domingo, 3 de janeiro de 2016

Vocabulário Moderno

Como você deve saber, sou muito observador a respeito de algumas pequenas coisas das pessoas, da sociedade e costumes. Diria até que eu possa ser visto como chato e cri-cri, aliás são alguns dos adjetivos que os outros costumam usar para me descrever. Mas sou assim mesmo, e não vou mudar para agradar aos outros. Acho que tem tanta gente com hábitos tão mais incômodos e até mesmo nocivos, dos quais ninguém reclama, e vão me empentelhar aqui por eu sempre comentar de maneira direta algumas coisas. Tem gente aí que fica fofocando segredos da vida alheia ou sujando o ar com fumaça de cigarro, e o escroto aqui é esse texugo falando sobre algo que o incomoda...

Enfim, o motivo da minha revolta hoje é a respeito de uma mania cada vez mais comum na sociedade, em especial quando o assunto são redes sociais e a comunicação: trata-se do costume que se tem agora em encurtar as palavras, criando assim vocábulos resumidos, ou mesmo criando palavras totalmente diferentes da original. Sabe-se lá o motivo, se é modinha mesmo ou se é preguiça... Mas ultimamente é o que mais se vê.

Como disse, a maioria tem a ver com as coisas de informática e redes sociais que você acessa na palma da mão no seu telefone ou tablet. O Facebook, site onipresente onde todo mundo fica compartilhando sua vida, virou "Face", ou então sua versão horripilantemente aportuguesada de "Feice"... Sim, com "ei", é de revirar o estômago, ridículo como a imensa maioria de seus usuários. O site de fotos Instagram virou "Insta". Antigamente tinha uns aloprados que chamavam o Orkut de "Orcut", e imagino que não seja por aversão às letras estrangeiras. Assim como eu já vi até alguns boçais chamando o Twitter de "Tuíter", assim com acento... 


E não precisa ser só coisa relacionada às redes não... Por exemplo, não se diz mais "fim de semana", agora depois da sexta-feira vem o "finde". Sim, "finde"... Outra, essa já um pouco mais antiga, do meu de colégio ainda, é o aniversário, que a rapaziada da hora chama sempre de "níver". Depois que você passa no vestibular, não se diz mais que você entrou na faculdade, mas sim na "facul". 

Mas o pior de todos é o nome estúpido que arrumaram para o Whatsapp... Chamar de "zap zap" é escroto para caralho!


Eu sei que desde os tempos do chat pelo IRC que as pessoas usam abreviaturas para simplificar a conversa. Tipo, usar "blz" em vez de "beleza", "tc" em vez de "teclar" e "tb"em vez de "também". Antigamente, com internet discada, tinha mesmo que economizar nas mensagens. Mesma coisa quando começaram os SMSs, que possuem um limite de caracteres, onde escrever uma frase muito longa esgotava o limite permitido. Até entendo nessas situações, mas que já ficaram para trás faz tempo...

E faz tempo mesmo... Alguém aqui ainda se lembra do mIRC?


Voltando... Mas o que se vê hoje em dia é algo exagerado. Pombas, com os pacotes imensos de dados e a comunicação por wi-fi, não há toda essa necessidade em escrever as palavras desse jeito. Sinceramente, chega a um ponto que você é visto como errado se escreve "Facebook" em vez de "Face". Pôrra, "face" pra mim é "rosto" em inglês, cacete!

Sinceramente, é a mania do brasileiro de aportuguesar as coisas e essa estupidez de fazer palavras curtas. Você vê até mesmo certos meios de comunicação, principalmente sites, que usam essas abreviações como "Insta". O que custa dizer o nome completo? Sério, alguém me explique de onde surgiu essa idéia, por que é tão difícil escrever "Instagram"? Ou "Facebook"? Parece que essas aí tá mais na linha da modinha, foi instituída pela sociedade como a maneira que as pessoas "cool" devem escrever. Se você escreve "Facebook", você é um nerd, um quadrado; agora, se você escreve "Face", você é "in", você é da hora...


Fala sério... Coisa de babaquinha. De gente assim eu quero distância.

O pior de tudo são as palavras escritas errado... Isso me dá um nojo, um asco. E não estou falando de erros comuns, como trocar "mas" por "mais". Estou falando de coisas estúpidas, com palavras que sequer existem. Por exemplo, as pessoas que têm a pachorra e a falta de noção de substituir a terminação "ão" por "aum". Por exemplo, não dizem "não", mas sim "naum". Incrível, eu acho isso muito escroto, parece que a pessoa não tem a capacidade de digitar o "~" antes do "a". Pior de tudo é que mesmo com o auto-corretor que se tem hoje nos celulares, tem filho da puta que me vai e adiciona o "naum" na lista de palavras reconhecidas para que possa escrever dessa maneira. Sério, eu teria vergonha de escrever assim. É de fazer o professor Pasquale ficar com vontade de enfiar a cara em sua própria bunda.


Eu não sei a necessidade que as pessoas têm de escrever dessa forma totalmente errada. De novo, eu até entendo certas abreviaturas, que na correria a gente pode usar para simplificar, como comentei acima. Mas tem algumas palavras que as pessoas escrevem em que o nível de esforço é o mesmo, não envolve nem o "trabalho" tão grande de segurar a tecla Shift para colocar um acento circunflexo. Por exemplo, eu já vi mais de uma vez pessoas escrevem "hoji" em vez de "hoje". Pelas barbas do camarão, por quê? A mesma quantidade de letras, será que é só para economizar alguns 0,0001 segundos apertando a tecla "i" que está mais perto do "j" do que o "e"? Ou é com o objetivo de escrever errado mesmo? Caralho! Onde já se viu?

E tem horas que eu me surpreendo, pois vejo as pessoas escreverem as palavras erradas, mas aparentemente tendo mais trabalho! Estou falando sério, pode parecer absurdo, mas não foram pouca as vezes que eu vi em comentários em sites vagabundo escrevendo "noês" em vez de "nós". Sério, peço solenemente que uma nobre alma consiga me explicar por que algum pé rapado escreve "noês". Vai ter o mesmo trabalho de colocar o acento (talvez até menos, pois dependendo do teclado o acento agudo nem precisa de Shift) e ainda coloca uma letra a mais... Na boa, isso mostra que no final das contas não é preguiça... É mesmo querer escrever de forma errada.

Pior que tenho vários conhecidos que escrevem assim, e é difícil aturar muitas vezes. Teve uma vez que eu estava falando com alguém pelo Whatsapp (sim, não pelo "zap zap"), e me chega o sujeito e escreve "eskeçe"...


Cara... Eu quase tive um treco. "Eskeçe"! Puta que pariu, será que esse sujeito nunca aprendeu que não se usa cedilha antes de "e"?!

Quer ver outra simplesmente absurda? Teve outra que eu vi, e não aguentei, na hora mesmo respondi ao sujeito que escreveu aquilo, perguntando se ele tinha algum problema de alfabetização, ou se era burro mesmo. Acha que eu fui grosso? E se eu te disser que o carinha, em vez de escrever "conheço"... Teve a capacidade de escrever "cunhessu".


Estou falando sério... "Cunhessu", assim mesmo, trocando todos os "o" por "u" e conseguindo escrever "ss" em vez de "ç". 

Trata-se de mais um dos retratos de nosso povo brasileiro, onde cada vez mais eu acabo admitindo infelizmente que o certo é o errado e o errado é o certo. Eu sempre procurei manter em todos os meus meios de comunicação, seja aqui neste blog, seja no trabalho e seja conversando digitalmente com meus amigos e conhecidos, um mínimo de boa escrita e respeito pelas regras de ortografia e gramática. E olha que não é fácil, pois eu odiava aquelas aulas de português, com aquele monte de regras e tempos verbais. Até hoje não sei direito pra que serve o pretérito mais que perfeito. Mas pelo menos um mínimo de organização sempre procuro. Só não consegui ainda me acostumar com as novas regras que inventaram... Apesar do corretor ortográfico aqui sempre xingar, eu ainda me vejo escrevendo "idéia" com acento.

Mas isso não chega aos pés dessas pessoas que escrevem deliberadamente de maneira errada. Pior de tudo, muitas vezes essa escrita distorcida e animalesca não é fruto de falta de ensino, é de propósito mesmo. O carinha que escreveu o "cunhessu" ali de cima, até pós-graduação tem. Digo que eu duvido que essas pessoas escrevam dessa forma em um ambiente profissional... Não só duvido, como espero, pelo bem da raça humana. Mas não é porque você está em um ambiente mais descontraído, entre amigos, que precisa escrever alguma atrocidade como "eskeçe"...

Estamos começando um novo ano... Embora eu ache meio babaquice, muita gente enxerga a virada como a oportunidade de mudar, de fazer algo diferente para seu próprio crescimento. Tipo, começar a ir na academia, ler mais, juntar as escovas de dentes com a namorada... Sabemos que toda essa conversa é balela, que vai ter um monte de inscrição na Bodytech que será cancelada em fevereiro, que o máximo de leitura que as pessoas vão ter será o caderno de esportes ou a revista Caras, e que vai ter muito casal de namorados se separando antes do 12 de junho... Mas seria bom, para a sociedade, para as pessoas, se pelo menos alguns tomassem vergonha na cara e começassem esse novo ano escrevendo direito, sem essas palavras inventadas, sem essas abreviações toscas...

Pra que assim a gente não seja obrigado a ler frases como "Mérmaum, eu naum cunhessu akela gateenha da fotu do Feice"...


Eu sei... Acho essa foto engraçada pra caramba!

5 comentários:

Soull Vanns Neves disse...

eu fico puto tbm, tem gente que escreve as palavras errada só pra se mostrar na internet.

Vegeta Escritor disse...

Kakarotto!

Arnaldo Krogdahl e Lis Versieux disse...

Hahaha! Só li verdade.
Também tenho uma antipatia do cacete com essa galera do português porco.
Galera tem preguiça de escrever porque tem preguiça de ler, ou vice-versa.
E o tal do "VOÇÊ"... Esse até fede.

Isabel Ferreira disse...

E o maravilhoso "xau" na despedida? e a risada "kakakaakakakak" ? puta que pariu, que coisa de boçal, os paradignmas da imbecilidade humana se renovcam a cada geração...e nossa bate o teto da vergonha alheia!

Texugo disse...

"Xau" também é dose... Me esqueci desse