sábado, 4 de maio de 2013

Maioridade Penal

Outro assunto polêmico, que está em todas as páginas de jornais e revistas recentemente, é a discussão sobre uma possível mudança na idade de maioridade penal, reduzindo de 18 para 16 anos. Tudo isso motivado por uma série de crimes hediondos que vêm ocorrendo nas últimas semanas. Como o caso de um "di menor" que matou um adolescente após roubar seu celular, dias antes de completar 18 anos, ou o triste caso da dentista que, por só ter R$30 na sua conta bancária, foi queimada viva por assaltantes. Logicamente, foi o menor que admitiu ter ateado fogo na vítima.

Vi inclusive um vídeo a respeito desse caso da dentista, que saiu no Jornal da Band, e vi aqui.


Cara... Nessas horas eu realmente fico enojado desse país... Esse Brasil é uma merda mesmo, país de quinto mundo! O filho da puta ainda me diz que não tinha a intenção de matar a coitada da dentista! Só matando um canalha desses mesmo.

Mas sabemos muito bem o que vai acontecer. O crápula é "di menor", logo ele não pode ser preso. Vai para uma instituição para receber medidas sócio-educativas, além de ter um teto, comida e roupa lavada. E quando completar 18 anos, vai ficar com a ficha limpa, não vai constar nada a respeito da barbaridade que ele cometeu, ao matar de forma hedionda uma dentista inocente. Como já aconteceu com tantos outros menores que cometeram crimes, como aquele filho da puta desgraçado do Champinha...

Eu me lembro até hoje desse crime hediondo, que me breve vai completar dez anos, onde vários bandidos, liderados pelo Champinha, sequestraram um casal de adolescentes. Após matar o rapaz, a menina foi estuprada inúmeras vezes pelo bando por 5 dias, até ser finalmente morta depois. Pegaram todos os bandidos, e como o Champinha era "di menor", ficou internado em uma fundação até completar 21 anos. Logicamente, com todo o pessoal dos Direitos Humanos ao redor, preocupados com a sua integridade física, pois ele estava sendo ameaçado de morte...

Sim, é um barato como essa corja dos Direitos Humanos só passa a mão na cabeça de vagabundo. Aposto que nenhum desses putos estão preocupados em dar apoio e amparo à família das vítimas.

O mais legal de tudo era que, no período que esse marginal estava detido nessa instituição, ele estava custando mais de dez mil reais mensais... É menos pior do que soltar ele nas ruas... Embora se soltarem ele, não dou uma semana até que ele apareça com um buraco na cabeça.

Na minha opinião, é preciso urgentemente que a legislação desse país seja revista, começando por acabar com essa estupidez de maioridade penal. Acabar com essa estupidez de que o cara só será punido pelos seus crimes se tiver 18 anos ou mais.

Só nessa merda de país mesmo... O nosso governo acha que o sujeito de 16 anos é responsável o suficiente para votar, mas acha que ele não deve ser responsável pelos seus crimes...

Depois de tantos e constantes crimes, existem hoje inúmeras vertentes favoráveis à redução de 18 para 16 anos, mas eu confesso que isso não seria suficiente. Na boa, se o sujeito puder se preso a partir dos 16 anos, o que vai começar a acontecer é que a bandidagem vai sempre arrumar um moleque de 14 ou 15 anos, que sempre será o responsável por puxar o gatilho, e que vai passar pelas mesmas regalias ao ser "punido" com medidas sócio-educativas. Não adianta.

O que tem que ser feito na minha opinião é acabar com essa babaquice de maioridade penal. Pode ter oito anos de idade, cometeu um crime, será julgado e condenado como adulto. Lá fora, em país de primeiro mundo, não tem essa conversa: um adolescente menor de idade foi condenado à prisão perpétua depois de ter matado três estudantes em uma escola.

Só aqui nessa bosta de Brasil é que existe toda uma complacência com bandidos, principalmente se eles forem menores de idade. Se assume que o "di menor" é uma vítima, que não é responsável pelos seus atos. Dependendo, ainda aparece alguém para dizer que ele teria sido motivado a esse mau caminho devido à desigualdade social provocada pelos burgueses de direita... O menor de idade é então protegido, tratado com carinho, vivendo melhor que muito trabalhador honesto, para que ele possa ser reintegrado à sociedade. 

Sim, um menor de idade que estupra uma menina ininterruptamente por cinco dias, um menor de idade que se divertiu ao ver um garoto pendurado pelo cinto de segurança sendo arrastado pelas ruas, um menor de idade que de forma sinistra ateia fogo em uma pessoa viva... Realmente, esses menores são vítimas da sociedade, pobres coitados que merecem uma segunda chance...

Sério... dá raiva só de pensar...

Sabe, por isso é que tem algumas coisas que eu desejo tanto que aconteça, manchetes de jornais que eu espero ansioso para ver. Como, por exemplo, um belo dia eu abrir um jornal e ver a notícia de um desses sujeitos que defende a recuperação de menores marginais e o ECA, chorando pela morte de seu filho ou filha, assassinado friamente de forma cruel por um "di menor". Podem pensar o que for ao meu respeito, mas eu adoraria ver uma notícia dessas, para ver o que esse sujeito iria dizer a respeito da maioridade penal, a respeito de como os menores de idade infratores são pobres coitadinhos que merecem nosso apoio... Essa turma aí, defensora dos Direitos Humanos de marginais, só vai se dar conta desse absurdo no dia que eles sentirem na pele a dor de perder um ente querido, e saber que o assassino menor de idade vai voltar às ruas com a ficha limpa depois que chegar à maioridade. 

Eu não estou dizendo que todos os menores devem ser jogados no xadrez. Aliás, isso vale para qualquer pessoa. Por exemplo, eu aprovo medidas sócio-educativas sendo aplicadas, por exemplo, em adolescentes que foram detidos pixando o patrimônio público. Coloca os moleques debaixo do Sol limpando a sujeira que eles fizeram, isso é algo que acho razoável. Pega o ladrão de galinha e coloca para limpar as estradas, pega o cara que sonegou imposto e bota ele pra plantar cana por uma temporada... Existem bandidos e bandidos, e misturar todos eles e puní-los da mesma forma não é a solução, podendo muitas vezes até piorar a situação.

E pensando nisso, vem a segunda questão que acho que deveria ser pensada: a pena de morte.

Sim, eu sou totalmente a favor da pena de morte em casos extremos. Existem crimes que são hediondos, causados por pessoas que na minha opinião não têm como serem recuperadas. Todos esses "di menor" que citei, que mataram o casal adolescente, arrastaram o menino pelas ruas e queimaram a dentista, não têm como serem recuperados, são pessoas maléficas, extremamente nocivas e que devem ser excluídos da sociedade. E em vez de ficar gastando dez mil pratas por mês para sustentar um vagabundo desses, enquanto o cidadão de bem sofre com hospitais de má qualidade, escolas fracas e insegurança, o melhor é acabar logo com eles e fazer um favor à sociedade. Simples assim, como a gente extermina barata.

Pronto, aí vão aparecer aqueles defensores dos Direitos Humanos e religiosos, dizendo que a pena de morte é inadmissível, que não é a solução, que é uma prática cruel tirar a vida de uma pessoa...

Mas ninguém se preocupa com as vidas das pessoas que esses marginais tiraram.

Na minha opinião, se uma pessoa comete um crime desses, matando um outro ser humano, essa pessoa deveria automaticamente perder qualquer direito. Que palhaçada é essa, que permite que o marginal desrespeite os Direitos Humanos na boa, e depois seja amparado pelos mesmos direitos?

Veja novamente o caso do adolescente que matou os estudantes nos Estados Unidos. O cara aparece no tribunal com uma camisa com os dizeres "killer", xingou e fez gestos obscenos para os familiares das vitimas e ainda sorriu ao ouvir a sentença. Esse puto merece Direitos Humanos? Sério, ele só escapou da pena de morte porque era menor de idade...

É a mesma coisa com esse "di menor" que ateou fogo na dentista. Veja que ele não demonstra nenhum tipo de remorso, acha que tá tudo bem. Claro, essa postura é por saber que ele não vai ser preso, e que bobeando será colocado nas ruas. Sabe que a impunidade é total nessa bosta de país.

A pena de morte seria algo que iria coibir esse tipo de crime. É só você ver como está hoje em dia, como o Boechat comentou outro dia na televisão, é como se os bandidos estivessem competindo para ver quem é que comete o crime mais hediondo. Chegou a um ponto que nem mesmo a recomendação de "não reagir a um assalto" faz a diferença: recentemente, um dono de academia foi assaltado por dois marginais, ele não reagiu e entregou sua moto para os malfeitores, que o mandaram deitar no chão e o mataram ali mesmo. Esses bandidos têm cada vez um maior desprezo pela vida humana, pois sabem que podem fazer o que quiser e não serão punidos, não vão pagar pelo que fizeram.

E se eventualmente forem presos, é só esperar o próximo Dias das Mães ou Natal, quando provavelmente vão receber o indulto para passar o feriado com suas famílias... Para logicamente não voltar mais pra cadeia... Só aqui mesmo, que bandidos de alta periculosidade são colocados nas ruas nessas oportunidades, pois eles têm o direito de visitar seus familiares nessas datas festivas, restando apenas torcer que eles sejam bonzinhos e voltem para a cadeia depois.

Por isso que penso que a pena de morte deveria ser instituída. Para começo de conversa, seria uma grande economia para os cofres públicos, não tendo que sustentar esses vagabundos, tampouco gastar uma fortuna para transportar bandidos de alta periculosidade. Vai ver o quanto custa deslocar o Fernandinho Beira-Mar de um lado pro outro. Pombas, mete uma bala na cabeça dele e acaba logo com isso! E com a pena de morte, os bandidos iriam ficar mais receosos, iria bater aquele medo de ser executado se ele cometesse um crime hediondo.

Vou até mais longe: essa pena de morte deveria vir acompanhada de tortura. Sim, por mais terrível que possa ser, para justamente atiçar o medo na bandidagem. Uma bala na cabeça é muito simples, muito indolor... Esse tipo de criatura merece sofrer, pagar pela dor que causou às famílias e amigos de vítimas, mortas sem direito a nenhuma chance.

Tinha que pegar por exemplo esse "di menor" que queimou a dentista e fazer o seguinte: amarrava ele, e aí então tacava fogo num pé dele. Deixasse queimar bastante, até chegar no joelho, até estar em queimadura de sétimo grau. Aí alguém disparasse um extintor de incêndio nele, para deixa ele sentir a dor. Depois fazia a mesma coisa com uma das mãos dele, até ele virar churrasco.

Tinha que pegar aquela corja que arrastou o pequeno João Hélio pendurado pelo cinto, e fazer assim: amarrasse cada um deles pelo braço na traseira de um ônibus, e os arrastassem por uma pista cheia de areia e caco de vidro, até serem decepados de seu braços. Aí amarrava outra parte do corpo....

E com o Champinha e seus amigos, começava então castrando eles, de preferência usando uma serra enferrujada. Aí podiam pegar o bilau de cada um deles e enfiar nas suas gargantas, enquanto seriam sodomizados continuamente por um cone de trânsito e outros objetos de grosso calibre.

Cruel? Com certeza... Mas muito menos cruel do que esses crápulas fizeram à sangue-frio, com vítimas inocentes, com pessoas de bem que estavam trabalhando em um consultório dentário, que estavam voltando para casa com sua família ou que queriam curtir um fim de semana romântico. Esse tipo de marginal é irrecuperável, verdadeiros seres maléficos que não merecem nem um pingo de nossa pena e compaixão.

Juntamente com tudo isso, sou a favor da punição pública. Como na Idade Média, onde os ladrões eram presos numa tábua e as pessoas podiam jogar frutas e ovos podres neles, tinham que fazer algo parecido. Por exemplo, podia chegar todo fim de semana lá no Centro e pendurarem um bandido. Imagino até a cena, começaria com alguém declamando os crimes que o bandido cometeu, e depois ele ficaria ali exposto para escutar a voz do povo. Só que de preferência não colocar só frutas podres, podia ter no meio alguns tijolos, pedras portuguesas e garrafas de vidro.

E as coisas poderiam ser meio que feitas em conjunto, justamente para servir de exemplo e para mostrar que a sociedade não tolera mais a criminalidade. Por exemplo, poderia chegar nessa mesma situação e ter algum bandido de alta periculosidade, que seria enforcado em praça pública. Ou então colocar em horário nobre a execução por fuzilamento de um perigoso traficante que havia sido preso. 

Eu sei que parece ser muito extremo o que eu estou dizendo... Mas eu sinceramente não consigo ver outra solução para a crescente criminalidade, que aumenta a passos largos a cada dia. É uma situação onde você pode estar muito bem um dia dirigindo o seu carro de volta para casa, e vai aparecer um bando que vai levar o seu carro e seu dinheiro, e de graça vai meter uma bala na sua cabeça; que você estará andando na rua e será abordado por um assaltante, e se ele achar que você tem pouco dinheiro na carteira, vai executá-lo ali mesmo; que você pode estar em sua casa com sua família e um grupo de marginais vai entrar, violentar e matar sua esposa e filha e depois meter uma bala na sua testa. Vivemos em uma situação onde não temos a certeza se estaremos vivos amanhã, é só você ter o azar de cruzar com um bandido, e se você tiver sorte sairá com vida. 

Já comentei aqui certa vez, o ser humano age ou deixa de agir por dois motivos: a recompensa e o medo. Os bandidos sabem que na atual situação, eles estão em vantagem, sabem que podem roubar um carro, um celular, uma carteira ou conta de banco, vão ter essa recompensa sem menores dificuldades. E sabem que tudo é favorável para que eles saiam impunes, mesmo que eles matem alguém. O menor de idade sabe que a lei está de seu lado, que para os olhos da Justiça ele jamais será responsabilizado pelos seus crimes. É uma sensação de saber que pode fazer o que quiser, uma onipotência sobre a sociedade, que faz com que eles ajam dessa maneira. Veja de novo a entrevista sobre a dentista, veja que eles tacaram fogo nela pois ela não aparentava estar com medo. Os bandidos queriam provavelmente que ela estivesse amedrontada, implorando por sua vida, os pilantras queriam ter essa sensação de poder, de ter a vida de uma pessoa em suas mãos, e ao ver que ela estava calma, certamente pensaram em dar um motivo para ela ter medo. Tudo isso sabendo que sairiam impunes.

Por isso é que sou a favor da extinção da maioridade penal. Assim, o "di menor" marginal vai deixar de ter essa segurança de que ele não será preso, ele passará a ter medo de pagar pelo que faz. Por isso sou a favor da pena de morte. Dessa forma, o bandido vai temer mais pelas consequências, vai dar aquele frio na barriga ao saber que ele pode pagar com sua própria vida por um crime hediondo. São coisas que vão reduzir a criminalidade, que vão mostrar que a sociedade está cansada e quer que a Justiça seja feita.

Mas para isso, antes de tudo devemos é silenciar, calar a boca mesmo dessas pessoas escrotas, que erguem a bandeira dos Direitos Humanos e do ECA para defender bandido. Essa turminha estúpida que acha que bandido é vítima da sociedade, que passa a mão na cabeça dos "di menor" infratores, só atrapalha e incentiva o aumento da criminalidade. Uma corja de cretinos que julgam ter consciência social, que priorizam a defesa dos direitos de criminosos em detrimento das pessoas de bem. Enquanto existir esse tipo de pessoa, que acha que a maioridade deve permanecer nos 18 anos, que acha que criminosos devem ter seus direitos e sua integridade física respeitados, que acha que mesmo malfeitores que cometem crimes hediondos merecem uma segunda chance, infelizmente as notícias de pessoas inocentes perdendo a vida de forma violenta só tenderá a aumentar...

Nenhum comentário: