sábado, 5 de setembro de 2015

Robocop - Parte 5

E finalmente chegamos ao fim... Confesso que fiquei surpreso como consegui render com esse filme durante cinco postagens, mostra a quantidade de tosqueira por minuto que vemos nessa película clássica dos anos 80. Sensacional como que esse filme passava livremente na Sessão da Tarde, mesmo com toda a sua violência gratuita, que chega ao seu ápice no final. Caso você ainda não tenha visto as outras partes da minha zoação, é só clicar nos links abaixo para abrir direto.


Nós havíamos parado em um momento de zorra, quando a polícia decidiu entrar em greve e o Robocop levou uma coça do ED-209, precisando assim se esconder. Zé Pinto, o executivo da OCP, havia mandando Clarence Boddicker e sua turma irem atrás do robô, para que assim ele pudesse controlar a cidade sem problemas. Sabemos bem que o crime não compensa, e que vendo que durante todo o filme o Robocop só prendeu um sujeito, já dá pra imaginar o destino final dele. Mas vamos ver como que isso vai acontecer.

E com a greve da polícia, temos o que já era esperado... Uma algazarra nas ruas, com todo mundo saqueando as lojas, para roubar televisões, rádios, computadores, cortadores de grama, torradeiras e vasos sanitários, para assim fazer aquela reforma maneira no barraco. Embora, como podemos ver na foto abaixo, todo mundo está preferindo invadir a sex-shop, pra roubar revista de mulher pelada.


Quem está no meio do fuzuê é nosso velho amigo, o Farofa. Com a greve, foi moleza ele sair do xilindró, já recuperado da mega pancada que deu naquele carro quando o Robocop o prendeu. 


O Farofa então decide tomar uma atitude mais vândala, tacando uma garrafa na vidraça, já que a moda nesse filme é quebrar vidro. Parece que ele decidiu roubar alguma coisa também pra não ficar mal na fita...


Que nada! Ele só estourou a vitrine pra aumentar o volume da televisão que estava passando aquele programa humorístico tipo Zorra Total, onde o coroa fica só encoxando as modelos gostosas convidadas.


E sim, crianças... Naquela época pra se aumentar o volume ou mudar o canal da televisão, tinha que tirar a bunda do sofá e ir lá mexer nos potenciômetros... Ah, a tecnologia! E o melhor de tudo é que era pro Robocop ser um filme no futuro, mas o aparelho de TV parecia da década de 80. Deve ser um futuro alternativo onde temos robôs mas ainda não inventaram o celular e a televisão de plasma...

Chega então o restante dos amigos do Farofa. Clarence Boddicker o cumprimenta, dizendo que está com a cara mais fudida do que bunda de puta e que precisa tomar um banho pra tirar aquele futum da cadeia. Farofa por sua vez só sorri e diz que tudo bem, pois afinal de contas ele não vai ficar de brincadeira e responder o desaforo de Clarence Boddicker, ou então ele poderia ter as suas bolas assadas na frigideira.


Quem chega também é o Motumbo, todo serelepe pois havia conseguido achar um SUX 6000 (aquele carro do anúncio do dinossauro do post anterior) dando sopa no estacionamento da cadeia, foi só fazer a ligação direta e correr pro abraço. Fonzie, exibindo sua cabeleira recuperada após algumas sessões de implante e sua roupinha fashion comprada na loja "A Bicha Elegante", dá o recado para Boddicker, dizendo que o negão tem um carro igualzinho ao dele, e todo mundo ia pensar que os dois eram amantes gays por terem o mesmo veículo.


Clarence Boddicker dá só uma risada... Já sabe que ele vai tirar um Ás da cartola...


... ou melhor: ele tira de seu carro um mega-ultra-super-foda fuzil do caralho. Tipo aquelas armas fuderosas que a gente usa no Doom ou Duke Nukem.


E pra demonstrar o poder de fogo e ao mesmo tempo dar uma valiosa lição aos seus capangas, ele a aponta para o carro do Motumbo...


e KABOOM!!! Lá se vai o carro do negão, que agora vai ter que andar de BRT.


Boddicker cai na gargalhada, mandando algumas piadinhas racistas pro Motumbo, que hoje em dia seriam banidas do filme e colocariam o diretor na cadeia. Sinceramente, como era mais fácil a vida nos anos 80, onde a gente não tinha que se preocupar com um bando de politicamente corretos à espreita pra pegar qualquer deslize moral. Na boa, deve ter gente que vai ficar reclamando de racismo só pelo fato do Motumbo ser negro e o Boddicker ter feito ele de palhaço e explodido a charanga dele.


Farofa não perde tempo, pois ele curte pegar em objetos roliços de grande envergadura e calibre...


... e detona a loja de televisão. Não sei pra que, deve estar soltando o seu lado de corintiano vândalo.


Começa então a choradeira, pois Motumbo quer brincar também, ele quer estourar as cabeças de pedestres brancos que estão ali na rua, mas o Farofa começa a chorar e dizer que ainda é a vez dele, que se o Motumbo não largar a arma, ele vai contar pra mamãe que ele é um negro feio. Boddicker então se vê obrigado a separar os dois, dizendo que aquilo é uma viadagem, e que se eles quisessem brincar tinha outras dessa no banco traseiro do seu carro.


Aí então a zona rola solta, com o Farofa e o Motumbo destruindo todo o bairro, assim só por prazer. Nem a loja de putaria foi poupada, talvez se ela tivesse o nome "O Membro em Riste" eles a poupariam, bando de viados...


Boddicker então manda a turma parar com a bagunça, pois aquelas armas ali eram pra dar um fim naquele pústula do Robocop, afinal de contas a munição não estava muito barata. Olhando no seu iPod de pobre, ele vê que o robô está escondido na fábrica, e está na hora de mandar ele pro ferro-velho.


Na fábrica, encontramos a policial Lewis dormindo sobre um travesseiro de barras de ferro, que deve ser uma beleza pra coluna. Com esse papo de greve, ela deve ter se dado muito mal e ficou sem-teto, tendo que dormir em fábricas escuras...


Quem está lá também é o Robocop, ainda todo fudido depois da surra que levou na noite anterior. Deve ter começado a bater uma fome nele (por mais que seja absurda a idéia de um robô ter fome), e ele vai dar uma conferida na papinha de neném que Lewis trouxe, pra ver o teor calórico e se não tem glúten. Pois embora seja uma máquina, o Robocop quer manter uma alimentação saudável.


Puto dentro das calças (ou da lataria) por que a comida é mais gordurosa do que a cintura de um nerd gordo, o Robocop pega a sua arma e decide dar uma lição em Lewis que ela nunca vai se esquecer...


RATATATATATATATATA!!!!


O esporro da arma do Robocop faz com que Lewis pule de sua cama improvisada, com as calcinhas todas mijadas por conta do susto que havia levado. Depois de soltar um sonoro "puta que pariu", ela pergunta pro Robocop que esbórnia era aquela.

O robozão diz que sua mira está toda bagunçada, por mais que ele tentasse ele não conseguia estourar os potinhos de comida que ele tanto odiou. Porém ele não admite que queria que seu tiro saísse ainda mais torto a ponto de acertar Lewis na cabeça, pra que ela parasse com as investidas eróticas sobre ele.


Aproveitando a deixa para segurar na pistola do Robocop, Lewis chega lá por trás do seu ex-parceiro, para ajudar ele a calibrar a mira. Tipo como era antigamente, quando existiam aqueles palmtops, que antes de você usar tinha que usar a canetinha pra calibrar a zona de cliques, ou tudo funcionava errado.


RATATATATA!!! E lá se vai a comidinha do Robocop!


Lewis dá então aquela olhadinha safada pro Robocop, se apaixonando por aquela carequinha sexy e aquele monte de parafusos, fios e porcas. Quase um vibrador tamanho família, que poderia deixá-la tão esgotada a ponto de ter que andar de pernas arqueadas por uma semana. Mas o nosso amigo Robocop responde com aquele tom de "não vem que não tem"... Pois realmente não tem nada ali, a não ser uma placa de aço fria e sem graça como uma panela.


O momento de ternura entre a policial safadinha e o homem de lata é interrompido por um barulho de carros passando. É a gangue do Clarence Boddicker, guiada pelo sinal de radar localizador, que estava chegando para a zueira.


Isso me faz pensar um pouco... Os sujeitos estão com um puta fuzil cada um, capaz de destruir um carro com um tiro só. Não teria sido mais fácil eles terem visto no iPod que o Robocop estava ali do lado, e então mandar a fábrica inteira pelos ares? Fico pensando que se eu fosse bandido de filme, não ia sobrar nenhum mocinho pra contar a história...


O Robocop pede então para que Lewis se mande, pois é ele quem os bandidos querem, e ele pode cuidar deles sozinho. Mas a policial diz que não, que eles são parceiros, e que ela vai ajudá-lo.


Bem... Sabemos muito bem o que aconteceu na última fez que Lewis foi a parceira de Murphy... Isso explica por que o robô-tira queria o máximo de distância dela. É só ver a cara de quem comeu ovo podre que ele faz. Aliás, essa parece ser a mesma fábrica onde Murphy foi fuzilado antes, dando aquela sensação de deja-vu.

Os bandidos vão lá caminhando numa boa, demonstrando uma total falta de preocupação com sua segurança e completo desprezo pelo conceito de estratégia. É só ver ali o Robocop lá atrás, desse jeito é só dar um balaço na cabeça de cada um, e depois só sobrava o merda do Farofa dentro do furgão. Embora, convenhamos que o Farofa é um imbecil...


Só que mais imbecil ainda é o Robocop... Em vez de já mandar Clarence e sua turma pro necrotério, ele pega um pedaço de lata largado ali e joga lá embaixo num canto...


Por conta do barulho, os três ali não perdem tempo e largam o aço...


... explodindo uma caldeira ali do lado, onde vivia uma família de ratazanas. Não sei qual foi a intenção do Robocop em distraí-los dessa maneira, ele poderia ter jogado o pedaço de metal em cima do furgão, e aí eles iriam mandar o Farofa pelos ares. Seria mais engraçado.


Mostrando que é mesmo um idiota, em vez de aproveitar o momento pra apagar os capangas, o Robocop chega lá de cima e grita para eles, perguntando se "Setembro chove?".


RATATATATA!!! E o primeiro a bater as botas é o Motumbo, levando uma porrada de tiros e indo embora mais cedo. Podem falar o que for, sei que soa racista, mas nesses filmes sempre é o negro o primeiro a se dar mal... Com toda uma compaixão pelo seu amigo, Fonzie o segura e o usa como um escudo humano. Como se fosse adiantar alguma coisa.


Os capangas agora vêem o seu alvo e tentam acabar de vez com aquele puto do robô...


... mas chegou o momento do filme em que eles são atingidos pela síndrome dos Stormtroopers, ficando completamente vesgos e errando o alvo. Impressionante é que mesmo com um fuzil que mais parece uma bazuca, nenhum dos três consegue sequer acertar perto do Robocop.


Boddicker não é bobo, ele já havia voado por um monte de vidraças na última postagem, e decide correr pra seu carro e se mandar. Essas são as vantagens de ser o líder da gangue, de poder deixar os seus subordinados lidar com tudo enquanto ele bate em "retirada estratégica", como os grandes vilões costumam dizer. Da mesma forma como o Comandante Cobra e o Mumm-Ra faziam na mesma época...


Fonzie decide que é a hora dele brilhar nesse momento do filme. Até então ele tem sido o mais coadjuvante dos bandidos, até mesmo o Motumbo teve seu momento de destaque na hora da mijada, lembra? Com isso, ele decide enfrentar o Robocop, e o encontra lá, vindo a seu caminho, um tiro de 10 metros, não tem como errar, é apertar o gatilho e correr pra galera.


E não é que o cretino consegue errar? Ainda mais com o Robocop com seu passo arrastado... Cara, não dá pra entender esses bandidos, acho que se eles fossem executar uma pessoa amarrada com um tiro na cabeça à queima-roupa, eles iriam arrumar uma forma de errar... O Robocop idem, em vez de aproveitar e revidar, fica ali como um poste.


Depois de despistar a bichona do Fonzie, o Robocop é então encontrado pelo Farofa, que está no furgão. E o capanga pisa fundo, com  objetivo de atropelar o robô e se vingar do "acidente" de trânsito que ele havia provocado. Tudo bem que atropelar um robô como o Robocop deve causar mais estragos no veículo do que nele... Mas, enfim... Estamos falando do Farofa, e sabemos que ele não é muito brilhante...


Apesar de ter a destreza e agilidade de um octogenário de bengala, o Robocop consegue correr pro lado e evitar o furgão do Farofa, que se dirige à toda para um mega tanque de lixo tóxico.


E foi com tudo mesmo! Como nos anos 80 não havia essa de air-bag, dá pra imaginar que o Farofa vai sair dessa com uma baita dor de cabeça... Se bem que aqueles que já conhecem o filme sabem que teria sido melhor pro Farofa ter morrido com a colisão.


Após a batida, o furgão é inundado por uma gororoba tóxica, deve ser uma mistura de refugo de produção de Pepsi com lanches vencidos do McDonald's e outras nojeiras, a ponto de gerar algum produto doido tipo aquele que transformou as Tartarugas Ninja.


Mas sabemos que isso de produto tóxico que provoca mutações é algo estúpido demais, totalmente fora da realidade. Com isso, os resultados sobre nosso pobre amigo Farofa acabam sendo bem diferentes...


Sério, essa é outra cena extremamente chochante, juntamente com o fuzilamento do Murphy. Ver um sujeito ficar todo fudido e derretido, a ponto da pele de seus dedos se descolar dos ossos, era mais um dos momentos que eu e outras crianças viam tranquilamente na Sessão da Tarde, muitas vezes acompanhados de sonoras gargalhadas ao ver o bandido levar um banho de ácido e virar uma coisa aterradora, parecendo com o Sloth dos Goonies. Como os tempos mudaram...


Perto dali, Clarence Boddicker está tentando fugir. Pra ele chega de Detroit, que se foda aquela merda. Melhor pegar um avião para o Brasil e tentar a carreira política, onde seria muito mais fácil faturar uma grana e sair impune.


Só que Lewis, que estava lá no carro de polícia, fez jus ao dito popular "mulher no volante, perigo constante", errando numa curva e acertando de lado o carro de Boddicker.


O Fonzie continua ainda correndo por ali, não acreditando como foi tão facilmente enganado pelo Robocop. Mas dessa vez ele vai conseguir, vai acabar com aquele maldito homem de lata, porque ele é fodão, é o pica das galáxias, não tem medo de nada!


Até que então ele se caga nas calças todas, quando dá um esbarrão no seu amigo Farofa. Ou melhor, no que restou dele.


Coitado do Farofa... todo arrebentado, mas cheio de amor pra dar, louco pra dar um beijinho no seu amigo do peito Fonzie. Só porque ele tá com a cara de um chiclete mastigado e cuspido fora?


A perseguição genérica continua ali perto, com Clarence Boddicker acelerando pela reta oposta, mas com a policial Lewis vindo no vácuo dele, prestes a dar uma de Rubinho e ficar em segundo.


E então o Farofa, todo cambaleante e arrebentado, sem se dar conta se arrasta bem na frente dos carros que estão vindo. Também, o seu olho bom já virou gosma faz tempo.


Em questão de segundos, Clarence Boddicker, mesmo sendo o fodão, apesar de já ter cometido vários crimes hediondos, a ponto de deixar policiais sem cabeça e outras asquerosidades, se borra nas calças após ver aquela merda ali na sua frente.


Por algum motivo... me deu vontade jogar Carmageddon...


SPLAAAAAATTTT!!!

Claro que hoje em dia dá pra ver um super-câmera-lenta e perceber mais um dos defeitos especiais, com um boneco plantado no caminho do carro. Mas mesmo assim é uma cena bizarra, especialmente com o efeito da cabeça do Farofa simplesmente se soltando com o impacto e explodindo no pára-brisas.

Graças ao moribundo Farofa, Boddicker perde o controle do seu SUX 6000. Algo de se esperar com um carro cujo nome em português seria algo como "Fede 6000".


Lewis pára o carro ali em cima, para admirar mais um acidente de trânsito que ela causou. E comete um dos maiores erros quando se está perseguindo um bandido, que é nunca baixar a guarda até ter a certeza de que o canalha morreu na batida.


Não disse?


Lewis leva uma porrada de tiros, em tudo quanto é lugar. É bala no braço, na perna, nos peitos... Mas aparentemente Boddicker conseguiu errar todos os órgãos vitais. Já falei, é Síndrome de StormTrooper...


Ela ainda desaba do barranco, caindo sobre aquela água suja que tiraram da Baía de Guanabara, o que deve ser sensacional para causar uma infecção generalizada tripla.


Certamente Lewis está com os dias contatos, nem deu pra ela planejar seu testamento e vai virar estatística na ficha criminal de Clarence Boddicker. Mas pra sua sorte, o Robocop aparece, com cara de quem comeu e não gostou.


E que apareceu também foi o Fonzie. Depois de ter limpado a cueca após seu contato imediato com o Farofa, ele vem pra brincadeira também.


Em vez de se posicionar e acertar um tiro na cabeça do Robocop com sua mega-ultra arma, ele decide ir lá num guindaste que tem ali perto. Não sei qual a intenção dele com isso... Por isso que os bandidos nunca ganham nos filmes, eles sempre tomam as decisões mais esdrúxulas em vez de simplificar e acabar com o mocinho de vez.


Enquanto isso, Lewis viu ali o outro fuzilzão, e decide se arrastar até ele. Mais uma das conveniências de filmes, a arma de Boddicker tinha que ter caído assim, bonitinha e sem problemas, após seu carro voar que nem uma barata tonta.


Boddicker então, sabendo que sua pistolinha não vai adiantar de nada, decide se render, dizendo que tem diploma de universidade e tem direito à cela especial. Não sei se ele percebeu o plano do cretino do Fonzie ou ele jogou a toalha mesmo.


E vemos então qual o plano do cabelinho... Posicionar o guindaste bem em cima do Robocop e soltar aquele monte de vigas em sua cabeça. Bem legal, bem sádico... Mas menos efetivo do que simplesmente atirar com sua puta arma.


Claro, para os mais puristas, não é um guindaste, é uma ponte rolante.

E lá se vão as vigas! Madeira!!!


Algumas toneladas de aço desabam em cima dos cornos do robô-tira, sem dúvida depois dessa ele vai sair todo achatado, como uma tampa de lixeira. Ou como o Coiote quando era esmagado por uma rocha.


Fonzie fica então eufórico, finalmente ele conseguiu fazer alguma coisa no filme. Ele é o cara! Todo alegre, ele corre pra janelinha pra gritar "Peguei ele! Peguei ele!"


Só que lá embaixo... Lewis, fazendo uma cara um pouco suspeita, já chegou até o rifle e...


KABOOOMMM!!!


É... ele pegou...

Boddicker vê que fudeu... Agora tá dois contra um, mas depois do coice da arma Lewis encharcou suas calcinhas e precisa agora de um cigarro...


... e o Robocop, apesar de incrivelmente ter sobrevivido à pancada, está todo abafado ali, soterrado debaixo das vigas e com uma puta coceira atrás da orelha.


Boddicker parte pra grosseria então... Chega de ser o bandido bonzinho, ele pega ali um ferro e começa a descer a porrada no Robocop. Claro, ele deveria ser um pouco mais esperto, pois ficar batendo com essa barrinha de ferro num robô feito de aço reforçado deve ser tão eficiente quanto querer espancar alguém com uma bola de algodão.


Parece que Clarence escutou o que eu acabei de dizer, e decide mudar para uma estratégia estilo Van Helsing, aproveitando que a barra de ferro tem uma ponta afiada.


Caralho! E o Robocop é perfurado no peito pelo ferro, como se fosse um vampiro. Deve doer...


Boddicker então perfura o coração de Robocop, começando a xingar ele de tudo quanto é coisa, dizendo que depois ele vai pegar aquele ferro e enfiar no rabo dele até sair pela boca, levando tudo que for parafuso, pino e porca que tiver pelo caminho.


Só que o Robocop, assim como o Homem-de-Lata do Mágico de Oz, não tem coração, ele é um desalmado da pôrra. E tem ainda um último truque: a sua agulhinha.


SNIKT!


SPLAT! E o Robocop leva um banho de sangue...


Bem na jugular... e esse é o fim de Clarence Boddicker, perdendo metade de seu pescoço e espirrando sangue pra tudo quanto é canto. Lá se foi o mais filho da puta dos bandidos.


Engraçado como nesses filmes, sempre no final é a arma branca que salva. Lá quando fiz o Starship Troopers, a menina se salva de ter seus miolos chupados pelo monstro cérebro graças à faquinha... No Aventureiros do Bairro Proibido, Lo Pan é morto quando Jack Burton joga a sua faquinha de estimação no meio da testa dele... E aqui, foi a vez da agulhinha portátil do Robocop que deu cabo no bandido.

O Robocop então dá uma respirada, dizendo pra Lewis que depois eles a consertam. Claro que não vai ser um Extreme Makeover como quando o transformaram naquela coisa abominável, mas pelo menos podem aproveitar pra colocar uns silicones nos peitos dela, pra que fiquem mais atraentes...


Só que ainda não acabou. Depois de se livrar das vigas, deixar Lewis no hospital do SUS pra ser atendida por médicos cubanos e passar no lava-rápido pra limpar o sangue de Boddicker que melou toda sua lataria, o Robocop vai lá na sede da OCP.


Onde mais uma vez está havendo uma reunião. Parece que os executivos não fazem nada além de reunião. Zé Pinto está dizendo que com a greve da polícia, é a hora certa de colocar seus robozões ED-209 nas ruas, pra fuzilar todos os criminosos. Curioso ver como ninguém teve o mínimo de tato e consideração pelo Bob Morton, deixando a sua cadeira ali vazia, pra todos se lembrarem dele.


E um deles está lá embaixo, servindo de guarda pro edifício. Digo de novo, esse robô é foda pra cacete!


O Robocop parou ali, e começa então a levar um esporro do ED-209, dizendo que ele estacionou em uma vaga pra deficiente físico, e que se não retirasse o carro dali em vinte segundos o robozão ia dar uma desculpa pra ele usar aquela vaga.


Sem pestanejar, o robô-tira saca então um dos mega fuzis que sobrou lá dos bandidos, pra ensinar pro ED-209 quem é que manda nesse filme.


KABOOM!!! Finalmente o Robocop fez crescer um par de bolas, deixando daquela viadagem toda e partindo pra grosseria explodindo o robozão.


Coitado do ED-209... só sobraram as perninhas dele.


Lá em cima o Zé Pinto continua com seu discurso neo-nazista, dizendo que em breve, com um exército de ED-209s Detroit será a cidade mais poderosa do mundo, e depois então quando eles estiverem em toda a América, o povo agradecerá por seus esforços por ter criado uma máquina capaz de manter a ordem nas ruas. Claro, tudo pra disfarçar o seu desejo de dominar o mundo...


Sim, no final das contas todos os vilões dos filmes querem dominar o mundo, não é?

O Robocop chega chutando tudo, abrindo a porta e interrompendo a reunião. Fico imaginando se a secretária do lado de fora tentou fazer alguma coisa pra impedí-lo de entrar assim, ou se estava distraída jogando Paciência no seu computador.


O velho, presidente da OCP, pergunta que esbórnia é aquela, que depois daquele incidente onde mataram o estagiário Paulinho, ele havia proibido a entrada de robôs ali, pois ficar limpando mancha de sangue do carpete toda hora tava saindo muito caro.


O Robocop então começa com a acusação contra o Zé Pinto, mas só de dizer isso, começa a pipocar na sua tela aquela mensagem da Diretiva 4, que o impede de fazer qualquer coisa contra um membro da OCP. Só que dessa vez, ele finalmente deixa de viadagem, sem ficar ali como se estivesse sendo estuprado.


Pra provar, ele vai lá no computador e saca a sua agulhinha-conector USB, ainda toda cagada do sangue do Boddicker...


... e começa a passar um vídeo que ele gravou do Zé Pinto, naquela vez que ele entrou em seu escritório e foi espancado pelo ED-209. No vídeo, ele confessa que matou Bob Morton e que iria acabar com sua criação também. E digo mais uma vez, estamos no futuro e ainda usam televisão de tubo...


Sem perder tempo, vendo que a coisa ficou preta pro seu lado, Zé Pinto corre lá e pega aquela arma de prata, a mesma que tinha sido usada no fatídico teste do ED-209 alguns dias atrás. Fico me perguntando por que diabos tem uma arma carregada na sala de reunião, assim dando sopa. Imagina só, naquelas reuniões de final de trimestre, se os ânimos ficam mais acalorados e alguém perde a noção?


E ele pega o velho e o faz como refém. Começam então as exigências, em que ele pede um helicóptero, pilotado por uma dupla de go-go-boys besuntados em óleo, uma maleta com um milhão de dólares em notas pequenas e uma caixa de vaselina, ou então ele iria estourar os miolos do velhote ali mesmo, e mandar a conta da limpeza do carpete pra todos ali.


Eis que o velho tem uma sacada sensacional, demitindo o Zé Pinto. Com isso, ele deixa de ser membro da OCP e a Diretiva 4 se desliga, permitindo que o Robocop faça alguma coisa.


E além disso o coroa acerta um soco no saco do Zé, conseguindo assim se livrar dele. Impressionante como o velhote em dez segundos se mostrou mais astuto e esperto do que todo o elenco do filme junto.


Robocop não perdoa mais... Poderia ter ali prendido o Zé Pinto, levado ele pras autoridades, mas nessa altura do campeonato é licença pra matar, atirando ali sem a menor cerimônia no vilão...


... e pra não perdermos o costume, ele atravessa a vidraça da janela. Afinal de contas, nada mais satisfatório do que o barulho de um bandido voando pela vidraça.


Seguindo a carreira de nosso amigo Willie E. Coyote, lá vai o Zé Pinto caindo até se estabacar lá no meio da rua. That's all Folks!


E o panaca do Johnson, que não fez pôrra nenhuma no filme além de se esconder debaixo da mesa e comer papinha de neném, fica todo feliz e manda um jóinha pro Robocop.


Enquanto que o Robocop fica com aquela viadagem de girar a pistola no dedo. Parece aqueles desenhos dos Comandos em Ação ou He-Man, chega no final todo mundo rindo, todo mundo de babaquice e se portando como verdadeiros idiotas.


O velho dá aquela arrumada na gravata, agradecendo ao robô por não ter destruído a sua maquete, mas que iria cobrar do seu soldo a vidraça quebrada, perguntando assim o seu nome.


Ele pára, dá aquela olhadinha sarcástica e diz:


"Meu nome é Enéas!"

Assim chegamos (finalmente) ao final dessa sátira desse mega filmaço. Oito meses depois da primeira parte, quase 500 imagens do filme tiradas após muita exaustão e tendo que equilibrar tudo com trabalho, outros afazeres da casa e tantas outras coisas mais, chego aqui à conclusão da história do policial do futuro. Confesso que não imaginei que iria finalizar, mas está aí mais uma sátira de filmes, que deu trabalho mas que espero que todos tenham gostado.

E já vamos nos preparando para a próxima. Pensei um pouco, ia pegar até alguns filmes mais recentes, mas eu não resisto, temos que revisitar as décadas de 80 e 90 e trazer de volta filmaços que ainda não foram superados, obras-primas que já vimos dezenas ou centenas de vezes, mas que sempre assistimos de novo. Depois de muito pensar, seguindo a linha de resgatar os filmes formadores de meu caráter, o próximo será...


Sim, estamos falando do mega clássico do caralho Comando para Matar, com o nosso grande amigo Arnold Schwarzenegger! Já estou me coçando pra começar a escrever mais essa sátira, de um filmaço que deve ser presença obrigatória na estante daqueles que são homens de verdade. Depois de um merecido descanso, voltamos com mais esse filme. Até lá!

Um comentário:

Haitou_88 disse...

Muito boa a última parte, finalmente o fim heheehh. No aguardo do comando para matar