sábado, 10 de março de 2012

O Grande Dragão Branco

Mais um daqueles clássicos da Sessão da Tarde, quem é que nunca viu esse excelente filme do Jean Claude Van Damme? Pra quem gosta de um bom filme de macho, cheio de lutas e muita porrada, "O Grande Dragão Branco" é um prato cheio, pena que hoje não se fazem mais filmaços empolgantes como esse clássico.

Para justificar a porradaria, o filme traz a história de Frank Dux, representado pelo Van Damme, uma história real diga-se de passagem. Desde pequeno ele foi treinado por um mestre, o grande Shidoshi Tanaka, e então ele decide honrá-lo lutando no perigoso Kumite, um campeonato de vale tudo disputado em Hong Kong.

O shidoshi ensinando pro Van Damme como apanhar de uma vara

Durante a trama ele acaba conhecendo outro americano, o figura Ray Jackson, e também aquele que viria a se tornar o seu rival, o campeão Chong Li. Claro que tem outras historinhas paralelas, como a repórter feinha que se apaixona pelo Van Damme e quer fazer uma matéria sobre o torneio, e os caras do Exército que tentam em vão levar Dux de volta para os EUA, mas o mais legal é realmente ver as lutas.

Confesso não ser um grande fã dos filmes do Van Damme, diria que ele tem uma pinta de viadinho... Afinal de contas, ele sempre aproveita alguma oportunidade em seus filmes de ou mostrar a bunda ou então de fazer a mesma pose homossexual de ficar com as pernas abertas que nem uma gazela prenha. Mas sem dúvida O Grande Dragão Branco é uma de suas melhores atuações, pelo menos no que diz respeito às lutas.

Pra fazer isso só não tiver saco! Como diria o Ray Jackson: "Dói só de olhar."

Junto com o Van Damme, está o figura do Ray Jackson. Fazendo o tipo de durão e falastrão, é até engraçado escutar as baboseiras que ele fala. Mas ele só consegue arrebentar a napa de um japinha, depois quando vai encarar o Chong Li ele apanha feio e vai parar no hospital.

"Tá esticadão!!!"

Claro, o maior destaque de todo o filme é o vilão Chong Li... Não tem jeito, assim como Darth Vader é mais cultuado do que Luke Skywalker e os Cobras são mais maneiros que os G.I.Joes, o bandidão aqui é realmente muito foda! Campeão do torneio, ele é impiedoso com seus adversários, tem neguinho que sai do ringue com a perna quebrada e um japa que ele mata sem piedade.

E tudo isso sem precisar falar quase nada! Sério, o ator Bolo Yeung (que já participou de filmes com o grande Bruce Lee e estava quase com 50 anos na época do filme) pronuncia algumas poucas sílabas, mas suas frases são inesquecíveis e de efeito, como "Muito bom... Mas tijolo... não revida!", "Você quebrou meu recorde... Agora vou quebrar você, como quebrei seu amigo!" e...

"Você é o próximo!"

E o que seria de um filme de luta sem os lutadores coadjuvantes, que servem apenas de saco de porrada? Aqui temos um prato cheio de sujeitos ridículos e até um pouco cômicos, como o gordão Pumola, lutador de sumô que perde a luta para Dux depois de levar um mega soco no saco.

O clone banhudo do E.Honda.

Outro bizarro, Ricardo Morra é um neguinho que fica pulando no ringue que nem um sapo!

Mais ridículo, só se botasse uma sunguinha rosa.

Tem também o barbudo Paco, o lutador de Muay Thai que apanha que nem cachorro de pobre do Van Damme.

Uma mistura entre Sagat e o vendedor de frios do mercado.

Sadiq Hossein é o árabe babaca, que tenta "ensinar um truque ou dois" para Dux e acaba ajudando-o a quebrar o recorde de knock-out mais rápido.

"Rá! Perdeu, americano cabeça de bagre!"

Suan Parades é outro merdel, esse aqui acaba tendo a perna quebrada pelo Chong Li, em uma das cenas mais violentas do filme.

Paredes momentos antes de ficar perneta.

E Chuan Ip Mung é quem acaba saindo do Kumite dentro de um saco plástico, depois de ser morto no ringue pelo Chong Li.

Chong Li wins! Fatality!

Por fim, tem ainda o negão João Gomez, feio pra burro, que fica cheio de firula antes da luta, muito hilário que ele toma um chutaço no meio dos cornos do Van Damme aos 2 segundos da luta! Só pra figurar mesmo...

Negão cheio de firula, 0.001 segundo antes de levar um chute nas fuças!

A luta final, entretanto, é uma bizarrice só. Era pro Chong Li virar o Van Damme ao avesso de tanta porrada, mas o china decide trapacear, jogando pó de mico na cara dele, afetando a sua visão. Tenho certeza de que você se lembra dessa cena, na qual o Van Damme dá um ataque de bichice e sai gritando feito um bebê, com uma cara de idiota, durante uns quase cinco minutos.


Porém, mais idiota foi o Chong Li, que deveria ter aproveitado o momento de choro da bicha do Van Damme para cobrí-lo de porrada ainda mais e virar campeão. Deu tempo para que ele se lembrasse dos seus momentos íntimos com o Shidoshi, onde aprendeu a jantar com uma meia amarrada na cara, e aí mesmo sem enxergar nada o Van Damme consegue vencer, e da maneira mais humilhante possível para Chong Li... Não, o mais humilhante não foi ter que dizer "matê" para arregar da luta; foi ter que aturar o Van Damme quase o enrrabando na frente do público todo...

"Eu disse MATÊ, e não METE, pôrra!!!"

Existem algumas cenas clássicas ao longo do filme, como no início onde o Van Damme quebra o tijolo de baixo de uma pilha, usando o mortal Dim Mak, ou o Toque da Morte, veja o vídeo dublado, que também tem a cena do negão levando o nocaute mais rápido da história.



Bizarro o japinha: "E qual a diferença se Chuck Norris é o shidoshi dele?". Sensacional a dublagem da época, esse é um dos poucos filmes que ver em português é muito melhor!

Fica ainda uma curiosidade videogamística: tá na cara que o personagem Johnny Cage do Mortal Kombat foi baseado no Frank Dux de O Grande Dragão Branco. É só ver a mesma roupinha gay que é usada pelo Van Damme na luta final, e até mesmo o golpe do soco no saco foi copiado por Cage.


Sem falar que o filme é dotado de uns momentos bizarros, dignos daquele humor despretensioso dos anos 80. Como logo no início, quando o Van Damme vai visitar o seu mestre doente, que está largado num canto olhando pro teto.

"Está acordado, Shidoshi?"
"Você dorme com os olhos abertos, seu babaca?"

E quem se esqueceria daquele velho chinês babaca?

OK USA!

Um grande filme com certeza, presença garantida na seleção da Sessão da Tarde.



"Chong Li... Chong Li... Chong Li..."

Só uma última curiosidade: essa é talvez uma das postagens que mais demorei para publicar, tinha coletado as imagens e tudo mais, só que fui empurrando, empurrando e empurrando... Comecei a escrever em dezembro de 2009, e depois de ver esse filme passando outro dia na TV deu vontade de concluir de vez.

4 comentários:

Alôcka disse...

Passo um tempão sem vir aqui, mas sempre encontro alguma postagem legal ou falando de algo q eu gostava, como por exemplo, esse filme!
Eu aluguei um monte de vezes em vhs, vi diversas vezes na sessão da tarde(uma espécie de limbo onde esse filme está preso eternamente, ahaha), eu e meu primo ficávamos idolatrando o filme e tbm tentando fazer a tal da abertura com as cadeiras, nem preciso dizer q ngm chegou nem perto do resultado ali, ehehe, e vc tem razão, os lutadores coadjuvantes e o Bolo(como a gente ria desse nome)Yeung são um show à parte.
Bom, muito bom, pura nostalgia.
Ah, e repórter feinha:ahahaha, coitada!
E saiba que a cena do glúteo era muito valorizada pela ala feminina, ora!
KKKK!!!Me divirto nesse blog.

Anônimo disse...

po eu quero esse filme em dvd pra mim ver em casa deitado na minha cama

O Cometa disse...

Só para constar...

O lutador de Muay Thai que aparece interpretando Paco é Paulo Tocha, um dos primeiros estrangeiros a ir para a Tailândia e fazer sucesso...

Ele foi para lá antes mesmo de Ramon Dekkers e Rob Kamam (dutch duo).

Mora e é extremamente respeitado lá...

Abraços!

Texugo disse...

Valeu pelo comentário, Cometa. Acho que boa parte desses lutadores era mesmo lutador de verdade, e não meros artistas.