sábado, 27 de abril de 2013

Os Heróis Não Tem Idade

Ah, mais um dos clássicos da Sessão da Tarde... Quem se lembra desse filme legal e divertido que mostrava as aventuras de um garoto e seu amigo agente secreto imaginário, que acabava se metendo com bandidos de verdade? Outro clássico da Sessão da Tarde, divertido pacas, e que fazia a imaginação da garotada voar solta, ao imaginar seus amigos imaginários se tornando praticamente reais...

É apenas mais uma prova de as produções dos anos 80 e início dos anos 90 ganha de lavada do que temos hoje em dia. Os Heróis Não Tem Idade (Cloak & Dagger, no título original em inglês) foi lançado em 1984, estrelado pelo mesmo molequinho que contracenou com o ET, que aqui personifica outro molequinho que perdeu sua mãe recentemente, chamado Davey... Aliás, curioso como é enquanto aqui o garoto não tem a mãe e vive com o pai, em ET ele não tinha o pai e vivia com a mãe... 


Enfim, seu pai é controlador de tráfego aéreo, e nunca está muito presente em sua vida, e o pequeno Davey então acaba recorrendo a sua imaginação, criando um amigo imaginário que é o agente secreto Jack Flack, que só ele vê e com quem ele fica conversando durante diversos momentos do filme. Convenientemente, o agente secreto é representado pelo mesmo ator que faz o pai do garoto, o que já passa logo de cara aquela mensagem que no final do filme o pirralho vai perceber que seu pai é o verdadeiro herói, e não um babaquara que anda de boina e que existe somente em sua imaginação.

O que é interessante é que Jack Flack segue a mesma premissa de um objeto inanimado que ganha vida, somente aos olhos de Davey. Sim, da mesma forma que acontece com o Calvin: para os demais, Haroldo era somente um tigre de pelúcia, mas para Calvin ele se tornava um tigre de verdade. Aqui, Jack Flack é na verdade um bonequinho de brinquedo, proveniente de um jogo de tabuleiro de espiões.


Aliás, eu tive a curiosidade de procurar na Internet e acabei descobrindo que existia mesmo um jogo de tabuleiro com o mesmo nome do filme, cuja caixa tinha um bando de crianças fingindo que estavam se divertindo com o jogo, enquanto uma imagem de Jack Flack os observa como um pedófilo pronto para atacar...


Fico pensando... Que tipo de mãe faz uma atrocidade como trançar os cabelos de sua filha desse jeito?

Apesar de ter sua mente sempre nas nuvens, Davey tinha ainda dois amigos: a menininha Kim (que lembra a Drew Barrymore em seus tempos de ET, mostrando que o moleque também deve gostar de loiras) e o bizarro Morris, um sujeito bem estilo nerd, com barbão e óculos de fundo de garrafa, que tem uma loja de videogames.


Pode parar... Esse sujeito é quem tem a pinta de pedófilo! Com essa cara de tarado, atraindo crianças para a sua loja... Imagine o tipo de sujeiras que esse puto devia fazer para atrair a garotada para pegar num joystick em sua loja.

Acontece que o Davey é chato pra caralho, fica ali aporrinhando o cara quando o que ele mais quer fazer é jogar Atari, então Morris acabava mandando os dois irem em um prédio no centro da cidade, para ir em uma máquina automática e comprar uma barra de chocolates. Sim, faz todo o sentido, um sujeito mandar duas crianças de menos de 10 anos irem sozinhas em um lugar só pra trazer uma sobremesa. Bom, mas os filmes não têm que fazer sentido, e então Davey e Kim iam pra lá, sendo que ele já imaginando ser uma mega-ultra-super missão secreta e a menina de saco cheio.

O que acaba acontecendo é bizarro: subindo as escadas, uma hora Davey vê o que parece ser um tiroteio, e do nada aparece um cara baleado que entrega para ele um cartucho de videogame, dizendo um número. Os bandidões aparecem e acabam com o sujeito, que despenca pelas escadas, enquanto Davey bate em retirada. Logicamente, ninguém acredita nele, ainda mais depois que os bandidos escondem o corpo.


Dá tempo para falar mais uma curiosidade: o jogo de videogame se chamava também Cloak & Dagger, e era um jogo real, para consoles mais avançados do Atari (não para aquele Atari clássico, que muitos daqui tiveram). Fica já na cara como o filme estava começando a fazer merchandising, primeiro com o jogo de tabuleiro e agora com o jogo de videogame.


Acontece que no filme o tal cartucho havia sido hackeado pelo FBI, onde puseram alguns chips onde estavam várias informações secretas escondidas. Para ver tais informações, era necessário jogar e atingir um determinado placar. Sem dúvida outra das idéias sensatas do filme, nada como um jogo de videogame para guardar segredos militares de ponta, obrigando o sujeito a perder tempo jogando um joguinho muito muquirana na minha opinião.

Aliás, engraçado ver como tudo que era filme estava nessa linha de colocar videogame no meio da história. Como no Último Guerreiro das Estrelas (do qual eu falei aqui) e Tron. Isso me deixava com medo de "zerar" os jogos do meu Atari, me lembro até hoje do cagaço que tive quando cheguei no final de Demon Attack, em que a tela ficava preta e um barulho terrível começava a tocar, eu imaginava se iria aparecer um alienígena pra me sequestrar...

É hora de apresentar os bandidos da história, o chefão deles é o tal de Rice, com uma cara de metidão, parecia aquele amigo do Axel Foley nos filmes do Tira da Pesada, que está atrás do cartucho de videogame para passar algumas horas brincando...


Mas o engraçado mesmo é a dupla abaixo, o babaquara de bigode e que parece sempre fazer uma cara de quem está fazendo força pra soltar um barro e um chicano metido com cara de babaca chamado Alvarez. Aliás, esse é o típico nome genérico de bandido latino-americano em filmes, qualquer filme que tenha um colombiano, mexicano ou outro latino, sempre tem um Alvarez. Como sempre tem um árabe chamado Mohammed ou alemão chamado Fritz.


Davey é levado para casa pela polícia, onde leva uma bronca de seu pai, que acha melhor levar o garoto para um manicômio. Onde já se viu, ficar imaginando agentes secretos imaginários? Acaba que o pai dele não deixa ele jogar videogame, confisca os jogos de tabuleiro e ainda o manda atender o telefone, que acaba sendo o Rice ligando para checar se ele mora ali mesmo.

No dia seguinte, é só o pai de Davey ir para o trabalho que a dupla Alvarez-bigode tenta atacá-los. E perceba que o bigodão conseguiu chegar ao limite do ridículo, ao andar por aí com essa calça de moletom que parece uniforme de colégio de segunda...


Davey consegue fugir dos assassinos, e vai então visitar o seu amigo barbudo e pedófilo, que está mais preocupado em saber se o filho da puta (caramba, que trocadilho mórbido com um moleque órfão) trouxe o chocolate dele, e também em jogar um dos jogos mais escrotos que eu já vi na minha vida, no qual ele fica mexendo com quadrados coloridos na tela...


Morris acaba abrindo o cartucho e descobre que tem um microchip ali dentro, que pode conter alguma informação secreta. Bizarro como o FBI chegou com uma idéia tosca dessas, de colocar informações ultra-secretas em um jogo de videogame. O barbudo então começa a jogar o jogo para tentar descobrir o segredo, bem na hora em que os bandidos ligam para Davey, dizendo que se ele não levar o cartucho de volta eles vão brincar com sua amiguinha Kim. Com a sugestão de Jack Flack, Davey pega um dos cartuchos do mesmo jogo da loja de Morris, e vai encontrar os bandidos...


Entendi... Foi o amigo imaginário de Davey que o mandou roubar um jogo...

Davey vai então para o parque, fazer a troca com Rice: o cartucho pela garota. A troca é feita, e Davey ainda atira na cara de Rice com sua arminha de tinta. Acontece que o garoto é muito burro, dando um cartucho com a etiqueta da loja de Morris, pior que isso só se ele tivesse colocado um mapa pra chegar lá. Davey e Kim se separam, depois que o garoto finge que vai chamar o Hugo no colo do motorista de ônibus, com os bandidos indo atrás dele, atirando pra matar. Mas sabemos bem que nos filmes normalmente os vilões sofrem de complexo de Stormtrooper, e não acertam nenhuma bala no pivete.


Nessa hora, Morris já tinha acabado de zerar o jogo, chegando ao placar de 1 milhão e 329 mil falado pelo moribundo cara do FBI, o que faz aparecer umas telas de segredos da Força Aérea.


Segredos uma pica, pois tudo se resume a algumas animações meio toscas de um caça invisível, depois do programa ficar dez horas apitando de forma chata com a cara de uma águia americana retardada.

Convenientemente, nessa hora Rice havia acabado de chegar na loja, para zerar com a vida de Morris...

Davey continua fugindo, procurando se misturar no meio das pessoas para que os bandidos não o matem. E aí temos uma das cenas mais hilárias do filme, no barquinho que passeia pelo rio. Davey compra um ingresso e o bigode já sai tentando furar a fila, levando um esporro de um barbado, saindo rosnando...


O pessoal vai entrando no barquinho, um por um, até que quando chega na vez do bigode e do Alvarez entrarem, já não tem mais espaço, deixando os dois com cara de cu sem pestana...


Mas pelas leis da conveniência dos filmes, tinha um casal no barco, e a mulher viu que perdeu a carteira, e os dois deixam o barquinho, dando espaço para a nossa dupla de bandidos de araque.

Começa então uma cena ridícula... O garoto levanta, e procura outro lugar longe do chicano...


... e o Alvarez levanta, pra sentar perto dele, levando um esporro do guia do barco.


Aí o garoto levanta de novo, vai o Alvarez atrás, e leva outro esporro... Ao sentar, o chicano acaba dando um esporro num casal, sentando bem no meio deles. E de quebra mandando um sorriso maroto pro Davey.


Nessa hora somos apresentados a um casal de velhinhos, que logo acolhem Davey. Certamente por não desconfiar os sexagenários, ele conta que o Alvarez está tentando matá-lo, embora a velhinha imagine que o cara parece mais um pervertido... É, nesse filme tá cheio de pedófilos, era de se esperar que alguém tivesse essa impressão.


Nessa hora, Alvarez dá o sinal para o bigode, que dá um berro, grita "Fogo!", e o guia pergunta "Onde???". "Ali, no motor!" responde o bigode. Aí começa um tumulto, com nego se jogando no rio, histeria total, e nem uma pôrra duma fumacinha, mostrando que as pessoas que estavam nesse barco não deviam fazer muita idéia de como um fogo é.

Nessa hora o Alvarez saca a faquinha...


... dá seu sorriso maroto patenteado...


... e Davey sai correndo, pulando em outro bote e se mandando. Se o puto do chicano não tivesse parado pra dar o sorrisinho, teria furado o garoto.

Davey consegue assim se livrar por um tempo dos bandidos, e sai correndo até a loja, onde encontra Kim chorando diante de um monitor furado por uma bala, dando a entender que o Morris perdeu sua vida, e na vida real não tem continue. Me admira ver que ninguém estava saqueando a loja de videogame, ou que Rice não estava esperando em um canto da loja para abusar das crianças e matá-las, não necessariamente nessa ordem. Não duvido, considerando que metade dos adultos desse filme tem cara de molestadores de menores.


Seguindo a sugestão de Jack Flack (fico me perguntando de onde vem essas sugestões, já que o Jack Flack é fruto da imaginação de Davey), o garoto volta no prédio onde a merda toda começou e procura o carro de Rice, quando percebemos que as pessoas nessa cidade realmente não ligam muito para a segurança, largando os seus carros abertos sem a menor cerimônia, só faltava deixar a chave na ignição. E Davey descobre no porta-malas o corpo de Morris.

UM DEFUNTO!!!

Desculpa, isso é de outro filme... A cena correta é essa...


Na correria, Davey se esconde no porta-malas, sendo levado para o ponto de encontro, onde Rice vai dar o cartucho de videogame para alguns outros bandidos novos, um deles que tem 3 dedos em uma mão. A entrega seria feita no prédio histórico do Álamo, onde por coincidência (ou não) Davey encontra o casal de velhinhos mais uma vez, para os quais conta toda a história. Engraçado como sempre ninguém nunca desconfia dos idosos... Mas, afinal, quem desconfiaria de um vovô e uma vovô tão simpáticos?

Rice larga a maleta com o cartucho em um canto, e Davey tenta pegar, mas alguém grita ladrão e um segurança barbudo o agarra. Aliás, um segurança com a maior cara de molestador de crianças que deve sempre arrumar uma desculpa para deter menores infratores, para levá-los para uma sala e fazer uma revista em todas as suas cavidades com o longo braço da Lei...


Depois de todo o tumulto formado, os velhinhos vão lá para ajudá-lo, contando uma história boba, enquanto Rice tenta sair de fininho, mas logo o segurança o chama e começa então o acerto de contas. A velhinha leva Davey para o carro enquanto o velho conversa com Rice. Tudo resolvido, o velho volta e eles vão dirigindo embora daquele lugar...

Isso aí Davey... Nunca te ensinaram a não confiar em estranhos? Por mais que sejam velhinhos todos bondosos?

Davey descobre então, para a sua alegria, que o velho fez algum truque vudu abra-cadabra para trocar a bolsa com Rice e assim pegar o cartucho...

... mas Davey descobre também que a velhinha tem só 3 dedos na mão! Sim, os dois são os espiões que estavam para fazer a troca do cartucho com Rice! Não disse para não confiar em estranhos?


Sério, sempre que vejo essa cena da velha revelando sua mão deformada me dá calafrios...

Os velhinhos o botam pra dormir (não de vez) e o entregam para Rice e seus capangas, que não conseguem perceber que ele está fingindo que está dormindo no porta-malas. Demonstrando toda a sua inocência e burrice, Alvarez e o bigode largam Davey ali. Incentivado por Jack Flack, o moleque consegue sair do porta-malas pelo banco traseiro e encontra algo que a geração de hoje não deve fazer idéia que já existiu: um telefone no carro, que ele usa para ligar para Kim, pedindo para ela correr para o aeroporto e procurar os velhinhos. Logo os bandidos aparecem, e temos um diálogo bizarro:


Alvarez: "O que é isso?"
Bigode: "Um abridor de porta de garagem"
Alvarez: "Rá, o que vai fazer, esmagar ela com a porta da garagem?"

Muito estúpido esse latino, não é à toa que no original Rice o chama de idiota.

Na verdade, Rice (que certamente nesse momento começou a se arrepender de contratar o estúpido do Alvarez) havia colocado uma bomba no walkie-talkie que a garotinha está levando, que iria explodir em uma hora. Davey então decide agir e tenta dirigir o carro, com resultados bem desastrosos... O mais legal é ver o Rice pedir para não atirarem no carro dele, como se fosse fazer alguma diferença. No final eles desistem e partem pra fuzilar o carro, com Rice e Alvarez fazendo pose de soldadinho de brinquedo atirando.


Depois de fuder de vez com o carro ao bater com ele numa construção, Davey sai correndo, deixando Rice ver seu patrimônio debaixo de pilhas de concreto. Nesse momento nos damos conta de como o chicano é mesmo um idiota, após eles chegarem até o carro abandonado, abrir a porta e ver que não tem ninguém, ele me vem e solta uma dessas...


Alvarez: "Ele sumiu."
Rice: "Não brinca, Alvarez..."

Foda esse Alvarez... É um toupeira mesmo...

Não demora muito e o primeiro bandido a comprar uma fazendo é o bigode, dirigindo uma van e ao errar Davey ele acabou entrando direto em uma loja. Nessa altura do campeonato, vendo um cara morto de verdade, o moleque começa a borrar as calças e sai correndo, indo parar perto dum rio, onde ele acaba se machucando por não saber correr direito. Jack Flack então dá a idéia de fazer a tática do fogo cruzado, de deixar um bandido passar e depois chamar a atenção de outro. E esse primeiro bandido era o Alvarez, que acaba cometendo um ratocídio...


Por ter cometido esse crime hediondo contra um pobre rato indefeso, Davey chama a atenção de Rice, que sai atirando feito um canalha, fuzilando Alvarez. Lá se foi o chicano...


Embora eu imagine que Rice fuzilou o mexicano por já não aguentar mais os comentários estúpidos dele, certamente depois de ver Davey passar correndo Alvarez iria proferir alguma coisa como "Ele passou correndo." Enquanto isso, depois de muita insistência do Jack Flack chamando-o de mulherzinha, Davey pega a arma do chicano e sai correndo. Logicamente, como é um garoto burro pra cacete, ele acaba indo para um lugar deserto e sem saída.

Temos então a cena final, o confronto com o chefão... E Rice segue todos os clichés de bandidão, fazendo o discurso longo, dizendo que Davey é chato pra caralho e atrapalhou todos os planos, e que ele vai matá-lo ali mesmo lentamente e depois vai enfiar uma tora de árvore no lugar onde o Sol não brilha, essas coisas que os vilões dizem que vão fazer mas no final não fazem... Bandidos são assim, em vez de fuzilar logo o pentelho, fica de enrolação...


Aí Jack Flack se emputece e decide fazer alguma coisa, indo prum canto, fazendo Davey se distrair e gritar para o lado, o que leva Rice a atirar no meio do nada. Desesperado por Rice ter atirado em seu amigo imaginário, Davey finalmente cresce um par de bolas e atira no pilantra, que voa pra tomar um banho no rio e dormir com os peixes.


Mas Davey fica todo putinho com o que Jack Flack fez, culminando no momento em que ele chora que nem uma menina e pisa em cima do boneco do Jack, dizendo que não quer brincar mais. Só isso faz com que por algum motivo estranho os tiros que Rice disparou comecem a sangrar no corpo do herói imaginário. Após um momento de tristeza e comoção no qual Davey se arrepende de ter dado um pisão em seu amigo, Jack Flack pede um cigarro (sim, naquele tempo não era politicamente incorreto um adulto fumar em um filme) e desaparece para sempre, e Davey precisa ir correndo para salvar Kim antes que ela exploda.

Na cena do aeroporto, o que acho interessante observar é como a segurança mudou bastante, ou esse aeroporto era mesmo de araque. Enquanto Kim tenta convencer os seguranças do aeroporto de que tem um casal de velhos tentando fugir com planos do governo (se fosse hoje teriam fechado o aeroporto e prendido todos os casais de velhos), os nossos bandidos da terceira idade já estão quase embarcando, tendo passado pelo detector de metais. Davey havia conseguido chegar no aeroporto e sai correndo atrás deles.  Se fosse hoje já teriam duzentos seguranças pulando na cabeça dele, mas aqui tem só um negão que os segura.


Davey então diz que eles são seus pais, uma idéia tão escrota que até mesmo o velhote acha absurdo que um casal daquela idade poderia ter um filho daqueles, afinal de contas o Viagra ainda não havia sido inventado. O moleque fala que eles têm um de seus jogos de videogame na bolsa, e é nessa hora que Kim sai de uma porta ali perto e Davey faz um escândalo para pegar o walkie-talkie explosivo dela, o suficiente para distrair o negão e permitir que o velho roube sua arma, enquanto a velhinha de mão fudida o segura. O casal se dirige então para o avião, onde provavelmente vão abusar do garoto à moda antiga...


É, chega de piadinhas a respeito, já perdeu graça faz tempo... Vamos continuando que o filme já está acabando.

No caminho temos uma cena bizarra onde um babacão que parece o Will Ferrel sai andando que nem uma gazela prenha na direção dos velhinhos, mesmo vendo uma arma na mão deles.


O velhote então manda uma bala no meio da perna dele, para deixar de ser babaca.

Interessante que só com o tiro todas as centenas de pessoas no terminal percebem o que está acontecendo, ninguém aparentemente achou estranho um casal de velhos segurando um garoto pelo pescoço e segurando uma arma... Se fosse hoje já tinha aparecido um esquadrão da SWAT fuzilando os gagás. E o mais interessante é que, mesmo se tratando de um vôo internacional (os velhinhos iam para o México), a pôrra do aeroporto não tinha nem um finger para ir para o avião, tinha que sair andando pela pista mesmo. Pior que pegar aqueles ônibus de aeroporto...

Nessa hora o pai de Davey e a mãe de Kim já estavam no aeroporto, onde temos o momento "oh" quando a menina se reencontra com a mãe. Os velhotes ameaçam explodir a cabeça de Davey depois de obrigá-lo a comer a refeição da classe econômica se não mandarem um piloto lá, e nessa hora o pai do garoto se prontifica, indo até o avião.

Enquanto isso, Davey está lá no avião, e depois de abrir o walkie-talkie ele vê que tem poucos minutos até virar fumacinha. Como se espera, a bomba tem um monte de fios, e a primeira coisa que alguém tenta fazer é puxar um deles, em vão. Penso que esses fios devem só para trollar as pessoas que tentam desarmar uma bomba, ainda mais nesse filme, onde o relógio parava por um segundo, só para dar aquela impressão de que havia funcionado, para então começar a contar de novo.


O pai de Davey tenta então um plano, pedindo para ver o garoto, e nessa hora a vovó percebe que tem uma bomba, chamando pelo seu marido. É quando então ele faz aquilo que eu sempre gostaria de fazer se eu fosse piloto, dar uma acelerada no avião quando tem gente em pé, seria sensacional fazer isso após o pouso em um dos vôos da ponte aérea, onde aqueles executivos engravatados e metidos já soltam o cinto e se levantam tão logo as rodas tocam na pista. Abrindo a janela da cabine, o pai de Davey (que eu percebi agora que não faço idéia qual é o seu nome) o ajuda a sair. Enquanto isso, os velhinhos tentam desarmar a bomba, sem sucesso.


Davey vê então o avião andando pela pista, e corre atrás dele, desesperado ao ver ele se transformar em uma enorme bola de fogo. O garoto se desespera, logo após ter perdido sua mãe ele no mesmo dia perde seu amigo imaginário e seu pai, imaginando ter que ir para um orfanato...


Mas eis que um vulto começa a caminhar em sua direção... Que dá toda a impressão de ser Jack Flack.


Só que na verdade é o pai de Davey! Oh, como assim? Será que o cara tem pele de amianto, pombas?


E os dois se abraçam, com Davey dizendo que não precisa mais de Jack Flack, pois tem o seu pai. The End.


Enfim, Os Heróis Não Tem Idade é um filme bem simpático e legalzinho de se assistir, era bem divertido ver Davey enfrentar os agentes secretos como gente grande, sempre contando com a ajuda de seu herói imaginário Jack Flack. Um bom filme para crianças na minha opinião, logicamente se você não for um desses alienados politicamente corretos de hoje em dia, que acha que só pelo fato de ter armas o filme é impróprio...

Nenhum comentário: