sábado, 22 de julho de 2017

Isso é racismo?

Existem alguns assuntos que são recorrentes aqui no blog. Um deles é sobre o racismo. Cada vez mais, principalmente com a escalada do politicamente correto, a sociedade em geral está mais vigilante para divulgar e condenar atitudes e comentários que sejam pautados no preconceito racial, incentivando inclusive a punição dos racistas. Tudo baseado em um conceito de igualdade e respeito.


Legal, eu acho isso muito bonito e correto. Realmente, eu concordo que todas as pessoas são iguais, e que hostilizar alguém por conta da cor de sua pele é uma estupidez.

Por exemplo, imagine uma família, onde todas as pessoas são de uma mesma cor de pele. Até que um belo dia um dos membros dessa família começa a sair com uma pessoa de outra raça, e isso então vire motivo de provocação e injúria por conta dos demais familiares, desprezando essa pessoa "invasora" de uma raça inferior.

Revoltante né?

Dá uma lida nessa postagem de Facebook que eu vi outro dia que conta essa história, e depois me diga o que acha.


Que interessante... uma mulher negra, de uma família composta apenas por negros, comentando sobre a "infelicidade" de um tio ter se casado com uma mulher branca, aparentemente aprovando o comentário de sua bisavó dizendo que "a melhor raça que tem é a negra", que deixou a branca "invasora" sem graça e arrancou risos dos outros familiares, que provavelmente pensam da mesma forma. A cidadã termina dizendo que os brancos (imagino que é o que ela se refere pelo termo "pardaiada") têm inveja de uma família negra que "se preserva", e agradecendo à "sorte" de que a mulher branca não deu um filho "vira-lata". Porque ela é "estéreo"...

Por que será que eu não vi nenhuma revolta dos politicamente corretos que defendem tanto a igualdade racial e condenam o preconceito?


Silêncio, né?

Será que sou só eu que acho que essa vagabunda aí é uma puta duma racista?

Agora, imagina se fosse uma mulher branca, de uma família composta apenas por brancos, comentando sobre a infelicidade de um tio ter se casado com uma mulher negra, com uma bisavó que diga que a melhora raça que tem é a branca, deixando a negra invasora sem graça e arrancando risos dos outros familiares, que dissesse que os negros têm inveja de uma família branca que se preserva, e agradecendo à sorte de que a mulher negra não teria um filho vira-lata com seu tio.

Ah, aí sim é racismo...


E assim, mais uma demonstração da indignação seletiva, de como existe o lado do "bem" e o lado do "mal", em que observamos o racismo no combate ao racismo. Pois, afinal de contas, parece que para a sociedade o comentário dessa estúpida aí não tem problema, não tem nada de preconceituoso, talvez essa sociedade ache até mesmo que ela está certa. Para os politicamente corretos, apenas o racismo contra o negro merece ser combatido, é uma via de mão única.

Tá arriscado até a alguém vir aqui e me chamar de racista, por ela ser negra e eu ter xingado a mulher de vagabunda... Isso aí, estou fudido: ela pode ser racista com uma mulher branca, chamá-la de invasora, e é mais fácil que eu seja aqui acusado de preconceito com uma mulher negra. E viva o politicamente correto!

Por fim, não podia deixar de comentar que essa quadrúpede parece não saber a diferença entre "estéril" e "estéreo".


4 comentários:

Lis Joner disse...

Isso tá com cara de fake kkkkk porque sempre existe alguém a fim de sabotar qualquer movimento, inclusive dentro do movimento negro, tipo, pra deslegitimar a causa deles, causar um escândalo vulgar desse e desviar atenção pro que é importante.

Mas é, se fosse tudo ao contrário, única negra na festa da família branca, caraca, isso ia dar uma treta maligna.

Texugo disse...

Obrigado pela visita, Lis!

De fato, hoje em dia para qualquer coisa na Internet temos que ficar com um pé atrás, pois nunca se sabe se aquilo é verdade ou não. É possível que seja sim algo inventado para tentar tornar ilegítima a luta contra o racismo contra os negros.

Como, da mesma forma, algo semelhante poderia ser feito para passar uma idéia de que todo branco é racista.

Mas, meu ponto é na linha da indignação seletiva. Seja verdadeiro ou falso, esse comentário preconceituoso não gerou revolta dos grupos da sociedade que se dizem contrários ao preconceito. Estes, por exemplo, se revoltam com uma panificadora por ter em seu cardápio um doce chamado "preto de alma branca"

https://jornalivre.com/2017/07/23/justiceiros-sociais-atacam-panificadora-por-vender-doce-preto-da-alma-branca/

Lis Joner disse...

Ow, brigadinha por responder, poucos blogueiros respondem. :D

Mas putz... Nome de muito mau gosto pro doce, poxa.

Tipo, o lance é meio sensível. Os negros estão acostumados a se sentirem inferiores, eles são coagidos a se sentirem assim desde crianças, aí quando brota neles esse tipo de orgulho ou arrogância, ou até uma postura revanchista de racismo, dá até pra entender, mesmo que seja errado.

Não justifica discriminar alguém, mas dá pra entender por que isso acontece. É igual aquelas negras de Black Power - pra mudar as coisas tem que ser meio radical. Pra construir uma auto-estima razoável a gente leva uma vida quase inteira (A eu bancando a psicóloga, óia, até parece kkkkk)

Mas não discordo de você não. É verdade que a indignação pra algumas coisas é bem seletiva, isso sim.

Abç

Texugo disse...

Olá Lis, é um prazer responder. Digo que são poucas visitas aqui que comentam de maneira educada.

Sem dúvida é um nome meio sem noção para um doce. Um amigo meu comentou que um nome parecido era usado lá nos EUA para aquele biscoito Oreo. Dá munição para as pessoas reclamarem.

Acontece que pra mim essas pessoas perdem um pouco a razão por se revoltarem de forma seletiva. Até mesmo quando ocorre racismo com outros negros. Por exemplo, quando aquele Fernando Hollida, vereador lá de SP, é chamado em pleno plenário de "preto de alma branca" e outros adjetivos bem preconceituosos, não houve comoção. (https://causaoperaria.wordpress.com/2016/11/15/atacar-fernando-holiday-por-todos-os-meios-necessarios/)

Penso que essas pessoas que combatem o preconceito teriam muito mais o respeito pela sociedade se elas lutassem contra o preconceito de forma plena. Enquanto lutam só contra aqueles que têm orientação política diferente deles, acabam aparentando ser não um movimento pela igualdade racial, mas sim um movimento político...

Obrigado pela sua visita!