quinta-feira, 5 de outubro de 2017

"Arte"? De Novo?

Repito mais uma vez: nos últimos dias parece que houve um boom de notícias polêmicas, e temos a segunda delas envolvendo algo relacionado à artes. E envolvendo também a hipocrisia da parcela politicamente correta da sociedade. E também envolvendo crianças. Me faz pensar como que o mundo está realmente caminhando para uma perdição total. Não sou um texugo religioso, mas me pergunto se não nos aproximamos de algo pior do que as páginas mais negras da Bíblia dizem a respeito do Juízo Final.

Venho um pouco atrasado, mas a cagada da vez é sobre outra exposição de arte, dessa vez no MAM de São Paulo. Nela, houve uma "performance artística" de um "renomado" artista chamado Wagner Schwartz. Coloco entre aspas, pois na minha humilde opinião a premissa do sujeito está longe de ser classificada como arte, de uma pessoa supostamente renomada, por conta da opinião do meio artístico que considero como muito parcial. Na sua apresentação, o cara simplesmente fica ali inteiramente nu no meio de um tablado, representando uma obra de outra artista, convidando às pessoas que interajam com ele, tocando-o e manipulando-o.


Isso mesmo. O cara fica ali peladão, totalmente, para que os visitantes possam mexer nele.

O mais absurdo é que tal apresentação era livre, embora o museu indicasse que havia nudez. Quem quisesse entrar, estava à vontade. Inclusive crianças. Como depois foi constatado em um vídeo, onde uma mãe chega ali e incentiva a sua filha a tocar no sujeito. 

...

...

...

...

...


Precisei de uma pausa para respirar. Quando vi essa notícia, meu queixo caiu. Só podia ser brincadeira. Mas não, estão aí pela Internet os vídeos do cara deitado, totalmente pelado, e uma criança vai lá e fica tocando nele. Não colocarei o vídeo aqui, pois não tenho o menor interesse de propagar imagens que na minha opinião são exemplo indiscutível de pedofilia.

Não precisa nem dizer que houveram muitas manifestações contra o ocorrido, seguindo os moldes do que aconteceu com aquela exposição no Rio Grande do Sul, aquela da criança viada e dos sujeitos trepando com uma cabra. Seguidas de manifestações mais barulhentas criticando a crítica, dizendo que aquilo era, sim, arte. Apareceu a comunidade artística esquerdista politicamente correta falando que era uma reação preconceituosa da parcela conservadora e elitista da sociedade, que tinha que respeitar a "liberdade de expressão" de criar arte, mesmo que essa suposta "arte" não passe de um sujeito pelado no meio de um salão.

Vamos lá então...

Honestamente, eu cada vez mais acho que esses "artistas" só querem é chocar a sociedade. Repito, as aspas são pra deixar bem clara a minha ironia quando me refiro a uma pessoa que acha que está fazendo arte ao simplesmente ficar nu em uma exposição para ser tocado pelo público. Esses "artistas" são geralmente odiadores das coisas mais normais, mais convencionais, e têm um total desprezo pelo conservador, palavra que hoje parece ter um sentido negativo. Aí, eles precisam fazer algum tipo de "arte" cujo objetivo não é agradar a um determinado público, mas sim a desagradar outro. É algo feito como forma de ofender os outros, nada mais.

Se é assim... Então eu vou lá no MAM, dar uma cagada daquelas lá no meio do corredor, e vou dizer que é arte.


De qualquer maneira, penso que arte é no final das contas como qualquer forma de cultura. Cada um tem liberdade de gostar do que quer que seja. É como música. Cada um tem o total direito de gostar do que quiser. Se têm pessoas que acham maravilhoso ir em um museu e tocar em um homem nu, então vai lá. Fico pensando, deve ter gente que adorou a idéia, tipo homens homossexuais enrustidos que queriam uma oportunidade para tocar em outro homem sem sofrer nenhum tipo de repreensão ou preconceito, ou mesmo balzaquianas no calor da menopausa loucas para ver uma mangueira ao natural.

Eu acho babaquice, uma coisa muito escrota e sem noção, algo de extremo mau gosto, uma verdadeira merda. Mas, se querem ir lá ver, fiquem à vontade.

Agora... só não envolvam crianças...


Honestamente, eu vejo que muitas pessoas ficaram sim ofendidas com o fato do cara ficar nu e as pessoas tocarem nele. De novo, eu acho isso muito sem noção, tá anos-luz de ser arte na minha opinião, vejo que é apenas algo com a intenção de chocar e ofender. Mas, penso que não precisamos ser tão puritanos assim. Afinal de contas, existem inúmeras obras de arte, sejam elas pinturas ou esculturas, que retratam corpos nus. Não tem nada demais nisso. A estátua do David, tá lá o cara em pé e com o pinto de fora, não precisamos ter aqui o exagero de ir lá em vestir uma calça nele...


Podemos até mesmo fugir um pouco da arte mais clássica. Tem várias outras demonstrações aí que envolvem algum tipo de nudez, parcial ou mesmo total. No Carnaval, por exemplo, o que mais tem é mulher com as bazingas de fora. Existem aí vários filmes onde existem cenas onde um ou mais atores estão nus, muitas vezes simulando sexo explícito, se olhamos então os filmes brasileiros de alguns anos atrás, aí então é toda hora, tudo era desculpa pra botar a protagonista totalmente pelada, mostrando até a Mata Atlântica. Vai numa boate de strip, o que você mais vai ver lá são mulheres nuas, dançando em postes, e dependendo de quanto você dê de gorjeta rola até uma apalpada. E por aí vai, tem nudez em todo o canto.


Mas nunca envolvendo crianças. Criança não vai lá tocar na passista de Carnaval. Filmes com nudez têm classificação indicando serem impróprios para menores de 18 anos. Menino menor de idade não vão deixar que entre em uma boate de strip.

Acontece que nessa exposição, parece que não tinha problema. Deixaram crianças entrar ali dentro. E deixaram elas tocarem em um homem nu. Todo mundo se divertindo, meninas ali provavelmente com menos de dez anos rindo e se divertindo de mãos dadas com um sujeito com a jibóia de fora.


Aí, já estamos passando dos limites...

Eu acho essa sociedade muito engraçada... Sinceramente, a hipocrisia dos politicamente corretos é algo sensacional, demonstrando como que a opinião sobre certo e errado acaba sendo sempre influenciada pela afinidade política e ideológica, e não sobre o ato em si. Se é um homem que baixa as calças e mostra a tromba ou se é um sujeito tocando uma no ônibus ou no metrô, a massa politicamente correta vem abaixo, diz que é falta de respeito, que é crime, que é inaceitável. Imagina só se um cara vai no meio da rua, abre a braguilha, colocando o pirulito pra fora na frente de uma criança, na hora vão condenar o cara e acusá-lo por conta de pedofilia.


Mas... quando é um "artista" fã de Lula e Dilma que fica ali nu no meio de crianças... aí não tem problema.

Apenas pra deixar claro: não estou dizendo que o pedreiro acima esteja certo, tampouco estou dizendo que não tem problema o cara ejacular em cima de uma mulher no transporte público. Ambos são crimes, são atos obscenos que devem ser punidos de forma exemplar. Da mesma forma que um homem adulto nu ser tocado e manipulado por crianças em uma exposição, como se fosse um brinquedo.

O mais impressionante é ter gente que defende essa demonstração "artística". Me chamou a atenção o seguinte, foi o comentário debochado de uma jornalista chamada Rita Lisauskas, se me lembro bem ela apresenta ou apresentava telejornal na RedeTV, aquela emissora que ficou no lugar da saudosa Manchete e que ninguém vê.


Interessante... Sacaneia as pessoas que criticam a exposição de forma escrachada, como se fosse a coisa mais natural uma criança de menos de 5 anos ser sujeita a ficar tocando em um homem nu. Sua segunda postagem segue nessa linha, criticando aquele Movimento Brasil Livre como se somente exposições que tenham passado pelo seu crivo de bons costumes possam receber crianças.

O que mais me assusta é que ela escreveu um livro sobre ser mãe... Me pergunto se ela deixaria seu filho ou filha ficar tocando um homem totalmente pelado, com a jeba de fora...


E o mais engraçado é que essa dona, há alguns anos atrás, escreveu uma matéria onde criticava o fato de estarem tocando música da Anitta em festinha de criança. O texto pode ser visto aqui, enquanto a jornalista, que certamente é muito favorável à liberdade de imprensa, não remover tal postagem comprometedora de que ela tem o seu lado "conservador" também. Mas pode apagar, que eu deixo aqui um trecho para a posteridade:
"Um dia desses fui com o meu filho em um buffet infantil para festa de uma amiguinha. A música que anunciou que a pista de dança estava aberta para os pequenos foi: “Prepara. Que agora. É hora. Do show das poderosas. Que descem. Rebolam. Afrontam as fogosas. Só as que incomodam. Expulsam as invejosas. Que ficam de cara. Quando toca”. “Show das Poderosas”, da funkeira Anitta.
Festinha do dia das crianças do condomínio ao lado de onde moro, ano passado. Vejo um “pula-pula” sendo montado logo cedo. Escorregador inflável. Avisto um palhaço. Mas sabe como soube que a festa finalmente tinha começado, horas depois? “Se não tá mais à vontade, sai por onde entrei. Quando começo a dançar eu te enlouqueço, eu sei. Meu exército é pesado, a gente tem poder. Ameaça coisas do tipo você.”
E comecei a pensar de onde as pessoas tiraram a ideia de que essa música tem alguma relação, mesmo que remota, com o universo infantil. E quero deixar claro que não tenho nada contra a Anitta. Mesmo. Acho que ela tem seu valor, que “Show das Poderosas” deve ser uma música ótima para dançar na balada. Mas não consigo entender como ouvir “descem, rebolam, afrontam as fogosas” pode ajudar na formação ou no vocabulário do meu filho ou de alguma criança deste mundo. (...)
Claro que esse tipo de música não toca em todos os buffets infantis. Claro que a grande maioria de mães e pais tem cuidado na hora de escolher o que os filhos podem e devem escutar quando o assunto é música. Ainda bem. (...)"
Que legal né? Tocar música da Anitta em festa infantil é inaceitável, é impróprio, é algo que não contribui com a formação de uma criança... Bom pra formação de uma criança deve ser ficar tocando um homem adulto nu diante de uma platéia...


É uma verdadeira palhaçada. Essa sujeito, esse Wagner Schwartz, deveria era ser preso. E deviam prender também o dono do museu e o curador da exposição. De quebra, ainda tem que prender os pais que expuseram seus filhos a essa exposição, começando pela mãe da menina do vídeo, que parece forçar a criança a tocar o cara. Todos na cadeia. Vai lá e olha no Código Penal, vai lá e olha no tão querido Estatuto da Criança e Adolescente, tem um artigo que condena práticas como essa. Ou será que para os politicamente corretos o ECA só serve pra defender menor infrator?

Vamos ver o que vai acontecer... só digo realmente que, puta merda! Esse mundo tá indo pro brejo... Eu não quero nem imaginar qual será a próxima polêmica, cada vez o troço fica pior. Eu esperaria que esse fosse o limite, mas sei bem que ainda teremos alguma outra demonstração de mau gosto, de hipocrisia e absurdo pior do que aplaudirem uma criança tocando em um sujeito nu em uma exposição...


Esse mundo está é perdido... 

Um comentário:

Lis Joner disse...

Excelente, mais excelente ainda ligar o lance do "artista" com o caso do pedreiro e da dona hipocRITA.
Pra gente ver como que tudo é relativo nesse mundo.
Gente, isso tudo tá dando ânsia de vômito, já...