terça-feira, 20 de setembro de 2016

Comando para Matar - Parte 3

Passadas as Olimpíadas e Paraolimpíadas, assim como o impeachment da Dilma, continuamos com a saga do Arnold Schwarzenegger para salvar a sua filha, neste clássico filme que canso de dizer que é um verdadeiro formador de caráter. Prevejo que farei uma sátira épica, batendo o recorde em termos de postagens e imagens, mas convenhamos, vale a pena. Precisamos registrar aqui grandes filmes do nosso amigo bombado da Áustria, deixando de lado certas aberrações que ele fez ao longo dos anos.


Quem imaginaria, que o mesmo cara que fez o Conan iria ficar grávido? Sem dúvida esse é um dos filmes mais sofríveis de se ver, ainda mais com o Arnoldo parecendo um traveco.

Recapitulando o último episódio (que você pode ver aqui), Matrix recebeu a missão de assassinar o presidente de Val Verde, para que o Hugo Chávez pudesse se tornar o chefão de lá, ou do contrário sua filha Jenny seria morta. Mas ele já conseguiu fugir do avião e estava atrás do bostelho do Sully, aquele baixinho tarado. E para isso, ele ia contar com a ajuda da comissária Cindy, que fica se perguntando que dia era esse, em que ela se via metida numa confusão estúpida dessas, algo que só acontece na Sessão da Tarde.


Sully estava lá, incorrigível como sempre ao dar aquela torcida de pescoço pra apreciar a bunda da loira que passava, enquanto caminhava para um restaurante cuja entrada mais parecia de um puteiro. Bom, imaginando a corja da qual ele faz parte, deve ser seu restaurante favorito.


E Cindy vai atrás dele. O plano, só para lembrar, era que ela tentasse atrair Sully lá pro canto onde o Arnoldo estava, para que assim ele pudesse arrancar tudo daquele bostinha a respeito da localização de sua filha. E provavelmente arrancar também seu saco no processo.


Acontece que ela é uma arregona. Pombas, não acreditou no Arnoldo, Cindy? A primeira coisa que ela faz é ir até um segurança, dizendo que tem um sujeito lá de dois metros que parece ter saído de uma quadra de cross-fit e que provavelmente estava com a intenção de violá-la que nem um viking no cio. Faz todo sentido, se um sujeito sequestra uma mulher com a intenção de estuprá-la, é natural que ele vai deixar ela solta para ir ali falar com um guarda...


Alheio a tudo isso, Sully está lá conversando com um sujeito de chapéu escroto, que chamarei de Sancho Pança. Sei lá o que eles estão tramando, mas o Sancho mostra que não consegue ser nem um pouco dissimulado na hora de passar um envelope para Sully. Sabe, se você quer passar algo escondido, não tire do bolso e mostre quase no alto pra todo mundo ver...


O guarda Belo, que estava lá no restaurante, decide dar uma conferida no perímetro pra ver se tem mesmo um bombadão por lá, ou se aquela mulher estava sob efeito de bebida e vendo coisas.


E realmente tinha um bombado lá, ela não estava alucinando sob o efeito de bolinhas. Aliás, excelente trabalho em se esconder, Arnoldo! Realmente, não dá na pinta que você está atrás da pilastra...


Vendo que ele é um merda e não vai dar conta de um cara daquele tamanho sozinho, o guarda Belo passa um Nextel para um de seus colegas, dizendo que precisa de ajuda para convidar um criador de caso e possível tarado a se dirigir para fora do recinto.


Azar o dele que o seu parceiro parece ser tão tarado quanto o Sully. O negão tava lá se engraçando com as duas moças (embora uma delas pareça o MacGyver de maquiagem), perguntando se elas queriam ver ele com o seu grande cassetete em ação.


Como comentário paralelo, fica difícil não perceber o japonês de camisa vermelha. Já falei, anos 80...

Sully está lá ainda. Depois de ter trocado algumas figurinhas da Copa com o Sancho Pança, ele volta então ao seu desejo incontrolável de arrumar uma mulher para um clássico "tchaka-tchaka", ele não vai aguentar se ficar um dia sem uma fuzarca. E logo ele percebe que aquela aeromoça que viu no aeroporto estava lá, que sorte!


Os seguranças estão chegando ali para dar umas porradas em Matrix. Se bem que, olhando a pinta deles... O negão tá ali cheio de malandragem, só pensando em se exibir para as minas, enquanto que o paspalho ali do lado parece que deveria estar limpando um banheiro. E lá atrás você pode ver uma menina inocente, curiosa em ver uma demonstração de violência policial gratuita. 


Matrix dá só aquela olhadinha escrota, pensando em quantos milésimos de segundo ele consegue apagar aqueles dois.


Sully está já quase se melando todo. Imaginando que Cindy ficou arrependida por não ter dado mole pra ele, que ela talvez tenha pensado duas vezes e ia topar em se deixar cavalgar, o pequeno tarado vai lá pra cima dela. É o que Sully gosta, de mulheres que correm atrás dele, algo que não deve acontecer sempre.


E na mesma hora começou a porradaria lá. Em dois segundos Matrix já estava nocauteando todos os guardinhas do shopping. A começar pelo negão metido, que vai economizar com pasta de dentes agora em diante.


Sully então percebe o fuzuê e se dá conta de que Matrix conseguiu sair do avião, por mais que isso possa parecer absurdo. Sim, aposto que você ainda não engoliu aquele lance de pular do avião durante a decolagem. Embora, por essa cara pareça que Sully está morrendo de tesão ao ver o corpo másculo e bombado de Matrix em ação, fazendo ele questionar a sua hombridade.


Fudeu, ele precisava avisar o Chávez o quanto antes para que dessem um jeito na Jenny. E como ele não tem um puto no bolso, ainda chega e passa a mão na bolsa de Cindy, pra pegar uma moeda para avisar o Chávez. 


Vendo que Sully está fugindo, Matrix deixa os guardinhas ali catando seus molares e dá um salto mortal para ir atrás dele...


... e logo chega na cabine telefônica onde o tampinha está tentando discar os números. E observe a loira que parece que foi passear usando um roupão de banho.


Matrix começa então a balançar a cabine para todos os lados, fazendo uma cara como se estivesse fazendo força pra dar uma cagada daquelas.


Aí então temos uma das cenas de macho do filme, de violência gratuita no melhor estilo do Arnoldo. O filho da mãe decide então arrancar a cabine telefônica do chão, com Sully e tudo!


MADEIRA!!!


Sério, essa cena é sensacional. Imagina só, arrancar uma pôrra duma cabine telefônica e tacá-la longe, com o bandido ali dentro! Essa é tão boa que precisei fazer um GIF. Melhor de tudo é a cara de psicótico que o Arnoldo faz, querendo agora arrancar a cabeça de Sully fora.


Chega então um porrilhão de guardas pra vir pra cima de Matrix, tentando fazer montinho. E com essa, o puto do Sully já se mandou, provavelmente correndo para uma J.C. Penney para comprar cuecas limpas depois de ser arremessado longe.


Matrix então faz um meia lua com soco forte e aplica um golpe especial que joga longe todos os guardas. Parece Streets of Rage essa merda! Detalhe pro loiro que perdeu o boné e foi dar um beijo na pilastra.


Perto dali, o Sancho Pança sai correndo com sua arma em punho, de quebra derrubando um típico adolescente dos anos 80, com sua jaqueta de couro vermelha. Tá na cara que esse capiau ali tem culpa no cartório, mas não entendi porque ele saiu ali correndo desesperado, podia ter ficado na dele lá no restaurante e não ia acontecer nada.


Ele vai lá, saca a sua arma de chumbinho...


... e BANG, leva um balaço no meio da pança. Pra aprender a não ser idiota. 


E de quebra ainda despenca lá do alto, pra deixar a sua marca no térreo. De novo, não faço idéia de quem era esse cara, o que ele estava fazendo no filme, só apareceu para se dar mal. Pelo menos nos agraciou com a manjada cena do bandido despencando, que sempre diverte a garotada.


Enquanto isso Matrix está descendo a porrada em todos os guardas. Acho que ele está extravasando a sua raiva, pois de nada ia adiantar descer o cacete em um monte de merdas de segurança de shopping comedores de rosquinhas.


Enquanto isso, Sully está fugindo que nem um frango assustado, com medo de ser espancado pelo Matrix. Para isso, ele sai dando porradas na porta do elevador, como se isso fosse fazê-las abrir mais rápido.


Até Cindy decide entrar na zona (no bom sentido, pois ela é uma moça de família), derrubando um guarda que estava apontando sua arma para Matrix. Com o jeito dela, provavelmente ainda pediu desculpas pra ele.


Sully está fugindo no elevador panorâmico. Realmente, uma excelente escolha... Nada como pegar um elevador que fica visível para todo o shopping e anda devagarinho quando se está em fuga.


Matrix decide então fazer uma loucura para dar trabalho para o dublê, rasgando um balão pendurando no teto...


... e depois voando como o Tarzan. Clássico.


Vendo que fudeu, Sully sai correndo do elevador, pra pegar seu carro e fugir dali. Fico pensando como esse filme teria terminado mais cedo se fosse feito hoje, pois a essa altura ele já teria passado um Zap-zap lá pro Chávez pra avisar tudo.


Matrix continua abrindo caminho pelo shopping, espancando todos os guardas de segurança. Na boa, deve ter uns oitenta guardas ali, e o nosso amigo Arnoldo bateu em todos eles. Com direito a um soco duplo escroto pra cacete.


Ele enfim chega ao estacionamento, e Sully quase passa com seu Porsche por cima dele. Ou Matrix tentou aplicar uma ombrada-voadora no pára-brisa que acabou saindo pela culatra. Sabemos bem que mesmo depois dele ser atropelado a quase cem por hora, não vai ter nenhum arranhão.


Não disse? Sem pestanejar, ele corre até o carro de Cindy e dá a partida, iniciando a perseguição automotiva da película. Afinal, filme de ação sem perseguição de carro não tem graça.


Não querendo sair no prejuízo de ficar sem o seu carro, Cindy sai correndo pelas escadas para encontrar Matrix na rua. Era a hora dela ter ficado quieta, deixar esse bombado maluco ir embora, mas a tonta vai lá atrás do Arnoldo. Como que ela tinha idéia de que ele tinha levado seu carro, vamos chamar de intuição feminina...


Ela então entra em sua costumeira fase histérica, reclamando que ela estava desesperada, que tinha sido assediada por um panaca, que ele tinha arrancado o banco fora, e depois ela se viu no meio de uma briga com tiroteio dentro dum shopping. Matrix está ali, fulo da vida, ainda pensando em como tudo isso teria sido mais fácil se ela tivesse ajudado, em vez de dedurá-lo para o guarda.


Seguimos com a perseguição. Não sei, vendo o carrinho genérico de Cindy e baseado no meu conhecimento de Need for Speed, era pro Sully estar se mandando longe em seu Porsche. A não ser que ele seja ruim de roda e não saiba passar marcha direito.


Por uma curiosa conveniência geográfica, o cenário da perseguição muda de uma metrópole para uma estrada deserta nas montanhas. Sei que na California há uma grande variedade de cenários, mas isso já é demais!


E aí começa a porradaria de carro, com Matrix se jogando contra Sully com toda a violência do mundo, arrebentando o carrinho que Cindy ainda estava pagando as prestações.


Muita atenção para essa imagem... Veja como a porta do carro do panaca já está toda arrebentada com essas porradas. Essa informação será crucial para algo mais adiante que vou comentar. Os fortes já sabem.


Sully finalmente usa um pouco os seus neurônios e decide usar a sua arma. Mal sabe ele que nesse filme todos os bandidos foram afetados pela famosa Síndrome de Stormtrooper, que faz com que eles não consigam acertar nenhuma bala no mocinho.


Matrix finalmente acerta uma boa porrada no Porsche de Sully...


... que acaba tombando. Um sofrimento grande para os amantes da boa engenharia automotiva alemã.


Matrix acaba perdendo o controle e acerta de frente um poste a toda velocidade. Sério, ele devia estar a mais de cento e cinquenta por hora!


Mesmo sem air bag e acho que mesmo sem sequer cinto de segurança, Matrix não sofre nenhum arranhão. Confesso que já está perdendo a graça... Ele voa por um desfiladeiro com uma caminhonete, pula de um avião durante a decolagem, é atropelado por um carro e acerta um poste, e nem um mísero corte? Tá jogando com God mode, pombas?


Sully por sua vez, por muito menos, está ali atordoado. Tudo bem que ele também foi jogado junto com uma cabine telefônica, mas agora apenas seu carro virou de lado, não era pra ele estar ali todo molengão. Matrix não perde tempo e decide dar uma fuçada nos bolsos do cretino, pra ver se ele tem algum trocado.


E acha a chave de um motel. Era de se esperar...


Começa então o interrogatório, onde Matrix pressiona Sully para dizer onde que está sua filha. O tampinha disse que não vai dizer nada, que a boca dele é um túmulo e não tem nada que o grandão possa fazer para convencê-lo a abrir o bico.


Matrix então pega Sully nos braços...


... e o leva para a beira de um precipício, para ensiná-lo um pouquinho sobre Isaac Newton e a Lei da Gravidade.


Eu não disse que Comando para Matar é um formador de caráter? Quer cena mais sensacional que o Arnoldo segurando um bandido de ponta-cabeça à beira de um precipício? E não um bandido qualquer, mas um tarado molestador de menores.

Sully se desespera, dizendo que ele jura pelo seu pinto que não sabe onde está Jenny. Vindo de um tarado, tal juramento parece então ser verdade... Ele completa, dizendo que o Cook, aquele negão mal encarado do início do filme, sabia onde encontrá-la. E eles tinham combinado de se encontrar logo mais para se divertir um pouco, e ele poderia levá-lo até o ponto de encontro.


Só que Matrix não é bobo... E diz que já sabe onde é, ele achou a chave do motel. Caberia uma explicação sobre o que Sully e Cook iam fazer juntos em um quarto de motel, mas deixaremos isso em aberto por enquanto, o pobre do Sully já está sofrendo demais pra judiarmos de sua masculinidade.


Matrix então se lembra que lá na outra postagem havia prometido que mataria Sully por último, pois ele era um cara legal, gente fina.


Sully diz que sim, e que como ele era o mocinho do filme, ia ser legal se Matrix cumprisse a promessa, para passar um bom exemplo para a criançada.


E Matrix então admite: "pois é, eu menti..."


... e lá vai!


E como o Coiote, Sully mergulha pelo precipício. Mas, diferente do Coiote, o final não será muito bonito para Sully lá embaixo. Animal! Essa é sem dúvida uma das melhores cenas dos filmes do Arnoldo, jogar um marginal do alto de um desfiladeiro, não tem como ser mais bárbaro do que isso. Bem que ele merecia...


Kill Count do Arnoldo = 3

Depois de despachar o Sully, Matrix volta para falar com Cindy, que diz que agora ele se deu mal, pois está sem carro. Apenas lembrando que quem saiu no prejuízo foi ela, aposto que seu seguro não cobre danos causados por um maluco bombado.


Usando toda a sutileza de um lorde inglês, Matrix vai lá conferir o Porsche de Sully, virando ele com a facilidade de quem abre uma gaveta.


Dentro do carro, Cindy pergunta o que aconteceu com o Sully. Aí vem umas das one-liners mais sensacionais do filme, que demonstra a frieza de uma zoada básica do Arnoldão. Tanto que, mesmo sutilmente diferentes, tanto a frase original em inglês como a tradução dublada são hilárias.


No original, Matrix diz "eu soltei ele", e na dublagem a frase é "ele foi embora". Hilário!

Os dois se mandam, para agora ir atrás do Cook. E lembram que eu falei para vocês guardarem a imagem da lateral do Porsche toda amassada? Em mais um erro de continuidade, ela está agora tão lisinha como a bunda de um bebê.


E assim chagamos a um bom momento para dar uma parada. 

Nenhum comentário: