domingo, 14 de fevereiro de 2016

Valentines Day... Sozinho... Ainda

Estava dando uma repassada nos posts antigos aqui, inclusive me surpreendendo como que eu tenho alguns rascunhos aqui praticamente prontos mas que por algum motivo ficaram perdidos no passado. Estou falando de coisas que estão aqui há muito tempo, mofando por anos e esperando uma oportunidade para serem publicadas e ignoradas pela maioria das pessoas... Enfim, é um sinal para fazer uma limpa nos posts que não tem mais sentido falar agora ou até mesmo revisar e lançar alguns que estão por aqui.

E nessa revisão de postagens, me deparei com uma bem antiga, que publiquei há quatro anos. Uma em que eu falava a respeito do Valentines Day, o dia dos namorados gringo. Data que não é muito celebrada por aqui pois costuma cair muito perto do carnaval, e convenhamos que um dia para celebrar o amor e estar junto com a sua alma gêmea não combina muito com a época de libertinagem e putaria da festa da carne. Fiz toda uma explicação do porquê das datas diferentes, tudo a ver com os diferentes santos associados a essas celebrações. 

Independente do dia e do santo... São datas em que a única coisa de bom é que eu economizo uma grana...


Isso me fez pensar em pouco na vida... Fiz esse post há quatro anos, curiosamente muito perto do dia em que conheci uma garota muito legal, que viria a se tornar muito especial para mim. Jamais imaginava, ao escrever esse post de anos atrás, que na mesma época estava aparecendo uma pessoa por quem surgiriam sentimentos muito bonitos, aquela pessoa que me fazia pensar "agora vai", alimentando-me de esperança de que finalmente havia encontrado uma mulher com quem compartilhar muitos momentos bonitos. Não vou entrar em detalhes, já que o primeiro parágrafo das políticas do meu blog estabelece não entrar em muitos detalhes de minha vida pessoal e das pessoas mais próximas, até porque o desfecho não foi o dos melhores, como no fundo eu já esperava... 

Sabe como são aqueles filmes românticos de Hollywood? O casal protagonista passa por tudo, por diversos maus bocados, mas no final sempre eles terminam juntos e felizes? Bom, minha vida é justamente o oposto, e o final sempre tem um texugo triste, desanimado com a vida e de coração partido. Chego a pensar como sou patético, acho que nunca na história teve um sujeito que mais se fudeu no quesito relacionamentos. Já perdi a conta. Se for contar aquelas garotas em que você chega, sem nenhuma intenção naquele momento de ter qualquer tipo de relacionamento, e faz algo como simplesmente segurar a porta, oferecer-se para ajudá-la ou outro gesto inocente de cavalheirismo, e já leva um toco nos cornos dizendo "eu já tenho namorado", eu não ficaria surpreso de ter chegado à casa dos três dígitos...

Já desisti de entender... Sei que existem muitos fatores que "jogam contra", como já comentei aqui diversas vezes. Por exemplo, sei que não tenho a aparência ideal que é apreciada pela maioria, que é divulgada pela mídia e pela sociedade como o estilo de homem boa-pinta. Não se trata de estar me jogando para baixo, são meros fatos. E por mais que muitas mulheres digam que a aparência não é fundamental, a falta dela não ajuda nem um pouco, serve como barreira muitas vezes. Beleza pode não ser tudo, mas a vida me ensinou a partir de muitos e muitos exemplos que o cara bonitão e escroto sempre leva vantagem sobre o sujeito legal e feio. Afinal, a personalidade é algo que não fica visível, por mais que alguém seja perceptivo é praticamente impossível perceber se alguém é uma boa pessoa ou um crápula em seis segundos, sem falar que é algo que pode ser facilmente dissimulado. Perco a conta de quantas vezes vi caras com más intenções fingirem serem algo que não eram, conquistando assim as mulheres. E isso inclui até mesmo dentro do meu círculo de amizades e conhecidos.

Enfim... Mesmo não sendo oficialmente o dia dos namorados aqui no Brasil, é impossível não ver casais felizes, declarando seu amor mútuo pelos cantos... Postagens em redes sociais, piadinhas do 9gag, especiais de filmes românticos na TV a cabo... Tudo que me faz lembrar que estou aqui, sozinho, todo esse tempo... Quatro anos desde aquela postagem, na luta e tentando...

Não pensei que depois de tanto tempo, a minha opinião sobre dia dos namorados e/ou Valentines Day continuasse a mesma:


3 comentários:

Vegeta Escritor disse...

Cara, estou na mesma situação que tu. Li os outros posts referentes ao mesmo assunto deste post e me identifiquei; comigo acontece exatamente a mesma coisa. Conheço um cara que é muito boçal e enquanto estava a pé, usando ônibus e metrô, estava sozinho. Pois bem, bastou o escroto comprar um carro 1.0 usado para que uma guria bonita resolvesse namorar com ele. Isso faz alguns anos que aconteceu e estão juntos até hoje.
Ontem mesmo, eu estava estudando e começou a me bater uma tristeza; entrei em site de namoro e lá fiquei mais triste ainda. Então, comecei a escrever sobre o tal site de namoro com a intenção de publicar em breve. Aí, parei de escrever e resolvi ler os teus posts dos super-heróis toscos para me animar um pouco mais.
Desculpe pelo comentário extenso; é um desabafo. Um abraço.

Texugo disse...

É Vegeta, não tá fácil pra ninguém... Claro que não são todas assim, mas infelizmente tem muitas mulheres que são assim, valorizam o cara que tem carro ou é saradão. Diria até que não é algo exclusivo das mulheres, é da sociedade mesmo, cada vez mais superficial. Volta e meia bate essa sensação, é f... mas, bola pra frente, tentar se animar que isso ajuda.

Valeu pela visita, abraço!

Arnaldo Krogdahl e Lis Versieux disse...

Demorei juntar os panos também. Saca só: Eu sou um cara albino, sou quase cego, nao posso dirigir, fora outras paradas ae.
Cansei de sofrer preconceito, já me disseram desse jeito: Como que vou apresentar pra minha familia um deficiente cegueta? Ou: Você vai investir mais em si mesmo (óculos caros, protetor solar fator 60 pra cima) do que no relacionamento, no casamento ou no filho.

Absurdo, mas...

Demorei achar a tampa da minha panela haha!
Mas não ta fácil pra ninguém, cara.
A configuração da sociedade mudou, hoje se enxerga a cifra em vez da pessoa. Hoje não existe mais o companheiro, o cidadão, existe o cliente, o sócio.
Isso se estende até na esfera familiar.
Os relacionamentos dificilmente acontecem pelo nível cultural, por exemplo. A única coisa que une as pessoas hoje é o potencial de consumo e o benefício que se pode tirar disso. O dinheiro é bom, mas corrompeu o significado da pessoa humana, nivelando humanos e objetos.
É foda.

O problema nem é da mulherada interesseira não, elas são efeito de uma causa.
E a coisa vai ter que piorar muito ainda pra começar mudar alguma coisa.

Boa sorte, Brother.