terça-feira, 10 de novembro de 2009

Chega pra lá!

Como sou um texugo não motorizado, dependo quase que exclusivamente do transporte público para me locomover pela cidade, seja indo para o trabalho ou para ir em algum lugar qualquer. Como o Rio de Janeiro está repleto de linhas de ônibus, percorrendo os principais bairros da cidade, normalmente essa é a melhor opção, embora tenham vários problemas intragáveis. E uma dessas coisas insuportáveis são os cretinos egoístas que sentam todos espalhados nos bancos, sem o mínimo de respeito pelos demais passageiros.



É sempre a mesma história: entramos no ônibus, com pouquíssimo lugares disponíveis. Aí vemos um banco vazio, mas ao lado de um sujeito sentado com as pernas abertas, como se estivesse cheio de assaduras no saco, ocupando mais que o espaço ao qual teria direito. E não adianta pedir licença, ou mesmo tentar chegar mais perto, na esperança que o folgado venha a se mancar, a não ser que apareça outro banco vago, você terá que passar o desconforto de ficar toda a sua viagem se equilibrando na beirada do assento, sendo esbarrado por qualquer um que passe no corredor...

Observei isso nessa semana mesmo: estava no ônibus e vi um velho com cara de arrogante que praticamente ocupava o banco inteiro. Com as pernas todas abertas, ele quase estava com o pé no meio do corredor. Subiu então um garoto, estudante de escola pública, e o único lugar vago era ao lado do cara. Ele veio, se sentou no estreito trecho do banco ainda disponível, ficando quase de lado. E o velho ainda fez uma cara de quem não estava gostando, de que se sentia incomodado! Ele ficou ali, como uma estátua, e até se expandindo mais, certamente querendo que o pobre estudante fosse jogado no chão, constantemente olhando para o lado com aquela expressão de revolta, achando que estava certo. O garoto tentava em vão uma posição ergonomicamente mais adequada, até que surgiu um outro lugar e ele foi para lá. E me deu um ódio do velho, que ainda se espalhou mais, para mostrar para todos que aqueles dois bancos eram dele e ninguém iria sentar ali.

É um tipo de gente muito desagradável mesmo, dava vontade de encher de porrada. A não ser nos casos de obesidade mórbida, as pessoas com um porte físico normal devem se sentar no espaço reservado para ela, além disso é falta de educação. Afinal, não existe o famoso ditado "o direito de um termina quando começa o de outro"? Sei que seria muito de se esperar bom senso e consideração pelo próximo de um povo ignorante, estúpido e metido a esperto como o brasileiro, mas acho que caberia nessas situações uma adaptação tal como "o conforto de um não pode provocar o desconforto de outro".

Claro, essa revolta não se aplica apenas aos cretinos expansivos que já tomam conta do banco, mas também àqueles abusados que vêm e sentam do seu lado, ocupando o máximo de espaço. Quantas vezes não estou ali, sentado próximo da janela, no meu canto sem incomodar ninguém e ocupando o espaço de uma pessoa, e aparece algum cretino que senta do meu lado se esparramando, me espremendo contra a lateral. E algumas vezes ainda fica com cara de zangado, como se eu tivesse que abrir mais espaço para ele! Sem falar que caso você queria saltar, normalmente essas pessoas chatas não te dão um mínimo de passagem, só se viram um pouco. Acho que eles esperam que a gente dê um salto mortal por cima das cabeças delas. Quando me deparo com esses abusados, não quero nem saber, saio empurrando mesmo.

E o leitor que já passou por essa situação sabe muito bem que quando senta um passageiro expansivo desses, sempre é alguém gordo, suado, fedido e seboso, para tornar a viagem o mais desagradável possível. Queria que pelo menos uma vez sentasse do meu lado uma passageira como essa, não reclamaria nem um pouco se ela viesse pra cima de mim...


Tá certo, não perco uma oportunidade de colocar uma foto de uma mulher bonita num post... É a solteirice que provoca isso, é mais forte do que esse solitário texugo. Vamos voltar ao tema...

Ah, e se os abusados fossem só os que ficam sentados... Tem muitos que ficam em pé quando o ônibus enche, e são tão mal-educados quanto. Não adianta pedir licença, ficam plantados no meio do corredor, ou então fazem o "favor" de se deslocarem 7 milímetros para abrir a passagem. E se você partir pra ignorância e abrir seu caminho na base dos empurrões, ainda te xingam! Isso sem falar naquela turma que traz caixas, malas e isopores e os coloca no meio do corredor, normalmente nos ônibus indo pra Rodoviária, ou então aqueles apressadinhos que só vão saltar no ponto final mas fazem questão de ficar plantados na porta de saída, para ficar mais fácil de descer e para atrapalhar ao máximo quem for descer antes deles...

Enfim, andar de ônibus está se tornando uma coisa cada vez mais desagradável. Já não basta o stress do trabalho e da vida, aqueles que dependem do transporte público sofrem mais. Tenho a plena consciência de que o transporte por ônibus é deficiente, e que as empresas e o governo deveriam dar mais atenção e investir mais verba, mas o que podemos esperar quando o povo não sabe se portar de maneira civilizada dentro de um ônibus ou metrô? Tem vezes que o pior do transporte público é realmente o "público" que viaja nele...

Nenhum comentário: