dizendo que seu carro made in America quebrou, e ele estava a caminho da casa de sua tia Gebediza (que nome escroto), que o havia convidado para comer um angu de fígado com farinha, perguntando se eles poderiam dar uma carona pra ele.


Scooby e seus amigos ficam ali com uma cara de bunda. Ou não entenderam o sotaque bombado de Johnny, ou ainda estão digerindo a idéia do angu de fígado com farinha, que devia dar uma baita dor de barriga.


Nosso amigo Johnny fica meio puto... Tudo bem então, se eles não queriam dar uma carona pra ele até a mansão mal-assombrada de sua tia, então que eles seguissem o rumo deles. Ele esperaria por alguém mais educado, como o Capitão Caverna ou a Quadrilha de Morte.


Pronto... foi só falar em "mansão mal-assombrada" que a galerinha acorda e se oferece pra dar uma carona pra ele. Só pensam em mistérios esses bocós!


Rápido como um raio, Johnny entra no furgão. E seus hormônios explodem ao ver a ruivinha Daphne, toda meiguinha em seu vestido roxo. Mas parece que é Velma quem fica interessada no grandão, dizendo que ela não morde. Enquanto isso, Salsicha e Scooby estão ali pensando na morte da bezerra.


Mas logo se distraem com o topete do Johnny, dizendo que aquilo ali era pior que o do Itamar Franco. Embora, convenhamos que o penteado estilo cabeça de cuia do Salsicha não é lá essas coisas também.


Enquanto seguem pela estrada a caminho da mansão da tia Gebediza, Johnny começa os seus movimentos frenéticos de estufar o peito e mostrar o muque para Daphne, que torce o nariz como se estivesse assistindo o programa do R.R.Soares.


Dois minutos depois, a mansão aparece... Mostrando que Johnny só precisava caminhar mais alguns metros pra chegar lá. Temos que dizer que a tia Gebediza realmente deve odiar a vida em sociedade, pra se esconder num lugar com esse.


Johnny Bravo vai lá então pra bater na porta, se esquecendo que hoje em dia ninguém mais bate na porta, é só tocar a campainha...


... mas o pior é que a porta abre sozinha. Seguindo mais uma das idéias clássicas dos filmes de terror. Vemos também que a tia Gebediza deve ter dispensado a faxineira, pra deixar o lugar cheio de teias de aranha pelos cantos.


Os garotos entram na mansão, chamando pela tia Gebediza (será que é com "G" mesmo, ou era com "J"?). Velma tenta ficar pertinho do Johnny, e perceba como Fred anda todo curvado como se quisesse mostrar para Daphne que carrega muito peso ali na frente. Salsicha e Scooby por sua vez já procuram a cozinha.


Logo, o som de um urro é escutado pela mansão, como se alguém estivesse fazendo força pra cagar.


Salsicha, mesmo depois de já ter encarado trezentos episódios de seu desenho desmascarando fantasmas que na verdade eram larápios disfarçados, se borra de medo e pula no colo do Scooby. Johnny então tem uma idéia...


... e pula no colo de Daphne, perguntando se alguém já disse que ela é uma gata, e se ela já tinha brincando de médico.


Daphne passa por um momento de empoderamento feminino e joga Johnny de cara no chão. Afinal de contas, ela é uma moça de respeito, e não está com vontade de todo esse contato físico exagerado com um bombado metido.


Scooby e Salsicha decidem se mandar, mas Fred os segura. Afinal de contas, eles fazem parte do clubinho de caçadores de mistérios, e não podem arregar assim tão facilmente.


Isso sempre me fez pensar... O que diabos Fred, Daphne, Velma e Salsicha fazem da vida? Esses moleques não estudam não? Ficam por aí, andando sozinhos na noite, em um furgão que deve feder a maconha, caçando mistérios enquanto seus pais ficam em casa preocupados, e se perguntando quando é que eles vão tomar vergonha na cara pra estudar pra faculdade? 

Enfim... eles começam então a procurar pela tia Gebediza. Só se esqueceram que deveriam procurar em algum lugar decente, onde uma pessoa poderia se esconder. Ou Salsicha está atrás do esconderijo das balinhas de morango. Afinal de contas, toda senhora de idade sempre tem balinhas de morango em casa para dar para os pimpolhos.


É sério... Certamente você já deve ter visto essas balas. Agora, duvido que você saiba onde se compra. Impossível, essas aí surgiam do nada, ninguém nunca descobriu de onde elas vêm. Isso sim que é um mistério.


Salsicha encontra uma porta, que provavelmente deve dar para a cozinha, e chama Scooby para acompanhá-lo pra fazer uma boquinha. Meio sem educação, sair ali na casa da velha e fuçando a geladeira, mas realmente não podemos esperar muito desses dois.


Só que lá dentro tem um sujeito de pele branca, vestido de fazendeiro e com um ancinho, resmungando "tem gente". Só tenho que dizer que se o cara precisava levar um ancinho pro W.C. não deveria estar fácil pra liberar o Mandela.


Somos então apresentados ao vilão da noite, o fantasma fazendeiro. Vendo o monstro, Salsicha ganha um permanente grátis e começa a gritar junto com seu fiel cachorro.


Sem perder tempo, os dois partem pra cima da porta e trancam o fantasmagórico ali dentro. Não sei se faria muito sentido, pois se fosse um fantasma mesmo, ele poderia passar pela porta sem problemas. Já podemos imaginar que esse aí é mais um daqueles vagabundos mascarados que são derrotados no final.


Alheio a toda a algazarra, Johnny continua chamando sua tia. E perceba que Velma está toda babante pelo topetudo, imaginando como eram os músculos debaixo daquela camiseta justinha e se ele curtia meninas nerds e inteligentes mas com uma libido explosiva e desesperada, como a Amy do Big Bang Theory.


Acontece que Salsicha e Scooby estão ali correndo desesperados na contramão, não tenha dúvidas que teremos uma batida. Curioso observar como que o medo fez que os dois ficassem desproporcionalmente maiores que o Johnny.


KABAM!!! E então eles saem voando pelos ares, sorte que a saia da Velma não levantou.


Depois do strike, Velma fica desesperada, pois ela perdeu seus óculos, e não consegue enxergar nem meio palmo sem eles...


Enquanto Johnny fica ainda mais desesperado, pois ele não pode ser visto sem seus óculos.


Hilário isso, realmente ele nunca apareceu sem seus óculos escuros, quase como se fosse o Jorge Benjor. Outro que me lembrou foi do Milhouse, será que o Johnny era que nem o amigo do Bart Simpson?


Como era esperado, os dois acabam trocando de óculos... Essa piada era mais manjada do que o especial de fim de ano do Roberto Carlos.


Johnny é mais rápido e destroca os óculos. E taca um esporro na Velma, dizendo pra da próxima vez não colocar seus dedos melequentos nas lentes. Ela fica extasiada, por ter sentido o cheirinho das remelas do fortão, imaginando o que ele estava querendo dizer com aquele "da próxima vez".


Resolvida a bagunça, todos eles vão lá para olhar o armário misterioso. É realmente interessante observar como que, diante da possibilidade de ter um maluco ali dentro com um ancinho, todo mundo deixa a Velma abrir a porta. Realmente, alguém precisa ensinar algumas noções de cavalheirismo para o Fred e o Johnny.


Pro Salsicha não, pois ele é um covarde mesmo...

TAM-TAM-TAAAAAMMM... e atrás da porta número 1, só tem um ancinho.


Temos então um repeteco, com o Salsicha se borrando de novo e pulando no colo de seu cachorro...


... e Johnny aproveita a deixa pra se jogar no colo de Daphne, perguntando se ela curte cachorrinho.


Agora, eu precise tirar esse print, onde presenciamos que a meiga e doce Daphne, do alto de seus cinquenta e poucos quilos generosamente distribuídos em seu corpo adolescente sensacional, tem a  força de um gorila e consegue erguer o Johnny como se fosse uma merendeira.


É Johnny... desiste pois essa aí não vai dar mole pra você. Ou se contenta com a Velma mesmo, ou tome uma decisão polêmica e comece a dar em cima do Fred. Com esse lencinho laranja, tá na cara que ele curte uma barba roçando no cangote.


Nossa amiguinha quatro-olhos pede pra todo mundo parar com a zona, pois aquele ali era só um ancinho velho e mal desenhado. Essa era apenas a primeira pista da noite, só faltava descobrir o aposento e o suspeito e eles ganhariam a partida de Detetive. Aposto no Coronel Mostarda, na biblioteca, com o ancinho.


Isso aí... vou chamar o fantasma de Coronel Mostarda.

Fred faz uma cara de babaca, dizendo que já percebeu uma outra pista, enquanto Daphne ainda parece estar fula da vida com o Johnny.


Olhando para o cabo do ancinho Fred percebe que ele está coberto de alguma coisa branca, que parecia ser farinha. Farinha de verdade, diga-se de passagem. Vamos lembrar que esse é um desenho de família...


Scooby então começa a estranhar o fato de um fantasma estar coberto de farinha... Isso comprovava que não era um fantasma de verdade. Claro! Acho que os fantasmas devem ser alérgicos à farinha, como eu não pensei nisso antes?


Johnny não está entendendo pôrra nenhuma, e então chega ali pra Velma e pergunta aquilo que todos nós sempre nos perguntávamos: como que eles entendiam o que aquele cachorro dizia? Ninguém achava estranho um cão falante? Por que eles estavam ali caçando mistérios em vez de estarem ganhando a vida apresentando o Scooby num show de auditório?


Chegou então outra hora extremamente previsível do desenho. Aquela hora que o Fred, que acha que é o líder da turma mas que não passa de um panaca de lenço laranja, sugere que eles se separem.


Mais uma vez, Johnny começa a questionar. Puta merda, tinha ali um maníaco coberto de farinha com um ancinho velho, e a primeira coisa que aquele loirinho magricela sugeriu era que eles se separassem? Realmente não fazia o menor sentido isso...


... mas Johnny logo pensa que poderia ser interessante, se a Daphne topasse fazer dupla de dois com ele, para que investigassem a cama do quarto. E pela expressão, parece que só o Scooby entendeu as quintas intenções do topete.


A ruivinha se emputece de vez, acertando um pisão no pé de Johnny. Sorte que não foi um chute nas bolas. Já falei, não vai rolar... Tenta alguma coisa com a Velma que já é lucro.


Daphne decide tomar as rédeas da divisão dos grupos, sugerindo que Scooby e Fred fossem olhar o andar de cima, enquanto que ela e Velma iriam no porão.


Só que aí Fred chega de mansinho... dá aquela tossidinha inocente e uma piscadinha de olho pra ela...


E Daphne muda de planos repentinamente, sugerindo que Scooby e Velma fossem olhar o andar de cima, enquanto ela e Fred iriam no porão.


Malandrão esse Fred, viu? Vai aproveitar ali o escurinho do porão pra ver com a Daphne se as cortinas combinam com o carpete e brincar de esconder a minhoca na toca. De bobos, esses dois aí não tem nada!


Johnny fica ali boladão, olhando o mexe-remexe do traseiro de Daphne enquanto ela vai ali "procurar pistas" com o Fred. Com aquela sensação do time de futebol da escola que escolhe por último, ele se dá conta que vai ficar com o Salsicha, que mais uma vez está pensando em ir na cozinha filar uma bóia.


É, Johnny... Esse Salsicha só pensa em comida! Deve é estar com uma larica desgraçada.


Chegando na bendita cozinha, Salsicha já acha a porta da dispensa, marcada por algum motivo com um "P", se perguntando que tipo de guloseimas deveria ter ali. Esse "P" pode significar várias coisas, como "puteiro" ou coisa parecida, mas certamente não era uma dispensa. E eu não sei por que, mas eu estou com uma sensação de deja vu...



Não deu outra, lá está o Coronel Mostarda, dentro da dispensa. Eu sabia, depois deles terem repetido a piadinha do Johnny pulando no colo da Daphne duas vezes, era de se esperar que os escritores estavam meio sem originalidade na hora de fazer esse desenho.


Aliás, não é só criatividade que está faltando, mas também continuidade. Isso pode ser visto na cena logo a seguir, em que se esqueceram do Johnny ali do lado e apareceu misteriosamente um carrinho de mão com o Coronel Mostarda.


Seguindo com a repetição de idéias, Salsicha fecha a porta na cara do fantasma...


... mas dessa vez ele acerta um soco e arrebenta a porta, pra mostrar quem é que manda ali.


Com a velocidade do Usain Bolt, Salsicha voa pra dentro de um barril de maçãs pra se esconder. E como precisa de calor humano, puxa o Johnny Bravo pra dentro também. Não entraremos no detalhe de como os dois caberiam ali.


Parece que esse episódio vai usar todos os clichês de desenhos animados, quando vemos os dois andando de fininho, crentes que o Coronel Mostarda não ia achar nada estranho no fato de um barril sair caminhado por ali.


Salsicha se pergunta como que ele os encontrou lá dentro. Sério, Salsicha? Você ainda pergunta?


Para nossa surpresa, os dois atiram algumas maçãs na cara do fantasma, como se isso fosse resolver alguma coisa. Só deixaram ele mais puto ainda. E devem ser maçãs podres, pra explodirem assim como se fossem um purê.


Começa então aquela cena tosquinha que é comum nos desenhos, em que Salsicha e Scooby... quer dizer, Salsicha e Johnny saem correndo do bandido, ao som de uma trilha sonora chatinha dos anos 70.


Na fuga, Johnny vai passando pro vários espelhos, sempre dando uma conferida no topete...


... até que ele pede pros outros darem uma paradinha...


... enquanto ele dá a arrumada no topetão. Sabe como é, precisava agradar à Macholândia, patrocinadora do desenho que vende produtos de beleza masculinos, para o homem "moderno" que gosta de cuidar dos cabelos.


A perseguição continua com todas as tiradas obrigatórias. Como quando Salsicha e Johnny se escondem atrás de uma cortina e deixam o Coronel passar, pra que depois ele milagrosamente apareça ali atrás da mesma cortina...


... ou as incessantes voltas que eles ficam dando em uma passagem.


Até que, como esperado, Johnny se esconde ali no canto, enquanto os outros continuam correndo em círculos. Poderia ter se mandado dali, mas não. Ele decide fazer alguma coisa de útil.


Nosso amigo bombado saca então uma puta marreta gigante, que estava discretamente guardada em seu bolso. Já estão apelando...


E ele acerta uma marretada... como já dava pra esperar, nos cornos do Salsicha, em vez de esperar pra acertar o Coronel. Tá virando Tom & Jerry essa merda? Se bem que acho que o Johnny estava querendo mesmo acertar uma cacetada naquele magricela pirado com sua marreta biônica.


Pra completar, o Coronel Mostarda chega ali de mansinho e pega o martelo da mão de Johnny...


... e temos pizza de marombado.


Honestamente... estou ficando de saco cheio desse encheção da perseguição. Ficam ali rendendo uns cinco minutos com isso, só pra gastar filme. Tá na hora de terminar isso.


Mas não sem antes presenciarmos mais uma trombada, dessa vez eles atropelam Velma e Scooby, que estavam ali passeando.


A Velma malandramente aproveita a deixa pra segurar Johnny, dizendo que ela não é besta como a Daphne, e vai segurá-lo ali com carinho.


Bora pra outra cena obrigatória, quando eles chegam em um corredor com um porrão de portas, e ficam entrando e saindo delas. Caramba, realmente gastaram todos os clichês de desenho animado aqui, não é?


Até que por algum motivo, todos eles caem dentro do carrinho de mão, que o Scooby começa a empurrar.


Chega de bancar o fantasminha camarada... O Coronel Mostarda saca então uma moto-serra ridícula, e se prepara para fazer picadinho daqueles adolescentes chatos.


Mas aí todos eles despencam pela escada, que nem um carrinho de compras desgovernado.


Por algum motivo, Johnny é arremessado pro alto como se fosse uma meia velha, e fica pendurado em um candelabro antigo. Afinal de contas, é uma mansão mal-assombrada, que precisa ter um desses aí só pra juntar poeira e cair na cabeça dos desavisados.


Lá embaixo, estão Fred e Daphne, que estavam sozinhos no porão mas que vieram ver que esbórnia era aquela que estava acontecendo. Que droga, hein? O Fred crente que ia brincar com Daphne, mas ficou só na tentativa.


Sem nenhuma explicação plausível, agora era o Salsicha quem tinha sido arremessado pelos ares. Vai quebrar alguns ossos na aterrissagem, pode apostar.


Ao ver toda aquela situação, a ruivinha se desespera de medo, e abrindo mão de seus ideais feministas, se joga nos braços de um homem.


Ah, Fred... Seu espertinho! Acho que essa é a cena mais engraçada do desenho, em que finalmente percebemos as reais intenções do sujeito do lenço laranja.


Só que logo vira uma suruba, pois Velma e Salsicha se jogam no colo dele também. Já era, só deu pra curtir a Daphne em seus braços por dois segundos...


E eles batem em retirada. Daphne se dá conta também que era uma idiotice tentar correr de salto alto. Assim, só aquela mulher do Jurassic Park. O novo com o Guardião das Galáxias que era amiguinho dos velociraptors.


O mais curioso é ver que eles precisam fugir porque Scooby continua empurrando o carrinho de mão com Coronel Mostarda. Realmente, o cão é o melhor amigo do homem...


Johnny decide salvar o dia... ou pelo menos salvar a Daphne, pra ver se assim ela desse uma chance pra ele. O desenho tava acabando, e ele não gostava da idéia de não pegar ninguém, embora sabemos que em todos os episódios é exatamente isso que acontece.


Só que o candelabro despenca, com Johnny e tudo... só sobrou sua cuequinha.


Seguindo as leis da conveniência animada, o candelabro cai em cima do Coronel Mostarda. E como esse é um desenho para crianças, ele simplesmente fica preso no lustre. Se fosse de verdade, seu crânio teria sido rachado e seu corpo estaria perfurado por cacos de vidro.


Pois muito bem... chegou a hora esperada do desenho, de tirar a máscara do fantasma e descobrir quem era...


Aí eles descobrem que era um bigodudo qualquer. Johnny se emputece, perguntado o que ele tinha feito com sua tia Gebediza. Afinal de contas, ele devia ser mesmo um puta vilão, quase todo mundo que tem bigode nos desenhos da Hanna-Barbera era bandido, vide o Dick Vigarista.


Só que Salsicha percebe que aquilo ali é outra máscara...


... e descobrem que é o Ricardo Boechat.


Só que... era outra máscara também. E debaixo dela estava o Chewbacca depois da calvície.


Mas era outra máscara, e ali embaixo estava um cabeçudo com cara de bunda...


... mas que também era uma máscara, e ali embaixo estava o que parecia ser o Tom Hanks depois de pegar um bronze. Johnny joga a toalha, quantas máscaras aquele puto estava usando, cacete?


Até que então... oh! Era a tia Gebediza! Mas como?


Ela então explica. Tudo não passava de um plano para afugentar Johnny dali. Tudo começou quando ela disse que ia fazer angu de fígado, esperando que seu sobrinho iria passar o convite. Mas quando ele decidiu vir mesmo assim, ela precisou fingir que era um fantasma pra que ele não viesse mais. Tudo isso porque ela não gosta de Johnny.


Puxa, essa foi pesada. Odiar tanto assim uma pessoa da família, a ponto de se fantasiar e quase usar uma moto-serra para escalpelá-lo? Caramba... Deu pena do Johnny. A sorte que ele é uma besta e parece não ter entendido muito...


Aí ela xinga meio mundo, terminando com a frase clássica, dizendo que ela teria conseguido, se não fossem aqueles adolescentes intrometidos.


Mas... pra surpresa de todos, a turminha dessa vez se sente mal, pedindo desculpas pra tia Gebediza.  Que isso, rapaziada? O trabalho de vocês é desmascarar os monstros, e agora ficaram com peninha da velha que queria matar o sobrinho? Eles pedem perdão, e perguntam se podiam fazer alguma coisa pra compensar.


Voltamos pra estrada, vemos a Máquina do Mistério parando ali...


... e então eles amarram Johnny na árvore! Danou-se, e ele fica ali resmungando que a corda está apertando os seus suvacos.


Sério, essa é a fala do desenho...

E eles se mandam dali pra Las Vegas junto com a tia Gebediza, que fica toda assanhada com o Salsicha, perguntando se ele fazia jus ao apelido.


Fim da linha desse desenho hilário de tosco. É a deixa pro cachorro falante mandar o seu patenteado "Scooby-dooby-doo" antes do apagar das luzes.


Só que não acabou ainda. Enquanto pensa no angu de fígado que ele queria tanto comer, Johnny percebe alguns faróis chegando ali pela estrada.


E é aquele buggy falante de outro desenho da Hanna-Barbera, que não faço idéia de qual é o nome. Ele diz que pode soltar daquelas cordas, se Johnny o ajudasse a trocar o óleo.


É Johnny... Mais uma vez você não pegou ninguém. E agora vai encerrar o dia com um carro falante.


Sempre que vejo esse desenho eu rio muito. Acho engraçado quando misturam assim os desenhos, e esse foi muito legal por misturar um personagem popular do Cartoon Network com outros de uma época clássica de anos atrás. Apesar de ter uma história meio superficial e repetitiva, algumas sacadas foram muito hilárias, em especial a piscadinha do Fred depois que Daphne pula em seu colo.

Vamos terminar aqui com Johnny se despedindo, fazendo a dança do macaco.


Nenhum comentário: