quinta-feira, 17 de julho de 2014

Copa das Copas?

Mais uma copa que se acaba... Já está dando uma saudade, pensar que tivemos aqui seleções de grande destaque no futebol mundial, craques de talento único com a bola e jogos super disputados e empolgantes, e menos de uma semana depois voltamos com aquela bagaça de Campeonato Brasileiro, cuja única alegria minha será vendo o menguinho sendo rebaixado.


A Copa do Brasil acaba, e com um novo tetracampeão no hall da fama. Após uma final parelha, muito disputada, a Alemanha conseguiu um golzinho salvador no segundo tempo da prorrogação. Foi duro, longe daquele passeio contra a seleção brasileira, enfrentando uma Argentina com muita garra e que teve o azar de desperdiçar grandes chances de ter matado a partida no tempo normal. Mas mesmo com os argentinos fazendo todo o esforço possível, no final deu o resultado esperado, com uma Alemanha que não entrou nessa Copa liderada por um Messi, um Neymar ou Cristiano Ronaldo, mas que soube mostrar que futebol se joga e se ganha com os onze em campo.

Foi realmente a melhor seleção da Copa, mostrando muita organização, disciplina tática e dedicação pela luta pelo título. Indo desde o goleiro-zagueiro Neuer, um puta guerreiro como o Schweinsteiger, um atacante mortal como Muller, são só três nomes de um time que jogou junto, sem estrelismos e sem arrogância: enquanto o Brasil dava toquinho de calcanhar e chapéu quando ganhava de um a zero do Chile, os alemães mostraram respeito quando metiam sete na nossa seleção. Um time exemplar, na minha opinião a melhor seleção que eu já vi jogar em todas as Copas que eu assisti. E uma seleção com espírito campeão não só dentro de campo, mas fora dele também. Os jogadores alemães contrariam toda aquela expectativa de serem frios como um cubo de gelo, e desde a sua chegada aqui demonstraram uma grande simpatia por onde passavam, se integrando com o povo e esbanjando alegria. Até dançar com os índios eles fizeram, sempre com bom humor e curtindo muito a estadia aqui. 


Só comento uma coisa de negativo quanto a essa seleção: terem vestido o trapo do Framengo. Se bem que o que eu imagino é que não passou de mais um ato de caridade dos simpáticos jogadores alemães com os menos favorecidos mulambos, que nunca na vida vão ter um time que tenha um centésimo de qualidade técnica que a dupla aí de baixo. Foi só pra mulambada pelo menos uma vez na vida ver craques de verdade com sua camisa...


E só pra lembrar uma coisa pros mulambos mais uma vez: Flamerda não é Alemanha! Deve ter vagabundo aí dizendo que o menguinho é campeão do mundo, só por conta dos alemães terem um uniforme com as mesmas cores do Framengo. Sossega o facho, por que se for pensar assim, o Íbis, pior time do mundo, também é rubro-negro... Volta pra sua realidade, mulambo, onde vocês são lanterna do Brasileiro.

Quanto à decisão do terceiro lugar, mais uma vez um vexame de nossa seleção. Pelo menos não foi uma goleada histórica, mas mesmo assim foi uma pancada violenta, levando um gol logo no início. Ainda vai ter gente dizendo que a falta foi fora da área, vão dizer que o segundo foi impedido, mas isso não muda o que todos observaram, que o Brasil foi simplesmente patético, tomando três a zero. A Holanda, sempre com uma atuação exemplar do Robben, conseguiu assim levar o terceiro lugar, e como previsto a Laranja não deu chance pro Bagaço.


De fato uma das primeiras coisas que eu vou falar aqui, nessa retrospectiva da Copa do Mundo, é sobre a seleção brasileira. Realmente foi algo vergonhoso, ninguém poderia imaginar desempenho tão pífio e estúpido. Eu já conseguia prever que o Brasil não ganharia a competição, que não tinha time pra isso e ficaria pelas semifinais, mas eu esperava que o time pelo menos fosse lutar um pouco mais, mas em vez de ver um time de homens lutando vimos um conglomerado de meninos chorões levando uma surra. Sinceramente, eu diria que é difícil aceitar o Brasil como um dos quarto melhores, tem muitas seleções que apresentaram um desempenho muito superior. O povo presenciou um vexame histórico na semifinal, na opinião de muitos, algo muito mais vergonhoso, muito pior do que o Maracanazzo, quando a seleção perdeu a Copa disputada em seu país em 1950. Sessenta e quatro anos depois, conseguiram pagar um mico maior ainda, conseguindo levar uma goleada estupenda, apanharam que nem cachorro de pobre.

Como eu havia comentado anteriormente, na minha visão a seleção brasileira nunca esteve devidamente preparada para essa disputa. Para quem queria ganhar a competição em seu próprio país, ao meu ver montou-se um time muito novo, despreparado técnica e psicologicamente para disputar um torneio difícil como a Copa do Mundo. É só ver principalmente os jogos do Chile e Alemanha. No primeiro, partida do chororô, ficou claro que os jogadores não estavam com a cabeça fria para jogar um mundial, muitos deles não resistiram à pressão, a começar pelo próprio capitão do time, arregando na decisão por pênaltis. Claro que jogar em casa, diante da torcida, tem suas vantagens, de ter o estádio apoiando, mas também a cobrança acaba sendo maior, e é necessário uma certa frieza para não se deixar abater. E no segundo jogo, contra os alemães, ficou muito visível como que o time simplesmente desligou após tomar dois gols, como que todo mundo começou a errar passes bundas, a perder a cabeça. Num jogo desses, é preciso ter fibra e garra pra não perder a concentração, que pode ser fatal, como foi na pior derrota em Copas.


E também fica clara a baixa qualidade técnica do nosso time. Começa pelo goleiro, o Julio "mão-de-alface" Cesar é muito fraco, tanto que estava jogando em um time do Canadá. Cara, dá pra enumerar muitos outros goleiros brasileiros melhores do que ele, incluindo o Jefferson do Botafogo, reserva da seleção. Na zaga, o Thiago Silva pra mim é um zero à esquerda, não tem culhão pra ser capitão do time. O Marcelo, na boa, a única coisa que fez foi fazer aquele gol contra, um indicativo de que essa Copa não era pra gente. Quanto ao Daniel Alves, esse é um dos piores! Mais mascarado que ele só o Zorro, fica mais preocupado em tingir o cabelo e de ficar cheio de arrogância no comercial da Adidas. "O bicho vai pegar!!!", vai se fuder. No meio de campo, aqueles "inhos" que não contribuem de nada, e um Oscar cujo desempenho oscila mais que a bolsa. E na frente... Bom, contar com um cone de trânsito como o Fred era a mesma coisa que sempre entrar em campo com dez. 


O pior de tudo foi que nunca houve humildade por parte da seleção. Acho muito ridículo a comissão técnica, depois de ter levado a chinelada da Alemanha, ter falado que o time era jovem e inexperiente, e que essa competição seria mais como uma preparação para a edição em 2018, depois de terem ficado arrotando prepotência antes do início da Copa, dizendo que o Brasil já estava com a mão na taça e tudo mais. Criou-se um auê muito grande em torno do time, como se o simples fato de disputar uma Copa em casa já era garantia de conquista. Houve muito mais preocupação da seleção com bobagens como em entrar todo mundo com a mãozinha no ombro um do outro, como se fosse jardim de infância, de se emocionar e cantar o hino como se estivesse indo pra guerra, e se esqueceram de jogar futebol.

O pior de tudo é ver como nossa seleção, em especial a comissão técnica, parecia fazer questão de ignorar todas as falhas. Como comente na última postagem, o Brasil teve jogos sofríveis. Já no jogo do México era hora de acender o sinal amarelo, de se dar conta que aquele futebolzinho de merda não iria longe. Pegou uma pedreira contra o Chile, quase foram eliminados ali mesmo se aquela bola não tivesse pego na trave, e ainda acharam que estava tudo bem, que a seleção tinha raça, que era bobagem aquele papo de problema emocional, toda aquela truculência de "se não gostou, vai pro inferno". Vieram a se iludir quando ganharam sofrido de uma Colômbia que respeitou demais a seleção. E me vai depois e toma uma corça da Alemanha, e outra da Holanda. Pra chegar depois e dizer que jogaram bem, que não tinha nenhum problema com  time, que foi apenas um apagão de seis minutos que não podia desmerecer tudo que havia feito até ali. Como se tudo estivesse bem, como se fossem os verdadeiros campeões morais do torneio.


Sério, o Felipão falou tanto da Copa das Confederações, parecia o menguinho enaltecendo conquista da Taça Guanabara depois de levar mais um coice na Libertadores. Já vai tarde...

Enfim, vamos ver se as pessoas acordam para a realidade. Hoje o Brasil está longe de ser o "país do futebol", estamos muito atrasados em relação à grandes equipes que tiveram um desempenho muito melhor que nossa seleção. Comentei isso muito com meus amigos, é curioso comparar a seleção brasileira que sempre folgava depois de todas as partidas com a Alemanha, que se me recordo bem só depois da partida contra a Argélia é que tiveram um dia de folga. Um time que pouco treina junto, que após um jogo ficam um dia e meio de folga, que ignoram as limitações de sua equipe, tinha tudo mesmo para perder. Só esse nosso time pra achar que bastaria apenas um passado de cinco títulos mundiais, entrar em campo que nem fila de escolinha e cantar o hino a plenos pulmões para ganhar a Copa.

Tem que ficar novamente a lembrança aqui para as pessoas que o mundo não acabou. Repito, me surpreende como tem pessoas que derramaram rios de lágrimas, que ficaram deprimidas e tristes com a derrota da seleção. Sério, tenho conhecidos que postaram fotos que pareciam mais que estavam no funeral de um ente querido. Pôrra gente, fala sério! Acho muita babaquice condicionar sua felicidade e tristeza com o resultado de uma mera competição esportiva, como já comentei tem tantas coisas mais importantes para nos deixarem felizes, tem tanta coisa mais séria para nos deixar tristes. O pior de tudo é ver essas pessoas gastando lágrimas com uma seleção chinfrim como essa, realmente o povo brasileiro se ilude fácil, só mesmo cegos alienados para imaginar que esse time tinha chances de ganhar alguma coisa. Os holandeses que sempre bateram na trave e perderam nos pênaltis, esses eu aceito que fiquem tristes e chorem; os argentinos que lutaram que nem homens e perderam num detalhe, também. Mas os brasileiros caírem no choro por um time que nunca levou as coisas a sério, já é demais...


Aliás, vale a pena comentar um episódio curioso, mostrando que embora as pessoas realmente tenham essa postura de condicionar sua vida aos altos e baixos da seleção, sempre tem alguém que pode tornar as coisas ainda piores. Logo antes da melancólica decisão do terceiro lugar, me vem aquele besta do Luciano Huck em seu programa em conversa com o Galvão. Depois de agir de forma extremamente oportunista, colocando à venda camisetas com a escrita "Somos todos macacos" minutos depois do Neymar postar tal frase nas redes sociais, depois de querer inventar um quadro pras garotas brasileiras aproveitarem a copa pra ficar com um gringo... Me vem esse panaca, cuja dimensão de sua falta de noção rivaliza com o tamanho de sua nareba, e vai comparar a derrota da seleção brasileira com o atentado de 11 de setembro!


Puta que paral, vai se fuder, Luciano Huck! Caralho, como é que você diz uma merda dessas? De novo, a derrota da seleção foi uma simples partida de futebol, você pensa que essa derrota pra Alemanha é tão trágica como um atentado terrorista que abalou o mundo todo, com milhares de mortos? Você por acaso vê os espanhóis comparando a derrota pra Holanda com os atentados no metrô de Madri? Será que tu não tem a capacidade de pensar um pouco antes de falar tamanha merda? Cara, são coisas diferentes, é no mínimo muito inconsequente fazer esse tipo de comparação, é como se uma pessoa dissesse que perder uma partida no Call of Duty fosse como perder uma pessoa próxima... Pior é ver gente que defende esse idiota! Nunca gostei desse Luciano Huck, metido pra caralho, fica com essa pinta de demagogo mas só quer levar vantagem. Tinha era que enfiar esse nariz de ornitorrinco no meio do rabo e ficar de boca calada. Vou até colocar o vídeo, vamos ver se não vão tirar...


Pra você ver que no final o Galvão Bueno, que tem fama de defecar pela boca, fica meio sem graça com o comentário de seu colega da Rede Bobo...

Mas vamos nos concentrar na competição que já deixa saudades. Realmente foi uma grande Copa dentro das quatro linhas do campo, isso não podemos negar. Tivemos jogos muito emocionantes e disputados, uma grande média de gols e muita empolgação. E claro, muitas surpresas. Sem dúvida uma das primeiras foi ver a tão badalada Espanha levar uma porrada logo na estréia e sequer conseguindo se classificar para a próxima fase. Mostra que a Fúria foi só mesmo fogo de palha naquela outra Copa, e deve estar pra se tornar somente uma figurante... Azar para o Felipão deles.


Outras seleções de grande porte que decepcionaram foram a Itália e Inglaterra. Mas isso foi graças à surpreendente Costa Rica, que tinha tudo pra ser o saco de pancadas e conseguiu resultados expressivos, vencendo os italianos e empatando com os ingleses. Ninguém podia imaginar que os costarriquenhos iriam tão longe, foram sem dúvida a grande surpresa da competição, conseguindo a proeza de chegar até às quartas-de-final, só perdendo nos pênaltis para a Holanda. Foi incrível, algo a ser lembrado por muitos anos, não só pela Costa Rica mas também por todo mundo que se fudeu nos bolões. Sério, o que deve ter de gente que está xingando aos montes por ter errado os resultados...


Aliás, puxando no assunto da foto da bela torcedora centro-americana acima, temos que dizer que nessa Copa o percentual de mulheres bonitas foi realmente de chamar a atenção. Engraçado era como os cameramen sempre conseguiam achar as beldades no meio de um monte de barbudos suados e fedidos, tem que ser ninja pra dar aquele close no público e achar uma gatinha lá. Tinha pra todos os gostos: mulatas brasileiras, belíssimas latino americanas vindas de países vizinhos, belas alemãs loiras de olhos claros, holandesas de tirar o fôlego, japonesas e coreanas cuti-cuti, africanas com muita energia e empolgação e por aí vai.


Claro que este texugo que vos fala tinha sempre uma queda pelas sempre lindas russas...  

Tivemos sem dúvida episódios memoráveis nos gramados. Como o goleiro holandês que entrou no final do jogo só pra defender pênaltis, o jogador holandês que apagou em campo, o Klose se tornando o maior artilheiro de todas as copas. Tivemos heróis que conseguiram marcar gols decisivos ou fazer defesas importantes, tivemos também vilões que fizeram lambanças, tipo perdendo gols feitos ou levando frangos. Mas certamente nenhum supera o destaque de Luis Suarez do Uruguai, com sua dentada no ombro do italiano. Tudo bem que o sujeito tem uma arcada de dar inveja, mas bem que ele podia se concentrar mais em jogar bola. Foi do herói no jogo contra a Inglaterra a vilão no jogo contra a Itália... Pior que o Zidane e aquela cabeçada.


Aliás, curioso como sempre a Itália tá envolvida em alguma dessas coisas bizarras nas Copas...

Enfim... Foi uma Copa onde tivemos de tudo... Vitórias de times surpreendentes, derrotas de grandes seleções, dentadas no ombro e micos da seleção canarinho. O que não podemos dizer que essa foi a "Copa das Copas", que nossa ilustre presidanta costuma dizer. Tivemos gastos astronômicos, muitas obras que não foram concluídas ou que sequer começaram (tipo o trem-bala), e chegamos ao ponto de ver um triste acidente com o desabamento do viaduto em Minas. Tivemos invasões nos estádios, tivemos muitos problemas de trânsito em certas cidades, como eu disse dentro de campo foi bom, mas fora dele, nem tanto assim. Acabou a Copa, e voltaram todos os problemas que já conhecemos, aqueles que foram varridos para debaixo do tapete durante o mês em que todos os olhos estavam voltados pra cá. Sorte nossa que o Brasil perdeu na Copa, pois se tivesse ganho, certamente esses problemas ficariam esquecidos por algum tempo, pelo menos até outubro se dependesse dos petralhas.

É isso aí... Acabou-se a Copa do Brasil, e daqui a quatro anos voltamos, dessa vez na Rússia. E acho que lá eu vou ter vontade de ir nos estádios, se é que você me entende...


Nenhum comentário: