sexta-feira, 12 de julho de 2013

Super Amigos

Certas coisas chegam a ser tão escrotas, mas tão escrotas, que acabam sendo muito legais, e acabam nos conquistando. Acho que é assim que posso definir o desenho dos Super Amigos. Imagino que a DC Comics queria sempre colocar os seus principais heróis em situações extremamente estúpidas e idiotas, e não satisfeita com aquele seriado tosco do Batman, decidiu acabar com a fama do Super-Homem e da Mulher Maravilha também...

E desde quando o Aquaman voa?

Trata-se de mais um daqueles desenhos da Hanna-Barbera, então já podíamos esperar aquelas historinhas infantis, com piadas toscas e as costumeiras lições de moral no final do episódio, na mesma linha de He-Man e G.I.Joe. Só que aqui a idéia foi unir os super-heróis da Liga da Justiça como uma super equipe pronta para defender a Terra de diversas ameaças, além de garantir a perpetuação da moral e bons costumes. Esse é um dos motivos pelos quais eu sempre preferi mais os heróis da Marvel, afinal de contas você não via o Wolverine dando liçãozinha de moral, mas sim fumando charuto, tomando cerveja e descendo a porrada nos bandidos. Mas o desenho dos Super Amigos era legal de se ver, com suas histórias curtas e divertidas. Durou um bom tempo na televisão, sendo lançado originalmente em 1973 e durando mais de dez anos, sendo logicamente reprisado inúmeras vezes por aqui.

O que não faltavam eram super-heróis no desenho, sendo que a turma principal, que sempre esteve em todas as temporadas, era composta pelo Super Homem, Mulher Maravilha, Batman, Robin e Aquaman.


Detalhe como essa imagem é tosca. O Super Homem e o Aquaman tem a mesma cara de babaca, a Mulher Maravilha ali no meio de braços dados com o herói aquático e o Menino Prodígio, com uma cara de safada. Embora sabemos bem que o Robin fica animado é com a mão do Batman em seu ombro. Não tinham como fazer uma foto mais gay que essa.

Por que diabos insistiram com o Aquaman, é um mistério. Pombas, ele é o super herói mais inútil da face da Terra, com seus poderes de falar telepaticamente com as criaturas do oceano, principalmente se você considerar que a imensa maioria dos episódios ocorria em terra firme, de forma que assim o Aquaman não passava de um idiota de camisa laranja que não servia pra nada.

Aquaman em cima de uma tartaruga jurássica

Outro detalhe que levanto era que a Mulher Maravilha parecia um traveco! Sério, com sua cara meio quadrada, e de quebra a voz meio fanchona da versão brasileira deixava ela com uma pinta de Roberta Close. Nojento, prefiro muito mais como desenharam ela naquele desenho da Liga da Justiça.


Gatinha essa Mulher Maravilha... Continuando...

Todos os heróis se reunião na famosa Sala da Justiça, um prédio no meio da cidade de Metropolis, um pouco megalomaníaco demais para abrigar meia dúzia de super heróis. Tanta gente sem um teto para morar e os putos dos Super Amigos com essa mega mansão só para eles, de quebra com um lago doido! Sem falar que, para heróis que seriam certamente alvo de muitos bandidos, ficar num lugar tão visível, no meio da cidade, era realmente um convite para que o próximo gênio do mal mandasse uma chuva de mísseis para destruir o prédio todo... Acontece que naquela época não se imaginava que bandidos poderiam fazer ataques dentro do território americano.

Enquanto isso, na Sala da Justiça...

Claro que os cinco heróis principais não eram os únicos, e outros amigos viriam a ajudá-los em algumas situações, sendo que alguns desses outros supers viriam a fazer parte do time durante algumas temporadas. Como o Lanterna Verde, Flash, o Homem Águia e a Mulher Águia e o Átomo, ajudando os demais da equipe de acordo com a popularidade momentânea de cada um.

Quer cena mais gay que essa?

Pra você ver que até o Homem Borracha chegou a participar de um episódio! Me lembro do desenho dele, muito sem noção esse cara, mostrando que a DC também tinha umas idéias meio toscas em termos de heróis.

Homem Borracha cheio de papo com a loirinha boba

Mas havia espaço para a loucura sem noção também no desenho dos Super Amigos, com tentativas de heróis muquiranas que foram criados somente para esse desenho. Coisas da Hanna-Barbera, que na primeira temporada decidiu colocar uma pitada de Scooby Doo no desenho, com a dupla de adolescentes Marvin e Wendy, juntamente com o seu cachorro Marvel (que irônico). Nenhum deles tinha poderes, mas achavam que só porque vestiam capas poderiam andar com Super Homem e companhia.


Considerando que o Batman está no time, e conhecendo seus traços pedófilos homoeróticos, não duvido nada que a dupla foi idéia do Homem Morcego, cansado de ficar só brincando de pique-esconde com o Menino Prodígio.

Pergunto mais uma coisa, o que diabos os estúdios da Hanna-Barbera tem com cachorros? Scooby Doo, Muttley, Bionicão, Hong Kong Fu, Droopy... Tantos cachorros! Diga-se de passagem que esse tal de Marvel parece ser um cruzamento do Bionicão com o Scooby Doo.


Mas acho que tudo bem... Afinal de contas, o Falcão Azul era quase uma cópia descarada do Batman também...

Felizmente para a nossa sanidade, Marvin, Wendy e Marvel o cachorro perderam o emprego logo após o final da primeira temporada, desaparecendo por completo do universo DC e Hanna-Barbera. Mas somente para abrir espaço para os Super Gêmeos!


Não tem marca registrada dos Super Amigos mais conhecida do que os Super Gêmeos. Zan e Jayna são de algum planeta distante e vieram se juntar aos heróis da Sala de Justiça, juntamente com seu macaco de estimação Gleek, com o descarado objetivo de ser o novo comic relief da série. Ao contrário dos adolescentes anteriores que só tinham como super poderes serem chatos para burro e ter casos crônicos de acne, os Super Gêmeos viriam sim com poderes especiais. Ao chocar seus punhos um contra o outro, eles podiam se transformar, sendo que Jayna podia virar qualquer animal conhecido (ou mesmo desconhecido), enquanto que Zan podia virar qualquer coisa de água ou derivados.


Sim, Zan conseguiu ter um poder ainda mais inútil do que o Aquaman!

Enquanto Jayna poderia virar qualquer animal, que muitas vezes poderia ser de utilidade nas missões, Zan só podia se transformar em água ou coisas de gelo. Sim, na maior parte dos episódios ele simplesmente adotava a forma de água, para se derramar dentro de um balde que era levado por Gleek ou Jayna em uma de suas transformações. Ou seja, não servia pra pôrra nenhum. Uma vez ou outra ele virava alguma coisa de gelo, mas quase sempre a idéia do retardado era virar água. Se bem que uma vez ele se transformou nisso...


Sim, ele virou merda.

De qualquer forma, os Super Gêmeos tiveram uma boa participação do desenho, muitas vezes entrando em confusão, mostrando que eles estavam ali mesmo para justificar as piadinhas toscas e situações engraçadas. Mas os criadores do desenho viriam a inventar mais outros super-heróis para se juntarem ao Super Homem e companhia. E acreditem, alguns ainda mais bizarros que os Super Gêmeos, sendo praticamente uma tentativa de tornar o desenho politicamente correto ao retratar as minorias.

Afinal de contas, os Super Amigos eram até o momento compostos praticamente por heróis brancos, de origem americana. Pior que isso em termos raciais, só se o chefe deles fosse o Hitler e os inimigos fossem todos negros. Então, para agradar a criançada que fazia parte das minorias negra, asiática, nativo e hispano-americanas, quatro novos heróis foram convocados.

O primeiro da lista é o Vulcão Negro, um negão com um uniforme extremamente gay. Ao contrário do Super Homem, que andava de cueca por cima da calça, ele decidiu adotar o visual só de cueca. Tinha o poder de disparar relâmpagos das mãos, assim como da bunda, e com esse mega peido elétrico ele podia assim voar. Quase como uma cópia masculina descarada da Tempestade dos X-Men.


Tinha também o Samurai, com um nome original para o herói de origem japonesa e voz engraçada. Ele tinha como poder principal o controle do vento, o que usava para gerar um furacão ao redor de seu corpo, com o qual podia acertar os inimigos ou voar. Ou seja, quase como soltando um peido-furacão. Em algumas raras oportunidades eles também usava outros poderes, como ficar invisível ou criar ilusões. E como o Vulcão Negro, gostava de andar por aí de cuequinha.


Na sequência, vinha o Chefe Apache. O índio tinha um poder peculiar, ao dizer as palavras mágicas "Ine shok" ele podia aumentar de tamanho. Ou seja, ele era praticamente como o robô que os Changeman usavam quando precisavam enfrentar monstros gigantes. Por isso que ele muitas vezes acabava relegado ao papel de dar lição de moral para os inimigos. Ao contrário do Vulcão Negro e Samurai, o Chefe Apache não usava cueca, mas somente uma tanga...


Isso quer dizer que em episódios como esse, no qual ele fica maior do que a Terra, além dele conseguir com seus pés destruir estados inteiros, quem estivesse ali embaixo e olhasse para cima viria as bolas do índio ocupando todo o céu...


Por fim, o último dos heróis era o El Dorado. O mexicano parecia ter fugido do jogo do Montezuma com sua descendência asteca, e tinha uma grande variedade de poderes (não porque ele era fodão, mas pelos criadores nunca terem se decidido do que ele podia fazer), como teletransportar a si mesmo usando sua capa. Ao contrário de seus demais colegas, pelo menos usava um par de calças, mas ficava andando sem camisa, sempre adotando essa pose de go-go boy.


Com todo esse batalhão de heróis, você deve imaginar que haviam também vários vilões, né? Bom, no início não era bem assim, e os Super Amigos acabavam eram enfrentando ameaças mais diversas, como cientistas do mal anônimos, punks genéricos (naquela época era comum sempre colocar os punks como bandidos) desastres naturais e criaturas espaciais. Ou então haviam aquelas situações mais "light", onde havia alguma pessoa se acidentando ou os típicos adolescentes fazendo merda, e lá iam os heróis para ajudá-los, juntamente com uma lição de moral e cívica no final. Alguns desses episódios eram clássicos de tão escrotos, tanto que eu ainda vou me dar ao trabalho de fazer algumas postagens mais detalhadas a respeito de alguns deles. Só como aperitivo...


Sim... É simplesmente o Titanic, que virou um monstro... Com direito a um olhinho zangado.

Chegou uma hora que o pessoal cansou de inventar essas baboseiras, e se deu conta de que super heróis poderiam enfrentar super vilões. Da mesma forma, a idéia foi juntar vários inimigos dos Super Amigos, que se uniram para traçar os planos mais asquerosos e astutos. Surgia assim a Legião do Mal.


Encabeçando o grupo, quem além do cabeça de ovo Lex Luthor? O inimigo do Super Homem seguia todos os traços de líder incompetente de desenho animado, como o Comandante Cobra e o Esqueleto, e ainda fazia isso usando uma camisa roxa. Pôrra, seu careca! Onde você comprou essa camisa não tinha pra homem não?


Os inimigos se reuniam em uma nave que mais parecia a cabeça do Darth Vader, que ficava em um pântano. Vale aqui o mesmo comentário da Sala de Justiça, esconderijo mais estúpido e facilmente localizável não existe. A sorte dos bandidos é que os Super Amigos são meio bobos, e jamais iriam executar um ataque em massa na fortaleza dos malfeitores para acabar com a raça deles.


Os bandidos eram os mais diversos, vindos das histórias em quadrinhos. Juntaram na verdade os inimigos dos membros dos Super Amigos, mas no final das contas o que acaba se tendo é um verdadeiro circo de horrores, com criaturas das mais absurdas e bizarras possíveis. Como o Espantalho, Capitão Frio, Charada, Bizarro, entre outros.


Incluindo um Brainiac que andava de cueca...

Os Super Amigos ficaram no ar por um bom tempo, foram quase 15 anos no ar nos Estados Unidos, sem contar com as inúmeras reprises, assumindo diversos formatos, indo desde episódios curtos de 20 minutos como a maioria das séries de hoje mas chegando até a temporadas onde era uma hora de Super Amigos para a garotada, normalmente com vários episódios. Claro que aqui no Brasil o formato era diferente, sempre sendo um episódio só na grade de desenhos do programa infantil que os estivesse exibindo, dividindo espaço com Popeye, Pica-Pau e Tom & Jerry.

Por conta disso, nós aqui no Brasil não nos demos conta de algumas bizarrices mais que haviam nos episódios, em especial naqueles maiores de uma hora. Entre cada aventura, era comum algo como pequenos intervalos onde os heróis apresentavam recomendações de segurança, receitas (não aquelas daquele livro da DC) e até mesmo brincadeiras, como um decodificador onde os Super Amigos davam dicas para a garotada adivinhar uma palavra. Isso permitia a gente ver ridículos como esse...


Mas o que estava mais presente eram as dicas de segurança e saúde. Volta e meia aparecia alguma criança fazendo alguma merda, e então vinha lá um super herói para salvá-los e dar uma lição. Como, por exemplo, o Batman e o Robin ensinando para um moleque que não deve andar de skate na rua.


Claro que a dupla dinâmica faz isso laçando o pirralho como um bezerro, provavelmente levando-o amordaçado para a Bat-Caverna onde será disciplinado...

Super Amigos foi sem dúvida um de meus desenhos favoritos, mas sem dúvida muito mais pelo fator tosqueira, era realmente hilário ver as situações bizarras que os pobres heróis tinham que passar. Como prometido, vou depois apresentar alguns episódios aqui no site, para que vocês vejam como era tosco mesmo.

2 comentários:

Vegeta Escritor disse...

Quando eu era criança, não entendia porque alguns heróis andavam de cueca e tinham poderes medíocres, enquanto os vilões tinham poderes muito melhores. Gostei do post.

Anônimo disse...

KKK adorei seu texto!!! Mas cá entre nós... naquela época a gente era feliz e não sabia! Criança era inocente e sabia respeitar adultos, tínhamos medo da palmatória mas por causa dela aprendemos a ter limites e botar a tabuada e as lições na cabeça, e os caroços de milho significavam algo mais disciplinante e não apenas graus que se davam as galinhas ou com que se faziam pipocas.....e por causa disso ninguém morreu, pelo contrário! Estamos mais vivos e fortalecidos moralmente, a saudades!!!!