sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Empresas aéreas do Brasil

Sempre fui um texugo que gostou de tecnologia. E nada mais sensacional de tecnologia do que os aviões modernos, algo simplesmente fascinante, é o meio de transporte que mais gosto. Afinal de contas, os carros, apesar de serem também maneiros pra cacete, sempre vão remeter de alguma forma às carroças, nada de muito espetacular em meios de transporte terrestres; mesma coisa os trens, desde que o ser humano é gente que ele consegue se locomover na terra; e os navios também, desde Noé que barcos já flutuam pelos mares. Agora, para se deslocar pelos ares, a Humanidade precisou de muito empenho, dedicação e tecnologia, desde a época na qual Santos Dummont voou no seu 14 Bis.

E se tiver alguém aqui que ache que os irmãos Wright foram quem inventaram o avião, que se exploda!

Como sou um texugo civil, minha única chance de voar em um avião é mesmo quando estou indo para algum lugar, apesar de sempre nutrir desde pequeno o sonho de pilotar um caça de combate, algo que vem desde os tempos em que eu assistia Top Gun. E para a minha felicidade, desde moleque eu tive a oportunidade de viajar de avião, em muitas de minhas férias passadas na Disney. Bons tempos, nos quais se voava em uma Varig que era referência em termos de serviço de bordo e seus fantásticos aviões. Muito legal a pintura deles, na época mais clássica.


Varig que se extinguiu, depois de muitas falcatruas que ocorriam dentro de empresa... Se juntando a outras companhias finadas como a Vasp, cuja única lembrança até certo tempo atrás era uma carcaça largada no aeroporto de Congonhas...


... e a Transbrasil, com sua pintura afrescalhada de arco-íris.


Hoje, nos céus brasileiros temos algumas poucas companhias aéreas, muitas delas que se relegam somente ao papel de servir no território nacional. Para viajar para fora, temos muitas vezes que recorrer a companhias internacionais, se bem que hoje em dia viajar tem se tornado algo cada vez mais acessível, qualquer capiau consegue ir numa agência de viagens e programar as férias para os States, pagando o pacote com passagem, hotel e passeios em 184 vezes.

Com isso, para ocupar um pouco de espaço aqui no site, e variar um pouco as postagens, decidi falar aqui um pouco a respeito das companhias aéreas brasileiras, comentando sobre seus aviões e atendimento. Apesar de voar com certa frequência por motivos de trabalho, ainda tem algumas que eu não tive a oportunidade de voar. Me baseei pela lista apresentada aqui, nesse site do Terra que achei legal.

Para facilitar vamos de ordem alfabética mesmo, e que acaba quase sendo uma ordem em termos de preferência também. Começamos com a Azul, que é mesmo uma companhia excelente. Trabalha com jatos da Embraer, que além de valorizarem a indústria nacional são muito confortáveis, com bom espaço para colocar os pés. Sem falar que são aviões bem novos. Ela opera com outros aviões mais modestos da ATR em rotas mais curtas também.


Mas o serviço de bordo é um show à parte, com suas televisões individuais. Ainda não tive a chance de pegar essa fase mais recente, mas agora até TV ao vivo eles passam, dá até para assistir um jogo na telinha.

E em termos de lanche é bem legal também. Eles tem batatas fritas, biscoitos doce e salgado e outras bobagens. E você não precisa escolher um deles, pode pegar todos e até mais de um! Tudo com a embalagem personalizada deles, um toque a mais de consideração. Uma companhia da qual eu gosto, vale a pena mesmo.


Seguindo, temos outra que é de destaque, a Avianca. Para quem não sabe, essa era a antiga Ocean Air, que acabou comprando a colombiana Avianca, assumindo a marca mais conhecida mundialmente. O braço regional herdou algumas velharias como os Fokker 100, embora sejam até aviões estilosos na minha humilde opinião, acho que já deram pro gasto...Mas show mesmo é voar nos Airbus mais novos...


A Avianca é outra da qual gosto muito. Pelo menos os Airbus são bem novinhos, e o atendimento é de primeira, com lanches sensacionais. Não é qualquer companhia aérea que dá para você em um vôo da ponte-aérea uma fatia de pizza e uma porção de sorvete de chocolate! Sem falar no sistema de entretenimento que é nota dez. Tudo bem que não tem TV ao vivo, mas tem Simpsons e Big Bang Theory, sem falar que possui até mesmo alguns joguinhos de videogame.


Tanto que fiquei puto dentro das calças, quando no meu último vôo pela Avianca o controle estava quebrado... Queria muito jogar aquele jogo parecido com o Show do Milhão... E apenas como nota, essa foto achei na Internet, antes que venham a pensar que eu pinto as unhas.

Chegamos então em uma empresa de porte... A Gol tem forte presença no território nacional, operando somente com Boeings 737, alguns relativamente novos. E tem vários acordos com empresas estrangeiras também. Absorveu muito do que era da Varig, tanto que alguns aviões ainda ostentam a pintura antiga.


Acontece que a Gol é uma empresa que está cada vez mais seguindo a linha de low-fare, embora seja comum encontrar passagens mais baratas por empresas de melhor qualidade, como a Avianca por exemplo. Voar num avião deles não é o pior dos mundos, mas não se tem o mesmo conforto das duas empresas acima, parece quase um ônibus lotado.

Quanto ao serviço de bordo, é sofrível... Quando tem, é sempre uma bobagenzinha, como um pacote de amendoim e um copo de suco ou refrigerante, sem direito a repeteco. Bom, isso em alguns vôos e até algum tempo atrás, pois agora o sujeito precisa comprar o lanche! Parece que ela está incorporando as idéias da Webjet, que era sua subsidiária... Sem dúvida, uma empresa que só pego se o preço e o horário são muito atrativos...

A próxima companhia é um dos pesos-leves, bem menos conhecida, a Passaredo. Nunca voei nessa empresa, que opera em maior parte jatos menores da Embraer e é sediada no interior de São Paulo. Dizem ser simpática também, embora costume operar mesmo entre cidades menores. Uma opção interessante...


Essa seguinte eu coloquei mesmo de sacanagem, pois acho que é meio exagero de chamar a Puma Air de companhia aérea. Tá, com todo o respeito, mas uma empresa que possui somente um 737-300, baseada em Belém do Pará certamente não deveria ter muito destaque. Tanto que ela decretou falência, e seu único avião está parado lá em Belém. Pelo menos tem uma pintura simpática...


Depois nós chegamos em outra empresa de maior destaque, a TAM. Essa é talvez a empresa de maior porte aqui no Brasil, dispondo de uma grande variedade de aeronaves, indo desde uma grande variedade de modelos de Airbus e passando até por alguns Boeing 777.


A TAM é hoje a única companhia nacional que possui vôos com destino ao exterior, usando os aviões de grande porte. Nunca tive o prazer de voar neles, onde imagino que o serviço de bordo deve ter um nível um pouco melhor. Dizem que é até boa nesses vôos. Em rotas nacionais, é curioso como depende muito do hórário: vôos pela manhã e final de tarde tendem a ser legais, com um café da manhã razoável ou um lanche que dá pro gasto. Mas evite ao máximo pegar vôo de tarde, pois eles servem os ditos "famosos" nuts, que me lembra aqueles cones de amendoim que a gente compra nos engarramentos na Linha Vermelha ou na descida da ponte Rio-Niterói.


Enfim, a TAM não é das piores, até que é uma companhia razoável de se viajar. Pelo menos não cobra o lanche de seus passageiros.

A Total é uma empresa aérea que coloquei aqui somente por ter finalmente resolvido a minha curiosidade. Embora ela tenha até mesmo alguns aviões de pequeno porte para transporte de passageiros, ela tem uma atuação mais expressiva no setor de cargas aéreas. É que eu sempre vi os aviões dessa companhia em vários aeroportos, e nunca fazia idéia de que empresa eles faziam parte.


A companhia seguinte é a Trip, outra que não pude voar ainda. Ela hoje faz parte da Azul, operando com aviões semelhantes, desde turboélices como o ATR abaixo e versões menores dos jatos da Embraer. Faz vôos entre aeroportos menores, e pelo que meus conhecidos dizem segue o mesmo padrão da Azul em termos de qualidade de atendimento.



Por fim, chegamos na última empresa, que também era na minha opinião a pior de todas. A Webjet conseguiu descer a um patamar mais baixo em termos de companhia de baixo custo, que chega a dar vergonha. Durante algum tempo ficou por conta própria, até fechar um consórcio com a Gol, e por fim chegar à sua extinção alguns meses atrás. Ela operava somente com 737 antigos, embora recentemente era possível ver algumas versões novas em operação.


Em termos de conforto, nem bancos reclináveis se tem. E o serviço de bordo era algo nulo nessa companhia de baixíssimo custo. O mais engraçado é que eu já tive a oportunidade de voar com a Webjet nos primórdios, e até que tinha um atendimento legal, com direito a um dos melhores pães de queijo que já comi a milhares de metros do solo. Mas recentemente eles passaram a adotar um cardápio, onde você escolhe o que quer comer, e tem que depois pagar para a aeromoça-garçonete (cash only), que vinha com uma pochete cheia de trocados. Tudo bem, essa até é uma tendência mundial em termos de companhias de baixo custo, mas os preços de algumas coisas são bem salgados, e teve época que até água era cobrada!


Se bem que confesso que não resisti, e na última vez que voei de Webjet, acabei comprando um aviãozinho de borracha! Serve como recordação da finada empresa aérea.


O mais engraçado é que a foto acima eu peguei de um anúncio no Mercado Livre, de um malandro cobrando 400 pratas por ele. Meio sem noção, mais caro que uma passagem da Webjet, pombas!

Um comentário:

Anônimo disse...

Só agora vi minha foto do aviãozinho de borracha no seu blog.... kkkkkkk

Foi de sacanagem que fiz o anúncio revoltado pelo fim da empresa e pelos mais de 800 funcionários que foram demitidos injustamente com promessa de reintegração na gol.

Mas ri muito hoje pela reportagem parabéns.