quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Bairrismo na tragédia

Mais uma tragédia está estampada nas páginas dos jornais... Ontem à noite, houve um grave desabamento no Centro do Rio, onde três prédios vieram abaixo inexplicavelmente. Até o momento dessa postagem, cinco vítimas confirmadas, alguns feridos sem muita gravidade já em tratamento, mas ainda em torno de 15 desaparecidos. As buscas continuam por sobreviventes.

Os três prédios ficavam em uma região de grande movimento, ao lado do Theatro Municipal e próximo de vários edifícios e construções, como a Biblioteca Nacional, a sede da Petrobras e a estação de metrô da Cinelândia. Embora ainda seja cedo para especular as causas, imagina-se que houve uma falha estrutural do prédio maior, de 20 andares (pintado em vermelho, nessa foto que peguei no Terra), que veio abaixo e levou um prédio menor de 9 andares (o amarelo) e um pequeno sobrado (em azul). Nas construções, haviam entre outras coisas, uma agência bancária, escritórios de advocacia e RH e um curso de informática, onde estavam a maioria dos desaparecidos até o momento.


Entretanto, não venho aqui para falar a respeito da tragédia em si, até porque ela ainda está muito recente, e muito precisa ser feito para identificar as verdadeiras causas que resultaram no ocorrido. Minha motivação maior em ter vindo aqui é para falar a respeito de algo que está acontecendo em massa na Internet, nos sites e redes sociais, depois desse desabamento. Trata-se do bairrismo infantil e estúpido de certas pessoas (em sua maioria, paulistas), aproveitando essa oportunidade para menosprezar os cariocas...

Caso o leitor tenha a curiosidade de dar uma olhada no link acima, na sessão de comentários, verá até que ponto o nível baixou. Pessoas que chegam ali, sem cerimônia, e acham graça desse infortúnio, proferem asneiras como "carioca é tudo idiota" ou "mandem as Olimpíadas para SP", e ficam ali se achando os melhores do Brasil. São essas e outras que me fazem ter "orgulho" desse país. Realmente, o povo brasileiro é muito mesquinho e estúpido mesmo, para chegar a esse ponto de rir da desgraça dos outros...

Faço o possível para não descer ao mesmo nível dessa turma, mas é complicado. Já é enjoado ter que aturar uns babacas do meu trabalho que são de São Paulo, que toda hora vem com gracinhas sobre bueiros, balas perdidas e favelas. Sou carioca, e apesar de tudo, gosto de minha cidade. Problemas, certamente ela tem, não estou dizendo que o Rio de Janeiro é uma cidade perfeita. Está longe disso... Mas muitos dos problemas que temos aqui são típicos de qualquer outra cidade grande brasileira, talvez possam haver certas coisas que são mais críticas aqui, mas não tenha dúvidas de que em outros aspectos o Rio está melhor que outras cidades. Problemas tem em qualquer lugar. Inclusive (e muitos deles, principalmente) em São Paulo.

As pessoas precisam ser um pouco mais decentes e solidárias nesses momentos de tragédia, colocar as diferenças de lado e no mínimo ter um pouco de respeito pelos familiares que perderam parentes ou que esperam ansiosos que os desaparecidos tenham sobrevivido. Mas, diferente de outros países mais desenvolvidos, mesmo nesses momentos prevalecem aqui coisas como inveja, ódio e estupidez.

Enfim, mas esse é mesmo o retrato do povo brasileiro. Aqui a maioria das pessoas sofre de algo que defino como um egoísmo corporativista (falando chique, hein?). Quando acontece uma tragédia ou alguma coisa ruim, isso só é visto de forma negativa quando afeta seus semelhantes. Quando acontece a mesma coisa com os outros, não faz diferença. E, em casos ainda mais extremos, se acontece essa mesma coisa com um grupo rival, um adversário ou inimigo político, é uma alegria, uma sensação orgásmica de felicidade, muitas vezes seguida de comentários como "bem feito" ou "eles merecem se f...".

É aquela famosa questão do "mesmo peso e duas medidas" e do "pimenta nos olhos dos outros é refresco"... Duvida?

Explode um ônibus espacial, e as pessoas acham engraçado, fazem piadinha, dizem que os astronautas viraram churrasco; explode uma base de lançamento de foguetes brasileira, aí é uma tragédia, um acidente terrível, foi sabotagem dos americanos.

Alguns adolescentes de classe média-alta matam um índio na rua com requintes de crueldade, tacando fogo nele, e os garotos são tidos como criminosos, tinham que ficar presos para sempre, sem direito à fiança; um fascínora "de menor" chamado Champinha mata um casal de classe média-alta, após ter torturado sexualmente a menina com requintes de crueldade por dias, e ele é um pobre coitado, vítima da sociedade, ganha uma ficha limpa e proteção para sua vida após completar 18 anos.

Um garoto chega nos EUA e entra na escola e mata várias outras crianças, olha só como esse país é uma nojeira, lá só se cria serial killer e assassino, os Estados Unidos não prestam, lugar violento; um garoto chega em uma escola em Realengo e mata várias outras crianças, coitado dele, era judiado pelos amigos, ele foi induzido a fazer isso, logo no Brasil, que é tão pacífico.

Na época da ditadura, militares mataram os revoltosos, e até hoje luta-se para que eles sejam julgados, são considerados como a escória da Humanidade, colocados ao lado dos nazistas que matavam nos campos de concentração; na mesma época de ditadura, os revoltosos também mataram militares e cometeram outros crimes, são vistos como defensores da liberdade, pessoas de bem e ganham como "punição" rios de dinheiro em indenizações.

E agora, é a vez dos paulistas ficarem de palhaçada e zoação com o Rio, dizer que essa cidade não presta, fazendo piada com o que acontece por aqui, dizendo que carioca é tudo malandro, que não faz nada direito. Agora, se acontecesse a mesma coisa em São Paulo, aí seria uma tragédia, uma comoção, iriam lamentar a tragédia e ficar tristes, até botariam uma faixa preta no braço em sinal de luto. A não ser que sejam petistas: aí eles iam reclamar e pedir a cabeça dos tucanos...

Claro, e se eu chegar em um momento desses, após uma tragédia em São Paulo, e mandar uma como "paulista só consegue pegar onda quando o Tietê transborda", vão ficar todos putinhos e me chamar de preconceituoso...

Novamente, faço o possível para não me rebaixar ao nível desses idiotas, mas é interessante observar como que os paulistas são um povo que, em sua imensa maioria, olha para os demais estados brasileiros com nariz empinado. Uma postura arrogante, de achar que são eles os únicos que trabalham, os únicos que levam as coisas a sério e que sustentam o Brasil... Ficam achando que sua cidade é maravilhosa, mas fecham os olhos para as centenas de quilômetros de engarrafamentos, a poluição imensa e as quase inexistentes belezas naturais. Como costumam dizer, quando menosprezam muito alguma coisa, normalmente é por causa de inveja...

Sabe o que é mais engraçado de tudo? Apesar de ficarem com toda essa marra, de ficarem menosprezando o Rio de Janeiro e de acharem São Paulo a melhor cidade do mundo, adivinha para onde que os paulistas vão quando saem de férias?


Como um amigo meu costuma dizer, a pior coisa no Rio são os paulistas que vem pra cá encher o nosso saco com os seus "e aí, mano?" e "pô, meu"...

Nenhum comentário: