terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Carnaval vindo aí...

Eu já escrevi várias vezes aqui como o Carnaval enche meu pobre saco. Esse ano a folia ficou para bem tarde, só em março é que começa, mas isso não torna essa festa menos insuportável para este revoltado texugo. Mais uma vez, eu não consegui arrumar nenhum destino longe da baderna do Rio de Janeiro, e vou ter que passar mais uma vez essa semana inteira trancado em casa, evitando sair na rua o máximo possível, morrendo de inveja dos amigos que têm casa no interior ou que arrumaram uma viagem para o exterior.   

Como eu citei nas postagens aqui, eu odeio tanto o Carnaval pois ele é um conglomerado das coisas que menos suporto. Tem a bebedeira exagerada, com nego entornando cerveja até transbordar pelas orelhas, o que traz outras consequências como aos violentos e mijadas pelas ruas; tem as músicas de carnaval, indo desde os sambas-enredo estúpidos até as marchinhas repetitivas e chatas pra caralho; tem a gastança exagerada, com governo, prefeitura e demais órgãos públicos, juntamente com a iniciativa privada, gastando uma fortuna para uma festa de aparências enquanto temos outros problemas mais importantes para resolver, como a saúde e educação precárias; tem a pegação desenfreada, onde a população adota o ideal dos Tribalistas de "não sou de ninguém, sou de todo mundo", com gente se beijando de forma desenfreada e trepando como macacos no cio; tem o espetáculo superficial da mídia, liderado pela Rede Bobo, com os flagras armados e falando sobre pseudo-celebridades as quais ninguém se interessa; tem os blocos de rua, trazendo os tipos mais absurdos, como viados enrustidos que aproveitam a festa para soltar seu lado mais alegre e foliões de fim de semana que só pensam em birita e bunda, atrapalhando o trânsito e incomodando os moradores da região; tem toda aquela aura de se esquecer completamente dos problemas, de rir à toa enquanto sofre durante todos os outros dias do ano com os problemas de nosso país. E por aí vai...

E mesmo a mulherada com trajes mínimos e corpos exuberantes, desfilando na Sapucaí e nos blocos, por mais que seja agradável de se ver... Já está perdendo a graça, considerando que se o interesse é ver uma mulher desfilando um corpo maravilhoso, podemos contar com a Internet pra isso.


Tá, nunca é demais de se ver...

O que acontece é que existe um senso comum que define que o brasileiro deve ser obrigado a gostar de Carnaval. Para todo lugar que você olhe, seja na rua, seja na televisão, sempre está se falando de forma incessante a respeito da "festa da carne", tentando passar aquela imagem de que é a melhor coisa do mundo, de que é a maior espetáculo da Terra, quase a ponto de te obrigar a gostar. É como a mídia que tenta te empurrar que MPB é sensacional ou que as novelas da Globo são o que há de melhor na televisão.

Agora, por que eu não tenho o direito de não gostar dessa pôrra? Por que eu acabo sendo visto como um ser anormal por odiar essa folia?


Não dá para entender de onde vem essa idéia de que nesses quatro dias de folia (pelo menos oficialmente, pois sabemos que o Carnaval dura mais que isso), a pessoa só pode ser feliz se ela cair no samba. Alguma força cósmica escreveu em rocha que somente aqueles que botam uma fantasia, dançam ao som de "Mamãe eu quero mamar" com uma latinha de cerveja em uma das mãos e a bunda de uma mulata na outra é que estão se divertindo, enquanto que uma pessoa que tenta fazer outras coisas nessa época do ano é um doente, um sem noção que não sabe o que é bom da vida.

Tanto que acho que é por isso que as viagens para lugares distantes nessa época de Carnaval são tão caras. Pra incentivar as pessoas a não fugirem da folia e se juntar aos milhões que ficam sambando por aqui...

Só sei que vou fazer o que eu sempre faço nessa época do ano... Vou consultar os jornais para saber os dias e horários dos blocos, para saber que regiões devo evitar, para não cair na asneira de ter me arriscado a ir no Shopping Avenida Central bem na hora que tinha um bloco lá, como eu postei aqui alguns anos atrás. Vou também fazer uma mega compra de comida, de forma a não faltar nada e não ser obrigado a ir na rua, para não ser agarrado por uma bichona travestida como me ocorreu certa vez e falei aqui. Vou trancar as portas e janelas, botar meu ar condicionado em temperatura polar e colocar uma música bem alta, para abafar as mesmas musiquinhas que cantam todos os anos nos blocos que passam aqui perto. Minha diversão será fazer uma maratona de filmes do Schwarzenegger, como Comando para Matar, Vingador do Futuro, o Sobrevivente, o Exterminador do Futuro 1 e 2 e outros clássicos formadores de meu caráter, ou jogar horas e horas uma pancadaria de boa qualidade no Mortal Kombat, como eu fazia quando era moleque.


Aliás, descobri que no último Mortal Kombat fizeram o Cyber Sub-Zero! Puta que pariu, tenho que jogar esse jogo!

Sinceramente... Espero que no próximo Carnaval eu consiga me livrar dessa zorra. Quem sabe, matar dois pássaros com uma pedrada só, indo lá prum lugar frio, onde não exista o menor sinal de Carnaval. Sei lá, um lugar como a Rússia, onde tais festas nojentas seriam prontamente canceladas pelo Herr Putin, onde não correria o risco de escutar uma marchinha bostolenta como "olha a cabeleira do Zezé", e onde poderia ficar encantado com mulheres realmente femininas, elegantes e delicadas como as russas, sempre lindas...


É isso aí, fevereiro de 2015 vamos ver se consigo estar de malas prontas pra fugir dessa merda de Carnaval!

2 comentários:

Anônimo disse...

Concordo com o que você disse , também não me sinto feliz com o carnaval , e acho que este ano para dormir vou ter que fazer isolamento acústico no meio quarto Hahaha

Valeu pelas suas postagens , até quando lembra coisas chatas , faz a gente rir :D

AH , não quero te pertubar e sei que aqui é só um blog para distrair da rotina , mas quando vai sair a postagem do Moonsweeper ? :)

Texugo disse...

Obrigado pela visita, realmente estou devendo a postagem do Moonsweeper, tá na hora de botar um lembrete aqui pra tirar as imagens, falta praticamente só isso. Do Carnaval não passa