sábado, 28 de fevereiro de 2015

Correspondência moderna

Estive outro dia vendo o site dos Correios, para consultar o número de rastreio de uma encomenda que estou esperando do exterior, para mais uma vez xingar meio mundo ao ver que o maldito site não atualiza a porcaria do status com a frequência que deveria. É impressionante como que num mundo tão informatizado, onde estamos todos conectados e a comunicação é tão simples, o site de rastreio só atualiza os dados depois que a encomenda chegou na sua casa...

De qualquer maneira, eu não vim aqui para falar da incompetência dos Correios, do qual só se salva mesmo as agências franqueadas, as quais eu procuro sempre usar quando preciso mandar alguma coisa, visto ser covardemente mais competente que as agências padrão. Por estar passando pelo site dos Correios nessa ocasião, uma hora aparece num daqueles banners de propagandas a imagem abaixo.


Bom, cabe fazer aqui uma certa confissão: sou um texugo que gosta muito de cachorros. Tenho um carinho muito especial pelos nossos amigos de quatro patas, e por algum motivo ao ver o cão acima, com esse olhar pidão e ainda com um texto como se fosse ele falando, me senti inclinado a clicar para ver o que se tratava.

Sim podem me zoar agora. Pode apostar que muita gente vai sacanear a minha moleza ao não resistir. Sei que caí direitinho, sem dúvida essa foi a jogada da propaganda para atrair na base da emoção principalmente os amantes de cachorros. Mas pelo menos tenho a certeza de que não sou o único...

O que acontece é que tal propaganda te leva a uma outra página, onde o mesmo cachorrinho com seus olhos de cachorro sem dono fica ali te olhando, enquanto o site fala a respeito de como deve ser a sua caixa de correio na sua casa para que você evite eventuais situações embaraçosas onde o seu cachorro possa atacar o carteiro, algo que eu sinceramente só vi acontecer em filmes e desenhos. 


Mas parece que isso deve ser mais comum do que pensamos, pelo menos em certos lugares onde ainda se vive em casas, algo fora da realidade deste texugo que sempre viveu em apartamentos na cidade grande. Fico me perguntando por que os cães agem assim somente com os carteiros de uma forma geral, por que não com outras pessoas, como a sogra que vai fazer uma visita ou o entregador de pizza. De qualquer maneira, sendo comum ou não, são dadas sugestões como cuidar de sua cerca ou grade, fechar sempre o portão e ter uma caixa de correios com as dimensões adequadas. Tudo para evitar que o cachorro ataque o pobre carteiro que está vindo te trazer uma correspondência.


Aí uma coisa me chamou a atenção, e não foi o desenho tosco do carteiro e tampouco o cachorro com uma pinta de mal-encarado que parece ter saído das entranhas do Inferno. Foi o fato de que são dadas todas as dimensões da caixa de correio, com detalhe até para o tamanho que a abertura deve ter, e que me fez imaginar por que diabos ela precisa ter 27 centímetros de largura? Não poderiam ter colocado um número redondo?

Tá, mas aí pergunto: quem diabos ainda envia carta hoje em dia?

Ok, tudo bem, eu posso aqui estar sendo meio radical demais... Talvez ainda tenham pessoas que mandam cartas, por algum motivo qualquer. Mas eu confesso que não consigo entender como esse hábito ainda persiste, considerando o grande avanço das comunicações que temos hoje em dia.

A sociedade está cada vez mais acostumada com a comunicação digital. Em questão de segundos podemos mandar um e-mail para uma pessoa em qualquer canto desse planeta, e pode ser uma mensagem como a gente quiser: pode ser uma carta de 20 páginas frente e verso das declarações de uma garota para seu namorado, pode ser uma lista de piadas de papagaio, pode ter megas de fotos da última viagem para o raio que o parta, o que for. Às vezes não precisa sequer de um e-mail, hoje com Whatsapp, Skype e outros aplicativos que podemos usar em nossos computadores, tablets e celulares, podemos nos comunicar com tanta facilidade com qualquer pessoa, o que ao meu ver dispensaria o uso de cartas.


Tudo bem, há quem possa dizer que cartas ainda são necessárias para certas coisas, como por exemplo para o envio de contas. Mas acho que mesmo assim é uma grande baboseira desnecessária. Pombas, você pode ir num caixa eletrônico e pagar a conta, ou a mesma pode ser enviada por e-mail e você faz o pagamento pelo site de seu banco. Eu por exemplo, tenho quase todas as minhas contas cadastradas em débito automático, e praticamente não recebe nada impresso, só algumas poucas contas que mesmo estando programadas para pagamento são enviadas. Isso sem entrar no mérito de outros serviços de pagamento online que existem. O próprio boleto, você não precisa recebê-lo, pode até imprimir desde o seu computador ou simplesmente entrar com seus dados no site de internet do seu banco e pronto. Uma facilidade só. Sem falar que as árvores agradecem.

Lógico que vão aparecer aqui os sociólogos de porta de ONG para dizer que eu estou sendo muito radical, e que muitas pessoas, principalmente de baixa renda, não têm acesso a toda essa inclusão digital para poder fazer tudo isso. Na boa, não ter acesso à inclusão digital é a minha bunda! Tá cheio de gente aí das classes C, D e E, que vive de Bolsa Família, que se vira com salário mínimo, que mora na "cumunidade" e que vive no aperto, mas que tem um celular de última geração pra ficar postando bobagens no "Feice" ou pra ficar mandando piadinha pelo "Zap-Zap". Usar a tecnologia pra coisa útil, ninguém se dá ao trabalho.


Outro motivo pelo qual eu não me incomodo com o fim das cartas é que pela comunicação digital temos maior privacidade. Pode parecer até engraçado o que eu estou dizendo, com todas essas neuras que as pessoas têm de investigação eletrônica e etc, tipo aquelas que aquele tal do Snowden acusou os EUA de estarem fazendo. Tudo bem, sabemos bem que quando surfamos na rede, é como um verdadeiro Big Brother, só ver as propagandas que aparecem nos sites: se você chega e pesquisa sobre um desentortador de banana, da próxima vez que você abrir o Google pode apostar que vão aparecer anúncios de desentortadores de banana. Sei que existe esse tipo de "invasão", mas não sejamos hipócritas também... Tá cheio de vagabundo aí que fica todo cheio de cagaço de que sua privacidade está sendo invadida, mas ao mesmo tempo vai lá no "Feice" colocar um monte de coisas sobre sua vida pessoal, só pra "tchurma" dar um joinha...

Quando falamos sobre a correspondência física, eu entendo que não há muita privacidade também, ou mesmo segurança. Isso porque, desde sair do remetente até chegar nas mãos do destinatário, a carta passa por muita gente, e ainda mais num país de merda como o nosso, às chances dessa carta ser extraviada ou danificada são grandes. É a razão pela qual eu cheguei no meu banco e cancelei todo o envio de correspondência, cadastrei tudo para ser acessado direto no site no banco. Vai que o envelope com meu extrato da conta cai nas mãos de outra pessoa? Ela vai ter tudo, saber quanto eu tenho na minha conta corrente, e até meu endereço. Sou sim, desconfiado.


Aconteceu certa vez aqui comigo, na época em que eu tinha decidido assinar uma revista, e antes que alguém venha falar alguma coisa, não, não era assinatura da Playboy. Era uma revista mensal, chegava sempre no início do mês, até que certo dia ela não apareceu. Passaram vários dias, cheguei até a ligar para a editora reclamando do fato, eles me mandaram um outro exemplar. Até que certo dia, indo na lixeira do andar para jogar fora um saco com os restos de comida do almoço, vi um mesmo exemplar da tal revista largado num canto. Tive a curiosidade de dar uma olhada, e na etiqueta colada na capa, pude ver o meu nome! Ou seja, certamente a revista havia sido entregue em outro apartamento do andar, e o morador deu uma de "mallandro" e ficou com a minha revista! Foi algo que me fez cancelar a assinatura: preferia ter o trabalho de ter que ir na banca do que ficar sendo roubado de maneira descarada.

Porém, se por um lado eu suponha que as cartas vão acabar se tornando cada vez mais raras, isso não significa menos trabalho para os correios, muito pelo contrário. O mesmo avanço tecnológico que mencionei colabora para um aumento sem precedentes de encomendas, como caixas e pacotes. Hoje em dia é tão fácil você comprar uma série de coisas sem ter que sair de casa, é só entrar num site e pronto. E não é apenas dentro do país, cada vez mais o brasileiro está comprando fora, seja em lojas de departamentos e outros lugares mais conhecidos, seja num eBay ou semelhantes, seja através de contato direto com alguém em outra parte do mundo ou mesmo com os chineses muambeiros que vendem as mais loucas parafernálias a preços absurdamente baratos.

Mas, claro... Seria tudo tão mais fácil se os malditos Correios aqui ajudassem...


Tudo bem, eu até posso entender que temos uma demanda cada vez maior de encomendas, e certamente não tem braço suficiente para lidar com tudo. Um carteiro, sei lá, consegue carregar na sua bolsa uma centena de cartas de papel, mas provavelmente só uns três ou quatro caixas, dependendo do tamanho. Começa a ser necessário o uso de algum tipo de veículo para dar conta de tudo, para poder carregar todo o volume de encomendas.

Acontece que a incompetência, descaso e falta de consideração dos Correios em geral supera o aceitável quando o assunto é entregar esse tipo de correspondência. Pôrra, se falta gente, vamos contratar, caralho! É simplesmente absurdo o nível de demora que as encomendas levam para chegar em sua casa, é um atraso que beira o ridículo. Cito um caso particular: encomendei certa vez algo daquele site chinês, alguma coisa de informática que custa oitocentas vezes mais caro aqui. A encomenda levou, acredite, quatro dias para chegar no Brasil. QUATRO DIAS!!! Atravessou o planeta inteiro em menos de uma semana!


Aí então ela chega na famigerada unidade de tratamento de Curitiba, para onde normalmente todas as encomendas internacionais vão. Não deve ser à toa que escolheram uma cidade que começa com "Cu", pois o que vemos na sequência é como mandar você enfiar os dez dedos no seu orifício retrofuricular e rasgar. Sabe quanto tempo levou para a maldita caixa sair de lá e ser entregue na pôrra da minha casa? Três meses! Sim, três meses! Me explica como é que uma encomenda leva quatro dias para percorrer quase 18.000 quilômetros e três meses para percorrer uma distância de 842 quilômetros, considerando as estradas do país (não em linha reta, que é 200 quilômetros a menos)? Uma distância que de carro você leva meio dia para percorrer...

Foda, meu amigo... É por isso que eu desisti de trazer pra cá uma noiva por encomenda da Rússia, pois a coitadinha ia morrer de fome lá nos Correios...


Isso se ela não fosse extraviada pelo caminho. Sim senhor, além de toda a demora na entrega, esses lugares onde deixam as encomendas não tem cara de ser muito seguro. Deve entrar vagabundo de qualquer canto ali, que deve dar uma olhada, aquela chacoalhada para ver se o que tem na caixa é de valor, e aí é só meter debaixo do braço e se mandar. Na boa, não duvido que deve ter muito roubo que ocorre dentro dos Correios... Ainda mais quando passam por uma vistoria da alfândega, onde muitas vezes abrem as encomendas. Vai me dizer que se o sujeito ver ali algo interessante, não vai dizer que a encomenda se perdeu e ficar com tudo?

Tenho uma velha amiga da época de adolescência, a gente fazia curso de inglês, muito gata ela por sinal. E certa vez no Facebook ela contou que o seu marido, que estava passando uma temporada na Escócia à trabalho, mandou uma caixa para ela com algumas lembranças. Nada muito caro não, aquelas típicas lembrancinhas que compramos para amigos e familiares em viagens. A caixa chegou, a mulher toda feliz, e o maridão perguntou se ela tinha gostado de um determinado presente, que ela disse que não tinha vindo! Foi só checar a caixa para ver que ela havia sido inspecionada pela alfândega. Claro, talvez a lembrança tenha criado pernas e pulado fora. E o pior é que você fala com os Correios e cagam na sua cabeça.


Por isso, eu sinceramente penso seriamente em, quando quero receber encomendas do exterior, em pagar um pouco mais caro (melhor, BEM mais caro) para usar um Fedex ou DHL da vida, que penso ser muito mais seguro e muitíssimo mais rápido.

Bom, agora é checar se o site de esposas russas por encomenda envia por DHL.


Sim, essa história da esposa russa foi só pra dar uma floreada aqui na postagem. Se bem quedo jeito que minha maré de azar com as mulheres parece mais um tsunami, estou vendo que daqui a pouco vou ter que apelar mesmo para importar uma mulher da Rússia ou de outra ex-república soviética para não morrer sozinho... Vamos continuando.

Não só a questão do roubo de mercadorias que é uma constante por aqui, mas também o grande volume de encomendas que são danificadas devido a um total desprezo por parte dos Correios. Você deve se lembrar daquele vídeo, em que uma vizinha de um dos centros de encomendas filmou a forma como os funcionários tratavam as caixas, com direito a nego chutando encomendas e as fazendo de bola de basquete.


É simplesmente foda! Você chega e está aguardando uma encomenda, muitas vezes nela vem algo relativamente frágil, e por conta de um bando de filhos das putas como esses você sai no prejuízo. Mesmo que a caixa tenha a palavra "FRÁGIL" escrita em letras garrafais, a impressão é que devem pegar justamente essas aí onde há algum item mais sensível e frágil e botam para um gordo sentar em cima. Cansei de receber caixas rasgadas, amassadas, até mesmo molhadas como se tivessem caído numa poça de lama.


É realmente de se admirar como que maltratam essas encomendas. Parece que os caras ficam putos por estarmos "dando trabalho" para eles, e então os carteiros e funcionários precisam estragar tudo, parece que sentem uma necessidade de prejudicar a encomenda da pessoa, pouco se preocupando se ali naquela encomenda está algo valioso ou frágil.

Claro que eu não estou aqui generalizando... Sei que, como ocorre em qualquer profissão, existem bons e maus funcionários. Mas é indiscutível como dá a impressão de que a maioria das pessoas menos qualificadas decide fazer um concurso para os Correios. Conto nos dedos das mãos quantas vezes eu tive que lidar com esse serviço e não me aborreci, quase sempre eu posso esperar que minha correspondência, em especial encomendas, vão no mínimo levar uma eternidade para chegar aqui em casa, isso se chegarem. Estou por exemplo aguardando uma encomenda agora que está parada vai completar dois meses. E não é só comigo, não acredito que seja azar. Olhe ao seu redor, converse com seus amigos, e posso apostar que boa parte deles já teve alguma encomenda extraviada ou danificada, que já teve dor de cabeça com essa turma.

Pra você ver como que é minha ira, onde o assunto começou lá com o cachorrinho dengoso do site dos Correios, veio então pra questão de quem ainda manda cartas, tudo isso sendo o estopim para eu desabafar aqui a respeito dessas merdas que ocorrem aqui nos Correios. Estou ciente de todos os problemas, de todas as dificuldades e falta de mão-de-obra para esse serviço, mas eu vou te contar, acho que aqui temos um dos piores serviços de correios de todo o mundo. Uma incompetência absurda, uma lerdeza inacreditável... Sério, é como se todo mundo que trabalha nos Correios é como esse nosso velho conhecido.


Enfim... Espero que um dia esses Correios tomem vergonha na cara, e melhorem o seu serviço para atender a população, que conta com que suas encomendas e correspondências cheguem a tempo e inteiras, com um mínimo de respeito. É difícil, ainda mais por se tratar de um serviço público... Mas a esperança é a última que morre.

2 comentários:

Haitou_88 disse...

Cara eu moro em Curitiba, não sabia que a central das encomendas internacionais passava por aqui, sem zueira o tempo médio pra entrega aqui tb é de 3 meses depois que chega no Brasil.Já visitei a sede central pra pegar uma encomenda e sério 99% das pessoas que trabalham lá, trabalham em "marcha lenta", pra fazer qualquer coisa. É irritante

Anônimo disse...

27 é um número redondo. 27.05, 27.1, 27.9 não seriam....mas 27 é redondo.

Ass. Cara do veu do anonimato que vc xingou por ter cobrado mais posts kkkkk.

Mas gosto muito do blog.